Search This Blog

Loading...

Wednesday, December 8, 2010

Puro amor, por ti, acalento...
Todo bem, meu amor, te desejo...
Nada em ti, podes crer, eu condeno!

Sei da sua alma latente e cigana...
Por onde quer que vás,
Meu amor te acompanha...

Se precisas ir,
Vai-te...
Meu amor te escolta...

Se quiseres voltar,
Volta...
Sequer precisarás abrir a porta...
Esperando ansiosa, me encontrarás...

Tu sabes dos meus vícios e pecados,
Meus erros são enormes, disso eu sei.
Que faço se na lua estão meus fados;
Eu juro, meu amor, até tentei,
Mas nada adiantou, alma cigana
Se perde sem remédios, e se engana

Na busca do infinito, vai sem rumo.
Vagando entre as estrelas, nada tem.
Quem sabe, com o tempo, venha o prumo
E possa me entregar ao nosso bem.
Assim enfim felizes, viveremos
Na paz que precisamos e queremos...

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 30/05/2007 14:43:32
Última alteração:05/11/2008 21:48:44


Hoje não quero pensar em mais nada...
Apenas estar contigo...
Gozar este silêncio...
Nesse teu sorriso maroto...
Fácil de perceber ...
O que na mente tens...
Para esta noite....

Silêncios, tantas vezes, dizem tudo,
Palavras? Não preciso pra mostrar
Todo esse amor que tenho pra te dar,
Portanto, amor, não ligue se estou mudo.

Meus versos na verdade, um bom escudo
Que sempre me protegem. Do luar
Eu roubo a claridade pra te dar
No sonho mais feliz em que me iludo.

Percebo em teu sorriso, tão maroto,
As lúbricas vontades... silencio.
De desejos também assim me loto

E rondo teu querer a noite inteira.
Acendo, num momento, este pavio;
Conversa mais gostosa e verdadeira..

MARTA TEIXEIRA
Marcos Loures


Aposentei meu coração amargurado
Pra repousar de dilemas incontidos
Mas, ele é fraco volta forte e vencido
Sorrir contente desafiando o perigo

E silencia ao mirar com mais enlevo
Um afago, uma palavra descuidada
Enrosca-se qual caracol em sua casca
Movido à descoberta em novo espaço

Quem pode olvidar tal sentimento
Envolto em sofreguidão, neste lamento
Amor, dom natural, luz, paz Divina

Recuso-me oh! Senhora a tal tormento
Se amor não há, neste espaço envolvente!
A grandeza da vida rui lenta e descontente!

Dilemas tão difíceis nesta vida,
Amar é ser feliz? Decerto não.
Na lágrima que custa a ser contida
A marca inexorável da paixão.

Entretanto não vejo outra saída,
Escravo desta louca sedução
Que traz, em cada nova sensação,
A Esperança, por vezes vã, perdida.

Inerente à nos mesmos, frágeis tolos;
Não vejo perspicácia que o domine
Nem mesmo solução definitiva.

Semente que fecunda a tantos solos
Não há nada no mundo que extermine
A força propulsora sempre ativa.

SOGUEIRA
Marcos Loures
Publicado em: 31/05/2007 09:39:45
Última alteração:05/11/2008 21:47:34




Mima-me….
Aproxima-te…
Enlaça-me….
O vinho nos copos…
A lareira acesa….
Lá fora, chuva….
Aqui dentro…
Uma chama…………….

Frio? Deixe lá fora, meu amor.
A chuva não terá por certo, encanto,
Deitados nesta sala, aqui num canto,
Dois corpos se aproximam com calor.

Vinho, maravilhoso sedutor,
Aquece meu desejo tanto, tanto...
O frio e a solidão assim espanto
Bebendo em tua boca, o teu licor.

Nos mimos que me trazes, alegrias,
Nos beijos que trocamos, seduções.
Além do que bem sei, tanto querias,

No fogo da lareira, chama e gozo,
Envoltos pelos dedos das paixões,
O dia vai passando, tão gostoso...

MARTA TEIXEIRA
Marcos Loures
Publicado em: 30/05/2007 16:19:29
Última alteração:05/11/2008 21:48:30



Cupido nunca erra, sempre acerta,
e preso ficarás por toda a vida.
Se for uma Maria bem esperta,
depressa a chamarás minha querida.
Cupido é menino mau, travesso.
Se amor não recebi, eu não mereço.

Mal sabes dos brinquedos do moleque
Que faz neste meu peito um tiro ao alvo.
Aos borbotões caminhos traz em leque,
Em todos eles, sigo e já me salvo
Das dores insensatas da amargura,
Maltrata enquanto trata, mata e cura.

Trazendo o coração em sobressalto,
Prenúncio de um infarto ou de um derrame.
Às vezes quer plantar em quente asfalto
Em outras predispõe sempre ao vexame.
Que faço com as flechas deste arqueiro?
Garoto tão traquinas, feiticeiro...

HLUNA
Marcos Loures
Publicado em: 30/05/2007 20:53:27
Última alteração:05/11/2008 21:48:15


Meu amor nunca se esqueça
Que este amor jamais acaba,
Toda a saudade desaba
Se amor não existe mais
Sem amor todas as flores
Perdem todos os perfumes,
Amor esqueça os ciúmes.
Eu te quero. Amor demais!

Meu amor todos os dias
Quero contar meus segredos,
Acabar com esses medos
Antes que eles nos destruam.
Quero amar amor sereno,
No meu canto apaixonado
O resto deixa de lado,
Nossas vidas continuam...

Na lua que te desejo,
No brilho que este mar banha
No vento que te assanha
Cabelos soltos, querida;
Eu quero ternura, encanto,
Deste sonho que Deus deu,
Este amor que é teu e meu,
A razão de nossas vidas!
Publicado em: 16/02/2007 22:55:51
Última alteração:27/10/2008 17:20:14


Meu corpo outrora um deserto…
Agora uma onda…
Que em ti se enrosca….
Afaga…desce…
Em tentações impossíveis de controlar………….
Em beijos…em desafios….
Infinitos

Vontades tão intensas , tentações;
De afagos e loucuras incessantes,
No brilho cristalino, diamantes
Que explodem desejo, alucinações...

Teu corpo no meu corpo... seduções...
As noites são divinas e escaldantes
Desafios de cios galopantes
Na fúria de gostosos furacões...

No movimento leve dos quadris,
No requebro fogoso, bamboleios.
Minhas mãos, os meus lábios, os teus seios...

Mostrando o quanto a gente é mais feliz.
As ondas que percorrem, pensamentos...
Delícia de viver nossos momentos...

MARTA TEIXEIRA
Marcos Loures
Publicado em: 31/05/2007 16:31:35
Última alteração:05/11/2008 21:47:25


Com você, ritual mais sagrado, não ato abstrato, ou simples querer
Mil canções nós dançamos, teatro retrato, de algo incomum
Terra e céu, lua e sol, mil montanhas, mar enfim
Se fizeram o palco perfeito,
Te amei de um jeito
E não vou te esquecer!

É amor, meu amor e por mim, ficaremos assim
Bem juntinhos, atados, no abraço e em beijos, sem fim
Neste jogo de amor, em loucura sem par, eu desejo ficar...
No amor, o desejo se faz muito mais, que um ir e voltar
Neste mar mergulhar e morrer do mais puro prazer
Meus beijos, meus abraços, meu carinho...
Juntinhos, vamos nós para o infinito,
Sabemos, encontramos o caminho,
O mais maravilhoso e tão bonito

Que passa por estrelas, sol e lua
Chegando ao horizonte, todo nosso,
Tua beleza intensa, viva e nua,
Os teus cabelos sinto; beijo e roço,

Nesta sofreguidão de te querer,
Esqueço de mim mesmo, já não sou
Mergulho neste mar, puro prazer,
Tu és tudo o que, em mim, de mim restou...

Ah! Amor que sempre cresce e quer bem mais,
Não quero me afastar de ti, jamais!

ANE MARIE
Marcos Loures

Publicado em: 09/03/2007 23:10:13
Última alteração:06/11/2008 11:39:12



De bem querer tu sempre te rodeias,
amor por toda parte e flores belas.
Derramam sobre ti as mãos bem cheias,
mulheres e as tímidas donzelas.
E vives todo dia essa ventura,
pensando já ser fato rotineiro.
Mas tem cuidado com a tua jura,
que fazes entre risos - prazenteiro.
Banquete sempre farto á tua mesa,
enquanto outros vivem na pobreza.


Quem dera se tivesse tal banquete!
Apenas sou um pobre sonhador.
Descendo deste trono, um tamborete,
Em queda, necessito recompor
Um mundo de ilusão que não transponho,
Sabendo desde já que é puro sonho.

Um tímido cantor em versos tristes,
Buscando o seu recanto, pede colo.
Mas já que neste assunto tu insistes
De toda esta esperança em que me assolo
Só resta uma certeza insofismável,
Amor é um banquete interminável

HLUNA
Marcos Loures


Rosa em teu jardim,
Estarei assim,
Pronta a receber,
Jardineiro amado...

Recolher em mim,
Teu sorrir dourado
Olhar encantado...
Beijos mil, sem fim...

Rosa enamorada!
Perfume te dou...
Suave fragrância...
Todo o meu amor!

Cultivo com carinho a bela flor
Que traz, em seu perfume, tal magia;
Inebriadamente, o bem do amor,
Tomando todo o sonho em claro dia.
Amor que sei sincero e verdadeiro,
Orgulho de um simplório jardineiro!

Desejos invadindo este jardim,
Borboletas que pousam, colibris,
Amor vai se entranhando mais em mim,
E sou, a cada dia, mais feliz
Por ter na rubra rosa perfumada,
Fragrâncias de mulher apaixonada!


ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 30/05/2007 14:50:50
Última alteração:05/11/2008 21:48:41



Em vão busco sentir, pois sei dispersa
Minha alma te tocando, carinhosa.
Inventas as desculpas peça a peça
Neste quebra-cabeças, engenhosa.
Devolvo-te a pergunta e nada dizes
Nós somos ou não somos tão felizes?

Nas mãos postas, as minhas esperanças
Esvaecendo em cada fato novo.
Escondes sob a cama tuas lanças
O medo me apavora e causa estorvo.
Palavras são de flores e de espinhos
Bomba relógio armada em doces ninhos...
Publicado em: 31/05/2007 21:53:15
Última alteração:23/10/2008 20:32:14


Nos meus sonhos te espelhas todo dia,
entre risos de amor e de alegria.
Não desminta o que todos podem ver,
o tamanho desse nosso bem querer.
Os meus olhos têm o mel na sua cor.
Te asseguro, só refletem o meu amor.


Espelhando no olhar o sentimento
Que move minha vida, em verso e sonho.
Querendo o teu amor, todo momento,
O paraíso em vida, eu te proponho.
Que os sinos, campanários, rebimbando
Tragam-nos alegrias sempre em bando.

Ressoam as palavras que disseste
No mel de cada olhar em brilho puro.
Do verde uma esperança que reveste
O bálsamo dos olhos que procuro
Reflexo da emoção que nos tomando
Os temores e as dores, aplacando...

HLUNA
Marcos Loures
Publicado em: 31/05/2007 12:25:54
Última alteração:05/11/2008 21:47:29

Eu adivinho os seios mais perfeitos
Debaixo desta blusa em que me ostentas
Com olhos delicados, satisfeitos
Causando as sensações mais violentas.
Seios que bem sei não serão meus,
Delírios nestes seios belos... teus...

Quem dera na romã eu decifrasse
Meus sonhos mais profundos e profanos,
Ao menos se meus lábios sem disfarce
Tocassem estes seios soberanos!
Meus desejos glutões, meus devaneios,
Entorpecidamente sonham seios...
Publicado em: 03/06/2007 06:22:05
Última alteração:26/10/2008 20:29:08



Hoje....
Sorrio-te...
Enigmaticamente....
Levanto-me.......
Na tua nuca ..........
Ao de leve....

A mão passo....
Quase não a sentes....
No ar.....
Fica um intenso convite......


Enigmas que sugeres num sorriso
São convites repletos de vontades.
Na mão que me acarinha, um manso aviso
Das loucas sensações, voracidades.

Da nuca em arrepios, os desejos
Explodem num intenso vendaval.
Dos lábios carinhosos, tantos beijos,
Teu corpo delicado e sensual.

Aos poucos decifrando tal esfinge
Mereço a recompensa, teu prazer.
O céu em raro azul, assim se tinge.
De um jeito tão gostoso de se ter,

Criamos nosso mundo em nossos sonhos,
Segredos destes lábios teus, risonhos...

MARTA TEIXEIRA
Marcos Loures
Publicado em: 30/05/2007 13:43:43
Última alteração:05/11/2008 21:49:05



Anoitecendo adquires mil formatos
Deixando exposta; em pele, outra faceta.
Mudando tanto o vento em novos fatos
Traças caleidoscópios, incompleta.
Melancolicamente extasiante
Na boca uma ironia deslumbrante.

Na lava que demonstras, fria neve,
No rosto que sorri, falsas promessas.
O beijo em que me mordes, fundo e breve.
Os erros cometidos ? Não confessas.
Mas gosto de saber-te incoerente
Do nada ao todo em rápido repente.
Publicado em: 11/06/2007 03:39:52
Última alteração:23/10/2008 20:36:04



Eu não posso adiar mais este amor
Ainda que isso cause terremoto.
Ainda que tomado por pavor
Mesmo que ser feliz seja remoto
E as nuvens tão cinzentas no horizonte.
Preciso de um amor que, cedo, aponte.

A faca é de dois gumes, disso eu sei.
As costas ao carinho e ao punhal.
Sem ele já não sei o que farei
Morrendo numa inércia colossal.
Amor não posso mais deixar que passe.
Mesmo que, no fundo, só disfarce..
Publicado em: 31/05/2007 17:33:15
Última alteração:23/10/2008 20:32:08


AMOR//

Fortaleza tem seus encantos
Mas sobre ela agora paira um triste verso
Que rega com lágrimas meu jardim
Neste tarde de sábado tão modesto

Sorumbático ser quase exterminado
Sentindo-se ínfimo descrete
Por ver todos os meus desejos destroçados
Sem sonhos choro humildemente

Murcharam assim todas as flores
Absorveram das minhas lágrimas a tristeza
Veneno fatal às mataram

Sem ter a menor sutileza
Vago sem rumo sem direção
Procurando quem me proteja

Acolho-te querida. Estou aqui,
Espero que tu venhas mais depressa
O rumo tantas vezes eu perdi,
Mas meu amor intenso se confessa

E baila nos meus sonhos, pois em ti
Eu encontrei amor que se professa
Maior do que pensei, mesmo vivi.
E peço que jamais disto se esqueça.

Eu estarei contigo em cada passo
Na direção da tal felicidade
Que é nossa e que recobre cada espaço

Sonhado e desejado por nós dois.
Vem logo desfrutar desta verdade,
“Não deixe tanta vida pra depois”.

GELIS
MVML
Publicado em: 11/08/2007 17:21:21
Última alteração:05/11/2008 16:20:51



AMOR /

Ensina-me a mar com devoção
Como uma luz sustentando o facho
Como uma rocha que se edifica
Com a veneração do fruto pelo cacho

Ninguém é feliz fingindo que ama
Nem acerta o caminho sem saber aonde vai
O coração se entrega diversidade incerta
Nunca está inteiro fragmentos nada mais

Amores são eternos verdadeiros?
Paixões são artifícios passageiros?
Se os dois seguem abraçados corriqueiros!

Este coração aventureiro e obsoleto
Engana-me faz manobras indesejadas
Não enxerga dirige de olhos vendados

Não tendo escola, amor, que ensine amar
Apenas é deixar que tudo venha,
Tomando nossa vida devagar,
Amor não tem sinais, nem mesmo senha

É fogo que em si mesmo faz queimar
É dele o bom calor, pavio e lenha,
É nele que se ensina a desfrutar
A sorte mais intensa que detenha.

Embora seja qual um passageiro
Que siga seus destinos por si só,
Nascendo e renascendo feito o pó

Alquímico prazer, um feiticeiro,
Amor não tem juízo ou paradeiro,
Nem mesmo de si mesmo amor tem dó...

SOGUEIRA
MVML
Publicado em: 04/09/2007 15:44:05
Última alteração:05/11/2008 11:57:20


AMOR /


Foi do teu lado
Que descobrí que a vida é maravilhosa
E agora amado
A te amar, eu sigo a vida toda prosa...
Pois te encontrar
Foi descobrir todo mistério do amor
Te amo tanto,
E seguirei só a te amar, por onde fores...


Vieste dirimindo minhas dores,
Mostrando a nova vida, maviosa.
De todas as sonhadas, belas flores,
Rainha do jardim, divina rosa
Agora irei contigo aonde fores,
Estrela que me guia, radiosa.
Amor, imenso sonho em plenitude,
Refaz no entardece, a juventude...

ANA MARIA GAZZANEO
MVML
Publicado em: 24/10/2007 19:02:58
Última alteração:03/11/2008 19:37:20



AMOR /


No dia frio procuro
Querida, o teu beijo,
Pois estar no escuro
É triste antevejo...

Aquela dor terrível
Entregue-se amor,
És minha flor sensível,
Meu bálsamo pra dor...

Meu canto mais perfeito
Meu rumo predileto
Amor do nosso jeito
Feliz e tão completo

É tudo o que eu queria,
Traduzindo alegria...

GONÇALVES REIS
MVML
Publicado em: 05/11/2007 21:36:54
Última alteração:31/10/2008 17:40:22


Tapetes estendidos da esperança
No quarto em que pintamos nossos sonhos.
No verde de teus olhos, a lembrança
De dias proveitosos e risonhos.
Quem dera se os tapetes estendidos
Trouxessem os meus dias, vãos, perdidos..

Procuro o meu refugio em outros braços,
Perfumes exalados em canteiros
Distantes dos antigos, frágeis laços,
De sentimentos puros, verdadeiros...
Quem sabe esta estiagem no jardim
Transborde numa enchente dentro em mim!
Publicado em: 01/06/2007 05:14:59
Última alteração:23/10/2008 20:34:26



Apenas um ingênuo sonhador
Adolescentemente beijo a boca,
Num ato de ternura e sem rancor.
A fome que me toma, embora pouca
Já serve de consolo, como eu disse,
A quem embrenha as sendas da velhice.

Mas nada passa impune, assim de lado,
Ao ter a fantasia tão presente
Sinto-me novamente apaixonado,
E a pedra, essa vidraça já pressente.
Percebo assim, Meu Deus! Eu não cresci!
Coração vagabundo bate aqui...
Publicado em: 01/06/2007 13:58:52
Última alteração:23/10/2008 20:34:31


Qual fora adolescente apaixonado
Em busca de ternura e de carinho,
Sem medo de futuro nem passado
Presente que promete flor e espinho.
Pressentimento em corte lancinante
De prazer e tristeza a cada instante.

Qual fora um velho amargo, sem caminhos,
Tropeço nas lembranças do que fomos.
Vinagre que se fez de caros vinhos,
Compêndios de ilusões em vários tomos
Envolvo em versos vagos meu amor,
Um trágico farsante, sedutor...
Publicado em: 31/05/2007 10:29:39
Última alteração:23/10/2008 20:31:44


Procuro me esquecer em cada riso
Do medo que me toma, insensatez.
No mundo em que vivia, magnetizo
As dores me imantando de uma vez.
Mas penso que , talvez amor virá
E estrela soberana brilhará.

Errática esperança em devaneios
Invade todo quarto de princesa,
Vasculha nos lençóis, apalpa seios
E morre novamente, caça e presa.
Um dia poderei chegar a ti,
Amor que sem motivos, eu perdi..
Publicado em: 31/05/2007 14:45:09
Última alteração:23/10/2008 20:31:48



Amar sem ter limites, te exaurindo
Até que em tanto amor, não mais resistas.
O céu que te proponho, é tão infindo
Que some em amplitudes nunca vistas.
Amar além dos mares, do infinito,
Além de qualquer verso um dia escrito.

Talvez isto te canse, mas não posso
Conter o descabido sentimento.
Se nele me refaço e me remoço
É cura que se faz em louco ungüento.
Morrer de amor mil vezes, se preciso,
Meu único caminho ao paraíso.
Publicado em: 31/05/2007 08:45:45
Última alteração:23/10/2008 20:31:39



Tua pureza lembra a do oceano
Em alva areia, toma toda a margem.
Ardente sensação em cada plano,
Plena delicadeza na paisagem.
A lua em teu olhar, sem desengano
Reflete-se em raríssima visagem.
Qual num afresco belo e sedutor,
A cena reproduz manso vigor.

No peito em chamas lentas, abrasantes,
Levito em cada verso que declamas.
Dois corpos se buscando, transbordantes
Em doce maravilha, fátuas chamas.
Soltando minhas mãos alguns instantes,
Flutuas. Tuas pernas com escamas
No canto que me dizes, incendeia,
Ao mar retorna a plácida sereia...
Publicado em: 30/05/2007 19:39:25
Última alteração:23/10/2008 20:31:10



Amealho as sementes em fartura
Arando nessa terra em aridez.
Na mão pulverizando uma ternura
Granando cada planta em sua vez.
Qual fora experiente lavrador
Fazendo da colheita o meu labor.

Cuidando com adubos e carinho,
Em cada folha, o viço desejado.
Protegendo o botão do duro espinho
Prevejo um bom futuro, assegurado.
Segredos de adubagem e de calor
Florescem com certeza, em resplendor.
Publicado em: 30/05/2007 20:44:31
Última alteração:23/10/2008 20:31:27



Posso falar do amor que inda não tive
Exposto em versos tristes e medonhos.
A dor do não haver decerto vive
Refeita na alegria de meus sonhos.
Mas nada disso importa. Isso é banal,
Desejo? Satisfaz-se. Sensual.

Na verdade, que falta me faria?
Sentimento egoísta e tão soturno
Que embaça sem sequer ter a magia.
Vigilante voraz e taciturno
Amigo inseparável de um insone
Que vibra quando toca o telefone...
Publicado em: 31/05/2007 08:09:51
Última alteração:23/10/2008 20:31:38


Amo-te!
Resposta completa,
Dais ao meu amor...
Calor, no frio...
Mais beleza,
Ao preencher,
Meu mundo vazio...
Sonhos...
Quero agradecer, à você,
Oportunidade única...
Te conhecer...
Ser acolhida...
Felicidade,
Sei que trouxestes,
À minha vida!
Sois portanto,
Neste meu existir,
De agora,
Com certeza,
A presença mais querida!

Qual dia que renasce a cada sol,
Amor se robustece em poesia.
Um sentimento nobre assim, de escol
Acolhe em cada verso esta magia.
Eu amo e não duvide deste fato
Em cada canto teu, eu me retrato.

Nós somos companheiros da esperança
De um mundo bem melhor e mais feliz.
Enquanto humanidade triste avança
No topo deste amor sou o que quis
Um coração mineiro que dominas,
No aço e na ternura geras Minas.

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 30/05/2007 22:07:02
Última alteração:05/11/2008 21:48:02


Quero...
Sentir-me...
Sentir-te...
Amar-te....
Perder-me....
Na tua paixão...
Navegar...
No teu amor....

Recebo da paixão um leve vento
Tocando em minha face, me arrepia.
Dando-me a sensação que eu bem queria
Do fogo e do desejo, um bom tormento.

Queimando-me voraz, às vezes lento,
De vertigens numa alta penedia,
Delícias de delitos e magia
Preparo, me contenho... Não agüento.

Entregando-me inteiro sem fronteiras
Que possam limitar o meu desejo.
As mãos do amor, por certo, feiticeiras

Invadem minha mente e, assim prevejo,
No gosto da maçã, santo pecado
Em benção divinal, apaixonado..

MARTA TEIXEIRA
Marcos Loures
Publicado em: 31/05/2007 08:20:45
Última alteração:05/11/2008 21:47:41



Cupido os flechou? Ah! meus queridos...
Depressa, busquem logo por socorro!
Se tal, não o fizesse, quase morro!
Vitimada por demônio tão possesso!
Cupido ensandeceu, foi, me disseram..
E flechas, envenenadas hoje atira...
Não olha, sequer quem, nem onde acerta...
Mudando todo o rumo da conversa!/
E provado está ser desatino...
Cupido hoje imita, Malasartes!
De amor, não mais entende, tal menino!
Sua vida se resume em fazer artes!
Deixando todo mundo em desalinho.

Não temo mais as flechas do menino.
Agora que flechado, vou sem cura.
Meu braço se perdendo em desatino,
Afagos de agasalhos da brandura.
Não vejo meu amor em desalinho,
Apenas vou a busca de carinho.

E sabes quanto eu quero a tua boca,
Delícia disparada contra o peito.
Juro-te nunca mais dormir de touca,
Agora que eu estou tão satisfeito,
Eu chamo este Cupido para ver,
Como é gostoso amar e ter prazer.

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 30/05/2007 21:17:51
Última alteração:05/11/2008 21:48:11


Perceba nos meus olhos estas marcas
Profundas, escondidas sob os óculos.
Resíduos de paixões, embora parcas,
Saudades dos abraços e dos ósculos.
Solidão se fez depois de tudo,
Deixando quem gritara, cego e mudo.

No duro esvoaçar das estações
Perdendo a primavera e sem verão,
Restando tão somente as ilusões
De amores que se foram, sem perdão.
Se vou tropegamente pela rua
O coração moleque continua...
Publicado em: 31/05/2007 08:56:50
Última alteração:23/10/2008 21:06:02



Sorrio...
Quando penso em você!

Vou enganando a tristeza
Comida farta na mesa
Longe, assim, meu bem querer...

E sonho...
Mas não vejo uma saída
Quero a minha preferida
Alegria de viver!

Mas ela,
Anda longe, tão distante
Fizesse eu, um levante
Quem sabe a dominaria...

Eu penso...
Vou gritar um grito forte
Alcançarei qualquer sorte
Que essa tristeza, acalme...

E decido...
Vôo então, ao teu encontro
Nessas montanhas de Minas
A levar o meu abraço
Um carinho, que desperte
Essa tal felicidade!

Aguardo o teu carinho e sou feliz,
Meus olhos são teus olhos, simplesmente.
Do amor que me ensinaste, um aprendiz;
Que quer dançar contigo, novamente...

Numa ciranda eterna sem fronteiras
Montanhas, horizontes, nosso fado.
Palavras tão sinceras, verdadeiras
Não deixamos de dar nosso recado.

Eu sinto o teu perfume neste vento
Que fala em liberdade e da justiça
Numa harmonia imensa, o pensamento
Já não suporta mais qualquer cobiça

Que não seja por paz e por carinho,
Forrar de amor amigo o nosso ninho...

ANE MARIE
Marcos Loures

Publicado em: 06/03/2007 00:03:39
Última alteração:06/11/2008 11:30:36


Prossigo, a te amar,
Agora em silêncio...
Peço ao vento,
Para enviar a ti,
Meus pensamentos...
Sonhos de amor...
Momentos felizes...
A viver ao teu lado...
Sonhos lindos...
Tecidos em noites de magia...

Noites, hoje, frias
E vazias...
E doridas...
Sem cores, sem vida...

Peço ao vento
Que te diga que eu te amo!
Você que hoje se tornou...
Meu oásis, no deserto!

Espero a tua voz vinda no vento,
Envolves minha vida em tal magia
Que jamais te tirei do pensamento,
Sequer um só momento, nem um dia...

Coloco nestes versos, sentimento,
E canto o nosso amor com alegria.
As noites doloridas, sofrimento,
Se vestem desse canto em harmonia

E sabem deste amor que não é pouco
Que toma e que transborda mar adentro.
Distante de teus olhos fico louco.

Amada, tua voz é meu abrigo,
Tu és o meu apoio pés e centro
Vivendo em nosso amor, amante, amigo...

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 29/03/2007 13:54:29
Última alteração:06/11/2008 10:23:35





Amor por quem procuro
até no escuro,
te achega,
não temas a
felicidade.
Contigo vou percorrer a eternidade,
cantando do nosso amor
o doce fruto.
Nos braços do meu sonho
eu vôo alto
buscando a amplidão
que há no espaço,
e se derrama
inteira, bem ligeira,
em versos sequiosos de ilusão


Estrela que me guia, amor profundo,
Que busco pelos céus de uma alegria.
Vagando o coração tão vagabundo
Estrela que sonhei em fantasia.
Bebendo desta boca um giramundo
Encontra tanta paz que bem queria,
Não deixo de te amar um só segundo
Razão maravilhosa do meu dia.


HLuna
Marcos Loures
Publicado em: 06/05/2007 21:29:17
Última alteração:06/11/2008 08:06:42


AMOR AMOR

Altas horas,
eu escrevo um poema!
O amor, é o tema!
Meu amor por você!
Que sereno me inspira...

Que sem nada saber,
dominando o meu ser,
continua seus dias,
crendo ser fantasia,
meus poemas de amor!

Este amor vem nos tomando
Cada dia bem mais forte.
Não há dor que não conforte
Sem sequer pergunta quando,

Meu amor, estou te amando,
Sem temer mais nenhum corte
Já não temo mais a morte
Em ti sempre me inspirando.

Dominaste o pensamento;
Eu não penso mais em nada
Só na sorte abençoada

De te ter cada momento.
Amor – uma profecia
De paz, de luz, de alegria...

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 17/06/2007 06:34:30
Última alteração:05/11/2008 20:59:06


Nunca é tarde.
Arde a tarde
Adunca e fria.
Se espanca o medo
Segredo chega
Arranha a sala
E mostra os dentes.
Se estou não vês
Se vês não vou
Se vou não cabe
Se cabe não sou
Se sou, estou?
Nada...
Sou resto.
Empresto o sorriso
E vejo o retrato
Espelho e pele
Compele a ti.
Amor romã
Que a mão
Me deu
Se busco
Ofusco,tão brusco
No lusco-fusco
Que a tarde traz
Ardendo
A tarde,
Arde.
Quem há de?
Amor...
Publicado em: 22/03/2007 19:11:27
Última alteração:23/10/2008 21:04:24



AMOR - sextina

Amor que em amizade sustentava
Felicidade plena bendizia,
Uma esperança a mais sempre abrigava,
Trazendo claridade para o dia,
Meu mundo no teu colo se entregava
Formando uma ilusão em poesia.

Encanto magistral da poesia
O sonho mais feliz já sustentava
A lua em maravilha se entregava
No verso que esperança bendizia
Prevendo amanhecer em novo dia
Aonde uma alegria se abrigava.

Meu corpo que em teu corpo se abrigava
Tocado pelas mãos da poesia
Raiando em mansidão formoso dia
Um sonho mais audaz se sustentava
No amor que tão sereno bendizia
Prazer que mansamente se entregava.

O rumo de meus braços entregava
Certeza de que amor cedo abrigava
O canto divinal que bendizia
A vida na sublime poesia;
A cada novo passo sustentava
Certeza de raiar um belo dia.

Renova-se esperança a cada dia
Ao qual felicidade se entregava
E o passo com mais força sustentava
No colo que decerto me abrigava
Forrado pelos dons da poesia,
Encanto que quem ama bendizia.

Meu verso te buscando bendizia
A glória de poder saber um dia
Tocado pelas mãos da poesia
Mostrada neste olhar que se entregava
Àquela que em seu peito me abrigava
E amor intensamente sustentava.

Amor que sustentava e bendizia
Na luz que se abrigava forma um dia
Aonde se encontrava a poesia.
Publicado em: 17/01/2008 14:59:07
Última alteração:22/10/2008 16:44:31


Meu canto amenizando quando ecoa
Em outro coração, se faz feliz.
O pensamento solto, sempre voa
Buscando neste céu, claro matiz.
Meu verso se emoldura em bela tela,
No amor que me encantando se revela.

Numa dicotomia; amor e dor,
Repartições distintas do meu peito,
Fazendo de meu canto sonhador
Um lago em placidez, tão satisfeito.
Amar além de tudo é ser bendito,
Tocar com mansos lábios, o infinito!
Publicado em: 30/05/2007 19:04:37
Última alteração:23/10/2008 20:31:05




Emolduradamente em rara tela
Vestida dum efêmero desejo,
Nas vibrações brilhosas de uma estrela
O fogo que virá, amor, prevejo.
Exalto cada ponto em esplendor
Da fúria em tempestade deste amor.

Coração arquejante palpitando
Ouvindo a tua voz, mesmo distante.
Sem limites quaisquer vou me entregando
Traçando no meu peito este transplante
Que trame corações em unidade
Na transfusão de amor, felicidade...
Publicado em: 31/05/2007 15:34:37
Última alteração:23/10/2008 20:31:57



Não tenho você comigo,
Nesta longa noite de frio...
Mas tenho o sonho mais lindo...

Fogo do amor que acendeste,
Em minha alma, vazia...

Lume em sol que me clareia...
Ilumina a minha vida...
Aquece o meu coração,
Há muito tempo hibernado...

Queria tê-lo ao meu lado...
Mas te levo tatuado...
Tão presente quanto à chama,
Que me aquece neste inverno.

Vento frio rondando a minha casa.
Num assobio chama por teu nome
A vida sem teus braços não se embasa
E em fria solidão já se consome.
Quem dera se estivesses do meu lado,
O vento não viria, envergonhado...

Mas, de repente, sinto um bom calor
Tomando todo o sonho, em alegria.
Percebo na presença, o teu amor,
Que veio visitar-me. Fantasia.
Isso me faz feliz, ó minha amada,
Estás na minha pele, tatuada...

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 30/05/2007 14:20:16
Última alteração:05/11/2008 21:48:49


porque te quero amor,
a sangue e fogo.

Pablo Neruda


Quero-te a sangue e fogo, simplesmente
Deste querer que basta por si mesmo.
Até na tua ausência, de repente,
Andando pela vida, sempre a esmo,
Não me lembro de ti; mas do querer
Que impele, desta forma, o meu viver.

Se estás ou não estás, pouco me importa,
Amar o amor sem tréguas, sem limites;
Deixando escancarada a velha porta.
Escrito a sangue e fogo com grafites
No muro dessas dores e prazeres,
Verdadeiro sentido do quereres.
Publicado em: 31/05/2007 07:45:25
Última alteração:23/10/2008 20:31:29




Te quero assim, amor, sem mais delongas,
Cabelos soltos, livres, sem amarras.
As noites carinhosas tu prolongas
E mostras em purezas finas garras
No pão que tu me deste, reconheço
Miraculoso sonho que obedeço.

Te quero por querer e nada mais,
Sem egos, sem verdades absolutas.
E sem fragilidades tão boçais,
As mãos abertas sempre tão astutas
Não fogem destas lutas e batalhas.
Eu te quero até quando me retalhas!
Publicado em: 30/05/2007 20:17:21
Última alteração:23/10/2008 20:31:14



Não falo com desdém de tua dor
Apenas não retrata uma verdade
Quem vive em fantasia, a realidade
Demonstra-se com força e com ardor.
Vagando sem ter nau pela cidade
O manto que fizeste cobertor
Omite essa verdade, sem favor
E grita na fingida liberdade.

Não compro mais imagens desconexas
De noites embaladas no silêncio.
Amores que sonhaste ponte pênsil
Que cai nas madrugadas mais complexas
Debruças nas ameias e sorris
De quem anseia o prato que comeste
Pecados que demais tu cometeste
Não valem ser, na vida, um infeliz!
Publicado em: 14/12/2006 16:56:11
Última alteração:24/10/2008 13:57:25


Brincando de nem sei
Ao certo quando,
Esqueço meu remédio
E não te beijo
O tédio
Transtornando este desejo
Transforma transferência em simples ato.
Desato nossos nós
E sou o mesmo
Talvez me reste o gosto da fumaça
Que os olhos não mais vêm por ai.

Se sou teu passo incerto
Acerto espaço
E passo sem compasso livre ao vento.
Momento de dizer que não mais quer
Brincar de nem sei
Ao certo sempre.

Vivendo vim vendo o que olhavas
Vivendas de esperanças
Nas danças
E nos pássaros
Perdidos
Numa migração sem nexo.

Abraço, amplexo
E sexo no fim.
Amor?
Publicado em: 20/03/2007 12:34:54
Última alteração:23/10/2008 20:13:01



AMOR/

Neste canto bonito,
Nosso amor, doce rito,
Incendiado ao luar...

Faz dançar, par em par,
Nossos corpos festivos,
Qual uma dança cigana,
No jardim dos amores,
Sob a luz das estrelas...

Bem alegres, serenas,
Nossas almas, verbenas,
Vão a festejar...

Toda a felicidade
Vive em nós, na verdade,
Que só fazemos, amar!

Amor em Xangai,
Pequim ou Nairóbi,
Amor não é hobby
Quem ama não trai
E cedo descobre
Quem cobra demais
Esquece da conta
Que amor faz de conta
Jamais virá paz.
Amor que se gesta
Em gêiser e gozo
Deveras dengoso
Alvoroço e prazer.
Eu quero o pescoço
O seio/colosso
Depois bem gostoso
Repetir a dose.


ANA MARIA GAZZANEO
MVML
Publicado em: 14/09/2007 22:25:53
Última alteração:04/11/2008 16:41:28


AMOR/

Amor
Tirou da rosa, espinho
Aqueceu o ninho
Matizou o céu...

Ao luar, deu encanto
Imantou o riso
Iluminou o olhar...

Inspirou a poesia
Tonalizou melodia,
Preencheu o mar...

Floriu os mil campos
Deslumbrou de espanto
Minha alma a bailar...

Me jogou nos teus braços
Preencheu de mil fatos
Nossa história, em ardor..

A rosa sem espinhos se fez bela
Enlanguescentemente apaixonada
Reflete cada brilho de uma estrela
Deixando a noite sempre perfumada.
Um velho trovador ao percebê-la,
A rosa esplendorosa e iluminada
Sabendo deste pobre sonhador,
Deu-se completamente ao nobre amor...

ANA MARIA GAZZANEO
ML

Publicado em: 29/11/2007 05:27:29
Última alteração:31/10/2008 11:59:49



Quem não leva a beleza dentro da alma
E segue simplesmente sem pensar
Que a vida se enobrece e só se acalma;
Entregue na alegria de sonhar...

Quem deixa-se levar pela frieza
E não se entrega à vida totalmente,
Se condenando a um mundo sem beleza
Não vive; está morrendo tolamente.

Amigo, não permita que isso ocorra,
Permita-se sorrir, pois num sorriso
Quem sabe a nossa alma se socorra
E tenha uma visão de paraíso...

Vivendo com ternura, em harmonia,
Pintando mesmo a dor, com poesia...

Como dizia Vinícius de Moraes, “a vida só se dá pra quem se deu”. Por isso entregue-se à vida.

E tente ver a beleza ou a poesia em tudo o que enfrentares nesta caminhada muitas vezes dolorosa, mas sempre gratificante.

Falar em amor passa, obrigatoriamente, por isso.

Somente quem vê a beleza e a poesia na vida pode dizer que aprendeu a amar.

Não tenha medo da vida.

Se entregue a ela, mas sempre com uma visão mais otimista ou, se possível, pelo menos mais poética e menos crua.

Um pouco de alegria e fantasia não faz mal para ninguém.

E o amor é alegria, fantasia, dor e tristeza.

Mas, na essência, poesia...

Publicado em: 02/04/2007 06:39:54
Última alteração:27/10/2008 18:59:18



AMOR À POESIA /



Ascendo em noite límpida, o infinito

Que trazes, lapidares sentimentos.

O rastro de um luar, que outrora aflito

Permite a mansidão de belos ventos...


E ao meu corpo, flutuando adentro,

Das vestes, que emanam alquimias

Meu grito há-de pinçar a melodia,

Dos fortes e eólios movimentos...


Quem dera, repousar a poesia,

Nos braços da aurora sintonia...

Sou céu em lume a brilhar;


E vejo em teu olhar, um vaga-lume

Canteiro de minha alma, o teu perfume,

Estrela radiante a me guiar...

MVML
LEDALGE
Publicado em: 10/09/2007 18:13:01
Última alteração:04/11/2008 18:12:31



Porque temer a solidão?

Muitas vezes espero que ela chegue,
Abrace-me e me leve para a cama,
Como uma amante que chega fora de hora.
Chega mas, egoisticamente, toma todo espaço
E tempo, não deixando mais nada.

Solidão, nasci em ti e contigo morrerei, treva a treva.

Interessante o quanto te procuro em momentos
Diversos de minha vida.

Principalmente quando tento transferir meus fantasmas e personificá-los no que escrevo.

Outras tantas vezes tento fugir de ti, principalmente quando a angústia toma conta de tudo.

Essa sim, uma das quimeras que nos domina a alma e nos escraviza.

Falar que faço uma mensagem de amor à solidão pode parecer incoerente e até temerário.

Mas, no fundo, não é.

Solidão tão companheira dos poetas que, ouso dizer, um dos seus principais sinônimos é poesia.
Publicado em: 17/12/2006 20:00:46
Última alteração:27/10/2008 21:19:56


AMOR À TERRA TEM LIMITES....
Meu amigo Euclides era um jovem de muita presença de espírito.

Saindo de Mirai para servir o exército, em Juiz de Fora, foi ele inscrito com o número 1001, fato que o fez muito popular entre os companheiros de farda.

O “Soldado 1001” ficou conhecido pela maneira diferenciada com que tratava os mais importantes assuntos a corporação, revelando-se um excelente servidor.

A popularidade fez com que grande parte das tarefas diárias caíssem sobre seus ombros, e ele não se cansava de reclamar. Inutilmente, é claro.

Um dia, na hora do rango, o soldado 1001 notou, assim como os outros que o feijão servido era de péssima qualidade e apresentava inúmeros pedacinhos de terra, dessas que os agricultores usam para conservar os grãos, evitando ataque de insetos.


Incentivado pelos companheiros, o 1001 levantou-se e dirigindo-se ao capitão, fala do ocorrido.

- senhor, se o senhor me permite eu quero lhe dizer que o feijão está intragável, cheio de terra e pedras.
Mesmo tendo levado um susto com o atrevimento do recruta, o capitão não perde um oportunidade de dar uma lição na tropa e mormente no atrevido 1001

- acolho sua reclamação, mas quero lembrar ao jovem soldado que ele está no Exército, não para fazer piquenique, mas sim para servir à Pátria.

- estou ciente, senhor. Responde o 1001, mas eu vim para servir à Pátria e não para comê-la.

MARCOS COUTINHO LOURES
Publicado em: 08/04/2008 18:37:14
Última alteração:21/10/2008 18:13:47

Amor Absoluto



Nesta viagem
de um amor
absoluto
o meu reduto,
o meu amor
só quer tu,
só !!!

Eu quero o teu querer
Estar junto contigo
Recebo o teu prazer
Desejo enquanto abrigo
No visgo que nos gruda
Olhares e vontades.
Sentidos aguçados,
Momentos de ternura
A cura que se quer
O encanto que nos guia
Misturas delicadas,
Amor e poesia...

IVANA
ML
Publicado em: 18/02/2008 22:48:48
Última alteração:22/10/2008 17:25:57



AMOR ADOLESCENTE

Sinto-me uma adolescente...
Um primeiro amor...
Paixão..dúvidas...
Ansiedade....lágrimas..
Beijos...loucos...
Ah...tão bom viver..
vibrar com este amor...
e sentir-me novamente
com 16 anos....

Amor adolescente é tão gostoso
Ciúmes e vontades incontidas.
O dia a dia vai maravilhoso
As noites são por certo, mal dormidas.
Assim no nosso caso, prazeroso,
Ansiedade domina nossas vidas...

Eu vejo renascer uma alegria
Que traz ao mesmo tempo, uma tristeza
Querendo te encontrar, leda magia,
Em todos os segundos, com certeza.
Ah! Se eu pudesse, sempre te traria
Guardada junto a mim, ser tua presa...

Um coração batendo tresloucado,
Amor que nos tomou, desesperado...

MARTA TEIXEIRA
Marcos Loures
Publicado em: 13/07/2007 16:57:58
Última alteração:05/11/2008 19:28:46


AMOR CONSTANTE -

Cheguei tarde,
Não mais te achei...
Sem saber o que fazer,
Vagueei por aí...
Sem te encontrar,
Me perco de mim,
Da vida
Do mundo...
Nada mais faz sentido...
Vago sem destino...
Melhor é morrer...
Que sem ter você...
Fazer mais o quê?
Ou ir para onde?
Se em teus olhos escondes,
Sol do meu viver?


Estive o tempo todo
Colado ao corpo teu.
Quem sabe por engodo
Teu rumo se perdeu

Não vês que estou em ti?
Não vês que és só minha?
Andando por aí
A dor que se avizinha

Não pode mais ficar
Rondando a nossa casa,
Jamais irei deixar
De arder-me em tua brasa.

Amor se faz constante,
Um sonho deslumbrante...

ANA MARIA GAZZANEO
Marcos Loures
Publicado em: 21/07/2007 19:32:32
Última alteração:05/11/2008 18:29:57


Teu beijo me queimando, uma fogueira...
Ardendo nos meus olhos, qual fumaça...
Amar-te, prometi, a vida inteira.
O tempo desgraçado, tudo embaça...
Muitas vezes sonhei: minha bandeira
Jogada, abandonada em plena praça.
Amor que não renova faz besteira,
No vento sem saber, depressa passa...

Te quero minha amada sonhadora,
Quero a cada segundo, a cada instante...
Margarida dos sonhos, logo aflora...
Permita que este pobre delirante,
Em versos se declare teu amante.
A vida sem amor, não vale um riso...
Quem me dera viver amor constante...
Por certo me traria o paraíso!
Publicado em: 12/12/2006 23:35:35
Última alteração:24/10/2008 13:55:41


Teu carinho tão brando,
É brando e tão suave
Amor estou te amando,
Amando sigo a nave
Que chama coração!

Coração nave perdida
Que se perde sem querer
Tomando minha vida
Fazendo-me perder
Perder a direção...

Na direção do sol
Encontro deusa lua
Quem fora girassol
Agora gira lua
Direção: coração!
Publicado em: 27/01/2007 18:41:39
Última alteração:28/10/2008 10:38:02


Amor cura?

Eu bem fiz minha morada
Desse peito sofredor
No final, não deu em nada
Pouca coisa que restou

Foi somente essa saudade
Que me faz seguir em frente,
Amar, amei de verdade,
Me curei? Fiquei doente!
Publicado em: 05/12/2006 08:37:54
Última alteração:28/10/2008 11:25:49



Amor ao se entranhar dentro de mim,
Amor de minhas entranhas, morte viva,
em vão espero tua palavra escrita
e penso, com a flor que se murcha,
que se vivo sem mim quero perder-te.

Maiakovski


Amor ao se entranhar dentro de mim,
Tomando todo espaço passa a ter
Imagem refletida de meu ser,
A flor que justifica este jardim.

Não quero que se murche, pois assim
A vida não teria o que viver,
Matando o que há de ti, melhor morrer,
Tu és desde o princípio, o todo e o fim.

Mergulho no insondável de minha alma,
Abismos que percorres; frias sebes,
Do quanto em poesia ainda bebes,

Do amor que me atormenta e que me acalma.
A bela e corrosiva cicatriz
Que enquanto me tatua; faz feliz...
Publicado em: 28/11/2008 14:58:41
Última alteração:06/03/2009 16:29:33


Amor ardente. Quanto nos ensina!
Na pele bronzeada da menina
Desejo de poder ser o seu sol.

Na nossa ilha deserta, nessa areia,
Nos braços dessa bela lua cheia
Quietinhos na delícia deste atol.

Na flor do meu desejo, estar do lado,
Na praia, em nosso sonho e no cerrado,
Vivendo nosso amor, enfim, em paz.

Depois dos nossos beijos tão melados,
E todos os desejos saciados,
O vento tão gostoso, a noite traz..

Por mais que nossa vida seja breve
Que o canto deste amor sempre nos leve
À ilha desejada neste sonho...

Morena esta delícia já se acena
Por isso, nosso amor que vale a pena
Com todo o meu carinho, te proponho...

Publicado em: 25/02/2007 08:54:42
Última alteração:23/10/2008 21:02:34


AMOR BANDIDO


Em você, repouso minh’alma bandida,
brisa silente que canta um verso vazio.
Permeio solitária por uma vida abstraída,
perco-me em infeliz devaneio sombrio.

Livre de mim, minha morte eu adio...
Embriago-me no prazer d’uma alegria sentida.
Em você, repouso minh’alma bandida,
brisa silente que canta um verso vazio.

Cumpro meu julgamento sem tal despedida,
livre de penas, revogo um castigo vadio.
Faça-se lei! Cumpra-se sentença atrevida!
Absorta em punições de amor, me delicio
em você! Repouso minh’alma bandida!


Amor que me inebria, assim profano,
Bebendo de teu vinho, uma aguardente,
Reféns deste desejo, sem engano,
Vontade de te amar se faz urgente.
Amar um bem divino, mas insano,
Fulgura em tempestades, vem ardente,
Liberta enquanto pune. Acorrentando,
Em laços sempre firmes, libertando.

Bendito este pecado que professo
Contigo toda a noite sem descanso.
Um réu que se demonstra assim, confesso,
Encontra na tempesta o mar mais manso.
Eu quero, te desejo, amor, eu peço
A punição de um beijo. E já me lanço
Aos braços da serpente que me encanta,
A deusa sem pudor audaz e santa...

MARA PUPIN
MVML
Publicado em: 22/10/2007 10:58:49
Última alteração:23/10/2008 18:50:50




Amor bandido / Sem juízo,

Devastou / Meu coração

Arrasou / se entregando

me roubou! / apaixonadamente...

Mara Pupin /Marcos Loures

Publicado em: 26/03/2007 16:20:37
Última alteração:28/10/2008 05:47:12


Amor bateu na porta// Meu sonho
coração // perdido
foi atender. // me roubou por inteiro
que faço agora?// enfim, amei!!!

Marcos Loures // Mara Pupin

Publicado em: 30/03/2007 12:45:33
Última alteração:28/10/2008 05:47:36


Quis um outro barracão,
Fiz de zinco, meu castelo,
Em você, a solução,
Amor batendo o martelo...
Publicado em: 24/04/2007 17:38:33
Última alteração:28/10/2008 01:03:28



AMOR CENSURADO...


Jogo-te um beijo...
Mas meu desejo,
Era te beijar de verdade,
E não seguro ansiedade...

Chamo-te então,
Vem ficar do meu lado...
Vem ouvir meu coração,
A gritar desesperado...

Vem sentir a emoção
Que está me dominando...
Acalmar louca paixão,
Que aos poucos me devorando,
Me atirando aos teus braços
Me põe lasciva, ao teu comando...

Mas não me importa,
Vem...
Estou te amando!

Manda as crianças pra cama,
Depois não vem reclamar.
Quando a gente acende a chama,
A censura vai pegar!

Pois tem gente que reclama
Quando a gente quer amar.
Misturando nossa trama,
Vai querer nos censurar.

Meu amor nunca foi fraco,
Tanto engorda quanto cura.
Mas cuidado com pitaco

De quem não sabe ternura.
Vive olhando no buraco
Da porta, da fechadura...

ANA MARIA GAZZANEO
Marcos Loures
Publicado em: 17/07/2007 17:29:51
Última alteração:05/11/2008 19:12:06



AMOR DE VERDADE! /

Nos meus sonhos, estás presente
Nos amamos com grande intensidade
Mas percebo ao acordar...
Que de tua parte, falsidade;
Quisera tu me amares, como te amo
Sem mentiras, sem traição
Mas de tua boca vem as palavras
Mas não vem do coração
Fazes parte de minha fantasia
Onde só ali sinto teu amor
Vou em busca de um novo porto
Para tirar de vez esta dor!



Rasgando o coração me exponho inteiro
E mostro além de versos, sentimento
Sincero, estejas certa; e verdadeiro.
Palavras eu bem sei vão com o vento...

Um bólido cruzando em noite escura
Trazendo para o breu a claridade,
Assim é meu amor pleno em ternura
E exposto com total sinceridade...

Não chame fantasia ao puro amor
Que e vértice da estrada desta vida.
Não sou somente um velho sonhador
Já que te busco em paz, minha saída

Pras dores que acumulo há tanto tempo.
Amor não é somente um passatempo...

ISABEL NOCETTI
MVML
Publicado em: 14/08/2007 19:29:23
Última alteração:05/11/2008 15:46:25




Nada me faz mais feliz,
Que encontrar você, assim...
Com este olhar sedutor...

Amor em chamas,
Acende a minha alma,
Como o sol...

Em teu amor,
Mergulho...
Na calma serena
De sereia,
Que no mar,
Confia...

Marulhar do mar,
Se faz música...

Sensação de céu,
Se faz,
Imergir, neste mar...

Sem temores...
Sem medos...
Sorver do teu amor!
É ser feliz!

Sereia que aportou em minha vida,
Tomando com encanto cada dia,
Refaz uma esperança já perdida,
Entorna o dia a dia em poesia.

Saudade me invadindo, decidida,
Formato meu amor em alegria
Amor que sinto tanto, não duvida,
És mais do que minha alma esperaria...

Acendes meu desejo mais intenso,
Sorver-te em cada beijo sem pudores.
Espalho nos teus passos mel e flores.

Somente em ti, amor, eu sempre penso,
Querendo te beber, felicidade,
Sabendo o quanto eu te amo, de verdade...

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 22/05/2007 21:30:37
Última alteração:05/11/2008 23:03:58



Amor de Verdade

Perco meu sonho
No mar que te quis
Medonha saudade
De ser mais feliz
Vencida a quimera
Tempero a tristeza
E ponho na mesa,
Já se degenera
E traça da guerra
Vestígios da paz
Amor que se encerra
De vida incapaz
Não serve de rota
Nem brota na alma.
Na calma de sempre
Amor me corrompe
E sempre me vence,
Depois me convence
Que posso sonhar.
E perco meu sonho...

Mas se amor se pretende
Ser mais que saudade
Viver toda a tarde
Na noite morrer
Na cama que arde
De tanto prazer,
Se faz da quimera
E vence a tristeza
Que, posta na mesa,
Nem mesmo me espera
E vai, sem voltar.
Repousa na cama
Depois da festança
Convida pra dança
Que nunca me cansa
A dança da vida
Cumprida e comprida
Saudade esquecida
Vivendo a verdade
Verdade da vida
Gostosa e cumprida
Com todo o prazer!
Publicado em: 08/12/2006 16:46:33
Última alteração:24/10/2008 13:52:25




Eu tenho essa certeza dentro em mim
De amores que passaram e não me deram
As horas que de amores sempre esperam
Aqueles que viveram sempre assim,
Às custas destes sonhos que vieram
Nem sempre eram aquilo que quiseram
Por isso sem amores, chega o fim...

Eu necessito amor que sempre esteja
Ao lado dos meus sonhos, belos dias.
Trazendo em suas doces companhias
A paz que toda a vida se deseja
Em meio a calmarias e alegrias,
Poder viver em paz, as fantasias,
Tudo que meu coração, enfim, almeja.

Amor de serventias sem servil,
Ser calmo como as águas deste lago,
Bebendo da alegria, sempre um trago,
Embora, tantas vezes, ser sutil.
À noite nos meus braços, tanto afago,
Os olhos sonhadores, olhar vago,
Num céu de brigadeiro, puro anil...

Amor que não precisa de saudade
Pois sabe que a saudade dói demais,
Em todos os momentos, sem jamais
Tentar tampar a minha claridade
Percebo que contigo terei paz,
A paz que não achava ser capaz.
Amor que, em ti achei, é de verdade!
Publicado em: 13/12/2006 06:46:06
Última alteração:24/10/2008 13:55:49


Amor Da Infância



Vi teu nome rabiscado
Marcado pela paixão.
Foi nesse tempo passado,
Onde tinha o coração
Um bater desesperado
Descompassado afinal
Tanto tempo já marcado,
Na árvore desse quintal...

Do quintal de minha história
Do tempo que fui feliz,
Se emoldura na memória
De um coração aprendiz
Que busca felicidade
Que é tudo o que sempre quis
Dar cabo desta saudade
Trazendo um novo matiz.

Mas ao ver teu nome ali,
Escrito num arvoredo
Foi então que eu entendi
A vida não faz segredo
Felicidade vivi,
Rabiscado na lembrança
Por tanto tempo esqueci
Esse amor de minha infância!
Publicado em: 09/12/2006 07:45:36
Última alteração:24/10/2008 13:53:08


- AMOR DA MINHA VIDA

A ti me dei por inteira,
esquecida do recato
e do pudor.
Quero,sim,
ser a tua companheira,
no cantar da alegria,
ou nas horas de amargor.
Te amarei
sempre, por toda a vida.
Sei que sou
a tua musa preferida


Amor de minha vida, Musa bela,
Que trouxe a mansidão tão necessária
A sorte que eu pensara temporária
Agora, eternidade de uma estrela

Que é Lua, em perfeição e se revela,
Mulher que um dia eu tive, imaginária
Apenas num momento, como a tela
Tecida na ilusão. Dor temerária

Tomara a minha vida antes de ti,
Agora que percebo, conheci
E não era somente um sonho bom,

Eu agradeço a Deus pelo presente
Que ao pecador insano ele consente,
Mostrando a maravilha em raro tom...

HLUNA
MVML
Publicado em: 01/09/2007 13:50:47
Última alteração:05/11/2008 12:24:52

AMOR DA MINHA VIDA
Sabe,
o meu coração
cansou de ser
sozinho,
só queria estar,
aí contigo
e nada mais ...
(ivi)

Amor da minha vida, que bom ter
Teus olhos em meus olhos, espelhares.
Sabendo conhecer em ti meu ser
Trazendo p’ro meu quarto, tais luares.

Amor de minha vida tão sozinha.
Espero que te faça mais feliz,
Por tanto tempo quis que fosses minha
Em todos os meus dias sempre quis...

Vieste salvadora como a praia
Que o náufrago deseja como em sonho.
Peço-te que jamais da vida saia,
Não quero mais viver tão enfadonho.

Só peço meu amor se eu, imperfeito,
Te ferir, me desculpe, eu sou sem jeito...
Publicado em: 26/03/2008 20:32:21
Última alteração:21/10/2008 22:11:08




Amigo eu canto este cantar em versos
Por que falar, não posso, tenho a voz diáfana
Rimo este amor, da inveja, fácil presa,
E jogo a página sobre a tua mesa...

Gritar tentei, mas aves de rapina
Antagonizam este amor sublime
Então me calo e isso me alucina
Achar o amor, e não viver a sina...

Mas fato é, amigo, e não se canse
Desta franquia, deste beijo quente
Que este amor, magia, que é laço
Belo demais para este paço infame!

Encontraremos, outras formas, sim
Pois renegar o amor, não é comum
E essas aves, correios dos infernos
Serão cegadas, por amor infindo!

E por te amar, não deixarei o mundo
Por te encontrar, amor, assim, tão lindo!

Da paixão deste amor tiro o manto

e...

Loucura total, meu amado!

Não tema pela sorte deste amor
Na voz deste sincero trovador
Nas cordas tão sonoras de meu pinho,

Meus versos vou tratando como filhos,
Seguindo nossos passos, nossos trilhos
Envoltos pelo manto do carinho...

Receba deste peito a gratidão
Por seres nesta vida a solução
De quem já se cansava de sonhar.

Amor que se traduz em poesia
Tomando o coração em alegria,
Sabendo como é bom poder cantar.

As aves perigosas, de rapina,
Morreram ao tomar esta estricnina
Criada pelos versos de paixão.

Não tema pelo vinho e pelo pão,
Sigamos pelo sim e pelo não,
Os acordes sonantes, coração.

O preço que se paga é quase nada
É noite que se encanta, é madrugada
Cantada nestes belos madrigais...

Nas nossas emoções, tantas sonatas,
Os brilhos da esperança, puras pratas,
Nós vemos e queremos muito mais...


ANE MARIE


Marcos Loures

Publicado em: 25/02/2007 21:09:05
Última alteração:06/11/2008 12:02:53



- AMOR DA MINHA VIDA


Love of my life, you´ve hurt me
You've broken my heart and now you leave me
Love of my life, can't you see?
Bring it back, bring it back, don't take it away from me
because you don't know what it means to me...

Freddie Mercury



Amor da minha vida; magoaste
Quem tanto desejou estar contigo
Causando no meu peito tal desgaste
Matando todo o sonho que persigo.

Meu canto, num momento tu levaste.
Viver sem teu amor? Já não consigo.
Uma esperança enfim, logo roubaste
Deixando o coração em desabrigo.

Só peço que devolvas para mim
Aqui que tomaste sem sentir,
Meu mundo desabando chega ao fim,

Não guardo meu amor, sequer revolta
Mas venho nestes versos te pedir:
Traga o meu coração, aqui, de volta...
Publicado em: 17/12/2007 21:38:39


Quando eu acalentei todo este pranto
Rolando dos teus olhos, minha amada,
Sentia que seria quase nada

Sem ter o teu amor, que eu quero tanto...
Eu me entreguei a ti sem perguntar
Sequer se tu querias meu querer,

Apenas por te amar, tinha prazer,
Não esperava um raio do luar...
A minha poesia se encantara

E nada te pedi, somente amei,
De tanto, meu amor, eu me entreguei
Que, enfim, te conquistei; jóia tão rara...

Publicado em: 01/03/2007 00:03:24
Última alteração:23/10/2008 21:03:02


Amor de Ébano
Quando queres verdades, dás mentiras,
Quando mentes cidades, vives campos,
Sertanejas sandálias nunca tiras,
Atiras nos pacatos pirilampos...

Me negas sentimentos que padeces,
Nas preces a prudência não te salva,
Nas horas mais vividas desfaleces,
Perfumas meu cadáver com a malva...

Vencida não se entrega quer vingança,
A lança que quebraste já não fere.
Desferida esperneias esperança,
Na dança que fingiste não me espere.

As amas que secaste não deleite,
O leite que me deste foi azedo,
Azado este momento, me respeite,
Aceite meu tormento por segredo...

Arremedo poema não tem fim,
A fim de esquecer tua falsidade,
Verdade é que não gostas mais de mim.
Carmim a boca doce da saudade.

Vontade de ficar mas tenho pressa,
Confessa que não viste este penedo.
O medo me transfere para Odessa,
Dessa mesma maneira que me enredo...

Vontade de voraz caricatura,
Na escura mansidão que não me negas...
Navegas pela mata mais escura,
Candura que fingiste não me apegas...

As pegas corvorizas nas sarjetas,
Tarjetas que ultrajaste incompletas...
As fases que tiraste dos cometas,
As bocas que lambeste vão repletas...

Vontade de saber o que não cabe,
Amarras os convés e não ancoras,
Descoras insensatas regalias,
Nas gralhas que imitaste sem demoras,
Amoras que comeste em noites frias...

Versículos, capítulos, promessas,
Compressas quase nunca são bastante,
Distante de meus olhos, já me apressas,
Verdades sempre em forma delirante...

Nas teclas que pianas operetas,
Nas marcas que maceras nas maçãs,
As maças que amassaste nas vendetas,
As vendas que fechamos, cortesãs...

Amor, te quero mesmo sendo insana,
Amar-te é ser o mesmo que não ter...
Calor demasiado a vida abana,
A morte é a vontade de viver...

Entre tanto entretanto na entressafra,
A pele que compele se completa...
A mão que me ebaniza da deusa afra,
Das paixões que me deste a predileta.

Amar a tal pantera me inebria,
Originariamente me devora,
Cigarros que fumei na noite fria,
A tosse intransigente me decora.

Amar a negritude desta bela,
Nos laços dalmatizam meus amores,
Contrastes sempre foi forma singela,
Da homenagem que peço enfim às flores...

Amando-te esperando meu desejo.
No canto que te embale a despedida...
No gosto chocolate de teu beijo.
És a razão final de minha vida!
Publicado em: 10/10/2006 23:41:58


AMOR DE MINHA VIDA
Sou a pessoa errada – dizem bem-
E não precisas me dizer mais nada.
Hás de partir, um pouco mais além,
Hei de seguir, sozinho, a caminhada.

Mas não me dês adeus! Tu sabes bem
Que ficará minha alma abandonada.
Segue em silêncio, como te convém,
Que tomarei os rumos de outra estrada

Deixa-me só, seguindo os meus caminhos,
Repletos de urzes, pedras e de espinhos,
E n ao deves me ver sangrando assim.

A saudade de ti não terá fim,
E minha alma dirá, mesmo ferida,
Que pelo teu amor, valeu a vida!

MARCOS COUTINHO LOURES
Publicado em: 17/04/2008 21:21:24
Última alteração:21/10/2008 13:09:07


Morrer de tanto amor, bela ventura
Que não mais me fascina mas agita
O peito ritual de fato grita,
E pede sem saber que não há cura
Pr’amor que sempre sofre na ternura.

Depois de libertar nossos desejos
Na cama que não cabe de prazer
Sangrando meus pecados, posso crer
Na força deleitosa desses beijos,
Que morrem nos meus dedos, meus versejos.

Embora te conheça quase toda,
Não sei se tu desejas minha vida
Eu vejo quando a luz vai repartida
Depois de tanto tempo e tanta poda.

Nossas sementes soltas pelo mundo,
Em várias certidões de nascimento.
Amor que já fizemos, sem tormento,
Invade esse universo, num segundo!
Publicado em: 15/12/2006 22:06:08
Última alteração:24/10/2008 14:00:07


A mão que acaricia, em garra já se atreve.
A noite não permite o brilho em novo dia.
O canto que me deste, a dor o revestia.
No sol do nosso amor, o lume não se escreve.
De todo nosso sonho, a manhã morreu breve.
O que levamos? Nada. Amor não mais havia...
A lágrima forjada, a carícia mais fria.
Agora o tempo corre, a vida se faz leve!

Não sinto mais cansaço, esqueço o meu tormento.
Não quero mais mentira abraça-me a verdade.
Não quero nem aceito a tua piedade.
Notícias que me deste, espalho-as no vento.
A lágrima que corre, o sol que anda mais forte.
A voz tão engasgada, aguarda minha morte...

Porém um sentimento revigora
No gosto da manhã que já renasce.
Vivendo um novo amor tão belo agora,
Minha alma demonstrando uma outra face...
Vencendo essa quimera, solidão,
Encontro novamente uma paixão!
Publicado em: 12/02/2007 11:08:03
Última alteração:26/10/2008 20:24:27



Amor de Perdição


A noite que te trouxe era tão fria...
Morrendo, sem sequer ter alvorada.
Os olhos procurando pelo nada,
Recebi dos teus braços fantasia.

De tanto que chorei, mais nada tenho
Embora te esperasse há tanto tempo...

Perdido em meio a tanto contratempo,
Embalde, das tristezas de onde venho
Rias e me mostravas os teus dentes
De tanto que sonhara, me perdi...
Invades meu futuro. Me esqueci
Cada vez mais difíceis e prementes
Amores que procuro, sempre o não;
O que me resta? Amor de perdição!
Publicado em: 10/12/2006 12:05:24
Última alteração:23/10/2008 16:17:58


Amor de smoking
Amor de smoking
Faz mais fumaça
Do que fogo...
Publicado em: 10/09/2008 21:22:07
Última alteração:17/10/2008 14:46:46



Trouxeste a primavera em minha vida,
Com força e com vontade me entreguei,
Caminhos pedregosos eu passei

Depois de tanta dor, tanta ferida.
Sangrando de saudade de te ter
Espero que tu venhas mais depressa

Amor quando é demais, é grande a pressa
Não quero e nunca mais vou te perder
Por isso meu amor, estou aqui,

És flor que me perfuma por inteiro,
Procuro por teu gosto, sinto o cheiro,
Amada deixa eu ser teu colibri!

Publicado em: 25/02/2007 22:44:41
Última alteração:26/10/2008 20:27:26


Amor de Salvação
Nesta ânsia de viver, por vezes penso
Como é difícil perceber o sonho.
O mundo me promete ser imenso,

O que me resta é meu olhar, medonho!
Embalde tantas vezes me pergunto
Onde estará essa mulher vibrante?

Depressa, no silêncio, mudo assunto
Encontro seu fantasma, delirante!
O sonho que procuro, se esvaiu...

Mundo... Em tolos fantasmas me desfaço...
A força que pressinto traz ardil,
Em plena tempestade não disfarço...

Mendigo alguns olhares, vida nega...
Procuro pelos cantos, nada encontro.
O brilho do passado inda me cega,

A vida traz em si, um desencontro...
Quem dera transformasse dor em ouro.
O medo não seria companheiro,

O aço penetrando fundo, o couro.
Vasculho por espaços, mundo inteiro...
O beijo que recebo, solidão!

As vagas que navego, meu naufrágio.
Embalde procurei, peço perdão.
A morte de repente, meu adágio.

Vencidas as quimeras, vou sozinho...
O pranto não decorre da saudade.
Revôo deste pobre passarinho

Por sobre toda a paz desta cidade.
Ser feliz parecia meu direito.
Pesados olhos, canso-me da luta.

Revejo quanto tempo em desrespeito
Vivi, ao me guiar por força bruta.
Deram-me tão somente sensações

Da vida tão inútil sempre a esmo..
Meu canto enfim se forma sem ter paz.
Motivo desta angústia, sempre o mesmo.

A coragem de viver, não tenho mais...
O manto que me cobre, soledade...
O frio que me dobra, sem promessas.

Um vento em tempestade já me invade
Virando minhas luzes às avessas.
Em plena negritude, um pesadelo...

Imensos fogaréus rolam espaços,
O mundo se desfia qual novelo,
Diabólicos miasmas abrem braços

Abarcam os meus pés e não os soltam;
A noite esmigalhando, me sufoca.
Os mares, em procelas, se revoltam.

Fantástica pantera sai da toca,
Os olhos do passado me mirando.
O beijo das quimeras, louca prenda.

O universo vomita, procurando
Meu caminho, meu passo e minha senda.
Desesperado, nada me sustenta.

Em fogo me enveredo por caminhos
Distantes...A minha alma, louca, tenta
Encontrar noutras terras novos ninhos...

A vida se demonstra vã, embalde...
Os furacões, tufões, a tempestade.
Viver me parecendo ser a fraude

Divina, um louco blefe, falsidade.
Vejo-me sem ter porto nem saída,
O cais se revelando tão distante.

A morte se mostrando, sorridente;
A ponta enegrecida da navalha,
O frio revelando-se, envolvente...

Minha pele, poreja e se retalha.
Nos poros destilando podre sangue,
Acaba-se,em delírios a esperança...

Entretanto, do pobre e néscio mangue,
Um ser maravilhoso já me alcança.
Nos olhos redenção de primavera.

Nos lábios, o desejo descoberto,
A mansidão distante nega a fera
Que morre em coração, puro e aberto.

Vejo-te, minha luz e salvação.
Surgida no momento mais mordaz...
Nos olhos, a promessa do perdão,

Sorriso delicado de quem ama.
Risonho, meu caminho, pede paz,
Apagas, num segundo a negra chama...
Publicado em: 17/11/2006 16:38:41
Última alteração:28/10/2008 11:52:21



AMOR DE VERDADE //

Leva-me nesta dança sem pensar
Num passo bem gostoso e ritmado
Até que o coração dispare acelerado
Sem olhar o par pisando aqui do lado

Numa valsa ou num passo apressado
Corpos juntos coladinho em emoção
Lembrando o sanfoneiro do sertão
Puxando o fole arrastando o vozeirão

Mas pode ser a dança alegre do amor
Num requebrado, olhar firmado e dengoso
Nesta dança a contra dança é mais gostoso

Juntando o sonho em fantasia sem parar
A noite toda essa festança ao teu lado
Até o dia vai demorar em clarear

Na valsa que avança na noite que passa
Amor não disfarça já vem galopante
Azar é fumaça que vem num instante
Teu corpo aguardente, meu vício e cachaça

Eu quero comigo, teu beijo dengoso
Amor sem perigo, formato gentil,
Beijo delicado, querida é fogoso
Da cor do pecado, sabor mais sutil

A noite enveredo contigo do lado,
Balança arvoredo se mostra mais forte,
O vento chegando, molejo marcado
Carinhos trocando curando do corte

Que a vida nos trouxe num tempo esquecido,
Amor de verdade, caminho cumprido...

SOGUEIRA
MVML
Publicado em: 18/08/2007 15:03:49
Última alteração:05/11/2008 15:42:03



AMOR DE VERDADE /


Já chegas do trabalho dou te um beijo
Desejo não me deixa, esperar
Depois do belo banho e do jantar
Te arrasto para a sala de estar
Digestão, fazemos, nas carícias
Que ousadas não demoram muito mais
A sede é tanta, vamos para o cais,
Qual náufragos, lutando contra o mar...
No beijo que nos damos, nas salivas
Doçuras, gosto bom de hortelã...
Já raia o sol, sequer nós terminamos,
Nem vimos, que a noite, já se foi...
De novo nos perdemos, nesse afã...

Amor que se emoldura em tantos beijos
Formata com carinhos e carícias
Procede da vontade e dos desejos
Entrega-se ao altar de tais delícias.

Em escotomas, vivos relampejos,
Começa delicado nas primícias
Depois vai devorando ganha ensejos
Com toques de ternura e de malícias...

Vencendo a noite intensa, surge o sol,
E nele este mormaço que convida,
Calor que se espalhando em arrebol

Faz com que nosso ardor se recomece
Trazendo finalmente gozo e vida
Assim em pleno amor, a sorte tece...

ANA MARIA GAZZANEO
MVML
Publicado em: 20/08/2007 21:46:58
Última alteração:05/11/2008 14:25:13



AMOR DE VERDADE //


Único e veemente anseio me move,
A buscar teu braço, meu amado...

Desejo de ver-te tatuado,
Comigo, em mim,
Em doce enleio...

Amor que me invade
E te acolhe em meu seio,
Que grita e me alucina,
E me coloca em teu encalço...

Sequer disfarço...
Desejo imenso, mar...
Vontade de te amar...

Quisera Amor em lúcida batalha
Vencendo as tempestades e as procelas
Vivendo tão somente cores belas,
Não vendo nesta vida, o que retalha

E mostra com certeza cada falha
Em flores tão sutis, onde revelas
As cores da esperança, abrindo as velas
Partindo para o sonho, aonde espalha

Perfume que sabia de um canteiro
Em rosas e crisântemos; cuidado.
Amor ao se entregar em passo extenso,

Demonstra este poder, ser verdadeiro,
Mudando, com certeza, nosso Fado,
Invade um oceano calmo, imenso...

ANA MARIA GAZZANEO
MVML
Publicado em: 01/09/2007 18:05:12
Última alteração:05/11/2008 12:39:58


AMOR DE VERDADE /

Maria e João - tão linda história,
igual a ela só a minha e a tua.
Porque eu considero uma vitória
prender-te junto a mim mais de uma lua.
Que importa se a chuva inunda a rua,
que importa se o sol seca o sertão?
Importa é que me entrego toda nua
e, assim, te tenho preso na minha mão.
Lá fora eu ouço o vento soprando lento,
cá dentro eu vivo intenso este momento.

No vento que lá fora sopra forte,
Nitidamente – amor – ouço chamar
Teu nome que é sinônimo de amar,
Vencer a dura vida, curar corte,

Perdera, já faz tempo; o rumo, o norte
Em ondas tão distantes, ledo mar,
Agora que eu te escuto a me chamar
Refaço em novo dia, minha sorte.

Que tem em verdadeira adoração
Amor além da vida- eternidade-
Já sabe dos desígnios da paixão

E busca, ao ser feliz, intensidade,
Amando com imensa devoção
Sabendo deste amor, que é de verdade...

HLUNA
MVML
Publicado em: 23/08/2007 15:04:09
Última alteração:05/11/2008 14:20:16


AMOR DE VERDADE -

Ao som desta seresta
Na noite de luar
A gente faz a festa
Dançando sem parar...
Bailamos sem juizo
Até amanhecer...
Depois se recomeça
Ninguém mais nos segura
Amor se faz loucura
Nos toma por completo...
De dia, noite, ou lua
Raspamos deste tacho
Melado e rapadura...
Também um queijo prato
A fome nós matamos...
Inda sobra um pedaço...


Ao som da melodia um coração dispara
Vivendo uma loucura, amar-te todo dia.
A gente não tem cura, e o tempo que não pára
Promete uma ternura imersa em alegria;

A sensação dileta – amor é jóia rara-
É mais do que sonhara, e tudo o que eu queria,
Mostrando enfim querida, o que eu mais procurara
Um sonho de viver a vida em harmonia...

Na festa, no banquete, a fome não sacia
Eu sempre desejei teu néctar e ambrosia,
Por isso venha logo, o tempo não descansa

Eu quero mergulhar em tal felicidade
Que o tempo já me deu; e a vida agora alcança
Pois sei que agora eu tenho um amor de verdade...

ANA MARIA GAZZANEO
Marcos Loures
Publicado em: 26/07/2007 08:42:23
Última alteração:05/11/2008 18:02:45




Amor de verdade
Percebo em momentos
Onde adversidade
Negando os ungüentos

Sem prosperidade
Já traz sofrimentos,
E com amizade,
Mostra-nos bons ventos.

Por isso querida
Eu sei que me gostas,
Curando a ferida

Lanhada nas costas;
Tua mão ungida
Em mim sempre apostas...
Publicado em: 05/07/2007 20:02:38
Última alteração:14/10/2008 18:23:46


Amor e Sofrimento

Queres que eu te dedique sofrimento?
Por tanto que não fiz e não faria,
Sem termos que lutar pela alegria,
Não valorizaremos sentimento.

A sorte que bafeja mansamente
Talvez não seja aquela que virá.
O mundo que pretendo nos trará
Um porto, nos receba calmamente.

Por vezes, desfavores são favores,
Amor que veramente tanto estimo
Não posso embriagar com o meu mimo.
A liberdade salva, então, amores.

Percebo que, pareça mais incrível,
Não queres meu amor, e sim o teu
Refletes tanta luz que morro breu
Embrenho meu desejo mais falível
Nas trevas que me deste como amor.
Não posso dedicar a minha dor!
Publicado em: 02/12/2006 08:48:32
Última alteração:28/10/2008 11:42:07



Amor e solidão
Em plena multidão estou sozinho
Procuro pela face que não vejo
A mão que me tortura, a do desejo,
Não deixa que eu encontre meu caminho...

Por vezes, esquecido no meu canto
Busquei a mais cruel felicidade
Às horas se passaram sem vontade
E tudo terminou num triste pranto.

Vencido pela triste coincidência
De teres me olvidado totalmente
O resto do que trago não desmente
E a vida necessita paciência

O negro da mortalha que carrego
Dentro d’alma não deixa suspirar,
Vontade de morrer em meio ao mar
Porém se perguntares sempre nego.

Não quero que tu saibas quanto peno,
Seria isso por certo, uma vergonha,
Minto-te, mas te digo que é risonha
A vida e que meu mundo é sempre ameno.

Cortado pelo frio que não sentes
Espero que consigas ser feliz,
O canto que te peço terá bis
Mas deixe que se sirvam as serpentes

E levem o que resta para o fausto
Banquete que terão ao fim do dia.
Agora que me envolvo em poesia
Não deixo que tu rias deste infausto.

Em plena multidão meu sofrimento
Aos poucos me consome e me devora
Quem sabe se depois que for embora
A noite não te deixe um só momento.

Eu quero tua morte em duras cenas
O gozo da vitória sorrirá
E cada dia sempre sofrerá
As mais cruéis terríveis, e vis penas.

Mereces toda dor sem ter nem tréguas
Os cortes no teu peito mais profundos
Os sonhos te transtornam vagabundos
Arrastas as correntes por mil léguas

As serpes te mordendo e te sangrando
Aos poucos tua pele decompõe
A dor sobre teu corpo sobrepõe
E tua pele arraias devorando.

Vencida e se arrastando pelo chão
Em braços que te batem teus carrascos
De todos os que queres nojos, ascos,
O cheiro em tua tez de podridão.

Verás neste segundo que te chamo
E,embora maltrataste inda te quero
Apesar de todo podre mundo fero,
Eu quero que tu saibas que eu te amo!
Publicado em: 26/11/2006 21:29:28
Última alteração:28/10/2008 11:39:37



Você, meu prazer
Loucura e desejo
Toma meu ser...
Percorro teu corpo,
Mergulho em ti,
Em sensações
Buscando-me alucinante;
Íntimo momento.
Clímax absoluto
No melhor momento...

Mergulho meu desejo na loucura
Que faz de ti mulher tão cobiçada.
Meu corpo se encontrando na procura
Por tua boca intensa, extasiada...

A noite se promete na mistura
Na nossa tresloucada madrugada
Suspiros e gemidos... Que tortura!
Rompendo todo o medo e alvorada...

Na busca alucinante te proponho
Viver cada segundo, intensamente.
Num êxtase divino, nosso sonho,

De termos mais as loucas sensações,
Depois de começarmos novamente,
Sentir o louco gozo em explosões!

Teresa Cordioli
Marcos Loures
Publicado em: 29/03/2007 15:56:35
Última alteração:06/11/2008 10:22:33


Amor e Solidão


Amor, a cantilena que domina.
Perfeita ladainha que repetes.
Nos ombros dolorosos, os confetes,
Em festas nunca deixam serpentina.

Nas horas que ignoraste meu tormento,
Isento das verdades e dos tinos,
Nas mãos que me carinham, desatinos,
Quem dera se viver fosse um alento.

Veria que falseias sem cuidados,
As mentiras, imbróglios, falsidade.
Depois de tanto sonho ter saudade,
De novo meus desejos sepultados.

Mas nada me impediu de te querer,
Nos mares que me deste em penitência.
Plantando no jardim quem quis hortênsia,
Deixou a solidão, triste prazer!
Publicado em: 06/12/2006 15:58:00
Última alteração:28/10/2008 11:28:21



Amor e Sorte
A sorte me acompanha, destemida,
Nos dias em que tenho teu amor.
Vencendo todo trágico temor,
Eu vejo renascer a minha vida...

Nos tempos mais doridos, quis a morte,
Que para minha sorte me esqueceu.
O mundo que perdia, fora ateu.
Hoje em teu braço, carinho que conforte.

Não vejo meu retrato na parede
Que trama toda a sorte da saudade,
Estou nas belas teias, realidade,
Das fontes onde mato minha sede.

Não deixe que este encanto se desfaça
Mas vamos, ao contrário, mais felizes,
Amarmo-nos nos vários chafarizes
Que forjam a beleza em cada praça!
Publicado em: 29/11/2006 21:44:45
Última alteração:28/10/2008 11:40:59



Amor é qual naufrágio em ilha bela.
Tua paixão,
tão verdadeira,
me deixa assim,
tocante sensação
de Amor sem fim ...
(ivi)

Amor é qual naufrágio em ilha bela.
Verdades e mentiras se confundem,
E quando os corpos nus querem, se fundem,
Felicidade plena se revela.

Por mais que as fantasias sempre abundem,
É bom sentir comigo outra costela,
Vontade sendo a minha, a mesma dela,
Certeza de prazeres que me inundem.

Tocantes emoções, lastro e viagem,
Seguindo assim os rastros, chego a ti.
Fazendo nas tristezas a dragagem

Que possa permitir navegação.
Aos poucos, minha amada, eu concebi
Faróis que em paz nos mostre a direção...
Publicado em: 04/02/2009 14:54:47
Última alteração:06/03/2009 07:00:02



Amor e Razão
Amor que não se rege na razão,
Em tudo que pretendo, desconcerta,
Nem sempre me indicando qual a certa
E a mais segura e calma direção.

Se perco, ao mesmo tempo, uma esperança
Amor se prevalece e não me deixa
Embora meu ciúme, tua queixa,
Difícil conviver com tal mudança.

Amor quando não trai, nada consente
Ao mesmo tempo corta em carne viva
Minha alma deste amor, qual fugitiva,
Procura voar solta, livremente.

Porém ao mesmo tempo não deseja
Voar, em liberdade pelos céus.
A noite quando envolve nos seus véus,
Não deixa nem sequer que amor me veja.

Fugindo deste amor, sou seu cativo.
Deveras tresloucado, me divide.
Exige tantas vezes que eu decide,
Se morrer de amor ou ficar vivo!
Publicado em: 28/11/2006 21:05:59
Última alteração:28/10/2008 11:40:05



Agora,
Com certeza...
Esse amor será
Sem o adeus,
Fatídico...

Amor me invade...
Preenche...
E me lança...

Deslumbrada e feliz,
No teu abraço,
Meu querido!

Vencida pela força soberana,
Entrega-se sem sisos a Razão
Causando uma total ebulição
Avança sobre a natureza humana.

Quem sabe e quem conhece não se engana
Estende, com juízo, a sua mão,
Sabendo que esta luta foi em vão,
Santa emoção por certo já se ufana.

Guardando o teu carinho na memória
Além do que pudesse ter sentido,
Amor se faz potente em grande glória,

Sou servo deste amor, estou vencido
E disso há muito tempo percebido
Eu comemoro sempre esta vitória.

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 25/05/2007 16:44:51
Última alteração:05/11/2008 23:00:24



A noite vai passando em lua pálida,
Tomando todo o céu, belo horizonte.
Menina que adormece e sonha cálida
Do amor adolescente, rica fonte.
Por mais que uma ilusão pareça inválida.
Amor faz que o sonho assim desponte.
Raiando na manhã, realidade,
Distante, bem distante da verdade...

No centro do reinado da princesa,
Um cavaleiro surge galopante.
Montado num corcel, rara beleza,
Invade seu castelo, num instante.
E toma num assalto, sem defesa,
O mundo da princesa delirante.
Depois o tempo passa, o dia chega,
Rotina matinal, pão e manteiga...
Publicado em: 25/05/2007 20:46:28
Última alteração:23/10/2008 21:05:55


Amor e sacrifício
Matando quem merece ser amado
Amando quem não sabe merecer
Tirando uma vontade de viver
Nas ânsias deste mar, mais mareado.

Esquivos pensamentos esquisitos
Estranhas esperanças esquecidas.
Que fantasia trazem nossa vidas
Que não permitem sonhos mais bonitos.

Com sonhos e desejos por alguém
Que nunca mais voltou nem voltará
Aos poucos todo céu se fechará
E em pouco tempo, nunca mais ninguém.

E queres que eu te escute sem ter dores.
Se bem que nem percebes quanto dói.
Não sabes que meu mundo se destrói
Em volta das memórias, teus amores.

E queres que eu me mate em sofrimento
Assim como desejas que eu te cure?
Em mim o tanto quanto se procure
Não bastam ao teu vago sentimento.
Publicado em: 02/12/2006 10:09:37
Última alteração:28/10/2008 11:42:13


Meu coração tanto anseia
Resposta desse meu doutor
Mas parece que a receita
Está torta meu senhor.

A cada verso que leio
Não sei de quem se trata
Se é da flor do cerrado...
Dúvida cruel que mata.

São tantos pacientes por aqui
Que não sei se consigo distinguir,
Se o remédio vem para o planalto,
Ou se fica perdido no asfalto.

Eu sei que doutor tem que cuidar
De quem vier o procurar
Mas por favor, me responda,
O seu remédio posso tomar.

Queria tal receita apresentar
Mas esse médico me diz:
Farmacêutico não pode saber
Que fui eu quem entregou a você.

Mas peço não me deixes sem saber,
O que tenho então que fazer,
Para meu coração alegrar,
E de amor então não morrer?

Não se esqueça que o remédio
Tem a dose e o momento,
Não quero que vire tédio
A beleza e o sentimento.

Não se preocupe tanto
Com a falta deste vento,
Não é pra causar espanto,
Vou vivendo sempre atento.

Aos sintomas da doença
Que bem sei que traz tortura
Mas que boa a recompensa,
Quando o mal logo se cura.

O cuidado que se tem
Com a chuva e tempestade,
Ajuda muito também,
Precisa tranqüilidade.

Eu bem sei que a vida passa
E com ela esse perigo,
De virar tudo fumaça,
Mas tratamento eu prossigo,

Com toda essa paciência
Que parece uma maldade,
Mas faz parte da ciência
Gotas dessa tal saudade.

O que importa no momento,
É preciso que convença,
Não é o medicamento,
Mas a cura da doença...

Aracelly Loures
Marcos Loures
Publicado em: 23/03/2007 22:40:51
Última alteração:06/11/2008 10:19:25



Amor e Saudades - Marcos Coutinho Loures


-Amor:

O vento frio de uma noite de inverno caiu sobre minh’alma, quando soube que ias partir...

Como ave de rapina, a angústia fincou suas garras em meu coração que, inutilmente, busca reviver os momentos felizes de um pesadelo tão recente...

Ah! Como eu te amei...

Eras a realização dos meus sonhos mais ardentes, a luz que iluminava meus passos, a minha canção preferida.

Com a tua partida, os sonhos se perderam na longa estrada, o sol se apagou e aquela canção se perdeu, na distância que hoje nos separa...

Por mais que eu procurasse, jamais encontrei um motivo que pudesse justificar a tua partida, de modo tão inesperado...

Éramos tão felizes juntos que jamais pensei em te perder!

Os meus erros, tu os perdoaste todos, da mesma forma que esqueci os teus!

Fiz de teu amor a minha oração e, talvez por isso, Deus me tenha castigado, afastando-me de teus olhos, de teu corpo, de teus beijos, de todas as coisas que, a teu lado, trouxeram o paraíso à minha vida!

Agora, reunindo os pedaços de minha esperança, eu me dirijo à Virgem, implorando o perdão por esse meu erro mas pedindo e implorando a Ela que me faça com que voltes para mim, antes que o frio de uma noite de inverno congele toda a min’alma...
Publicado em: 09/12/2006 10:20:15
Última alteração:27/10/2008 21:21:49



Te amo!

E por te amar,
Eu me perdi em labirinto...

Aonde ando...
Uma saída, a procurar...

Vou e volto...
Tento outro rumo...

Calo e grito...
Sinto-me a andar em círculo...

Mas sem saber...
Aonde vou parar...

Mas sem te achar...
Porta de saída,
Para o estado em que me encontro...
Sigo a te amar...

Vejo-me sem saída...
Preciso de você, prá me ajudar...

Vem me buscar...
Se conheces bem,
A armadilha deste amor,
Que me prendeu...

Me fez cativa...
Em labirinto, sem saída...

Só o teu amor, irá salvar-me!

Num labirinto imenso me perdi
Em busca de mim mesmo, nada achei,
Porquanto quase que me convenci
De que nada mais sei e nem serei.

Ao ver-me sem destino foi que vi
A porta semi-aberta que encontrei
Mostrava-te bem perto, logo ali,
Saída transformada em regra e lei.

Amada, não me perco mais do rumo
Levado pelo brilho de teus rastros.
Não sabes, mas em ti, meu bem, aprumo

E percebo que esta sorte já mudou.
Meu céu buscando assim por tantos astros,
Apenas os teus passos encontrou...

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 19/03/2007 21:29:01
Última alteração:06/11/2008 11:23:52



AMOR E SAUDADE

Saudade plantou tristeza
Em meu olhar sonhador
E maculou com certeza
Meu coração, meu amor.

Nenhum bálsamo, alegria
Encontrei na sua ausência
A verdade em pura essência
Na lembrança encontrou via.

E acalmei meu anseio
Revivendo o amor, magia
Teu rosto sobre o meu seio
Na mais bela poesia.

O tempo passou sofrido
Perdida em meu devaneio
Revivendo o que vivido
Tua presença é esteio.

De novo brota a alegria
E faz festa em meu viver
Muito feliz o meu dia
Junto a ti, o meu prazer.


Ana Maria Gazzaneo

Saudade
Amor revivido
Renovado
Refeito em caminhada
Idêntica?
Talvez.
Consonante
E conseqüente
No que vente
No que atente
Plena mente,
Mas não mente
Nem se omite
Redime.
Publicado em: 09/10/2010 14:58:43


Quando o desejo é infinito,
A paixão nos desespera,
Mas o amor, como é bonito
Quando a mulher é sincera...

Eu te digo; companheiro,
Concordo logo contigo,
Se não cuidar do canteiro
A rosa vira um perigo.

Mas se deres teu carinho
Para a mulher que te adora,
A rosa perdendo espinho,
Nunca mais quer ir embora!

Marcos Coutinho Loures
Marcos Loures
Mote: " O amor só é bonito quando a mulher é sincera"

Publicado em: 13/03/2007 07:15:09
Última alteração:06/11/2008 12:01:05


AMOR E POESIA /

Dizem que a esperança
É a última que morre
Apego-me a este ditado
Talvez isto até me conforme
Peço-te que faças o mesmo
Contaremos com ela e com a sorte.

Fazendo da esperança a companheira
Além de toda a sorte necessária.
Que a dor em nosso peito, temporária
Termine na paixão mais verdadeira.

Eu quero ter contigo, a vida inteira,
Mesmo que nossa sina procelária
Demonstre que emoção viva e sectária
Apresente-se às vezes feiticeira.

Apascento a fúria das tempestas,
Somando nossas forças, não teremos
Motivos pra negarmos belas festas,

Unidos navegamos, nossos remos,
Decerto ajudarão na travessia
Na busca deste amor em poesia...

GELIS
MVML
Publicado em: 29/08/2007 18:32:29
Última alteração:05/11/2008 12:36:08


Do pranto que surgia fez-se riso
Das trevas renascido paraíso
E a vida sem sentido se promete
Aos sonhos maviosos me remete.
Confesso não saber mais o que faço
O mundo que vagueia perde o traço
E, manso vou buscando teu perdão,
Que salva e regenera o coração.
É bom saber-se vivo neste outono
Às margens deste rio, do abandono,
Depressa aprenderei a navegar
Nas ondas deste encanto, nosso mar.
Que faz das ventanias, calmaria
E mostra tanta força, a poesia,
Que nasce nos castelos doloridos
O sol que nos raios repartidos
Fecunda a doce terra da esperança.
Fortalecendo a vida em aliança.
Bem antes do que a noite se convença
Raio solar me diz: viver compensa!
Publicado em: 14/12/2006 19:01:29
Última alteração:24/10/2008 13:58:57

AMOR E POESIA

A minha poesia me sustenta,
Do que mais necessito p’ra viver,
Quando busco dessa água, alma sedenta,
Sacia sua sede de saber,
Na fonte maviosa e cristalina
Que só na poesia surge, mina...

Quanto mais vou faminto, mais preciso,
Desse maravilhoso, bel repasto,
É pão... dessa ambrosia eu como e biso,
Afastando o temor, cruel, nefasto...
De sentir, madrugada afora, fome,
Poesia-banquete me consome...

Ar que respiro, base para a vida,
Sem ela, poesia, me sufoco.
Força mantenedora, minha lida,
Nos meus versos, amores eu estoco...
Eu pergunto-te então, como seria,
Se não houvesse enfim, a poesia...
Publicado em: 25/09/2007 16:20:52
Última alteração:26/10/2008 20:29:35



Amor e Poesia

Meu amor em poesia
Não se cansa e quer bem mais.
Entornando fantasia
Encontrou em ti seu cais..
Publicado em: 01/03/2008 21:13:24
Última alteração:22/10/2008 13:27:49



AMOR E POESIA

Nestes dias
assim,
tão tristes,
fico amparada
pela tua Poesia ...
(ivi)

Amparo
Mesmo frágil
Poesia
Permite
Ser mais ágil
Cada dia.
Impedindo o naufrágio
Da alegria...
Publicado em: 12/05/2008 17:49:45
Última alteração:21/10/2008 14:35:35



A vida sempre sorri
Ao poeta e sonhador
Que fez, em volta de si,
Um círculo só de amor.

Vou levando assim meu canto
Com meu peito apaixonado,
Meu amor, eu te amo tanto,
Deixa eu ficar do seu lado.

Minha vida sem amor
Não seria quase nada,
Quero ter o teu calor,
Minha doce namorada.

Meu verso sempre te diz,
Tudo que eu quero pra mim,
Nessa vida, ser feliz,
É ter tanto amor assim.

Neste canto que te faço,
Muito amor e alegria,
Ajuda a vencer cansaço,
Nos braços da poesia...

Marcos Coutinho Loures
Marcos Loures

Publicado em: 24/03/2007 10:05:10
Última alteração:06/11/2008 10:19:49


Tantas vezes, embalde procurei
Nos sonhos que queimavam minhas noites.
Nos versos que teimava em declamar
Nas ondas tão distantes deste mar.

Na boca sensual desta morena
Que pena, tantas penas tanto tinha
Que sei que não serei o que queria
Na noite que tentava, morre o dia.

E vejo, calejado desta vida
Ávida cercania que corteja
A boca que não veio nem viria
O tempo que perdi, em fantasia...

E calo por saber que não me cabe
No colo da morena que pensava
Que pena que essa deusa me mentia.
O mundo tanta pena valeria...

Mas rio do que rio foi regato
Se rio nada sério, nada somo.
Me assomo com o verso que faria
Reverso da medalha que temia.

E vejo, tão moleque o que não mói.
E sinto o que o reboque não levou.
Amor que para ti foi poesia,
Morreu nesta incerteza que mentia...

Mas sinto que virá nova tormenta
Em forma de outras coxas, pernas braços...
Depois de tanto amar, amei Maria,
No mar que me inundou, sem poesia...
Publicado em: 21/01/2007 14:42:40
Última alteração:28/10/2008 10:37:39


Amor e Inveja
Contra o mar, tempestades e procelas,
Vencendo nossa nau, mansa flutua.
Os raios desta noite, em plena lua,
Deliram nossos céus em mansas telas...

Não deixe esmorecer nossa vontade,
Com força que derruba o sofrimento
Que sempre nos proponha calmo vento
Nos dando esta perfeita liberdade.

Amiga como é bom saber que te amo!
Se trazes meu destino em tuas mãos,
Mais forte construímos nossos chãos
E sem motivos, nunca mais reclamo...

Que a morte, desejosa, não nos veja
Tampouco esta alvorada em novo dia,
Nem mesmo uma invejada fantasia,
Que, mais que todos, sempre nos inveja!
Publicado em: 29/11/2006 21:26:35
Última alteração:28/10/2008 11:40:55



Amor e lágrimas.

Não deixe de brincar comigo amor,
As tuas brincadeiras me fazem o mal que necessito.
Por vezes a vontade de morrer
É maior que todo o mar que já chorei.
Não vou ficar me iludindo
Com versos que não sinto,
Cantar amor e felicidade
Quando a alma entra em pânico?
Hipocrisia
E isso é poesia
Vale por um dia
E talvez a vida inteira
Amiga e companheira
Que mente e tanto omite
Que nada mais que se pinte
Nas estrelas deste nosso mar
Que possa me dizer de teu amor
Que morreu sem ao menos começar.
Agora pegue meu braço e vamos dançar
A praça nos espera e não gosta de esperar.
Rodando nessa noite
A noite pede roda
A roda do meu mundo
Segundo que não sinto
Sentindo tua mão
O não prediz o sim,
Assim a noite roda
Nas rodas desta saia
Tanta vida que atrapalha
A morena de dançar
A dança que não sabia
Se viesse ou se veria
Severina como a vida
Severa como a esperança
Que de novo entra na dança
E não para de rodar.
Roda tempo roda mundo
Um coração vagabundo
Procura consentimento
De teu manso sentimento
Sentidos e serventias
Nas serpentinas da alma
Que nada mais acalma
Nem vontade de chegar
Ao sol, ao teu luar
E a emoção que se trama
Deitando na tua cama.
Com vontade de morrer.
Morrer de amor que não veio
No canto desta emboscada
Que, no fundo, deu em nada
A não ser na madrugada
Na mesa deste boteco
Amor fazendo eco
Perdeu o repeteco
Agora?
E agora amor?
Publicado em: 13/12/2006 21:50:27
Última alteração:24/10/2008 13:56:53


Amor e Liberdade
São os caminhos invisíveis do amor que libertam o homem. Saint-Exupéry

Procuro a liberdade pelos ares
Nas asas das fantásticas libélulas.
Em cada criatura, em suas células,
Nas frutas que colhi nos meus pomares,

Nas árvores frondosas, nas cascatas;
Nos passos delicados da pantera,
Nos olhos do leão, de qualquer fera;
Em toda ventania, em densas matas.

Procuro a liberdade no meu canto,
Nos pássaros canoros e libertos.
Nos rumos das estrelas, tão incertos,
Na lua com seu belo e alvo manto...

Nas ruas e mansões, nas capitais;
Nas praças e coretos das cidades.
Na luz em forte brilho, claridades,
Nas ondas e profundas abissais..

Na força da natura e na beleza,
Nas altas cordilheiras e nos planos.
Em todos os lugares, desenganos.
E mesmo no universo uma incerteza.

Liberdade meu sonho mais feliz,
Onde estarão as asas que procuro?
A busquei no clarão, em pleno escuro,
Nas ásperas escarpas, céus anis.

Esta procura louca já me cansa
Em busca da ansiada liberdade.
Encontrando por vezes a saudade,
Meu olhar mais distante não alcança

O cimo das montanhas e os rios.
A luz de tantos sóis já me cegava.
O brilho da manhã não encontrava,
Amauróticos olhos perdem fios...

Depois, total cegueira em minha vida.
A perda da visão, minha prisão!
Pensara num momento, em solidão;
A luta que travei está perdida...

Porém quando julguei que estava só,
Um pássaro em gaiola, solitário.
Recebendo o carinho solidário,
Amor que não deseja e nem tem dó,

Amor que me acalenta e fortalece
Que traz essa certeza de vitória
Que me mostra o caminho para a glória
Que a cada novo dia me enriquece.

Amor que soluciona meus problemas
E não cobra e nem sabe me ofender.
Que não precisa d’ódio p’ra viver,
E que traz alegrias como lemas.

Amor que me sussurra e me perdoa,
Não guarda nem rancores nem vinganças,
É pleno em atitudes e esperanças,
E mesmo sem ter asas, livre voa...

Num segundo percebo essa verdade,
Cansado da procura e quase cego,
Descubro, em minha busca, o que carrego
Vivo em meu terno amor: a liberdade!

Publicado em: 23/11/2006 14:53:49
Última alteração:28/10/2008 11:52:45


Não quero o desconforto da saudade,
Meus dias não serão em vão, perdidos...
Passado me negando claridade,
Os bosques dos prazeres, esquecidos...
A vida sempre nega eternidade
Os tempos mais felizes, tempos idos...
Meus mundos que velei, sem claridade,
As vozes dos amores nos ouvidos...

Cantando, solitário trinca ferro,
Espera pela amada que não vem...
Coração na gaiola solto um berro...
Ninguém me escutará estou bem certo.
Mesmo assim gritarei neste deserto
Esperando um amor em que acredite,
Coração passageiro perde o trem,
É tão triste te esperar, minha Afrodite...
Mas sei que a luz da lua te trará,
E essa gaiola enfim, já se abrirá!
Publicado em: 12/12/2006 16:44:53
Última alteração:24/10/2008 13:55:30


Amor e Liberdade


Amor que de novo
Trazendo saudade
Aos olhos me salta
Qual força bendita
Que sempre tão prosa
Me lembra essa rosa
A rosa bonita
Que quis liberdade
Porém não sabia
De tal claridade
Que a tarde já traz
A felicidade...

Que faço da flor
Que nada queria
Aos olhos sinceros
Sem ter falsidade
A rosa orgulhosa
De tudo vaidosa
Por toda a cidade
Mas nunca se ria
Matou colibri
Que sempre pedia
Um pouso sereno,
Mas nunca teria...

Amor tão ameno
A noite renasce
Fazendo da vida
Um sonho risonho
Saudade ardorosa
Colibri perde rosa
Vivendo tristonho
Com tal desenlace
Morreu colibri
Sem ter o disfarce
Em duro veneno
Amor que se embace.

Não cabe tal sorte
Ao pobre coitado
Que sempre sonhara
Com rosa bonita
Que em tudo medrosa
Não sabe que rosa
Também tanto agita
Neste sonho alado
Qual um colibri
Viver sem pecado
Criando essas asas
Mudando seu fado...

Amor não discute
Nem trama sozinho
Amor jóia rara
Que vale esse sonho
Da rosa teimosa
Que sempre tão prosa
Jamais revoara
Colibri não tem ninho
Em nada se ampara
Morrendo sozinho
Sem rosa que amara!
Publicado em: 24/12/2006 18:09:15
Última alteração:28/10/2008 11:23:39


Amor e liberdade
Amor e liberdade minha esmola
À qual eu me entreguei sem perceber
Que tão somente a glória de um prazer
Ainda dentro da alma faz escola,
E sei que esta saudade já decola
E molda o que deveras não quis crer
Deixando para trás a me envolver
A sombra do que fui e não descola
Das ânsias que procuro disfarçar
Aonde quis promessa de lutar
Apenas a vingança da ilusão
Tomando já de assalto a poesia
Enquanto o nada ser ora recria
Moldando as trevas todas que virão.
Publicado em: 13/02/2010 12:33:51
Última alteração:14/03/2010 12:28:01



Amor e Oportunidade
O problema de resistir a uma tentação é que você pode não ter uma segunda chance. Lawrence Peter

Resistir aos teus olhos, não consigo...
Sou como um helianto apaixonado!
O grito deste amor, desesperado,
É tudo que desejo e que persigo!

Não sabes que caí em desespero,
Mas juro que não tive outra saída...
És tudo o que sonhei, és minha vida.
Por isso meu completo destempero...

Andavas pelas ruas sem sentir
Que dois olhos seguiam cada passo.
Sonhavam com teu beijo ou teu abraço
E quase que sem jeito, fui pedir

Um pouco de atenção e de carinho...
Por sorte percebi que tu querias
Trazer também teu brilho para os dias
Que em meio a tantas trevas fui sozinho...

Nesta hora, te confesso, tive medo;
A vida não permite nova chance,
Agora que vivemos um romance
Divino e estamos longe do degredo,

Entendo, meu amor, falo sem queixa;
Quem quer felicidade não esqueça,
Mesmo que a negação já te aborreça
Uma oportunidade não se deixa...
Publicado em: 23/11/2006 18:45:59
Última alteração:28/10/2008 11:52:51



Amor e Paixão

Apaixonadamente me conquistas
A cada dia mais e mais e tanto.
Amor que me embalando em teu encanto
Transforma os corações em anarquistas...

Perdendo o meu domínio, te deliro,
Dos dois que éramos antes, em desejo,
Único coração, agora, vejo.
Espinho majestoso em que me firo!

Teu corpo no meu porto, todo meu.
As bocas se torturam e se pedem
E nada, nem as dores, nos impedem,
De ver na claridade, todo o breu.
E ter na escuridão a clara luz
Que sempre nos treslouca e nos seduz!

E saibas, minha amada companheira,
Que mesmo que não seja assim constante
Paixão que te transforma em minha amante.
Por certo é sempre forte e derradeira.
Mistura de prazer com tanta dor,
Um dia essa paixão trará o amor!
Publicado em: 07/12/2006 19:39:56
Última alteração:28/10/2008 11:24:31


Amor e Paixão
Amor não é guloso
e, ao contrário da paixão e do desejo,
se alimenta de pouca coisa...
um sorriso, um carinho, um beijo, bom dia...
às vezes nem isso.
Muitas vezes não cobra nada e nem pede,
nem reciprocidade.
Paixão, muito pelo contrário,
a cada dia se rebela
e tumultua tudo.
Não sabe viver sem não
Sem senão sem porquê
Sem calmaria e tempestade
Invade e nem pergunta, invade.
Amor bate na porta, paixão arromba.
Amor diz bom dia, paixão nem pergunta
Amor respeita, paixão inunda
Amor é sempre paixão é nunca.
Amor perdoa, paixão castiga
Mas se queres ser feliz, ame!
Entenda o que é o amor e o alimente sempre
Mas não deixe que a paixão o destrua.
Nem o mude, já que a paixão vira amor e consolida
Se o amor virar paixão destrói e não deixa nem sombra.
Acima dos dois, somente a amizade.
Essa não pergunta e não se trai.
E se trai perdoa, e continua um ritmo todo especial.
Feliz da paixão que vira amor e morre amizade.
É perfeita!
O desejo?
Maria foi para a cama a chama de Maria já me chama e me sacia.
Depois?
Outro dia...
Publicado em: 26/11/2006 13:56:34
Última alteração:28/10/2008 11:53:38



Os sofrimentos nunca mais sossegam
E queimam sem dar tempo de fugir
Amor que sempre marca, sem sair,
As sortes tão felizes já se negam
As cores destas dores se carregam.

Amor que prometia um lindo prado
Esgarça-se em paixão alucinada,
Depois desta emoção, não sobra nada
A não ser o meu peito tão cansado...

Amor que sempre fora rutilante
Das pedras preciosas, a mais quista
Amor é terra nova que se avista
E mostra na beleza, um diamante.

Amor envolto em paz e harmonia
Porém paixão devasta sem ter pena,
Em tempestade louca, paixão plena,
Impede em tantas nuvens, ver o dia...
Publicado em: 15/12/2006 12:17:19
Última alteração:24/10/2008 13:59:20


Tens um jeito todo especial.
E está no jeito em que me amas,
Em como me deu motivos para sonhar.

Suas palavras me tocam
A lua está tão próxima,
Peço que o abrace por mim,
Que mostre todo meu desejo
De ser tua por completo.

Pertenço a ti,
Pertences a mim
Nossos segredos hão de desnudar
Toda a ânsia de nos embriagar
Do nosso amor e da nossa paixão.

A brisa suave
Toca a roseira
e a torna mais esplêndida.
Suas palavras tocam meu ser
E me faz delirar...
Assim como te faço também.

Eu quero te tocar, beijar inteira;
E desfrutar do gosto do prazer
Roçar tua nudez tão verdadeira
Sem medos, com vontade de te ter...

A boca mansamente, na roseira
Bem sabe dos espinhos. Mas quer crer
Que és minha nessa noite. A rosa cheira
Todo o perfume intenso do teu ser.

Inebriado sinto o teu perfume
E passo toda noite a vasculhar
Deixando já de lado o teu ciúme,

Roubando calmamente o teu desejo.
Sentindo toda a terra se encharcar
Desta umidade densa em nosso beijo..

Aracelly Loures
Marcos Loures
Publicado em: 30/03/2007 22:03:10
Última alteração:06/11/2008 10:23:23



Amor e Penitência

Procurando , no mundo certo bem
Que sinto não ter tempo de chegar,
Depois de tanto tempo sem ninguém
Alguém que me quisesse sem pensar.

Meu destino não disse das promessas
Que foram feitas sempre em fantasia.
Amor que não proponho não viria
A vida sempre pega suas peças.

Mas andando por luas e por mares,
Vivendo essa tormenta de te amar.
Querendo por amor, o teu amares,
Amando sem saber onde encontrar.

Vegeto se não tenho teu amor.
E nada mais tortura que t’a ausência.
Amor sem teu amor é desamor.
E toda a minha vida, penitência!
Publicado em: 06/12/2006 16:19:07
Última alteração:28/10/2008 11:18:46


Amor e Perdão

Querida amiga,

Não temas a dor, passageira; e nem creia que
Ela te impeça de ser feliz.

A felicidade é feita de experiências e feridas bem cicatrizadas pois somente isso nos ensina.

O sofrimento e a angústia atingem a todos nós.
Somente os néscios não conhecem isso.

O que não é o nosso caso.

A amargura valoriza o adocicado.

Repare que, o próprio mel, com o tempo, se torna insuportável se não houver o contraste do azedo, do salgado e do amargo.

As reentrâncias e as elevações do relevo é que fazem a paisagem bonita, senão o que teríamos seria o marasmo
Que não assusta e nem embeleza.

Talvez a alegria volte com quem partiu ou com outro qualquer mas, se tiveres o coração aberto, ela retornará, certamente.

Não a mesma alegria, elas não se repetem. Mesmo que quem amas retorne, nunca mais será a mesma alegria.
Se prepare para ter uma decepção ou uma grande surpresa.

O vaso quebrado não se conserta se for um vaso raro, belo e encantador.

Mas, pode ser que a reforma feita melhore a qualidade deste vaso que se partiu, transformando-o numa obra prima.

Isso depende do artífice e de sua habilidade.

Mas, principalmente, da sua vontade de perdoar.

Se não quiseres, profundamente, perdoar, procure outro amor,aquele que se foi jamais poderá recuperar o vigor e a beleza, se não tiveres o coração plenamente aberto para recebê-lo de volta.

Mas se prepare por que ele também mudou, esteja certa disso.

Mas, qualquer que seja a tua solução, pense na TUA felicidade.

Ela é mais importante que tudo o mais.

O caminho para a felicidade está dentro de ti.

Faça o que teu coração pedir.

Mesmo que se arrependa por isso, é melhor do que fingir que não o ouve.

Aí o arrependimento será certo, esteja certa disso.
Publicado em: 09/12/2006 10:08:36
Última alteração:27/10/2008 21:21:55


AMOR E PLENITUDE /

Dar-te-ia o coração
Abrigo que te faria
Rei da mais bela emoção
E apenas te honraria

Não é rede, nem é laço
Mas castelo de portas abertas
Refugio para o teu passo
Regaço aonde despertas
Refeito e pronto prá luta
Que a cada dia se enceta...

Ilha de doces prazeres
Aonde podes fugir
De todas as intempéries
Que nesta vida surgir...

Soubesses da acolhida
Que em meu peito terias
Não mais te recusarias
Ao dom das mãos estendidas
Que te ofertam meu coração
Como oferenda, até mística...


Ao mesmo tempo mostra em belo viço
Belezas que provocam nosso vício,
Causando então gigante reboliço
Levando-nos decerto ao precipício

Num ar que é tantas vezes mais mortiço
Errante e sem destino desde o início.
Mas sempre num divino compromisso
Dominar totalmente é seu ofício.

Amor que se faz forte em plenitude
É feito de emoções em louca paz.
Mesmo que venha lúdico amiúde

Na realidade deve ser capaz
De se adaptando ter outra atitude
Quando outro vento, instável vida traz.

ANA MARIA GAZZANEO
MVML
Publicado em: 20/08/2007 05:40:46
Última alteração:05/11/2008 14:55:16

O poder pode ser alcançado por meio do conhecimento; mas só o amor nos leva à perfeição
(Tagore)


Somente o amor nos leva à perfeição!
Acima do poder do bem, do mal.
Onde sentir bater teu coração
É lá que existe Deus. Ponto final!
Publicado em: 01/04/2007 14:59:08
Última alteração:27/10/2008 19:01:09


"Onde o amor impera, não há desejo de poder; e onde o poder predomina, há falta de amor. Um é a sombra do outro." (Carl Gustav Jung)



Não deixe-se levar pelo poder
Que a tudo e que a todos arrebata,
Mais importante do que tudo, pode crer,
O amor; jamais resiste. O poder mata.

Publicado em: 29/03/2007 16:55:41
Última alteração:27/10/2008 19:03:01


AMOR E POESIA //

Poetas, aladas e unidas
Voam nossas almas, asa à asa
Céus de magia e beleza...
Felicidade é como o ar que respiramos...
Enganos não mudam nossa rota...
Nem ventos tempestivos...
Livres de teias e peias nós vamos,
Na poeira cósmica da vida,
Semeando sonhos...
Plantando flores de alegria...
Adornando a poesia...
Pássaros, meninos...
Leves e soltos,
Em mundo novo,
De amor e paz,
Rimas, risos e cantigas,
Entoamos...

Amor já não permite insensatez
Tampouco intempestivas soluções.
Na queda entre os temores/sensações,
A solidão, decerto perde a vez.

Amor que em glória ufana assim se fez,
Tramita entre diversas direções
E molda em magnitude as emoções
Ao entranhar a pele muda a tez.

Adorna o meu caminho em flóreas rotas
Ascende à perfeição e não transmuda.
Fulgura em laço firme e mostra a sorte,

Jamais sabe limites nem as cotas,
A ultrapassar as pontes sempre ajuda
Protege o peito e impede um novo corte...

ANA MARIA GAZZANEO
MVML
Publicado em: 01/09/2007 19:19:11
Última alteração:05/11/2008 12:40:02


Amor e Perfume

Em todo pensamento o meu desejo
De ter aquela musa que atormenta
O sentido e prazer demais sobejo
Que a cada novo beijo só aumenta.

Se traço meu destino ou não mereço,
Não vendo teus caminhos, me revolto.
E sempre que possível agradeço
Amor; pois, das mortalhas, já me solto.

Vencido por sentir que a vida passa
Nas horas mais fecundas eu me perco.
E tudo que não vejo me desgraça
De dores e quimeras vis, me cerco.

Mas quando o pensamento traz teu lume,
O gozo do ciúme me transtorna.
Amor que exagerado, sempre entorna,
Recende, nos teus seios, mais perfume!
Publicado em: 06/12/2006 14:53:44
Última alteração:28/10/2008 11:28:16


Amor e Poder
Onde reina o amor, não há vontade de poder, e onde domina o poder, falta o amor. Um é a sombra do outro. C.G.Jung

Não quero conquistar os teus espaços
É teu. Isso, respeito, é minha luta;
Quando há poder no amor, a força bruta
Vence, irá romper os frouxos laços

Que sempre formarão o nosso caso.
Pois seja quem vencer esta batalha
Está exposto ao corte da navalha
E no final de tudo, só o ocaso...

Eu amo cada dia que passamos
Embora não passamos tantos dias.
Espero a cada dia as melodias
Depois de tantos anos, nos amamos...

Amor sempre mistura tanta cor
Inventa quase sempre um bom matiz
Quem pensa que esqueceu de ser feliz
Jorrando suas forças no pavor.

Não posso ter escrava do meu ego
Nem vago por esferas solitário
Amor quando conhece itinerário
Não deixa meu caminho torto e cego.

De tantas plantas formo meu jardim
Nenhuma delas manda no meu braço
Em meio a teu perfume me embaraço
O mundo que pretendo está no fim.

Afim de que não deixes mais meu mundo
Não posso e nem quero ser teu dono.
Senão de madrugada perco o sono
E deixo de sonhar por um segundo.

Se és minha é porque sabe que te quero,
Se sou teu é porque queres ser minha
Não é só porque tenho ou se não tinha
Deixaria de viver o que venero.

Ao contrário se perco ou se não ganho
Não deves perceber se tu me queres
Os dentes quando mordem fundo, feres
Cabelo que balança sempre assanho...

Amor que quer poder não é amor
Somente escravidão. Nunca completa
O sentimento breve que desperta,
No látego, o carinho do feitor!
Publicado em: 24/11/2006 19:09:38
Última alteração:28/10/2008 11:53:09



A solidão, quimera mais atroz,
Havia me legado ao sofrimento.
A boca da saudade, mais feroz,
Mordia cruelmente; esquecimento!
Distante de meu peito, ouço a voz,
Sincera e tão venal do meu tormento.
Sou rio que não sinto minha foz,
Destino me deixou, solto no vento....

Embora mais sincero que já fui,
O medo na verdade, contradiz.
Minha alma sofredora, vai perdida..
Em todo seu caminho te procura
A noite sem amor morrendo escura,
O tempo da existência nunca flui,
Sou pássaro ferido, qual perdiz...
Só me encontro feliz, se estás querida!
Publicado em: 14/12/2006 13:31:00
Última alteração:24/10/2008 13:57:12


Amor e Flores
As flores me traduzem primavera
Assim como traduzem sofrimento.
As rosas que perfumam num momento
Em látegos espinhos vira fera...

Também amor, mortalha e alegria,
Em cores deslumbrantes faz feliz
Depois, modificando seu matiz
Nos mata e não permite fantasia...

Vencido pelas dores dos espinhos,
Assim como saudade nos amores,
Belezas e prazeres nestas flores,
Tal qual nos nossos doces ninhos!
Publicado em: 29/11/2006 23:10:28
Última alteração:28/10/2008 11:41:18


Amor e Fortuna
A Fortuna invejosa desta sorte
Que se abate por sobre nossas vidas,
Profere em agonias desvalidas
E queda-se aliada à dura morte.

Em versos meus inflamo esse desejo
Que impeça tantas formas de desdém
Fortuna desejosa deste bem
Embalde nos tomando, num lampejo...

A pária solidão nos atocaia
Embaixo dessa cama onde deitamos
E sempre, com prazeres, nos amamos,
Tentando impedir que a lua saia...

Não temo esta Fortuna desdenhosa
Pois tenho teu amor sempre ao meu lado,
E contra tua força nem o Fado
Nem a Fortuna vencem, valorosa!
Publicado em: 29/11/2006 22:13:12
Última alteração:28/10/2008 11:41:10



Amor e Ilusão
Eu nunca mais terei alguém assim
Que me traga o sorriso a cada dia
E me mostre que amar é poesia
E que o bem dessa vida não tem fim...

Que sorria comigo meu sorriso,
E que traga esperança no olhar.
Que saiba simplesmente amar,
Construindo sem dor, o paraíso...

Alguém que caminhe meu caminho
Pelas trevas e breus da solidão
Que saiba, delicada, dizer não,
Mas me traga a certeza em nosso ninho.

Eu jamais poderia me esquecer
De tudo que vivemos, nesta vida.
A dor que me trouxe esta partida,
Em meu peito, calando, faz sofrer.

Nunca mais poderei ser tão feliz,
Ao perder tudo aquilo que já tive,
Vontade de morrer, eu mal contive,
O meu céu, da tristeza fez matiz.

Mas, à noite, sozinho no meu quarto,
Quando esse vento bate na janela,
Eu bem sei que decerto é, de novo, ela.
E nos seus braços, louco, então me farto.
Publicado em: 02/12/2006 22:08:42
Última alteração:28/10/2008 11:27:56


Amor e Dignidade!



Minha filha,
tua trilha e teus passos
soam como esperança,
para quem, na dança da vida,
aflito perdeu o rumo,
muitas vezes sozinho,
outras pelo caminho,
muitas passarinho...
Minha mão
alcançando a criança
que ficou no passado,
me deixa o gosto amargo
do chimarrão da saudade.

Do vinho amargo do tempo,
esquecido na adega da alma.
Mas tentei,
na minha manhã,
lutar pelo teu brilho,
nada consegui;
a liberdade distante,
a cada instante
a menina não poderia,
não saberia
e no domingo da vida,
a semana nunca chegava.

Eu te amava tanto,
no pranto esquecido
pelas curvas da existência,
pedi clemência,
perdi paciência
e naufraguei minhas lágrimas
no baú de tantas espreitas,
pelo rancho fundo das esperanças.

Renasci no universo,
em meus versos
e nos teus encantos.
Mas meu pranto foi precoce,
a ausência remove
o que fora luz.

A terra escurecida,
a rádio ecoando
um canto triste
que ouviu do peito do poeta.
A seta que aponta
o prumo e o norte,
afogada pelos laços
das estranhas entranhas
de um futuro sem lastro,
vazio, ao acaso, puro ocaso,
fazendo caso de tantos erros,
quantos berros ,
aterros e fraudes.

Minha sorte escrava,
na lava que encrava
e perversa a clava
de tantas lutas em vão.

No colchão de pregos
dos sonhos,
meus medonhos
e vagos lagos
de ardentes lavas,
onde lavo
os meus pecados.

Perdoe o canto de quem,
entre tantos e tantos
foi tão pouco.
Tampouco podia ser.

A mão calejada
abraça teu corpo.
No copo da partilha,
meu gole foi pouco,
se tive.

A enxada restando quieta,
calada,
me traduz a insuficiência,
na doença que nos devora.

Agora e sempre,
desde os primeiros dias,
as mãos vazias
traduzem a colheita.

Nas filas intermináveis,
nas chagas aumentadas
a cada não.

Na sede desse sertão
real e imaginário,
Calvário e martírio.

Mártir,
não quero nem almejo,
quero o benfazejo
beijo da brisa da igualdade;
entre campos e cidades,
entre travessas e favelas,
barracos e mansões,
corações de marés de dignidade,
essa tal felicidade.

Minha filha perdoe o pai e o país,
ser feliz é só promessa.

A hora sempre foi essa,
nunca poderia ser outro dia,
adiada eternamente.

O éter na mente
inebriando e impedindo
a realidade atroz
como algoz e carrasco.
No asco que produzem
minhas vestes,
meu cheiro e minha boca;
bem sei que nunca perdoados.

Os retalhos
doados pela caridade
coagulados no peito,
sem jeito e sem forma.

A forma onde fomos feitos
imperfeitos e disformes,
nos informes dos jornais
somos quase nada mais
que animais;
quando tanto,
somos cifras sem cifrões.

Vida sem enganos
e sem esperas,
transfiguradas nos teus olhos,
sem brilho,
minha amada.
Que bom que se pudesses
ser filha
da partilha da partida,
estrelar.

Mas, não posso
nem quero consolo,
quero ação.

Coração sob a couraça,
o cheiro da cachaça inebriando,
o dia raiando,
o povo chegando
para um adeus,
sem ar de Deus,
mas fazer o quê?

No sertão de cidadania
que invadiu esse nosso canto,
todos os cantos,
alimentado
pelo sangue dos desgraçados,
pelos abandonados,
como eu
e como o corpo inerte e sem vida,
tão ávido pela vida
como qualquer um.

Primeira filha
de um berrante que “vingou”,
no meio de tantos que se foram,
da mesma forma.

A manhã renasce
e com ela a sina,
de trabalho e de suor,
que o patrão
nunca pode esperar
o mundo roda
e a roda da sorte nunca,
nem na morte
pára de girar,
estou tonto, a cabeça gira,
a dor aspira e expulsa.

A repulsa pela sorte,
pela morte, pela solidão,
num canto vão, esquecida.
A manhã surgida,
a menina enterrada,
a enxada, a estrada e o renascer.

Renascer da morte a cada dia,
da morte da esperança,
na dança cruel da verdade.

Meu Pai perdoe esse lamento,
bem sei que agüento
como meu pai suportou.

A sina se repete,
a cada nascente,
a cada poente,
tudo me remete
à verdadeira lição do Cristo que,
com carinho,
multiplicou
e dividiu o pão.

Pena que ninguém entenda,
por mais que o Padre fale,
por mais que o Pastor recomende,
não há quem se emende
e passe a perceber.
Que o verdadeiro amor
permite a divisão.
Concebe a humanidade
numa unidade,
com humildade quem sabe,
na humana idade de amanhã,
isso possa ser realidade,
a real idade
da digna idade,
da DIGNIDADE!
Publicado em: 08/12/2006 00:22:59
Última alteração:28/10/2008 11:24:29



Amor e Diversidade
Nessa diversidade a nossa maravilha.
Toda proximidade esboça certo espelho
Muitas vezes azul, outras, vermelho,
E nesta confusão, formamos nossa trilha...

Muito bom sonhar junto, os sonhos sendo vários.
Assim, nesta mistura, a vida faz sentido.
Mesmo no mesmo leito, o rumo é dividido.
Amor que já se anula é sempre temerário.

Importante é somar frações tão diferentes,
E, disso, transformar plenamente as vidas.
As dores são assim facilmente esquecidas.
Mas nunca devem ser vias incongruentes.

Há que haver liberdade e também respeitar
As diferenças. Disso é feito nosso amor,
Não sou espelho enfim. Porém por onde eu for
Eu te quero ao meu lado. O mesmo caminhar.

Cada qual com seu passo, e sempre solidários.
Para que não haja queda e, se houver, não nos lese.
Difícil carregar por isso nunca pese,
Difícil de sonhar os sonhos solitários.


Nesta soma que temos, felicidade.
Já que não invadimos espaços
Cada qual tendo a própria claridade
Estreitam-se sempre nossos laços,
Aprendemos viver com liberdade
E toda noite, juntos nos abraços
Que nos irmanam, fazem o futuro.
O chão, com nossa força, é menos duro...

As nossas diferenças sem segredo,
Enfrentam ilusões, desesperanças,
Esquecem, bem distante, nosso medo
Fortalecendo sempre as alianças
Que nunca deixarão que este degredo
Domine nossos dias e lembranças.
Nosso amor não transforma e modifica.
Na vida, esse somar nos edifica.

Eu não quero sugar todo o teu mel,
Apenas conviver com teu prazer.
Assim, como é difícil te esquecer,
No nosso sentimento um claro céu.

As nuvens que se chegam, logo espanto.
Vontade de fugir, bem cedo passa.
Não sou teu caçador nem sou a caça.
Nessa nossa harmonia, um belo canto...

Aliados diversos, mesma guerra...
Sem capitão, major ou general,
Na luta pela vida, tudo igual,
Planalto que não pede morro e serra.

Todo sonho em conjunto é mais possível
Também escuridão logo se aclara,
Sabemos o que somos, não se para
A caminhada, nada é impossível!

Mas se a dor se aproxima e nos maltrata,
Se a noite escureceu, a vida dói,
E nada nessa vida nos destrói
Tal firmeza do laço que nos ata!

Assim, com toda força e sem temor,
Vencendo tempestades sem degredo.
Nas nossas diferenças, o segredo,
A base que formou o nosso amor!
Publicado em: 27/11/2006 14:23:09
Última alteração:28/10/2008 11:39:41


Amor e dor LUNA MG E MARCOS LOURES


Amor e dor

Dor e amor
São fases da mesma lua
O poeta da paixão profetizou
Concordo com essa verdade crua.

Ele ama, eu sofro,
Mas nos entendemos
E juntos cometemos
Versos de puro sabor.

Continue brilhando poeta
Sua poesia é essencial
Quero continuar bebendo
O néctar deste manancial

Caleidoscópio diverso,
Amor muda seu matiz.
Cantando assim cada verso
Procurando ser feliz...

Porém no fundo, o poeta,
Finge mais que se imagina.
Mesmo quem fora profeta
Sabe a que amar destina.

Minha querida parceira,
Amar é mais que vontade.
Dor é também companheira,
Se juntar vira saudade...
Publicado em: 14/01/2007 17:25:03
Última alteração:06/11/2008 11:56:15


AMOR E DOR
Ah, coração,
dói tanto,
aqui no peito,
de tanto gostar,
parecendo que
vai explodir ...
Paixão total ...
(ivi)

Amor com dor
Rima pobre,
Que recobre
E descobre
Ato nobre
Sendo sempre
Libertário
Qual condor...
Publicado em: 12/05/2008 22:13:54
Última alteração:21/10/2008 14:35:50


Amor e dor...
Onde há muito sentimento há muita dor. Leonardo da Vinci

Não posso mais negar a claridade
Embora muitas vezes dolorosa.
Perfume que se livra assim da rosa
Não pode compreender realidade!

Não basta, neste mundo sem fronteira,
Achar que sempre é bom ficar sozinho,
Quem busca pela rua a companheira,
No fundo o que procura é por um ninho...

Mas saiba minha amiga, que, entretanto,
Quanto mais se aproxima deste amor,
A dor se extasiando sem pudor
Espera que decidas, no seu canto...

Se entregas sem pensar seu sentimento,
O bote se prepara e estás na mira.
A dor neste momento já delira
E salta num segundo, sem lamento...

Inda mais se esse amor não for pequeno.
Quanto mais alto o sonho, maior queda.
O rombo, no teu peito, nada veda,
Não há sequer antídoto ao veneno...

Porém eu te aconselho, nunca tema...
O gozo é bem maior que o sofrimento.
Por isso nunca mate o sentimento
Nem mesmo se depois tudo se trema.

“As pernas que tremeram por amor
Também irão tremendo com a dor...”
Publicado em: 24/11/2006 18:51:15



Última alteração:28/10/2008 11:53:03






AMOR E DOR
Não vou rimar
Amor e dor
Tampouco fel e mel
Apenas ser cruel
Rasgar o velho véu
E desnudar meu peito
Aceito qualquer paga
Se a lua não se apaga
A praga não me pega
Se apego fosse risco
Arisco o meu cometa
Num risco foge o céu,
Porém por ser corcel
Indômito desejo
Se eu vejo
O que desejo
Embalo esta alegria
Menina que ninando
Cerziu um céu azul...
Publicado em: 31/05/2008 20:50:46
Última alteração:20/10/2008 20:10:05


AMOR E DOR
Queria eu dizer-te de meus sentimentos,
Da alegria que sente meu coração.
Da tua presença em todos momentos,
Quando caio na rua da solidão...

Queria que você me entendesse,
Sentisse a minha presença.
Não me mostre teu desinteresse,
Deixe que o amor aconteça...

Queria receber teu abraço,
Num gesto de pequeno carinho,
Quando a carência me bate...

E num rabisco tristonho lhe faço
Uma flor sentindo o espinho,
Ou talvez, joía sem nenhum quilate!...


Estela
16-01-10


Meu amor não sabe o tanto
Que faz bem ao coração
A paixão, enorme encanto
Quando é feita em doação
Te cobrindo com seu manto
De desejo e sedução
Leve a vida sem espanto,
Com maior dedicação
E verás que amor e pranto
Já não faz combinação.
É preciso uma alegria
Cultivar com muito ardor,
Pois jamais perfumaria
Se não fosse assim, a flor,
É preciso fantasia
Para se falar de amor,
Todo dia se recria,
Vez em quando muda a cor,
Quando a noite é muito fria
Amanhece e faz calor.
É assim a poesia
Deste pobre trovador
Que transforma em melodia
Todo mal e toda dor...
Publicado em: 16/01/2010 19:41:21
Última alteração:14/03/2010 20:46:34


AMOR E DOR...
Dói
aqui,
no coração
quando tenho
esta vontade
de ti ...
(ivi)

Dor e Amor
Lugar comum
Tomando
Toda a paisagem.
Nebulosidade
Prenunciando
Temporal.
Depois...
Bonança?
Publicado em: 26/11/2008 11:39:52
Última alteração:06/03/2009 16:38:46


Amor e Entusiasmo
Os anos enrugam a pele, mas renunciar ao entusiasmo faz enrugar a alma. Albert Schweitzer

Envelhecemos juntos, minha amada!
Fantasticamente nos amamos
E cada dia juntos que passamos
Espelham-se nos rumos desta estrada...

Antes, adolescentes mais libertos,
Buscávamos o gozo da manhã
Vivemos sem buscar novo amanhã
Os céus de nossas vidas, sempre abertos.

O tempo nos ensina a cada dia
Que a vida se refaz, rejuvenesce,
Amor quando mutável, sempre cresce
Senão virá fatal melancolia...

Um mês, um ano, décadas afora,
Conjunto que se expande sem ter pressa,
De dois viramos tantos nas remessas
Que Deus sempre nos deu, se comemora!

As rugas que nasceram em nosso rosto
São marcas tão discretas, nem percebo,
De tanta luz que deste amor recebo
A vida se passou sem ter desgosto.

Aprendemos que amor não é instável,
Apenas necessita de amplo chão.
É quase nunca ter que dar perdão
Entretanto, amor sempre é mutável...

Da foto em preto e branco à digital
Do beijo do escurinho do cinema,
Amor que quer-se eterno, o mesmo lema:
A lua continua o mesmo astral.

Amor que nunca cede ao tal marasmo
Renova as esperanças, concretiza.
Se a ruga dentro d’alma nos avisa,
Amor traz, em seguida, entusiasmo!
Publicado em: 24/11/2006 19:34:24
Última alteração:28/10/2008 11:53:13



AMOR E ESPERANÇA -

Esperança que bafeja
atrás da minha vidraça.
És visita benfazeja:
entra depressa - me abraça!

Esperança vai voando
Decolando devagar
Meu amor vou procurando.
Onde irá que vai pousar?

Nada mais quero da vida
Senão ter o teu amor.
Venha logo aqui querida
Sem você tudo acabou.

Faço trovas, faço rima
Canto a lua e a poesia.
Meu amor tanto te estima
Ele é feito em fantasia.

Tua boca, amor, procuro
E não canso de beijar.
Clareando o céu escuro,
Nos teus raios de luar.

Moça bela, tão prendada
Vem comigo namorar,
Jogo de carta marcada,
Meu amor irás ganhar...

HLUNA
Marcos Loures
Publicado em: 18/07/2007 15:28:09
Última alteração:05/11/2008 19:11:04



Amor e Escuridão


Não quero a liberdade sem te ter,
É breve meu caminho e quero festa.
Amor; pois, com certeza é o que me resta,
Decerto sem amor, cadê prazer?

Idade vai passando e sem motivos,
Não posso cultivar mais esse engano,
O tempo cruelmente aumenta o dano
Em corações diversos e emotivos.

Correndo sempre atrás de uma esperança
Alcanço, mal disfarço, meu começo,
Percebo que nascendo, meu tropeço,
Ao mesmo tempo caço e já me alcança;

Pressinto que viver sem ter amor,
É mais que uma opção, é minha sina.
Como posso, sou cego, um esplendor
Saber, se escuridão já me destina?
Publicado em: 06/12/2006 14:20:35
Última alteração:28/10/2008 11:26:40


Amor e Esperança

Recebo da boca da noite
o beijo suave e sensual,
trazendo teu rosto e gosto;
Foste companheira fiel,
amiga e amada,
luz da minha madrugada,
corte e sangue.
Nas minhas andanças,
foste a primeira
e fiel companheira,
última de tantas...
Vinhas, diariamente
aos meus pensamentos e angústias,
cansados os passos
Inatingível porto,
longínquo mar,
meu mar
enclave de esperanças...
Nas ruas do Rio,
nas curvas do rio,
na seca e plantio,
fiel camarada...
Te quis e te quero,
não me perdeste de vista,
muitas vezes fragilizada,
Mas sempre comigo,
a cada nova batalha
contra tudo e todos.
Amiga, tentaram teu corpo,
tentaram extingui-la,
tentaram matá-la.
Quando te ergueste,
ressuscitada, foste atingida.
Teus pés
afetados por violência sem par,
quase quebraste. Mas percerbo-te sorrindo,
com sorriso matreiro,
me irritaste no começo,
agora, não,
já consigo te compreender,
menina sapeca.
A mão que te apedrejava era podre,
mais podre que tudo.
Engabelava a todos, menos a ti,
e a todos os que amaram na vida.
Não do amor erótico inerente,
mas o amor altruísta de quem sonha,
De quem respeita e congrega,
nunca segrega.
Minha vida passa num átimo,
num ótimo momento de luz
Seduzida por ti,
cara tatuagem da minha alma
Tua calma me atrai,
me distrai e me revigora.
Agora,
tua hora é minha e nossa hora,
alvorada,
hora amada.
Saber-te revivida e contagiante,
saber-te rejuvenescida
na minha maturidade
Saber-te assim, coerentemente forte,
nunca inerte, meu norte,
sem desnorteio.
Sem mudar um centímetro,
ao contrário de mim,
pobre errôneo pela vida.
Mas, em última análise,
fiel a ti, frase por frase,
fase por fase...
Quero-te tanto,
nunca mais poderia
fugir do teu manto,
vives no recanto da alma,
calma e firme,
aderida,
nunca à deriva,
sempre atada,
Amarrada a cada reentrância da alma,
da esperança.
Chamar-te à luta é fácil,
nunca oscilas
sempre cativante nunca cativa,
Nunca vacilas,
amiga de tantas lutas,
de todas as lutas,
de eternas lutas,
Das ondas desse mar,
mesmo com tsunamis,
mesmo com tempestades.
Em todos os lugares por onde andei,
por onde passei ou ouvi falar,
existem tantas quantas poderiam existir,
fortes aliadas, forças atadas
Entre si, que resistiram e resistirão,
contra aqueles que são ou tolos
ou canalhas,
os que querem tua morte, nunca vencerão,
Nunca passarão,
estarrecidos com a tua resistência,
Na impossível convivência,
tentam te exterminar.
Mas amiga, és mais forte,
até contra o nosso cansaço,
muitas vezes tua gana é maior.
Agora entendo teu riso maroto,
no âmago garoto, resistes...
Não mais te resisto,
a rua me clama,
a lua me chama
o amanhã já vem.
Venceste meu medo,
meus segredos conheces,
não temo a guerra,
Na eterna batalha,
meu peito não falha,
não nega ou sonega,
Simplesmente ama.
Publicado em: 08/12/2006 23:17:35
Última alteração:24/10/2008 13:52:51


Percebo a realidade como um sopro;
Espantoso sopro, estupor.
Pôr meu barco nos sonhos
Apenas fuga frágil, sem retorno.
Em torno dos meus sonhos,
Um naufrágio de ilusões.
As pedras e perdas,
Certeiras.
Mas a esperança refeita na boca
Distante da noite que não veio.
Do seio que não alcanço
Do vento que não toca.
Do sopro que não sinto.
Maricota tua cota terminou.
Abre a porta
Que a solidão chegou...
Publicado em: 24/05/2007 14:33:03
Última alteração:23/10/2008 20:29:20


AMOR E ESPERANÇA


Por mais distante sonho que pareça
Por mais que a vida não nos obedeça
Amor vai palpitando mesmo assim.

A lua é tão distante do deus sol
Rebrilha a forte luz deste farol,
Assim este amor rebrilha em mim...

Por mais que não se toque, se imagina
Amor que tão potente descortina
Um mundo virtual que enfim, existe.

O canto da ilusão não é mentira
Nas ondas mais longínquas já se atira
Não deixa que esta vida siga triste...

O brilho deste sonho é tão potente
E mostra todo amor lindo da gente
Que vive e se proclama nesta dança.

Nos versos que cantamos, nós vivemos,
Por mais que não tocamos e nem vemos,
Em nome deste amor; viva a esperança!
Publicado em: 16/08/2007 21:19:58
Última alteração:23/10/2008 20:37:55


Te encontrar...
Sob a luz do luar...
Aproximar-me...
Te dizer, um olá!
Num beijo apaixonado...
Selar meu corpo ao teu...
Meu Romeu...
Ceder à magia do amor...
Afagar teus cabelos...
Sussurrar palavras de amor...
Sentir o torpor...
De eros a comandar...
Nossa dança de amor...
roçar com a boca a tua nuca...
Ficar maluca...
Girar feito louca...
Esquecer tudo o mais...
Envolvida no abraço...
Atracada contigo...
Despojada, vencida...
Te entregar corpo e vida...
Num mesmo prazer...
Fazer amor, com você!
Extasiada ceder ao cansaço...
Abandono em teu ser...
Acordar feliz com você!
Num lindo amanhecer...

Eu quero extasiar-me junto a ti,
Deitar-me em tua cama; sedução,
Te desnudar aos poucos, ter ali
O gosto do pecado e da paixão.

Saber que nos teus braços me perdi
Tocando nos teus seios... Emoção
De te sentir arfando, bem aqui,
Reféns desta delícia, tentação.

E nesta entrega louca, alucinante,
Os olhos revirando, suspiros tantos...
Num êxtase divino e provocante

Tua nudez na minha noite afora,
Cedendo ao desejos e aos encantos.
Te espero minha amada. Vem agora!

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 25/03/2007 23:36:49
Última alteração:06/11/2008 10:33:26


Amor batucando
Fazendo desta esperança
Um tremendo carnaval...
Publicado em: 19/03/2007 09:12:07
Última alteração:28/10/2008 05:42:29


“Augúrios da Inocência”
Willian Blake (1757 – 1827)

" To see a World in a Grain of Sand
And a Heaven in a Wild flower
Hold Infinity in the Palm of your Hand

And Eternity in an Hour."



"Para enxergar o mundo em um grão de areia

E o paraíso numa flor silvestre

Segure o infinito na palma de sua mão

e a eternidade numa hora".

Ao ver o paraíso numa flor
Nascida em verdes campos, primavera,
Percebo quanto Deus fez com amor,
A vida que se vai e regenera.

O mundo no infinito deste grão
Da areia; uma estrela tão gigante,
Pequena frente ao mar, sua amplidão
Percebo eternidade de um momento

Num tempo que transcorre sem parar.
Cabendo em minha mão, aberta em palma
Todo um infinito a se encontrar
Na eterna sensação de paz e calma...

Além desta ternura, grão e flor,
Carrego em minha mão, o Deus AMOR...

William Blake
Maria Karla
Marcos Loures

Publicado em: 19/03/2007 20:03:33
Última alteração:06/11/2008 10:36:47

Vem….
Viaja pelo meu corpo……………….
Desce devagar as mãos pelas minhas coxas………….
Com o indicador…
….traça a curva do meu joelho…………….
Retenho o ar….continua a descer………….
Gemo….
enquanto a tua mão volta a subir….
Pelo interior das coxas….

Adentro delicado em teus caminhos,
Extasiado encontro maravilhas,
Sorvendo desta fonte em mil carinhos,
Percebo a maciez em belas ilhas...

Arranco quando houver alguns espinhos,
E perco-me em delírio nessas trilhas,
Um pássaro buscando por seus ninhos,
Ao ver-te em plena festa já me pilhas

Com néctar e manás deliciado,
Matando minha sede em bela fonte,
Sentindo este querer revigorado

Na fome de te ter sem mais segredos,
Em convulsão derramas no horizonte
Enchentes lambuzando nossos dedos...

Marta Teixeira
Marcos Loures
Publicado em: 09/04/2007 17:58:22
Última alteração:06/11/2008 09:37:47



Estremeçe-me, ainda,
Lembrar do nosso amor,
Vivido em tantas fantasias...

Dias de tantas alegrias...
Risos...
Ternura imensa...

Com a fronte pensa...
Longe de ti...
Nada me resta...
Senão recordar a vida em festa...
Vivida ao teu lado, meu amado!

Te amar, foi algo inexplicável...
Sensações que sentí, inenarráveis...
Estado de alma ...
Que não posso traduzir...

Como dizer-te,
Que não sinto a sua falta,
Em minha vida?

Teu calor, em minha cama...
Nessa febre, que me inflama?

Quando evoco tua imagem
A dançar, nesta paisagem
De minha alma, enamorada?

Sequer sabes de nada...
Sigo então, agoniada...
Da vida, já não quero nada...
Que não viver, ao lado teu...

O meu amor, inda é teu...
Se eu pudesse te encontrar...
Por certo, seria o céu!


Eu quero te encontrar, minha querida,
Matando minha sede de querer
Pegando tua boca distraída,
E num beijo atrevido te beber...

Penetrar em tua alma adormecida,
Invadindo todo o corpo de prazer.
Eu quero desnudar-te, de saída,
No vinho de teu corpo entorpecer...

Levar-te para o céu, olhos abertos,
Lamber todo este mel e vasculhar
Os rumos mais gostosos descobertos,

Arder-te em minha febre, um mar fantástico
De pura sintonia, me entregar,
Momento de delírio, amor, orgástico!

Julia Flores
Marcos Loures
Publicado em: 28/03/2007 21:27:42
Última alteração:06/11/2008 10:23:52


AMOR E FANTASIA -


Queixumes não me impedem
Que o amor minha verdade
Em lume, raios fúlgidos
Em rara claridade
Ilumine os meus olhos...

Na vida, sei que abrolhos
Espinhos sem ter fim
Demarcam o caminho
Mas se estou com você,
Me sinto uma rainha...

Tempestas desventuras
Amor a tudo cura...
Me vejo nos teus braços,
Trânquila e tão segura...

Navego tão serena
No amor que em ti me acena
Um sonho bom, que enlaço
E torna a vida amena...

Em todos os momentos
Que estás aqui por perto
Aguando o meu deserto
Deixando o sofrimento
Distante do meu canto
Que em risos se transporta
Abrindo então a porta
Fazendo cantoria
O mundo em sintonia
Depressa não comporta
Já toda essa alegria
Que é feita em mel gostoso
Guardado na compota
Que esta mineira trouxe
Dos lados lá de Sampa
Trazendo em samba e festa
Amor e fantasia.

Quem dera se eu pudesse,
Se meu dinheiro desse
Pegava um avião
Para chegar depressa,
Deitar em nossas fronhas
Fazer uma festança,
Mas nada de Congonhas,
Senão a gente dança...

ANA MARIA GAZZANEO
Marcos Loures
Publicado em: 25/07/2007 13:23:17
Última alteração:05/11/2008 18:08:35



Tesoura cortando pano,
Me faz lembrar de você
Quando inda tinha esse engano
De nossa vida viver.

Mas tudo foi simplesmente,
Mentira sem serventia,
Hoje sei, completamente,
Que foi tudo, fantasia.
Publicado em: 26/04/2007 23:26:28
Última alteração:23/10/2008 20:27:02




AMOR E FÉ

Girando nesta mesma esperança
Pense no que vier, se quiser,
Fazendo com fé todo o seu amor.

Girando desta mesma esperança
Seja o que vier, onde quiser
Trazendo com fé todo o seu amor..

Girando na nossa esperança
Tenha o que vier, se me quiser
Amando com fé o meu amor...

Gritando essa mesma esperança
Venha o que vier, como quiser
Tramando com fé o nosso amor...
Publicado em: 31/12/2006 13:09:18
Última alteração:28/10/2008 10:41:03



AMOR E AMIZADE..

Sob o brilho do amor nós caminhamos,
divisando a estrada à nossa frente.
Na força da amizade acreditamos,
sem temor a percorremos alegremente.

Não apenas o amor nos une agora,
é mais forte, bem mais forte esse elo.
Amizade e amor na justa hora,
vem tornar nosso caminho inda mais belo.
Essa senda iluminada, na verdade
se traduz por bem maior - felicidade.


A nossa amizade
Carinho traduz
Traz a claridade
Reforça esta luz,

Amor de verdade
Pra sempre seduz.
A felicidade
É quem nos conduz

E mostra a beleza
Da vida sem medo,
A nossa riqueza

E o nosso segredo
É ter na pureza,
Em paz,nosso enredo...

HLUNA
Marcos Loures
Publicado em: 13/07/2007 17:33:39
Última alteração:05/11/2008 19:28:30


Amor e Cumplicidade


Nosso amor, sentimento mais feliz
Que nos transforma sempre e sem demora.
Uma alma sem amor, decerto chora
E procura noutra alma seu matiz.

Amor, por tantas vezes solitário,
Esperando poder compartilhar
A beleza inerente ao próprio amar.
Sem temer parecer mais temerário.

Amor, que ao produzir felicidade,
Reparte toda a sorte deste mundo.
Das águas deste amor, eu já me inundo,
Feliz em me afogar; cumplicidade!
Publicado em: 05/12/2006 14:46:29
Última alteração:28/10/2008 11:26:38


Amor e Desamor
Acompanhando os passos deste amor
Por essas madrugadas mais distantes
Percebo que seremos bons amantes
Sem termos nem saudade nem temor.

Vencendo estas estradas dolorosas
Que sempre magoaram quem sonhou,
Encontro nos caminhos onde vou
Perfumes que deixaste em rastros, rosas...

Não posso mais seguir em solidão,
Minha alma reclamando a tua falta,
Nos tímidos espaços a alma salta
E espera por teus braços em perdão.

Resiste a toda sorte de presságios
Às tempestades vis, duras procelas,
Às dores mais temíveis e mazelas
Às pestes violentas seus contágios,

A tudo neste mundo, sem temor.
Aos ventos mais bravios, furacões,
Às secas, às enchentes aos vulcões,
Porém se fragiliza em desamor...
Publicado em: 30/11/2006 16:47:43
Última alteração:28/10/2008 11:41:31


Quero nessa noite tão quente
Um beijo, tua boca na minha
Venha meu corpo é presente
não quero uma noite sozinha

Quero as tuas mãos carentes
Tocando meu corpo sem rotina
E em palavras as mais quentes
Fala-me baixinho, me ensina.

Mostra-me que o quer de mim
Chegue, com teu corpo fogoso
Beba desta fonte, saiba de mim
Dou-te meu corpo em pleno gozo

Nesta loucura de amor sem fim
Serei tua e você: tudo pra mim...


Eu quero te beijar tão mansamente,
Aos poucos te fazer, inteira, minha,
Neste carinho manso e tão dolente,
Beijar-te por completo, linha a linha.

Eu quero que tu saibas como é bom
Poder ser encantado por teus toques,
De sinos, aos milhares, ouço o som,
Te peço, minha amada, não provoques...

Mal sabes como estou tão ansioso
De ter o teu prazer bem junto a mim,
Eu quero que te sentir, amor fogoso,
Deitada no meu colo; ser-te, enfim...

Meu beijo que te dou com precisão,
É chama tão imensa de paixão...

Teresa Cordioli
Marcos Loures
Publicado em: 22/02/2007 20:19:52
Última alteração:06/11/2008 12:05:52



Amor e Desejo

O vento, o mar, a lua, a tempestade
Formando nossas musas e quimeras;
Belezas e bafios mansas feras
Às vezes nas unhadas, a maldade;

Deitados sobre mares revoltosos,
Nos beijos e mordidas revezados
Os olhos quase sempre iluminados
Reviram e maltratam tantos gozos.

Vieste em minha vida, um pouco cedo,
Mas sendo seu remédio, não te curo.
Apenas destratamos, mas procuro
Saber de teus perfumes, arvoredo.

O vento que no mar maltrata a lua
Em tempestades busca o seu remanso.
Nas noites que te caço, durmo manso.
E acordo co’a pantera linda e nua...
Publicado em: 06/12/2006 14:34:33
Última alteração:28/10/2008 11:22:38




De repente despertei...
Desabrochei para a vida,
Expulsei os velhos fantasmas,
Curaram-se as feridas.
Sinto-me em paz agora...
Transmito paz.
É como se uma página da minha vida,
Estivesse sendo virada, remexida...
Passada a limpo!
Retomo então, o controle dos meus sentimentos.
Sentimentos esses que outrora,
Levaram-me a loucuras.
Em minhas lembranças, a vaga imagem
Daquela que fui...
Em meus pensamentos, a presença doce de alguém.
Eu despertei para a vida!
Eu despertei para o amor.
Não para aquele amor louco e inconseqüente,
Mas para um amor leal, cheio de ternura e compreensão.
E você...
Você é o causador dessa minha transformação.
Você me fez despertar para a vida.
Despertou em mim, o amor adormecido
Despertou em mim, a vontade de continuar vivendo




Sonhando com teus braços, teu carinho,

Eu tantas vezes fico alucinado,

Querendo te encontrar, te dou meu ninho,

Te quero aqui, deitada, do meu lado...


A boca procurando tua boca

Sedenta desta sede que me traz

Vontade de gritar com voz mais rouca,

E ser bem mais vivendo amor e paz,


Se quero mergulhar em manso lago,

Também quero a tempesta e as procelas,

Depois de ter delícias de um afago,

Eu quero o fogo ardente em nossas telas


Pintadas com fulgor, insensatez,

Delícias deste amor que a gente fez...


Escritora rp

Marcos Loures


Publicado em: 09/03/2007 11:21:10
Última alteração:06/11/2008 11:39:37



Amor e desespero
Procurei meu amor da mocidade
Esquecida e perdida nos alvores
Neste inverno fatal, nos estertores
Finais, quando me resta só saudade...

Agora em meu jardim, as flores mortas,
Somente erva daninha sobrevive.
São restos que carrego d’onde estive
Penetram minha casa, abrem as portas,

Tomando minha sala, entram no quarto,
Deitam-se nessa cama e já me abraçam.
Envolvem meu pescoço se entrelaçam
E tentam sufocar. Da vida farto

Espero o desenlace deste abraço,
Aos poucos apertando mais e mais
Até que sofrimento e dor, jamais!
Ao fim deste namoro nem um traço

Do que fui restará mais neste mundo.
Coberto pelas folhas, sufocado,
Nesta agonia tudo terminado
Trazendo a liberdade, num segundo...

De tais folhas e galhos, sinto o gosto
Agridoce da vida que se vai...
Em momento algum nada me distrai
Nem mesmo a cicatriz mascara o rosto.

Recordo-me que um dia fui feliz,
Eu tinha todo amor que se deseja.
Meus irmãos, minha mãe, a vida beija
De forma tão sutil... Tudo o que quis

Se perdendo nas curvas do caminho,
A cada dia, aos poucos, foi morrendo
A esperança que tinha. Corroendo
A minha sorte, até ficar sozinho...

Não tenho sequer medo, a dor levou...
De tudo que guardei apenas vento
Da saudade me traz contentamento.
A solidão foi tudo o que restou.

Agora em meu jardim esta quimera
Crescendo pouco a pouco e me matando
Nos galhos e nas folhas me mostrando
Tal qual fosse o sorriso duma fera.

Da venenosa amiga e seus tentáculos
O carinho final que tanto espero.
Em momento algum, nunca desespero,
Talvez sejam meus últimos obstáculos.

A sombra da mortalha que virá,
Nas costas minhas asas já não pesam,
Sem ar, as minhas pernas se retesam
E sinto que minha hora chegará

Nos braços desta amada e doce planta
Que sabe que me cura quando mata
No derradeiro beijo em serenata
O frio dentro d’alma se agiganta

E sigo meu caminho, agora em paz...
Porém quando te vejo do meu lado,
O abraço como fora um apertado
Nó pressinto que amar não fui capaz!...
Publicado em: 25/11/2006 14:15:41
Última alteração:28/10/2008 11:53:17


Amor e Destino


Amor vendo que sofria,
Por causa do bem querer;
Que me fazia sofrer,
Fosse de noite ou de dia.
Em conjunto com destino
Tantas fez que isso mudou;
Mas a saudade chegou,
E voltou o desatino.
Nessa confusão, sofro eu;
Os males desta saudade,
Que nascem na tempestade;
Em trevas, escuro breu.
Uma quer que não mais ame,
Outro quer que eu sempre adore;
Uma quer que sempre chore,
Outro quer que eu não reclame.
Que faço Meu Deus da vida?
A quem obedeço enfim?
Onde quer que eu me decida,
Eu irei sofrer no fim...
Publicado em: 02/12/2006 23:57:08
Última alteração:28/10/2008 11:28:04


Amor e Amadurecimento


Amor quando ofendendo as esperanças
Nos faz imaginar que a vida trai,
Nem sempre se levanta quando cai,
Principalmente mata sem mudanças.

Pretendo meu amor que amadureças
Nos sentimentos plenos e gentis.
Nem sempre uma paixão é mais feliz
Portanto se não queres, já me esqueças.

Ausente das estradas sem batalhas
Presente nestas guerras e pelejas
Amor que tanto fere, se desejas,
Encontra novos fios nas navalhas.

Mas deixe meu amor viver em paz.
Se nada te proíbo nem te peço,
Apenas pressentindo me despeço
Da dor que anoitecer, deveras, traz...
Publicado em: 07/12/2006 18:04:20
Última alteração:28/10/2008 11:24:54


AMOR E AMIZADE /

Meus olhos são luzes que a ti te guiam,
na estrada que se alonga à tua frente.
Beleza e calor eles irradiam,
por isso a percorres alegremente.
Jamais serás pra mim indiferente,

porque meus olhos só nos teus confiam.
Meus olhos são luzes que a ti te guiam,
na estrada que se alonga á tua frente
Olhares que se tocam e acariciam,

os nossos têm amor, têm fogo ardente.
Baixinho eles sussurram e ciciam
palavras que envergonham um inocente.
Meus olhos são luzes que a ti te guiam.


Ah! Quanto tempo temos antes de
Descobrimos a chave deste cofre
Que entranhado nos toma a claridade
E ataca-nos querida, assim de chofre?
Quem não sabe de amor ou amizade
É só não reclamar depois do enxofre.

Vassalos destes deuses poderosos
Amamos numa entrega indivisível.
Caminhos percorridos, olorosos,
Permitem novo sonho ser possível
Meus passos dos teus passos amistosos
Num canto que se mostra coercível.

Amar é com certeza dar abrigo
Além de ser teu par, sou teu amigo...

HLUNA
MVML
Publicado em: 12/08/2007 20:00:39
Última alteração:05/11/2008 16:20:02



M –Meus passos caminham junto aos teus/
A –Atados de equilíbrio ao teu talento/
R –Recolhe as belas flores que semeias/
C –Com carinho dando a todos teu talento/
O -Orvalho regado ao som do templo/
S -Sonorizando amor com mais fermento

L –Luzes que as noites não apagam
O –Olhando estrelas, inspirando os dias
U –Unindo amor a todos que te enviam
R- Rosas, nas palavras que inicia o dia
E –E mãos que não batam mas, te acariciam
S –Sentindo o palpitar no coração que guia

Somando nossos versos e carinhos,
O amor disseminamos, minha amiga.
Guardando as esperanças dos espinhos,
Unidos, pela fé, que é forte viga.
Ergamos nossos brindes, doces vinhos
Irmanados na luz que nos abriga
Recolhamos as urzes dos caminhos
Amor com amizade, nossa liga...

SOGUEIRA
Marcos Loures
Publicado em: 25/05/2007 13:47:41
Última alteração:06/11/2008 07:19:21

AMOR E AMIZADE -

Sei que estou triste...
Gostava de te dar um sorriso...
Hoje......não posso....
Tenho frio....e está sol...
Num convite...
A fantasias...a descobrir pelos dois...
Beijas-me devagarinho...
Insinuas-te docemente....
E consegues finalmente o sorriso............

Querida companheira, estou aqui
Pra sempre do teu lado, amor amigo.
Vencendo qualquer forma de perigo,
Eu tenho imenso amor, creia, por ti.

Depois de imaginar quanto pedi
Aos deuses que me dessem um abrigo
Percebo finalmente que venci
A negra solidão. Estou contigo.

Eu quero o teu sorriso, calmaria.
Que mostra num minuto que estás bem.
Amor quando amizade forte alia

Se torna na verdade, a redenção.
Pois saiba finalmente encontro alguém
Que possa merecer meu coração...

MARTA TEIXEIRA
Marcos Loures
Publicado em: 20/07/2007 16:48:26
Última alteração:05/11/2008 18:35:09




AMOR E AMIZADE


Amarrei a minha rede
Na varanda da esperança
Já matei a minha sede
Na ribeira da saudade,
Coração batendo alcança
O luar em um momento,
Quando canto uma amizade
Vou soltando o pensamento
Na procura pela sorte
Que me faça mais feliz,
Coração batendo forte,
Esperança por um triz
No amor de uma morena
Que foi tua, agora é minha,
Outra noite que se acena,
Com prazer que se avizinha,
Coração, uma avezinha
Que encontrou decerto o ninho
Na morena feiticeira
Encontrei o meu caminho.
Meu amigo, minha amiga,
Pra falar bem a verdade,
Vou cantando esta cantiga
Feita de amor e amizade,
Esperando que consiga,
Um novo amor de verdade...
Publicado em: 09/09/2007 20:51:16
Última alteração:23/10/2008 18:18:24



De mãos dadas,
em cantos felizes,
vamos pela vida...

Venha o que vier,
seja o que for,
com certeza, juntos,
e com tanto amor,
tristeza, vencida!

Juntos somos mais,
nada nos separa...
A vida se ampara,
à felicidade!

Amor, amizade
e grande confiança,
se faz a aliança,
aonde brota a alegria...


Ao perceber bonança nos teus versos
Recebo uma esperança no meu rosto.
Concebo em aliança os mais diversos
Sentimentos profundos; e assim posto

Unir os corações antes dispersos
Junto contigo, amor, estou disposto
Lançando um desafio aos universos
De termos paraíso recomposto.

Quem sabe em amizade, amor ou ambos;
A vida seja fácil de viver.
Sozinhos, corações viram molambos

Rastejam pelo mundo em solidão.
Na sede por amor e por prazer
Se perdem sem calor ou emoção...

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 09/06/2007 08:28:58
Última alteração:05/11/2008 21:29:23


AMOR E AMIZADE
O mundo que sonho
Transmite alegria
Eu sei: utopia
Mas quando proponho
Além de risonho
Mera fantasia
De um pobre poeta
Que assim se completa
Na voz predileta
Amor e amizade
Que quando é verdade
De sonhos invade
A realidade
E trama um melhor
Caminho de paz
Aonde se faz
O tempo que quer
Delícia e prazer
Viver sem saber
Do que faz sofrer
E ter a esperança
À qual já se lança
O mundo que quero
Que seja sincero
No amor me tempero
E sigo feliz
Dizendo o que quis
Já sem cicatriz
Bendigo quem diz
Da glória que existe
E jamais tão triste
Eu sei não desiste
E luta com fé,
Sabendo que a vida
Curando a ferida
Permite o sorrir.
E teimo em porvir
Melhor e risonho
No mundo que sonho.
Publicado em: 07/02/2010 17:05:15
Última alteração:14/03/2010 13:48:12


AMOR E AMIZADE.. /

Nosso amor não nos cobra nada
Ele apenas insiste em existir
A distancia para ele não é nada
Apenas adoramo-lo sentir

Isto já nos contenta
Já nos faz plenos em felicidade
Além de puro e verdadeiro
Existe nele divina amizade

Propusemo-nos vivê-lo desta forma
Até que a morte mostre sua face
Seremos cúmplices deste amor eterno
Amar-nos-emos apenas
Não sofreremos com a saudade


Amor se verdadeiro não duvida
Nem deixa que se leve pela ausência
A vida tanta vez em inclemência
Não deixa pra quem ama outra saída

Senão se conceber em paciência
Deixando uma tristeza em despedida,
Que a sorte seja sempre percebida,
E não somente mera coincidência.

Eu tenho essa perfeita concepção
Que, sólida permite que eu caminhe,
Sem medo de tempesta ou furacão,

Apenas em tranqüilos passos, pois
Sabendo aonde quero em que eu me aninhe
Não temo mais agora nem depois...

GELIS
MVML
Publicado em: 01/09/2007 20:16:29
Última alteração:05/11/2008 12:23:07


AMOR E AMIZADE..

O amor a mim parece
um jardim de muitas flores.
Tem rosas, cheirosas,
tem cravos,
tem margaridas singelas
- cores ricas, cores belas,
enfeitando, prazenteiras
as manhãs de todo dia.

Mas seu viço exuberante
é o resultado constante
de muito cuidado e carinho,
não deixando seus canteiros
ao cuidado desordeiro
do mato, assaltante e daninho.

E se, acaso, algum espinho
abrir fundo uma ferida,
não liguem, faz parte da vida
que, agressiva, maltrata.
Mas cicatriza - não mata,
pois o tempo cura tudo.

Que esse amor - o de vocês,
enfrente garboso as mudanças
acendendo a esperança,
espargindo claridade.
Porque o amor é sempre novo,
se mais velho é mais gostoso...
já que o amor não tem idade.

Amiga uma alegria assim me invade
No canto em que demonstras que um jardim
Brotando deste amor que existe em mim
Transcorre no perfume da amizade.

Espero sempre ter felicidade,
Embora sei que a dor existe enfim,
A vida tantas vezes traz maldade
Mas vale sempre a pena, até o fim.

Renovo meu amor em cada verso
E faço deste sonho, o meu quinhão.
Por mais que o mundo seja tão perverso

Amar, traz todo dia uma lição.
No grito que hoje solto, um universo
Que é feito em alegria, em emoção...

HLUNA
Marcos Loures
Publicado em: 04/07/2007 22:33:45
Última alteração:05/11/2008 19:50:30


AMOR E AMIZADE..

Sob o brilho do amor nós caminhamos,
divisando a estrada à nossa frente.
Na força da amizade acreditamos,
sem temor a percorremos alegremente.

Não apenas o amor nos une agora,
é mais forte, bem mais forte esse elo.
Amizade e amor na justa hora,
vem tornar nosso caminho inda mais belo.
Essa senda iluminada, na verdade
se traduz por bem maior - felicidade.


A nossa amizade
Carinho traduz
Traz a claridade
Reforça esta luz,

Amor de verdade
Pra sempre seduz.
A felicidade
É quem nos conduz

E mostra a beleza
Da vida sem medo,
A nossa riqueza

E o nosso segredo
É ter na pureza,
Em paz,nosso enredo...

HLUNA
Marcos Loures
Publicado em: 13/07/2007 17:33:39
Última alteração:05/11/2008 19:28:30





Vamos cantar o amor a fantasia!
Vamos buscar as flores escondidas!
Trazer um bálsamo pras feridas!
E acabar de vez toda agonia!

Vamos trazer mais mel - mais ambrosia
Para adoçar um pouco àquelas vidas
Amargas, derrotadas, suicidas
Trazer felicidade - Alegria...

Eu te convido amigo na Jornada
Pra acompanhar-me, então, ness'aventura.
Vamos trilhar a senda inusitada.

Aonde em cada verso, em contradança
Trazendo luz à quem, sempre procura
O brilho salutar de uma esperança

O brilho salutar de uma esperança
Penetra n'alma e chega ao coração
E apaga aquela chama de ilusão -
Parece perto; mais ninguém alcança.

E temos que viver conforme a dança
Que traz-nos o destino pois se não
Sonhar demais traz grande depressão
Deixando muito amarga a lembrança...

Mas aprendemos todos os momentos
E dominar as sensações, os ventos
E todos outros tipos de demônios

Os meus sonhos são rústicos campônios
Em cujas mãos calejadas sempre havia
Um gesto de fantástica alegria...
Um gesto de fantástica alegria
Eu vi naquele seu sorriso brando
Meio inocente, mas de vez em quando
Uma malícia, às vezes, lhe nascia...

Que inesquecível foi aquele dia
Ouvir a voz suave murmurando
Um beijo quero e eu, então, lhe dando
Com'um escravo fido lhe servia

Entretanto, a mulher tão caprichosa
Sorrindo desdenhou aquele beijo
Artimanhas sutis de uma criança

Que mesmo sendo assim, maliciosa
Conhece e tripudia do desejo,
Um vento tresloucado que me alcança...
Um vento tresloucado que me alcança
Quer me impedir de andar esse caminho
Mas eu não ligo; - seja rubro ou linho
Ninguém matará mais minha esperança.

A vida dá-me o doce e o espinho
Também a depressão e a bonança
E busco calma e perseverança,
Procuro, então lutar, não me aporrinho.

Abrindo esta couraça no meu peito,
Espero amanhecer em plena paz
Nos braços de quem amo, satisfeito.

E assim recomeçar um novo dia
Que em plena sintonia se perfaz
Trazendo, todo o bem que eu já queria...

Trazendo todo bem que eu já queria
Meu bem me trouxe amor e aquele beijo
- Profundo vigoroso e com desejo -,
Daquele olhar o sonho e a poesia...

E na manhã de inverno - triste fria,
Aconcheguei-me ao seio benfazejo
- Foi o melhor conforto e ensejo -,
Estava inverno mesmo aquele dia?

Não percebi, pois tinha em teu calor
Um verão tão intenso, abrasador
No fogo sem limite que me alcança

Tornando cada dia mais feliz
No requebro sutil dos teus quadris
Nas ondas de teu corpo em cada dança...

Nas ondas de teu corpo em cada dança...
Da movimentação - daquele agito
Que num momento é todo o infinito
Deixando após saudade e esperança

Ah faz-me bem demais minha criança
O teu molejo deixa-me aflito -
Mas de alegria - e quando a fito
A fênix renasce com pujança

E volta extasiante e mais audaz
Na gula que decerto satisfaz
Aquele que em teus braços pressentia

Que tudo enfim seria mais completo
Mulher, banquete raro e predileto:
Vontades que demonstram sintonia

Vontades que demonstram sintonia
Caminhos que se encontram ao final
O único um por cento tão igual
Que nos falamos por telepatia...

Então amiga deixa essa agonia
E o medo tolo que nos faz só mal
Lutar contra o destino, afinal,
É vã; é uma vaidade luzidia...

Fizemos da amizade mil castelos,
Arando uma esperança com rastelos
Granando dentre nós forte aliança

Porém o tempo mostra as artimanhas
Promessas de incerteza em nossas sanhas
A noite do teu lado, calma avança

A noite do teu lado, calma avança
Misteriosa, leve, sedutora,
E eu silente olhando-te Leonora
Tão linda e envolvente e tua trança –

Qual serpente voraz que a presa alcança -,
Seduz-me ao teu perfume que evapora
Mas que maldita foi aquela hora
Desfez-se ao ar flechando-me uma lança.

Leonora, uma esperança desvalida
De um tempo que se foi em minha vida,
E sei não voltará pra mim, jamais...

Minha imaginação decerto audaz,
Procura reviver antigo cais
Quem sabe, novamente encontre a paz...

Quem sabe, novamente encontre a paz
Você que é tão amargo e s'acha certo
Que só vantagens quer e diz-s'esperto
Falando que ninguém o passa atrás...

Do que adianta à noite em seus umbrais
Seu coração naquele grande aperto
O bem e o mal, então, num só concerto
Qual sinfonia o ouvido ouve mais?...

Amigo eu não me esqueço de dizer
Que o tempo corroendo sem descanso
Deforma, destruindo todo o ser.

E em rugas que demonstro se pressente
Sonho que com ela – penso – alcanço
Vivendo a juventude novamente...

Vivendo a juventude novamente
Vergonha não tivemos de ninguém
Que deixe-nos xingarem - é desdém
Quem diz que já é tarde, como mente

Estar na mocidade está na mente
E ter moderação, claro, também
E foi passando as horas e nós nem
Ligávamos pra aquele sol tão quente

Teu corpo passeando em minha cama
Desnudo e tão macio, já me chama
Pro jogo que me doma e satisfaz

Refaço em teu desejo, a mocidade,
Que enfim me revigora e com vontade
Recebo o teu carinho mais audaz

Recebo o teu carinho mais audaz
E teus beijos mais sôfregos - com sede,
E nós ali deitados sobre a rede
Naquele vai e vem doce demais...

Um beijo... um momento... e,... quero mais!
Então foi sobre a mesa, e na parede,
Pergunto: "Do que gostas?" e tu "Lê-de...
Vê-de bem com teus olhos este cais

Aonde meu saveiro se aportou
E todo o meu passado vislumbrou
Em luzes tão distantes... Na verdade,

No fogo de teu corpo, me incendeio
E sinto teu calor em belo seio,
Revigorando um sonho: a mocidade

Revigorando um sonho: a mocidade
É a bela mais flor que brota então
Desabrochando logo em profusão -
Mas junto vem também a veleidade...

O brilho até ofusca a visão -
Com ele vem aquela tal vaidade
E quando chega o inverno da idade
Traz-se um espelho pra reflexão

E vemos neste espelho, um outro ser,
Distinto do que fomos no passado.
As rugas aflorando de repente.

Mas quando nós pensamos no prazer
Amor vem de mansinho pro meu lado
Tomando o coração, sentido e mente.

Tomando o coração, sentido e mente.
A paz que tanto quis, chegou-me agora
Felicidade não vai mais embora
Pois dá-me a atenção mais pura ardente

Eu sei que terei dores mais à frente
Mas o que importa, no momento, agora
É aproveitar o êxtase senhora
Um êxtase sublime diferente

Porém Leonora morre em agonia
E ri-se de meus sonhos. Ironia...
Pois sabe não terei mais mocidade...

E um corvo que agourento, a noite traz
Crocita ao adentrar estes umbrais...
Não a terei jamais... eis a verdade...

Vamos cantar o amor a fantasia!
O brilho salutar de uma esperança
Um gesto de fantástica alegria,
Um vento tresloucado que me alcança...

Trazendo todo bem que eu já queria
Nas ondas de teu corpo em cada dança,
Vontades que demonstram sintonia.
A noite do teu lado calma, avança...

Quem sabe, novamente encontre a paz
Vivendo a juventude novamente
Recebo o teu carinho mais audaz

Revigorando um sonho: a mocidade
Tomando o coração, sentido e mente...
Não a terei jamais.... Eis a verdade...


GONÇALVES REIS
MVML

ESTE CORONONALE DE SONETOS FOI FEITO EM PARCERIA COM O GRANDE SONETISTA GONÇALVES REIS DE QUEM, COM MUITO ORGULHO SOU UM ADMIRADOR E PARCEIRO.
OBRIGADO AMIGO

Publicado em: 09/08/2007 15:53:48
Última alteração:05/11/2008 16:18:00



Amor e Auto Retrato

Bares e bordéis, bordas sem aparas,
Em meus dedos, falanges e fraturas.
Tento tragar tentáculos e taras.
Nas mãos cansadas, noites escuras...
Vadeio vagamente, envergo varas
Iscadas em tais margens. Armaduras
São as minhas defesas, indefeso.
Crustáceo ameaçado no defeso...

Fracassei, quis demais, nada resume.
Não quero saber sempre, nem talvez.
Restou um gesto amargo; vou, estrume,
Onde pensara um dia, na altivez.
Procuro mansidão por onde aprume,
As mais diversas formas, tanto fez...
Não virgulo, decifro ângulos retos,
Por mais que se queira, são incompletos...

Vendi alma, nos verdes campos postos...
São clamores senis, são veros vagos,
Nervos e dentes, quebro-os. Impostos
Colocados sobre velhos estragos,
Não trazem nem sequer tosto-os;
Meus medos nadarão nos outros lagos.
Por certo, caridade nem demérito,
Demovem quem sonhou seu próprio féretro...

Nasci do mais decrépito dos medos,
Busquei nas madrugadas, meu sustento.
Não fui completo, simples arremedos,
De quem tentara tanto fosse tento...
Enganos, meus engodos, sempre ledos,
Palavras vão mais soltas, neste vento..
Sangrei cada momento sem desculpas,
Procuro por amores, tenho lupas...

Cimitarras; usei nestas batalhas,
Conta qualquer que fosse esse inimigo.
Vivendo, sobre lâminas-navalhas,
Carrego os meus delírios cá comigo...
Quando estou decidido; tudo talhas,
Entalhados na brasa do perigo...
Não quero nem machados e nem sândalo,
Amores me fizeram, enfim, vândalo...

Cusparadas no rosto são promessas,
Hemorragias, vertem no meu ventre,
E vens, tão calmamente, com compressas.
Dane-se, nada quero que m’adentre...
Se são meros deslizes, são conversas.
Meus portais são marcados por: Não entre!
Não quero e nem permito que me ceifes.
O que me trazes cabe nos esquifes...

Víbora e cascavel, conheço bem...
Não trazes outra marca bem o sei.
No breu das velhas tocas, sem ninguém,
Conheço teu passado e tua lei.
Fingindo caridade, cadê? Sem...
Nas tuas ladainhas me acabei.
Prato escarrado, cuspo em quem cuspiu.
Mordaz, irei mordendo. Me esculpiu...

Retrato a realidade em que me deixas,
No basta, bastaria meus embates,
Não quero nem saber de tuas queixas,
Nem quero mais ouvir tais disparates.
Me finges ser esfinges, talvez gueixas.
Prometes novo canto, mas combates
Quem poderia, límpido, caber.
Me deixas; assim, lívido, porque?

Me enojo quando beijo tua boca,
O gosto podre emana quando ris.
Te fazes de sutil, mas te sei louca,
Não queres e nem deixas ser feliz.
Vomitas impropérios, és tão pouca,
Muito menos que pensas; nenhum triz.
Recebo o sopetão que não assusta,
És maquinal vergonha, mas vetusta...

Sofrível sentimento são teus gestos,
Na verdade, pareces bem comigo.
De malícias, delícias, já infestos.
Por isso reconheço tal perigo,
Nós dois, juntos, daremos aos incestos,
Um novo paladar e qualidade,
Seríamos espelhos, na verdade...
Publicado em: 21/12/2006 21:04:33
Última alteração:28/10/2008 11:24:06





Do teu colo beleza em opulência
De tanta maciez, lubricidade
Vivendo essa serena santidade
Pedindo teu favor numa clemência
Que salve meu amor de tal demência.

Desejo tuas luas desnudadas
Cerejas espalhadas sobre o bolo,
Amar p’ra quem sofreu é meu consolo
Buscando minhas noites mais sonhadas
Nos campos do prazer, enluaradas...

Em plena maciez clara e marmórea
Mergulho meus desejos sem tortura
Amando deste amor em tal alvura
Permite-se em botão de rosa, flórea.

Teus olhos e teu colo meu caminho
De pompa e de festejos divinais.
Aporto nos teus seios, doce cais,
E neles vou fazendo um manso ninho...
Publicado em: 15/12/2006 19:42:06
Última alteração:24/10/2008 13:59:38


AMOR E CARINHO
Quero
sempre poder
te dizer palavras
de ternura,
amor
e carinho ..
(ivi)

O amor que nos diz
De toda a ternura
Que nos faz feliz
Promessa de cura
Pra dor que eu não quis,
Que há tempos perdura.
Amor pede bis,
Matando amargura
Viver por um triz,
Um cais assegura
Riscando com giz
Na mansa tortura
Mudando o matiz
Em noite tão pura
Traz vida à cor gris
É paz e loucura...
Publicado em: 15/05/2008 16:36:09
Última alteração:21/10/2008 18:31:27






Amor e Claridade

Chegaste das noites de minha alma,
Com calma e com total tranqüilidade
Trazendo uma buscada liberdade
No vento que de leve tanto acalma...

Vieste com carinho e mansidão
Salvando-me das trevas mais doridas.
As lágrimas que solto, distraídas
Somente representam emoção.

Amo-te e nada mais, na vida, importa,
A não ser esse fato de te amar
Trazendo aos cegos olhos o luar,
Abrindo um coração, ferrolho e porta.

Obrigado, querida, tanta luz!
És prova da existência dum amor.
Nas horas mais difíceis, teu calor
A sorte em minha vida, reproduz...
Publicado em: 08/12/2006 20:51:13
Última alteração:28/10/2008 11:24:26



Amor e Abandono
Meu angélico amor tão sem cuidado
Desnudo dorme em praças, ao relento...
O beijo que me trazes, é do vento
Que teima em me lembrar: abandonado!

Vestido de ilusões que se frustraram
A cada novo dia, mais distante.
Os olhos desta minha aurora amante
Em meio aos desatinos se levaram...

Misturas mais difíceis de entender
Amor e abandono não se rimam
Porém não posso crer como se estimam
E teimam, toda noite, em me esquecer.

Contrastes que se tornam sofrimento
Desprezos e desejos se entrecruzam
De dores e dos beijos tanto abusam
Que quase não percebo o triste vento...

Deixando o coração em tal tormenta
Que embora sou feliz, infeliz sou,
Concebo deste quase que restou,
A luz que me maltrata e alimenta!
Publicado em: 01/12/2006 18:10:34
Última alteração:28/10/2008 11:41:53


AMOR E ALEGRIA! -/

Os sonhos se renovam em cada dia
Logo ao despontar do sol em belo dia
Esperanças que não morrem vivenciam
Nunca se fixam viajando volta e ida

Escreve-se na areia o mar arrasta
Hoje as ilusões, amanhã são só desditas
Renovam-se frutíferas cores vivas
Dia seguinte o amargor palavra dita

E nesta alavanca reviram a terra rocha
Na esperança de encontrar uma emoção
Encontram nestes versos afeto e proteção

Assim nestes registros inconseqüentes
Trazendo afetos carinhos sem dilemas
Nada impede nosso amor nestes poemas

Amor que se faz denso enquanto manso,
E traz a plenitude sem delongas,
Contigo em mesmo ritmo sempre danço,
E as noites são bem calmas, porém longas...

Não temo que destarte nos percamos,
Pois somos companheiros da certeza,
Que faz com que já nasçam belos ramos,
Sem chuvas nem tempestas, com certeza.

Afeto que se mostra em cada verso,
Talvez seja o segredo, mas não sei.
Apenas constatando que o universo
Mantém serenidade como lei.

Assim nossos carinhos tão benquistos,
Não deixam abscedar feridas, quistos...

SOGUEIRA
MVML
Publicado em: 01/09/2007 20:09:41
Última alteração:05/11/2008 12:40:06



Grandeza deste amor vou descrevendo...
Que belo! Já não deixo de cantar.
Segredos, para um amor, tão divinal?
Pudesse! Anunciaria, num jornal!

Talvez, seja um orgulho, este querer...
Só sinto esta infusão de alegria.
E aos céus, quero gritar em euforia.
Talvez, por que redobre, em mim, prazer!

Embora não me possam compreender...
E tola, me alcunhe, quem me vê!
Que importa se, ao amor, abrindo a porta,
Em festa, vi tornado, o meu ser!

Vizinhos, que reclamem, nem me importa!
Que outros, nos invejem, quero é mais!
Contigo, desfrutar desta alegria...
Até o fim da vida, ou mais além!

Em minha vida inteira, eu esperei...
Que o amor, chegasse tal qual, encontrei
Se ninguém se preocupou, com a tristeza
Que em meus olhos, se podia ver...

Que se calem agora! Sou princesa!
E nua, vou dançar este viver!
Cantando esta alegria, amar você!

No nosso amor imenso que sacia
A fome, a sede, o sonho, a poesia
Imerso no desejo que queria
Vivendo realidade e fantasia,

Eu quero te cantar em harmonia
Meu verso com teu verso em sintonia,
Trazendo para a vida a sinfonia
De amar demais assim, a cada dia...

Amor que não permite a noite fria,
Invade transbordando em melodia
É muito mais que penso que seria
E nunca nos permite uma agonia.

Ao ver teus olhos mansos pressentia
Amor que me transborda em alegria...

Ane Marie
Marcos Loures
Publicado em: 23/02/2007 21:24:47
Última alteração:06/11/2008 12:17:23


AMOR E ALEGRIA! -

Num panamericano
De show e de magia
Se faz em alegria...
O amor, riso ou poema...
Rolando nesta grama,
Bebendo esta tequila,
Nesta noite tão fria
Já vou ganhando o prêmio
Da pura fantasia...
Rodando piruetas,
Saltando com varetas
Um salto de altura
Eu voo, sou cometa
E chego lá na lua...
Depois retorno em facho
De lume nesta pira...
Acabo nos teus braços
Num gozo que estertora
Em êxtase a vitória!

Vencendo qualquer prova
Amor nos convenceu
Aprova nossa festa
Na qual obedeceu
Os ritos da vitória
Em pira sempre acesa
Depois, de sobremesa
A gente se fartando.
Em fantasia imensa
A nossa recompensa
Tesouro bem maior
Do que real medalha
Se faz em diamante
Na lua que constante
Ao argentar a noite
Transporta para a cama
Com precisão em toque
O gozo que se busca
Quem deseja saber
Amor que não ofusca
Nem mesmo se rebusca
Apenas faz viver...

ANA MARIA GAZZANEO
Marcos Loures
Publicado em: 25/07/2007 17:50:54
Última alteração:05/11/2008 18:06:27


Amor e Alegria

Lembrando do passado que passamos
Com passos, descompassos e promessas;
A vida se vivendo nas avessas
Embora sem sabermos bem, amamos.

Não deixe que a saudade nos deforme,
O medo também mata quem não ama
Ouvindo o coração ardendo em chama,
Quem pode com amor que nunca dorme?

Vivendo a cada dia sem sentido,
Sentindo o meu viver tão sem cuidado
Amor que delicia foi tocado
Por tanto amor maior já pressentido.

Quem perde as esperanças perde a glória
De ser feliz ao menos por um dia.
E ter, ao menos ,viva na memória,
O paladar suave da alegria!
Publicado em: 07/12/2006 16:37:55
Última alteração:28/10/2008 11:25:11


A vida é bem mais doce, me acredita,
quando o amor faz festa e nos encanta.
Te ofereço a rosa mais bonita,
dotada de frescura e graça tanta.
Amor que ilumina o meu dia
da mais profunda e intensa alegria.

Espalhas no meu mundo, tanta graça
Trazendo o teu perfume para mim,
Quando o vestido, leve, se esvoaça
Mostrando porque sou feliz assim.
Da rosa preferida, toda a graça
Explode a fantasia, até o fim...
No viço em que transbordas, o frescor
Dourando em alegria, o farto amor...

HLUNA
Marcos Loures
Publicado em: 26/05/2007 14:27:25
Última alteração:05/11/2008 21:52:39


Nesse amor tanta alegria
São asas do pensamento.
Cada vez que a fantasia
Nos transporta pelo vento,
O meu canto é de alegria
Nas asas do pensamento.

Na tua boca, alegria,
Não me sai do pensamento,
Cantando com harmonia,
Nesta paixão sem tormento,
O meu canto de alegria
Não me sai do pensamento.

Vivendo em plena alegria,
Não tenho outro pensamento,
Senão nossa sintonia,
Que impede qualquer lamento,
O meu canto de alegria;
Não tenho outro pensamento.

Na nossa vida, a alegria
É o principal pensamento,
Viver na vida, harmonia,
Impedindo o sofrimento.
O meu canto de alegria
É o principal pensamento.

Quem ama com alegria,
Deixa em paz o pensamento.
Tendo no amor, poesia,
Toda saudade eu agüento
O meu canto de alegria,
Deixa em paz meu pensamento!

Publicado em: 07/06/2007 21:49:46
Última alteração:23/10/2008 20:35:41





Na minha boca só o amargo do chimarrão
Lembrança do que um dia fora nossa paixão

Naquelas lindas e longas tardes de verão
Lagoa dos Patos refletia nosso coração
Um sonho bom que teve seu fim
Perdida procurando-te nestes campos, assim,
Procuro-te e sei não vou te reencontrar
Resta-me hoje esta saudade poetizar
Lembrando das canções que ficavas a me cantar
Um tempo bom, que sei, não vai voltar
Foi só um sonho de verão que vivo a lembrar


Ao chorar pelo amor que foi embora
Nas curvas deste frio minuano,
Não sabe como é bom te ter agora,
Sem medo, em meu carinho, sem engano.
A tarde desdenhada sempre chora
Quando se percebeu em abandono...

Menina aqui te espera tanto abrigo,
Numa tapera simples, mas repleta
Dos sonhos que te querem mais comigo,
Nos versos em que faço se completa
A vida que te peço e não consigo
Falar de outra maneira mais dileta.

Verão comigo traz eternidade,
Morena, meu amor é de verdade...

Gi Guterres
Marcos Loures
Publicado em: 19/04/2007 13:14:45
Última alteração:06/11/2008 08:50:44


AMOR DE VERDADE
Sim,
eu sou aquela
que te ama
de verdade....
(ivi)


Ouvir a tua voz já me apascenta;
Estava aqui por certo, preocupado...
Vivendo a solidão, vital tormenta
Sem ter o teu perfume do meu lado...
A vida vai passando em marcha lenta,
Qual fora o tempo inteiro no passado...

Perfume inebriante de uma flor
Distante, mas tão perto, dentro em mim.
Teu canto; minha amada, sedutor,
Um acalanto doce, até que enfim...
Vivendo com certeza, nosso amor,
O mundo é bem melhor; querida, assim...

Estou feliz por ter esta certeza
Do amor que nos tocou, clara beleza...
Publicado em: 03/04/2008 19:55:25
Última alteração:21/10/2008 16:58:47



AMOR DE VERDADE

Amor batendo na porta
Vem fazendo estardalhaço,
Coração já não se importa
De ser feito de palhaço,
No mar do amor, vida torta
Vai buscando o teu regaço.
Não queria naufragar
Nestas ondas, tanto amar.

Coibindo esta saudade
De chegar perto de mim,
Meu amor é de verdade,
Vai sangrando até o fim,
Se trouxer felicidade,
Florescendo este jardim,
Os espinhos? Vou deixar,
Meu desejo é te encontrar...
Publicado em: 03/10/2007 20:04:04
Última alteração:23/10/2008 18:31:06


AMOR DE VERDADE

Amor batendo na porta
Vem fazendo estardalhaço,
Coração já não se importa
De ser feito de palhaço,
No mar do amor, vida torta
Vai buscando o teu regaço.
Não queria naufragar
Nestas ondas, tanto amar.

Coibindo esta saudade
De chegar perto de mim,
Meu amor é de verdade,
Vai sangrando até o fim,
Se trouxer felicidade,
Florescendo este jardim,
Os espinhos? Vou deixar,
Meu desejo é te encontrar...
Publicado em: 24/09/2008 16:50:37
Última alteração:02/10/2008 14:01:19


AMOR DE VERDADE... /


Uma vontade inexplicável..
Irresistível...
De te contar o que desejei...
Quando vi a estrela cadente...
Mas abraço-te apenas..
E ao ouvido...
Tento-te com histórias...
A desviar a atenção....
E interrompo-me com
um longo beijo................

Amor desesperado que me doma,
Vontade de saber divino gosto
Da boca que faminta já me chama,
Beleza que conheço no teu rosto,
O teu perfume doce de jasmim,
O toque de teu corpo me inebria,
O beijo mais gostoso, prometido,
No amor que me domina e me vicia,
Expondo em cada verso uma loucura,
Trazendo para mim felicidade,
Eu quero te encontrar, e te dizer
Do amor que nos assola, de verdade...

MARTA TEIXEIRA
MVML
Publicado em: 23/10/2007 17:59:08
Última alteração:03/11/2008 19:41:46


Meu amor, tanta loucura
Se procura noutro amor.
Se no amor, encontro cura,
Quero amor, meu salvador...

Não se esqueça, de repente,
Quanto é preciso dizer.
Desse amor que é só da gente,
Que nos ajuda a viver...

Se caminho ou se flutuo
Meu amor sempre me ajuda.
De tanto amor, já me suo,
Se sou teu, amor me acuda...

Vivo sempre procurando
Este amor que amada tem.
Meu amor vou adorando,
Sem te ter, não sou ninguém...

Mas não deixe que me falte,
Tanto amor, tanto carinho.
Meu coração que se esmalte
Com teu brilho, passarinho...

Bem te quero, bem te vi,
Sempre espero teu amor.
Tanto amor tenho por ti,
Nosso amor, o meu senhor.

Só quem ama de verdade,
Sabe, deste amor, pintura.
Nosso amor, sem falsidade,
Merece qualquer loucura!
Quem não fez uma loucura;
Ah! Nunca amou de verdade!
Publicado em: 08/02/2007 18:14:08
Última alteração:26/10/2008 20:23:25


Eu quero te beber qual fosse um vinho
Que sempre me inebria em teu carinho,
Amor que em várias cores já pressinto.

No gosto adocicado desta boca
Paixão que me tortura, quase louca,
Da cor deste divino vinho tinto...

Eu sei que te terei em nossa cama
Ardendo neste fogo que me inflama
E toma qual incêndio o sentimento.

Eu vejo teu amor sem ter pecado
Num planalto sincero e encantado,
Vivendo sem qualquer ressentimento.

Arando o coração antes vazio,
Brotando o meu desejo em nosso cio,
Fazendo deste sonho realidade.

Desculpe se me encanto até demais,
Amor que veio forte e trouxe paz,
Com toda uma certeza: é de verdade!
Publicado em: 24/02/2007 11:51:21
Última alteração:26/10/2008 20:27:18



Contigo hei de estar,
prá sempre, querido...
Em momentos de risos,
Ou lutas da vida...

Na sorte ou desdita,
co´est´amor sereno,
Que vela teu sono,
Alimenta os teus sonhos...

Que te dá guarida,
Nas noites, sem lua,
Nos dias de chuva,
Horas de agonia...

Contigo estarei,
No amor verdadeiro,
Pela vida inteira!

Passo a passo, contigo eu estarei
Na longa caminhada desta vida
Que mesmo que pareça estar perdida
Transborda em puro amor, a nossa lei.

Vivendo como sempre desejei
Na paz e no sorriso, a própria lida
Fica mais fácil, assim, de ser cumprida.
Tu és o que mais quero e que sonhei.

Um amor verdadeiro dá guarida
E traz como bandeira uma alegria.
A estrada das tristezas já vencida

Só resta-nos saber felicidade
Alimentando os sonhos, a euforia
Nos mostra em nosso amor, toda a verdade.

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 09/06/2007 09:21:34
Última alteração:05/11/2008 21:29:11


AMOR DE VERDADE...

Mote – Na subida, Deus me ajuda; na descida, Deus me acuda...

Deus está sempre a meu lado
E, na subida, me ajuda;
Mas peço, quando embalado,
Que na descida me acuda!


N’ embalo da minha vida
Eu deixei muita saudade.
Na subida e na descida,
Foi tanto amor de verdade...

MARCOS COUTINHO LOURES

MVML
Publicado em: 15/10/2007 15:02:16
Última alteração:23/10/2008 18:52:01



Amor demais sufoca. Por isso AME

Amor não se cria nem se cobra, se dá
Simplesmente é doação.
Doação absoluta sem querer recompensa,
Amar quem nos ama é obrigação
Obrigar a ação de quem não nos ama
É estupidez, absoluta estupidez;
Se amor cobra pedágio
Ou então reflexo
Não é amor, é egoísmo.
Olho por olho e amor por amor é a mesmíssima coisa
Sem hipocrisia de marchado e sândalo
Cavalo dá coice? Tô fora!
Agora não espero perfume
Nem corte
Apenas sorte
Boa ou má. Que se dane!
Amar é conhecer
Ou melhor conheço para amar
E nunca para desamar,
Se não valer a pena, esqueço
Mas sempre vale a pena
Mesmo que apenas uma pena
Vale a pena.
Sem vale quanto pesa
Vale o que se preza
E sempre se preza
Prezada amada
A pressa inimiga
O tempo prossegue
E nada se consegue
Se não for por amor.
Mesmo que não vente
O vento que ventei
Valeu a pena
Esvaziei a alma.
Ela está tão carregada de amor
Que se eu não soltar
Ela me esmaga
O peso do amor é enorme
Por isso não acumule, distribua!
Publicado em: 26/11/2006 14:11:55
Última alteração:28/10/2008 11:39:28


Balanço da canoa
Tanta notícia boa
Caindo esta garoa,
A vida segue assim...
Estou seguindo, à toa,
Meu pensamento voa
A minha voz ecoa
Amor dentro de mim...

Na casa de taboa
Na boca da leoa
A minha alma revoa
Pedindo sempre o sim
Que a vida não me doa
Que a vida não me roa
Amor não me magoa
Se amor encontro enfim...
Publicado em: 10/02/2007 17:57:52
Última alteração:26/10/2008 20:25:3


AMOR DESAFINADO


Canção que hoje toca desafinada

Tua voz que eu esperava não ouvi

Das teclas que errei quando bati

Teu amor,se ecoou, não ouvi nada. jrpalácio



Às vezes tartamudo, outras nem tanto,

Eu penso ser assim o meu destino,

Enquanto estou contigo, desafino,

Distante, em perfeição ainda canto. marcosloures



Seria tudo apenas ilusão

Não fosse necessária esta canção

Que muda a todo instante e que destoa marcosloures



Em ti ré mi fá sol lá si dó, direi!

De um amor que vai e vem e que eu sei,

Entoando ou destoado, ele soa. jrpalácio



Publicado em: 13/10/2008 21:59:52
Última alteração:13/10/2008 23:32:17


AMOR DISTANTE

Alma
Escuridão
Vazio
Frio
Umidade...
O amor distante
Sem quem socorra
Masmorra.
Morte;
Corte.
Cicatriz?
Publicado em: 23/05/2008 11:49:16
Última alteração:21/10/2008 06:39:1


Como dói a distância!
Tantas vezes procuro por teus braços;
Vazia nossa cama.
Um céu se torna escuro.
Minha alma tanto chama,
Mas nada, nada escuto.

A dor desta distância,
Só encontrará cura nos teus braços;
Que longe estão dos meus;
Saudade da ternura,
Tua luz em negros breus
Amada; vem, escuta!

Amor que na distância,
Vai estreitando tanto nossos laços,
Na busca ensandecida
Cadê o teu encanto?
Amor da minha vida...
É tanto amor que sinto...

Vivendo na distância
Te quero sempre aqui, junto aos meus braços.
Quem foi, de amor, vencido,
Amor que concebi;
Me pego, distraído,
Cantando, só; por ti.
Publicado em: 05/02/2007 08:32:50
Última alteração:26/10/2008 20:22:02


Amor dito flagelo
Amor dito flagelo
Maltrata, mas sacia
A lua tão vadia
Desnuda já revelo
E bebo este castelo
Na noite que se esfria
Na mão quando se guia
Nas sendas do rastelo,
Beijando a sorte invento
O quanto fora em vento
E agora me apascenta,
Resulto do que tanto
Vencera em medo e pranto
Matando esta tormenta.
Publicado em: 05/06/2010 09:5


Amor dita também

Amor dita também
A roupa que se veste
O tempo mais agreste
O quanto nada tem
O vento diz desdém
E ronda e me reveste
Da boca onde se ateste
O gozo o farto bem,
O quarto mais escuro
A lua que procuro
Desnuda em minha cama
Deitando este prazer
No tanto bem querer
No amor quando se inflama.
Publicado em: 05/06/2010 10:57:16


Amor Divino Amor
A vida me permite tanto sonho...
Mergulho nos teus braços, sem ter medo...
O canto que me espera é mais risonho
Receba, em tuas mãos, o meu segredo.

Divido minha vida em dois momentos.
Imerso nos teus braços, sou eterno!
Vestígios do que fui, meus sentimentos,
Invadem e me lembram deste inferno
No qual a minha vida se passava.
O sonho, todo em chaga, destroçava...

Agora que te tenho companheira,
Me mostras teu sorriso e teu carinho
O teu canto invadindo a terra inteira.
Respiro e já não vou morrer sozinho!
Publicado em: 23/11/2006 00:07:09
Última alteração:23/10/2008 16:25:59


Amor.
Tu me perguntas por que mudei tanto, mas nada posso te dizer.
Quando a noite cai, cobrindo com seu manto, as cores esmaecidas do entardecer de minha vida, mais se agita meu coração dividido.

É verdade que, em ti, encontrei a mulher dos meus sonhos, aquela que, livremente, escolhi para ser a mãe dos meus filhos, fonte de carinho, afeto e ternura, inundando meus dias de luz e calor.

Quis o destino, porém, que uma outra mulher cruzasse os nossos caminhos, despertando, dentro de mim, sentimentos adormecidos de paixão e de desejo, nunca antes experimentados!

Jogou ela, por terra, todos os meus conceitos a respeito do amor, que julgava único e eterno.

Agora, quando me perguntas o que está acontecendo, confesso que não sei como dizer-te a verdade.

E eu me pergunto?
Como fazê-lo sem romper com tudo aquilo que construímos, juntos, durante nossa vida em comum?

Perdoe-me, amor.

Mas prefiro ocultar-te toda a verdade, insistindo em dizer-te que não vejo causa para esta tristeza que tomou conta dos meus dias.

Como te dizer que, ao tocar teu corpo, vem-me , na lembrança, o rosto de outra mulher, embriagando-me de desejo?

Não mereces sofrer a desilusão de me ver assim dividido, amando-te como sempre mas desejando ter, ao meu lado, aquela que tardiamente, surgiu em minha vida, enchendo de sonhos e desejos um velho e tolo coração apaixonado...

Marcos Coutinho Loures
Publicado em: 04/02/2007 17:43:38


Amor Divino ou Humano?
Quero ter meu amor, humanamente
Embora em seus divinos braços, sonho
Meu barco nos seus mares me proponho
A viver o manso amor intensamente.

Se mente minha sorte e porto nega
Procuro e me aventuro noutro cais.
Não posso naufragar do amor jamais,
Pois minha alma em amor já se carrega.

Vencido pela dor não vejo o trilho
Que traça essa minha alma sem amor.
Por onde for preciso e sem temor
Amor já me embalando como ao filho.

Embora seja humano meu destino,
Embora seja humana a tua boca,
Assim como é humana a voz mais rouca
Que pede, em desespero, amor divino!
Publicado em: 30/11/2006 15:43:21
Última alteração:28/10/2008 11:41:27


Amor Divino...

Amor que canto que irei cantar
Sem ter desculpa é bom saber
Que amor me encanta, é bom sonhar
De tanto que amo, quero viver...
Eu vou ao céu; eu beijo a lua,
Eu vou ao mar, amor desejo...
Quero buscar; o teu amor,
Então te beijo..

Amor que quero e vou achar,
Uma maneira de te encontrar.
Amor divino que sempre traz
O meu destino, viver em paz.
Eu quero amor, que traga sonho.
Eu quero dar-te tanto prazer...
Eu quero estar, e te proponho,
Escuta amor, eu vou dizer.
Quero te ter...
Publicado em: 30/12/2006 13:13:47
Última alteração:28/10/2008 11:22:57


Amor Divino
Eu quero que tu saibas que eu resisto
Por mais que nossos rumos dispersamos
Por mais que tantas vezes nós erramos,
Desse nosso caminho eu não desisto!

Em meio a tempestades e desordens
Nas lutas que travamos, claros céus,
Outras vezes nos cobrem negros véus,
Ilusões: obedeço suas ordens.

Ao ver essas fantásticas estrelas
Que sempre irão trazer inspiração
Eu abro totalmente o coração
Às flores deste espaço, sempre belas!

Amor, tenha certeza, e monopólio
É como ter o mar sem ter areia,
Fria chama jamais nos incendeia.
É como misturar água com óleo.

Evite, nessa vida, tal abismo,
Entenda que jamais ninguém amou
Se dele e só por ele sustentou
Um sonho mais terrível: egoísmo.

Quando Deus nos criou, como modelo,
Poderia ter sido tanta estrela,
Ou outra forma astral também tão bela;
Porém à Sua imagem; posso Vê-lo

Em cada ser humano. Na verdade
Nos deu Seu sacrifício em fera cruz,
Só para nos mostrar – caminho e luz...
E, na ressurreição, a claridade!

A vida se demonstra e traz seus motes,
Aprenda a conviver com teus irmãos,
São deles e por eles tuas mãos!
Também neles estão teus sacerdotes!

Nos teus caminhos prendem-se teus mastros.
Saiba que a cada passo que for dado,
Mesmo devagar, lento, compassado,
Caminhas com milhões de belos astros...



Disponha deste céu é casa tua,
O sonho que te leva, bom porteiro,
Permite que conheças mundo inteiro,
Olhando para cima em tua rua.

A beleza que muda noite e dia,
Penetra por teus olhos tristes baços,
Mostrando-te que acima, nos espaços,
Há todo esse universo, em harmonia!

Os milagres se mostram em tua boca
Na palavra que transmite a doutrina
Também pode ferir, dura e ferina.
Outras vezes se perde, fria e rouca...

A mesma mão que cura, maltrata,
O mundo tão enorme, como um todo,
Também pode trazer-te ao podre lodo.
O chão que traz o pântano, traz prata.

Nunca fique assentada na cadeira
Que pode parecer assim, segura,
Mas que te levará à noite escura
A vida aqui te quer e por inteira!

Não mostres teu olhar assim altivo,
Olhando quase a esmo, p’ra ninguém.
Saiba que é no outro onde está teu bem.
Mantenha nos teus olhos, lume vivo!

Teu olhos são reflexos do céu
Aqui, que sejam veros missionários.
Mas sabendo que somos todos vários
Em cada um recobre um próprio véu.

Cada ser tem a própria consciência
Que pode ser até, à tua, alheia.
Mas a chama é igual, sempre incendeia.
Perceba em cada ser a sua essência!

Se todo julgamento nos desgasta
E em todo esse universo só irmãos,
Evite transformar as tuas mãos
Naquelas que, julgando, nos desbasta.

Caminhe para a frente, amor nos leva
Aos braços do Senhor. Amor estende
O tapete para onde alma se pende
E nos livra da triste e negra treva.

Permita que deslinde-se o futuro,
Semeie sem temer, a boa nova.
Somente em vida, a vida se renova.
A luz pode nascer do céu escuro.

E saiba que viver é para os bravos,
Deles, toda semente dá seus frutos.
Carinhosos, por mais que penses brutos,
Sabem que amor liberta. Sem escravos!

Somente amor aquece em noite fria.
Amar é conviver, é comunhão.
É se permitir sempre dar perdão,
É fazer dessa noite um claro dia..

Mesmo que todas dores, tristes molhos,
Invadam tua vida, duras chamas,
Te tracem dolorosas, negras tramas,
E ceguem não te deixem nem ter olhos,

Assim como as tristezas, podres laços,
As marcas dolorosas de uma guerra;
Várias pedras caindo de uma serra,
Os raios, trovões, riscando espaços,

As febres devorando corações,
A vida em carne viva, sofrimento.
As quimeras trazendo dor, tormento,
Os problemas todos, multidões,

Erupções de vulcões, incandescentes,
Que a tudo não perdoa e incendeia
O sangue congelando em tua veia,
Os sonhos, pesadelos envolventes...

As mortalhas doídas, canibais,
Os cortes tão profundos, dissecantes,
As noites do martírio, delirantes,
Os medos e as maldades tão fatais,

Saiba que dos céus sempre boas novas,
Os olhos que te miram, verdadeiros
Trarão em teu viver belos luzeiros
E todas as angústias, meras provas.

Não temas nem os braços algemados
Nas coisas que te trazem a saudade.
Lute e conseguirás a liberdade.
Na verdade são anjos disfarçados

Que trazem toda a prova que precisas
Para que tua vida não se faça
Em base que, no fundo, sempre passa.
Se vão e se esfarelam em plena brisa...

A vida nos prepara, esteja certa,
O medo que polui nosso futuro.
Pois não temas transpor esse alto muro;
Saiba que depois tudo se conserta.

A mesma mão que fere te levanta.
Por isso sempre erguidas para o céu
Com o Senhor, mantenha teu anel.
Para que, com Deus tenha a vida santa.

Tu és um grão de areia no areal
Por isso não proclame aos quatro ventos
As dores nem tampouco os sofrimentos
Quem te ouve com certeza tem seu mal.

Mas nunca negue apoio ao que precisa.
Mesmo na tua dor, estar contente
É forma de mostrar a toda a gente
Que alegria nos salva e ameniza.

Se todo o teu tormento não te cura,
Saiba que nele existe a mão divina.
Pois todo sofrimento descortina
Aurora da esperança em pura alvura.

Tua vida não seja um mar deserto,
A tua alma sozinha se descora
Precisa renascer a cada aurora,
O fim de nossa estrada é sempre perto.

O vento da existência não vai longe.
A vida não vacila e nunca espera.
Seja então uma eterna primavera.
Nossa felicidade é nosso monge.

Carregue tua vida em santa paz.
Não deixe nem suporte tanta mágoa.
Teus olhos nunca deixe rasos d’água
Amar a quem te odeia! És capaz?

Conheça o coração, palmo a palmo;
Ame teus filhos, todos os teus filhos.
Mas deixe que prossigam nos seus trilhos.
Cada um te trará um sonho calmo.

Respeite em cada ser, o vegetal,
Os animais. Refletem mesmo Deus.
Não são teus, nem são nossos nem são meus,
Quem os criou; o Pai Nosso, imortal,

Os fez para viverem liberdade
E em cada um seu brilho radiante.
É prova desse amor tão deslumbrante
Onde Deus nos mostrou Sua bondade.

E com certeza, todos são amados
Tanto quanto nós somos pelo Pai
E Saiba que a verdade nunca trai.
Ao contrário, confirma nosso fados.

Amor é sobre tudo, o soberano.
É fonte que nos mostra toda glória.
É Deus que nos demonstra, na memória
O quanto que Ele amou o ser humano.

Pois saiba que somente amor acende
O lume que nos livra das tristezas,
É fonte de invencíveis fortalezas
Que o perfume divino já recende!
Publicado em: 27/11/2006 17:59:14
Última alteração:28/10/2008 11:39:46



Amor e Veneno

Minha ventura exposta, num contexto
Expõe todo o meu peito em desventura,
A vida não seria essa aventura
Nem mesmo serviria de pretexto.

Vivendo sem temer contentamento
Pois muitas vezes arde, até machuca.
Saudade de sofrer já se caduca,
Embora necessite sofrimento...

Amando como amei-te sem ter prazos,
Nem tempo nem tampouco pouco espaço
Desejo teu desejo num abraço,
Os olhos lagrimados, d’água, rasos...

Falando da peçonha, amores plenos,
Espero o viperino e manso beijo.
Depois de tanta mágoa já desejo,
Viciado que estou, em teus venenos!
Publicado em: 29/11/2006 22:56:06
Última alteração:28/10/2008 11:41:14


Amor e Vingança
Amor quando em vinganças baseado
Semelha –se a areia movediça.
Não é, talvez, amor; mera cobiça
De ver a dor em pleno ser amado.

Não deixa que floresça a bela flor,
Se perdendo em meio a tanto espinho
Esquece que o amor feito em carinho
Espelha só na pétala, esplendor.

Matando então a fonte de perfume,
Transformando em serpente a bela rosa,
Nos braços da vingança mais maldosa,
Invade nossa vida e cessa o lume.

Todo o desejo manso, mais cruel.
Porém daquele brilho, uma centelha
Iludindo, confunde a pobre abelha,
Que fabrica veneno invés de mel.
Publicado em: 28/11/2006 20:41:50
Última alteração:28/10/2008 11:40:00


Amor e Vingança
Nas penas que me causas, sem pudor,
Apagas belos lumes das estrelas,
E matas esperanças, minhas velas,
Naufragas meu saveiro em desamor...

Não podes traduzir as tempestades
Que foram, cada dia, mais potentes.
As dores se tornaram envolventes,
Sem o brilho estrelar, obscuridade!

Com o tempo, essas penas desbaratam,
E não restam sequer mínimos traços.
Estrelas voltarão aos seus espaços
E as tramas dolorosas se desatam.

Aguardo feramente tais mudanças,
Numa aspereza tal que já me estanho,
Pois depois desta perda virá ganho,
E os ares venenosos das vinganças!
Publicado em: 29/11/2006 21:55:39
Última alteração:28/10/2008 11:41:03




Amor em bando/



Eu já fiz minha varanda
Olhando pra lua cheia
Meu amor, louca ciranda.
Que decerto me incendeia

O seu olhar me seduz
Mais que o brilho da lua
E se me olha e reluz
Faço-me leve, plena e tua.

Coração quando desanda
Morre na praia, na areia,
Mas, pesado, anda de banda,
Isso é culpa da sereia

No olhar estão os segredos
Que em poema desenha
Desnude todos os desejos
E do amor, descubra a senha.

Que na varanda surgiu,
Como a lua iluminando,
Roseiral então se abriu,
Tanto amor chegando em bando

É que o amor chega assim
Às vezes sem causar furor
E se revelam enfim
Ao sentir do beijo, o calor

Já não sei o que fazer
Da sereia tão bonita
Que matando de prazer,
Todo amor já ressuscita...

Olhando no meu olhar
Deixe que o brilho da lua
Diga-te que minha mão
Só faz sentido na tua

(Duo- Marcos Loures & Martha Carbonieri)
Publicado em: 08/09/2007 16:42:23
Última alteração:04/11/2008 18:41:49


Amor em Carrossel

Amor, quanto mais dou, maior eu fico
E nesta roda viva eu já me encharco
Descrevo toda vez esse mesmo arco
Que em mim nunca termina e multiplico.

Nesse moto perpétuo renovando
O mesmo sentimento que me move.
A pedra do caminho se remove
De amor que gera amor, me alimentando.

Se pago teu amor com mais amor,
Amor que te paguei, amor recebo.
Recebo tanto amor que não concebo
Que amor é desse amor o gerador.

Porém se me desejas desamor,
Amor que tanto trago não te basta,
A vida sem amor já se desgasta
E salva-se somente noutro amor...
Publicado em: 02/12/2006 14:15:36
Última alteração:28/10/2008 11:42:24



Da cor de sangue neste alvor
Contrastes desta vida, minha amiga.
Esta beleza intensa tanto instiga
Que nos traz amizade em pleno amor.

Saber que todo belo tem dois lados
Mostrando essa ternura em sofrimento.
Tempestade se faz do manso vento
Assim como os invernos mais gelados.

Desejos são audazes, violentos,
Depois a calmaria toma tudo.
Amor que nos maltrata, louco escudo
Que faz duma alegria meus tormentos.

Amor amansa, acalma e nos rebela,
Define indefinido o que não cabe
De amor quase nada que se sabe
Em um segundo, imenso se revela.

Nascem rosas vermelhas desta neve
Sanguíneos pensamentos n’alvos lírios
A mansidão imensa dos martírios
Eternidade mesmo que tão breve.

É fogo que nos queima tão tranqüilo,
Espelho em que Narciso se perdeu,
Amor de tanto sonho como o meu,
Fazendo o meu poema, meu asilo.
Publicado em: 14/12/2006 20:37:51
Última alteração:28/10/2008 11:24:12



Amor em desatino

Perdoe meu amor em desatino,
Em tantas madrugadas me perdi,
Nos sonhos que jamais eu me esqueci
Traduzo as ilusões deste menino
Que mora sem licença no meu peito
Inda se achando pleno de direito
De maltratar meu pobre coração!
Publicado em: 29/11/2006 20:52:49
Última alteração:28/10/2008 11:40:51


Amor e tempestade
Procuro meu deleite nesta vida
De lágrimas curtidas e sedentas,
Embarco minha vida nas tormentas
Aguardo pela lívida partida.

Por onde quer que siga, fugidio,
Meu barco não consegue mais um cais,
O medo de viver torna incapaz
O sonho de encontrar meu mar, teu rio...

Na foz do teu amor, meu mar sereno,
Nas águas do meu mar, tua água doce.
Quem dera meu amor se fosse
Tranqüilo nosso encontro, mais ameno...

Porém em tempestades sempre trago,
As águas do meu peito tão bravio,
Perturbam águas mansas do teu rio,
Provocam em nosso amor, medonho estrago.

A culpa desta estranha pororoca
É de outras correntezas já passadas,
Deixam em tsunamis vis, marcadas,
As ondas que este amor sempre provoca.

Mas com certeza, um dia, acalmarão,
Trazendo calmaria no meu mar.
Aí talvez eu saiba como amar,
E esqueça de querer louca paixão!
Publicado em: 29/11/2006 18:30:24
Última alteração:28/10/2008 11:40:44



Fecho os meus olhos certeza, alí te encontro...
E não domino mais meu pensamento...
Viveis amor, em mim, todo momento...
A me inspirar, poesia, riso e canto!
Já te tornaste todo o meu encanto...

Não sei viver, amor, sem ter você!
Se ao meu lado,de fato, não te encontro...
De olhos fechados, enfim eu seguirei...
Prá ter você, enfrento, este tormento!

Viajo em nosso amor, cedo e constante
Acendo meu desejo em teu prazer.
Meu pensamento busca, a cada instante,
Delírio tão gostoso de se ter.

Tua nudez se mostra deslumbrante
Na pele tão morena, quero ser
Teu companheiro lúbrico, bacante.

Fazendo deste amor paradisíaco
A minha fonte orgástica: prazer!
Amor: nosso maior afrodisíaco!

Júlia Flores
Marcos Loures

Publicado em: 28/03/2007 14:47:36
Última alteração:06/11/2008 10:24:21


AMOR E TERNURA ANE MARIE E MARCOS LOURES


TERNURA SE FAZ
EMBALAR A ALMA
CO´ESTE AMOR DIVINO
SOM DOCE, DE SINO
CANÇÃO, MELODIA
VERDADEIRO HINO
TEUS CABELOS EM MINHAS MÃOS...
TEU CORPO, NUM AFAGO...
TEU SORRISO, ENCANTADO!
NADA, MAIS PRECISO...
SÓ ETERNIZAR,
DOCE PARAÍSO!

QUE TERNURA TRAZ
A NOITE TÃO CALMA.
DO MAR CRISTALINO,
UM GESTO, UM MENINO.
TANTA VALENTIA
QUE SEMPRE ALUCINA.
CALMAMENTE, OS SONHOS VÃO...
MERGULHAR NESTE LAGO.
QUE É TÃO DESEJADO
DO TEMPO PRECISO
ME FAZ NAVEGAR,
PERDER O JUÍZO...
Publicado em: 14/01/2007 22:43:14
Última alteração:06/11/2008 11:56:11


Palavras que cor à minha noite deram…
Fizeram a vontade aos meus suspiros………
Leram a intensidade do meu perfume………….
Recriam-se agora no papel branco………….
Numa seqüência, as frases soltas………….
Numa mensagem aberta, clara…………….

Palavras que, sentidas, são tão belas,
E sempre nos alentam; dão prazer,
Aos poucos soltas frases formam velas
Que nos iluminando faz-nos ver

Em cada poesia um manso vento
Que traz novo matiz a nossas vidas,
Liberta uma emoção, o pensamento
Encontra sensações antes perdidas...

Sentindo o teu perfume no papel,
Na carta que recebo com carinho,
Certezas de me erguer além do céu,
Quem sabe eu não prossiga mais sozinho?

Com toda intensidade já te digo,
Ternura, no meu peito, encontra abrigo...

Marta Teixeira
Marcos Loures

Publicado em: 03/03/2007 13:21:42
Última alteração:06/11/2008 11:32:18



Deixo,
Neste espaço,
Descrito...
O que me vai, na alma...

Para que saibas...
Do meu amor...
Minha ternura...
O meu carinho...

O meu sentir descrevo...
Para que fique gravado...
E para que possas saber:

Do meu carinho...
Do meu amor...
Minha ternura...
O meu viver...
O meu querer...

Amo, você!

Minha alma, de tua alma se embriaga
No gosto puro mel de tua boca,
Toda ternura imensa é muito pouca
Por tanto que tua alma já me afaga...

Eu quero me perder em tanto sol,
Salgando-me na praia destes sonhos,
Deixando os pesadelos mais medonhos,
Vagando atrás da deusa, girassol.

O meu viver precisa de teu canto,
Pura alegria intensa em manso cais,
Sem ter o teu carinho, nunca mais
Eu poderei sentir prazer, encanto...

ANE MARIE
Marcos Loures

Publicado em: 27/02/2007 18:53:16
Última alteração:06/11/2008 11:35:42


AMOR E TRANQUILIDADE
Devagar devagarinho
não há mesmo confusão,
Martinho da Vila cantou;
até hoje divaga sozinho..

- LUZIA MONIQUE

Vou falar uma verdade
Meu amor nunca se espante
Mineiro na realidade
Não quer nada num instante
É melhor tranqüilidade
Do que ter algum quebrante
Com total felicidade
Quero ser amado amante
Da mulher em liberdade
Coisa muito interessante
Se o amor agora invade
Não resista, siga adiante
Só não use qualquer grade
Um erro desses; gritante
Nunca ao amor desagrade
Ele é quase que um gigante,
É melhor serenidade
Do que a queda num rompante...
Publicado em: 15/01/2010 18:08:19
Última alteração:14/03/2010 20:58:39


AMOR EM PAZ.

Os dias que se estendem à nossa frente
são plenos de amor, de emoção.
Por isso eu prossigo, alegremente,
guiada pela força da paixão.
Te oferto o meu corpo emoldurado
nas chamas de um amor ardente e puro.
Te oferto o meu riso inalterado,
pois nada mudará em mim, te juro.
Que nossas vozes juntas se encontrem,
aqui, no amanhã, tal como ontem.

Na força inabalável da paixão
Vagamos quais falenas pedem lume.
No canto mavioso de costume
Tu chamas, tua voz é tentação.

Molduras que entranhando o coração
Nos mostram raras flores, bom perfume.
Não deixe que o terrível; vão; ciúme
Trague para este amor, transformação.

Tocar teu corpo meigo e tão cheiroso,
Provar de tua boca, todo o gozo,
E ver quanto feliz amor nos faz.

É semear um gosto de esperança
Num gesto mais sutil onde aliança
Permite nosso canto, amor em paz..

HLUNA
Marcos Loures
Publicado em: 17/06/2007 21:44:55
Última alteração:05/11/2008 20:58:13


Não quero a minha vida tão sem graça
Nem quero me perder sem teu amor,
Meus olhos te buscando flor em flor;
Nos cigarros, te vejo na fumaça

Que sobe entre meus dedos; vai aos céus,
Cobertos pelas luzes da esperança
Minha alma na tua alma já se alcança
Coberta pela lua em alvos véus...

Meus olhos poças d’água sem te ter,
Risonhos e brilhantes quando estás,
Certeza de viver amor em paz,
Eu quero, em tua vida, me perder...

Publicado em: 01/03/2007 11:32:41
Última alteração:23/10/2008 20:11:05


Amor em Pedaços
A vida te ofereço minha amada
Do mal de amor que em lágrimas padeço,
Esqueço que não posso, mas te peço
Que sempre que chegar a madrugada
Estejas esperando meu cansaço.
Em tudo que tiveres sou pedaço.

Pedaço de saudade que comove,
Pedaço do poente que entristece
Pedaço desse canto que enlouquece
Pedaço desta vida que te move.

Movido por pedaços que carrego,
Espero ter inteira a quem desejo.
Nas linhas que recebes meu versejo
Pedaços de oceanos que navego.

Minha alma espedaçada nos espaços
Nos paços e nas praças da cidade.
Buscando por pedaços, claridade,
Espaços que pressinto, meus pedaços.

Em pedaços percebo que, afinal,
Ao menos em pedaços, foste minha.
Cansaço de viver uma avezinha
Espera por teu ninho, no final.

Publicado em: 01/12/2006 21:28:08
Última alteração:28/10/2008 11:42:03



Estou aqui...
A te envolver, com meu abraço...
Aninhada no teu colo,
Trago você dentro de mim...
Te dou mil beijos...
Te envolvo em carícias...
E em ternura imensa,
Satisfaço os teus desejos...
Fica assim...
A gozar o êxtase,
Do amor, a explodir...
Felicidade sem fim...

Teu colo tão macio me recebe
Encantos e ternuras desfrutamos.
E todo esse desejo se concebe
À medida que, loucos, nos amamos...
Prazeres, turbilhões percorro as sebes
Dos gozos que nos tomam, nossos amos...

Em cada novo beijo que me dás,
Toda a sofreguidão já se revela.
Insanas sensações. Feliz, em paz,
Navego no teu corpo, linda tela
E todo este prazer nos satisfaz
Singrando sem parar, paisagem bela.

Guardando dentro em ti, mil explosões.
A noite se tomando de emoções...

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 25/04/2007 23:33:24
Última alteração:06/11/2008 08:40:19


AMOR EM FESTA
Viver a promessa
Do amor feito em festa
Que tanto se empresta
À luz que virá
Saber desde já
Que enquanto tocar
Coração, corpo e mente
A vida pressente
Beleza e pomar,
Deitando deveras
Aquém destas feras
Que tanto temperas
Sutis primaveras
Devidas esperas
Momentos de paz
Serena conversa
Não mais tão dispersa
Que enfim recomeça
A cada luar.
Publicado em: 06/02/2010 21:02:31
Última alteração:14/03/2010 14:29:21



AMOR EM FLORAÇÃO


O amor em floração
Polinizando os sonhos
Fertilizando
Primaveras.
Cores, flores, semens...
Vida que se refaz
Enquanto espalha brilhos.
Publicado em: 22/05/2008 08:41:01
Última alteração:21/10/2008 15:15:46



AMOR EM LIBERDADE /



Alma suspensa
Apensa ao doce sentir
Minha alma busca por ti
E se faz, da sua, anexa...

Se fora complexa
A emoção que trago em mim,
Hoje claríssima
Nenhuma dúvida deixa...

Gueixa deste amor por ti,
Minha alma flutua assim,
Somente prá te encontrar...
E em liberdade, te amar...

Amor em liberdade salta aos olhos
Revela num momento o quanto é bom,
Não tendo no caminho mais abrolhos,
Iguala o coração no mesmo tom.
Amor colhendo as flores, belos molhos,
É ter uma esperança como dom...

Assim, vivemos nós a cada dia,
Sem medo do que temos pela frente,
Fazendo nosso amor em tal folia,
Que nada nos impede tolamente,
Compartilhando sempre em euforia,
Aquieta até ciúmes, totalmente...

Eu vejo em livre amor, peito liberto,
Andando sempre em frente, em rumo certo...

ANA MARIA GAZZANEO
MVML
Publicado em: 27/08/2007 15:24:47
Última alteração:05/11/2008 12:56:37



AMOR EM LIBERDADE

Nos braços deste sonho tão ditoso,
Vencendo qualquer torpe correnteza,
Amor que se mostrou em pleno gozo
Demonstra dia a dia tal beleza
Num mundo tão diverso e caprichoso,
Amor que traz sorriso dá a tristeza.
Amar em liberdade, nossa lei,
Um sonho que, decerto eu procurei.
Publicado em: 12/12/2007 21:33:53
Última alteração:23/10/2008 07:50:40



Amor em Nossa Ilha

As ilhas redondas
Atóis e corais
Amor peço paz
A paz que não vinha
Mas vinha meu sonho
No sonho que tinha
Amor tão risonho
Risonho me dei
Dei tranco na sorte
Na sorte que temo
E tremo sem cais
Amor quero mais
Mais sempre negaste
Negaste esta porta
Que aporta fechada
Fechado meu peito
Sem ter teu amor.
Amor que não quero
Se quero não vejo
Mas vejo o desejo
Desejo de paz
Da paz que sabia
Tão sábia escondia
O dia que canto
No canto que trago
No trago cachaça
Amor é fumaça
Fumaça cigarro
Se agarro não solto
Se solto revolto
Nessa ilha redonda
É redonda essa ilha
E traz ventania
Venta poesia
De noite e de dia
Do dia nessa ilha
Nessa redonda ilha
Minha redondilha...
Publicado em: 28/12/2006 12:59:07
Última alteração:28/10/2008 11:23:31



AMOR EM PAZ //

A paz que procuravas há tempos,
Está aqui em mim meu anjo,
Prometo ser agora e para sempre,
A mulher que inspira teu canto.

Só eu mesma posso te entender,
Porque minha alma na tua se retrata,
E por este caminho tortuoso,
Sempre serei a tua preferida e amada.

Violaremos as leis da humanidade,
Se assim realmente preciso for,
Seremos mais do que simples amantes,

Seremos cúmplices em defesa deste amor,
Lutaremos com forças e com garras
E seremos felizes sem demora...

Querida, tantas vezes fui sozinho
Meu canto parecia tumular.
Depois de tanto tempo caminhar
Por entre pedras, urzes, duro espinho,

Ao ter a plenitude de um carinho
De quem desejo tanto, fui achar
O rumo que eu cansei de procurar,
Deitando do teu lado, de mansinho

E na cumplicidade deste amor,
Que mostra sem censuras ou pudor
Uma realidade nua e crua,

De termos mil vontades e desejos,
Que mesmo em sonhos, doces nossos beijos
Na fantasia intensa, amor flutua...

GELIS
MVML
Publicado em: 02/09/2007 22:17:31
Última alteração:05/11/2008 12:15:15



AMOR EM PAZ /

Tu queres, eu te quero e o quê mais
Importa então para concretizar-se?
Desdenhas, sei meu bem, mais é disfarce
E finge-se difícil e olha atrás...

Então quando me vês com outra ninfa
Tu viras um demônio irascível
Não entendo-te; não sei, e acho incrível
Teus olhos marejados pela linfa...

É necessário então sempre fingir
Que não desejo tanto o que mais quero?
Num dúbio sentimento, desespero

E penso te deixar, mas volto atrás
E venho novamente a te pedir
Somente poder ter amor em paz...

GONÇALVES REIS
MVML
Publicado em: 28/08/2007 22:23:44
Última alteração:05/11/2008 12:50:11


AMOR EM PAZ /


Sonho que sonho
Teu rosto risonho
Na noite sem fim
Olhando prá mim...

Dizendo te amo
Beijando sereno
Mia face em rubor
Ardente de amor...

Me arrostando ao teu peito
Com tanto carinho
Dizendo baixinho
Te amo, de um jeito...

E vou satisfeita
Na ilusão perfeita
De tornar na verdade
Sonho, em realidade!

Na noite risonha
Um barco sereno
Amor que se enfronha
Em mar tão ameno

Tristeza medonha
Já não concateno
A gente só sonha
Porvir mais ameno

Que é feito em carinho
Em doce ternura,
Não vou mais sozinho

Percebo a candura
Que adentra meu ninho
E a paz, assegura...

ANA MARIA GAZZANEO
MVML
Publicado em: 13/09/2007 14:16:07
Última alteração:04/11/2008 17:07:25


AMOR EM PAZ!

De um erro cometido, arrependido,
Eu sigo meu caminho sobre a terra,
Deitando nos teus braços, estendido,
Felicidade imensa ali se encerra.
A cada novo passo, decidido,
Deixando para trás tristeza e guerra.
Querendo o puro amor que a vida traz,
Depois de tanta luta, amor em paz...
Publicado em: 27/10/2007 12:11:28
Última alteração:23/10/2008 18:49:3



Amor em Paz

Se vou vivendo assim mais apartado
De todos os sentidos mais ferozes.
A vida me permite tantas vozes,
Já que vivo de tudo tão cansado.

Amor que me ferindo com seu fogo
Derrama em lava todo meu futuro
E queima clareando traz escuro
Não ouve nem sequer meu triste rogo.

Nos mares e nos males que fez cais,
O vento revoltoso da saudade,
Atando essa algemas, na verdade,
Amor que não pretendo nunca mais.

Revolvo em busca, paz, todas as terras
Não vejo um só retrato que me acalma.
Mas cada gesto teu refrescando alma
Permite que eu esqueça dessas guerras...
Publicado em: 07/12/2006 17:49:57
Última alteração:28/10/2008 11:25:02


Amor em Paz

Amor bárbaro, trágico e demente
Nos trama sensações incoercíveis
Amores que se tornam impossíveis
Aos poucos alucinam totalmente.
E fazem do mais crédulo, descrente.

Mas entretanto, amamos sem pensar
Em tudo colocamos nosso afeto
Amor quando demais, é mal secreto
Que ao mesmo tempo goza e faz penar
É frio no deserto em luz solar.

Porém quando da sorte benfazeja
Amor nos toca e traz felicidade
Depressa se transforma a realidade
Felicidade em tudo se deseja.

Comigo amor, trazendo santa paz,
Nas sortes que as quimeras não previam
De amores meus amores já viviam
E nada contra amor se fez capaz.
Publicado em: 15/12/2006 19:31:57
Última alteração:24/10/2008 13:59:32



AMOR EM PAZ

Meu canto se percebe deslumbrado
E a força desta voz pra sempre aumenta,
Depois da dura treva do passado,
O sonho mais gostoso me alimenta
Deixando o que magoa, assim de lado,
Amor apascentando esta tormenta
Invade o meu peito e já me traz
Felicidade e glória, vida em paz...
Publicado em: 09/11/2007 21:04:14
Última alteração:23/10/2008 18:55:39



AMOR EM PAZ
Alma aflita,
não fiques mais
pois,
mesmo sem rima
sempre contigo,
estarei !!!
(ivana)


Parecia imenso sol
O teu olhar deslumbrante
Ao seguir este farol
Tudo mudou num instante.

A minha alma que era aflita
Agora não sofre mais,
Ao ver a moça bonita
Vai seguindo amor em paz...
Publicado em: 01/03/2008 21:05:20
Última alteração:22/10/2008 13:27:11


AMOR EM PAZ
Amor
Romã
Aroma
Manhas
E maçãs
Manhãs
Audazes
Luzes
Trazes
Amor
Demais...

Boca
Beijo
Toca
Ensejo
Desejo
À solta,
À tona,
À vera...
Haverá
Outro
Dia
Decerto
Alegria
Trará
De novo
Sorriso
Breve
Alma
Leve
E amor
Em paz...
Publicado em: 03/06/2008 19:59:21
Última alteração:20/10/2008 20:17:1311








Dor que neste amor esqueço
Sei que tudo tem um preço
Distância de ti me separa
Tempo finge que não passa, pára
Mesmo sendo impossível, esperança
No fim do caminho, ser criança
Brincar de esconde-esconde no teu olhar
Se aqui, não tenho ninguém por perto
Meu amor a cada hora por ti mais certo
Sei, que machuca, e vou seguindo
Sonhando contigo vou sorrindo
Não importa quão dura esta jornada
Vou indo, talvez amor no fim da estrada
Sei, que ao teu lado não terá dor nem sofrimento
Só a beleza e poesia deste meu sentimento

Sonhar contigo é sempre ser feliz
Menina que eu adoro, minha amiga.
O amor já fez comigo o que bem quis
A sorte acostumada, nem mais liga,
Se da alegria fui um aprendiz
A dor da solidão me desabriga...

Bem sei que estás distante. Bem distante...
Mas guardo dentro aqui o teu sorriso.
Sereno, mavioso, deslumbrante...
Por isso é que eu repito e sempre friso
Quem dera se pudesse ser constante
Tua presença amiga, um paraíso...

Mas sei que isso é um sonho e nada mais....
Talvez eu viveria amor em paz...

Gi Guterres
Marcos Loures
Publicado em: 02/05/2007 23:39:36
Última alteração:06/11/2008 08:14:04


Amor em Todos os Momentos


Eu quero nosso amor em todos os momentos
Sem ter tais sofrimentos.
Que trazem a tortura em plena cicatriz
De todos os lamentos...
Quem dera se tivesse amores sem tormentos
A vida sem rancor...
Eu poderia assim dizer que sou feliz,
Vivendo pleno amor.
Quem dera se não fosse amor demais ferino,
Amar em plena glória...
De dentro do meu peito, amor sempre vigora.
Não deixo de te amar...
Amor que me remete aos tempos de menino
Vivendo noutra história...
Querida, quero ter amor que nunca chora,
Amor que irá salvar...
Publicado em: 23/12/2006 21:49:30
Última alteração:28/10/2008 11:23:51







Amor em Trovoadas 2

Vi meu barco na calçada,
O meu carro foi pro mar;
A minha mulher amada,
Vive escondida ao luar...

O que quero sei de cor,
Mas não sei se isso é verdade;
A catinga da Loló,
Apaixonou o compade...

Aninha, quando menina,
Andava sempre fagueira;
Tentava dobrar esquina,
Banho de sol? Na fogueira...

Belinha é muito bacana,
Todo mundo sempre diz;
Eta garota sacana!
Mas bem sabe ser feliz...

Não sou mais que cercania,
Quem me dera ser divisa;
Não consigo ver o dia,
Quero sentir doce brisa...

Poemas. não sei fazer,
De rimas não sei falar;
Meu amor, cadê você?
A procuro no luar...

A lua que brilha aqui,
Não é a mesma de lá;
Pois na terra onde nasci,
Rouba luz do teu olhar...

Quando nasceste, Ritinha,
Toda terra festejou;
Relampeou, de noitinha,
Até Deus comemorou!

Meu amor não tem segredo,
Nem precisa de recado;
Com você perco meu medo,
Coração descompassado...
Publicado em: 07/12/2006 18:36:40
Última alteração:28/10/2008 11:24:43



Amor em Trovoadas

Cabem tantos pesadelos,
Nos sonhos da minha amada,
Quem dera pudesse vê-los
Não sonharia mais nada...

A viola ponteada,
No canto do boiadeiro,
Viajando, corta estrada,
Nesse sertão brasileiro...

Rosa vermelha seduz,
A branca acalma o sentido,
O meu amor já reluz,
Sem ele, sigo perdido...

Trovas faço sem parar,
Meus versos trago n’ alforje,
Quero montar, no luar,
No cavalo de São Jorge...

Mariana passa leve,
Leve Maria pro mar,
Maria, a vida tão breve,
Mais breve, quero casar...

Temporal tem tempestade,
Raio, corisco e clarão,
O amor tem tempestade,
Faz tremenda confusão...

Quero beijar sua boca,
Mas você não quer mais não,
Minha amada ficou louca,
Maltratou meu coração...

Trago a tesoura do tempo,
Para cortar a paixão,
Não posso ter contratempo,
Vou cortando de raspão...

No meio da capoeira,
Caipora se escondeu,
Meu amor, na vida inteira,
Caipora já fui eu!

Me disseram, que maldade,
Que não posso mais amar,
Me negaram claridade,
Se esqueceram do luar...

Espada corta fundo,
Machucando de mansinho,
Tanta espada nesse mundo,
Mas me inundo de carinho...
Publicado em: 07/12/2006 18:34:35
Última alteração:28/10/2008 11:24:51



Amor em Trovoadas 3

Meu amor aqui tão só,
Espero por teu carinho;
Canta triste curió,
Tenta fazer o seu ninho...

No cantar duma graúna,
Encontrei meu bem querer;
É forte como braúna,
O meu amor é você!

Na viola canto primas,
Minhas primas, vou cantar;
Vou brincando com as rimas,
‘Té o tio reclamar!

Sei o gosto da tristeza,
Agostos quase setembro;
Maria foi a beleza,
Que eu encontrei em dezembro...

As marcas do meu passado,
Ficaram no que vivi;
Meu amor foi encontrado,
Jogado no CTI...

Amor que me traz saudade;
Isso digo, e ponho fé,
Doce coceira que arde,
Parece bicho de pé...
Publicado em: 07/12/2006 18:40:00
Última alteração:28/10/2008 11:24:35



AMOR EM PLENITUDE /

Nos teus braços, querido
Deslumbrada de encanto
Ouço o canto do amor...

Do amor, mais bonito...
Que floriu meu sorriso,
E a minha alma enlevou...

Vou assim,
A olhar no infinito,
Dos teus olhos, tão lindos,
Minha paz, meu amor!

Amor é soberana fantasia
Que molda a vida em doces emoções,
Refém das alegrias, das paixões,
Amor tão cedo enleva cada dia

No manto divinal da poesia,
Pressente novos rumos, direções
E sabe contornar os furacões,
Além do imenso mar, amor se guia

Por astros e fantásticas vertentes,
Supera as cordilheiras, vence os medos.
Quisera Amor além dos infinitos

Deixar enamorados mais contentes,
Ao delegar a todos os segredos
Que moldam pleno Amor, em vários ritos


ANA MARIA GAZZANEO
MVML




Na minha ilha, longíqua...
De isolamento, funesto...
Ouço, na voz deste vento...
Num gemido, um lamento...
Num grito, desesperado,
Que me chama, alucinado,
Para este canto de amor!

Tenho o coração aos saltos...
E a alma agoniada...
Mas amor, ´stou saturada...
Das lutas do meu viver...

Ando em labuta, constante...
Sem descanso, de um instante,
Tentando o mal, combater...

E me encontro combalida...
Das exigências da vida...
Se eu quiser, vida manter...

Só te poupo, meu querido,
De me ver, na agonia...
Que você, encontraria,
Caso, viesses me ver!

Sempre quís te ver feliz.
E como estou a viver,
As chibatadas da vida,
Vivo, a fugir, de você!

Mas se te vejo, sofrer,
Distância, que não compreendes,
O que possa, parecer...
Neste parêntesis, te digo:
- Sem ti, já não sei viver!

Dê-me um tempo, voltarei...
Para cantar, com você...
Toda a poesia do amor,
Que existir, em meu ser!




Não nego meu amor que é como um mar
Que vem em fortes ondas e se acalma,
Porém eu nunca deixo exterminar
Amor que é salvaguarda de minha alma...

Infindas tempestades que virão
Não podem destroçar o pensamento
Na luta pelo amor, pelo perdão,
Não somos mais tão frágeis contra o vento.

Amada, amiga, irmã, me dê teu colo,
Preciso de teu braço companheiro,
Bem sei quanto é difícil em mesmo solo,
Tentarmos ser esterco e jardineiro.

Mas venha que a promessa é de vitória,
Amada nosso amor se rende em glória!

ANE MARIE
Marcos Loures

Publicado em: 11/03/2007 22:36:54
Última alteração:06/11/2008 11:38:43



AMOR EM PLENITUDE

O amor é bem melhor
quando usa de ousadia.
Carícias profundas e beijos
que vão aplacar os desejos
guardados como segredos.
Dá vazão ao teu prazer,
que não te incomode o suor.
Quem sabe amar desse jeito...
aprendeu - sabe de cor.


Amar com ousadia
Sem ter medo de nada,
Viver cada momento
Em total alegria

Vertendo esta nascente
Num mar de amor imenso,
Desejos que nos tomam,
Carinho exposto e denso.

Vencendo todo o medo
Procuro ser feliz,
Meu verso vai ganhando
Caminho que eu bem quis.

Servindo de consolo
A quem não soube amar,
Talvez uma esperança
Perceba que sonhar

Faz bem a quem deseja
Um mundo mais gostoso,
Clareia no horizonte
Um sol maravilhoso

Que é feito do calor
De quem conhece a vida,
No amor em plenitude
Encontro uma saída...

HLUNA
Marcos Loures
Publicado em: 07/07/2007 22:46:37
Última alteração:05/11/2008 20:12:12



AMOR EM PLENITUDE
Razão em tantas vezes mostra a face
Cruel de um dia duro e destroçado
Em plena ventania que amor trace,
Na fria sensação, triste passado.
Quem sabe noutra luz se sustentasse
O sonho que se fez iluminado.
Distante da cruel e triste inveja,
Amor em plenitude se deseja...

Publicado em: 26/10/2007 16:15:38
Última alteração:23/10/2008 18:50:00


AMOR EM PLENITUDE

somando o vazio
do tempo que foi
da noite sozinha
com o gesto em aceno
da pele morena
amor em plenitude...
Publicado em: 08/12/2007 16:37:37
Última alteração:23/10/2008 17:37:36



AMOR EM PLENITUDE

Apenas dois poemas de amor
Desfilavam nas minhas poesias
Mas, navegando, por acaso ao sabor
Deparei-me com teu canto sinfonia

Atenta fiquei, viajei na emoção
Flertei com as palavras silenciosas
Paquerei com as frases fiz refrão
Enamorei as rimas tão formosas

E viajei contigo nos teus versos
O amor adormecido saiu voando
Poemas e poemas foram criando

Um amor a este poeta que não cansa
De amar a quem amor lhe ofertar
Por isso não me canso de te amar


Do amor em plenitude, eu sou amante,
Caminho sem ter dúvida esta estrada
Que segue sem temores para diante,
E forte no meu peito sempre brada,
Mostrando uma alegria a cada instante,
E a vida já trazendo iluminada.
O canto deste amor me contagia,
Clareia em luz intensa cada dia...

SOGUEIRA
ML
Publicado em: 12/01/2008 15:31:24
Última alteração:22/10/2008 19:42:18



Amor em plenitude
Mão
em carícias,
que trazem a felicidade ...

No olhar o brilho,
refletindo uma Lua,
lua mágica, de encantos ...

Plenitude ...

(ivana)


Carícias e delírios
Risos e prazeres
Delícias e vontades
Quereres. Profusão...
Assim noite afora
Aflora a fantasia
E o dia se promete
Em plena sincronia.
Atados olhos bocas.
Plenilúnio anunciado
Eterna maré cheia,
amor em plenitude...

Publicado em: 06/03/2008 17:56:08
Última alteração:22/10/2008 15:26:17



AMOR EM PRIMAVERA /

Bebo de tua seiva...
Grávida da ternura,
Gero um filho...
Dois,
Mil...
Povôo a Terra...
E feliz,
Vejo meus meninos por aí,
Livres e felizes,
A brincar, fazendo festa...
Obrigada, meu amor...
Sou a mulher, mãe e amante mais feliz,
Ao teu lado, meu poeta!

Fecundamos sonhos com tal força
Que assim povoaremos de esperança
Planeta que perdido inda se esforça
E busca um bom motivo em outra dança.

Viemos deste sêmen que nos trouxe
Poder de gestação em veros ritos,
Nos filhos deste amor, que é manso e doce,
Os olhos verdejantes, tão bonitos.

As mãos que calejadas são benditas,
Marcadas pela Terra nas entranhas.
Granando nas distantes negras criptas

Irmanam cada gesto em harmonia.
Na glória do porvir luzes tamanhas
Que possam reflorir no dia a dia...

ANA MARIA GAZZANEO
MVML
Publicado em: 20/08/2007 19:40:02
Última alteração:05/11/2008 14:20:44



AMOR EM PRIMAVERA -

Ter você no meu abraço
Feliz, em mesmo querer
A viver raro prazer
Sei que me esqueço do mundo...

É beijar-te e num segundo
Sentir a vida girar...
E se é sonho ou realidade
Sem senso, não sei de nada...

Percorrendo esta estrada
Do amor, sobre o teu corpo
Que se fez, seguro porto
Vejo-me extasiada...

Vendo a maré, acalmada
Te beijo sem dizer nada...
Vivo contigo querido
Sensação de paraíso...

Sois meu céu, a minha estrada...
Guarida , e toda poesia
A mais intensa alegria
Felicidade encontrada!

Resgato em tua pele
Amor tão sensual
Deságuo em tua boca
Meu beijo em alto astral.

Num êxtase moleque
Gostoso de se ter
Eu quero desfrutar
Teu enorme prazer

E ser, toda manhã.
O sol que te ilumina
Matar a minha sede,
Deliciosa mina

Que traz uma vontade:
Jamais daqui sair
E cada vez, bem mais,
De tudo repetir...

Felicidade encontro
Nos teus braços, morena,
Fazendo da fogueira
A vida mais amena.

Não deixe que as intrigas
Afastem-te de mim,
De tempos tão sofridos,
Minha querida eu vim.

Não quero o sofrimento
Ao qual conheço bem,
A vida é tão tristonha
Sozinho e sem ninguém.

Por isso venha logo,
Que a vida não espera
Renasça no meu peito
Amor em primavera....

ANA MARIA GAZZANEO
Marcos Loures
Publicado em: 23/07/2007 12:10:39
Última alteração:05/11/2008 19:06:53






AMOR EM PRIMAVERA
Por ti
e pra ti,
preparei
meu coração,
com carinho,
para que
meu amor
tu possas ter ...
(ivi)

Resgato em tua pele
Amor tão sensual
Deságuo em tua boca
Meu beijo em alto astral.

Num êxtase moleque
Gostoso de se ter
Eu quero desfrutar
Teu enorme prazer

E ser, toda manhã.
O sol que te ilumina
Matar a minha sede,
Deliciosa mina

Que traz uma vontade:
Jamais daqui sair
E cada vez, bem mais,
De tudo repetir...

Felicidade encontro
Nos teus braços, morena,
Fazendo da fogueira
A vida mais amena.

Não deixe que as intrigas
Afastem-te de mim,
De tempos tão sofridos,
Minha querida eu vim.

Não quero o sofrimento
Ao qual conheço bem,
A vida é tão tristonha
Sozinho e sem ninguém.

Por isso venha logo,
Que a vida não espera
Renasça no meu peito
Amor em primavera....
Publicado em: 08/04/2008 15:20:18
Última alteração:21/10/2008 18:12:51



AMOR EM PRIMAVERA
Te cantarei canções do coração!
Naturalmente bela, estrela minha...
Nas cordas do sonoro violão,
A dor desta saudade se avizinha...
Em teus braços, serei uma avezinha
Procurando por tua proteção...
Teu amor, meu amor vem e se aninha
Meu canto está repleto de ilusão...

Cobertor dessa noite longa e fria,
Quem dera regressasse enfim, agora!
Deusa primaveril, das flores, guia.
Que tanto persegui em tempos duros
Dos céus eternamente mais escuros
Por favor! não suporto tanta espera,
Retorne pois, querida, a Primavera
Só poderá chegar contigo amor.
Publicado em: 17/04/2008 21:22:31
Última alteração:21/10/2008 13:09:15




Afagar teus cabelos,
Te beijar sob a lua,
É prazer, meu amor...

Fico nua e me entrego,
Por amor, eu não nego,
Esta dança ao luar...

O meu corpo é teu porto.
Teu calor minha vida.
E esta história, atrevida,
Só me faz tão feliz!

Quem me dera viver,
Tão somente o prazer,
De em ti me perder!


Tocar teu corpo inteiro e me entregar
Aos poucos desnudar nossas vontades.
Nudez reflete os raios do luar
Em meio a tantos véus. Ah! Veleidades...

Carinhos se procuram sem parar,
A noite nos promete insanidades,
Não deixe mais o tempo, assim, passar...
Meus lábios vão fremindo intensidades

Na entrega delicada e tão imensa
De corpos que se buscam mais felizes.
Amar é ser feliz e a recompensa

Compensa todo o tempo em calma espera.
Embora nós temamos cicatrizes,
Florimos nosso amor, em primavera...

ANE MARIE
Marcos Loures

Publicado em: 05/03/2007 14:52:00
Última alteração:06/11/2008 11:31:15




"Sol…………….
Primavera……………
E, numa explosão de cor, o velho jacarandá -
ninguém pensava que floresceria - reinventa-se……..
Como eu………………..
De lado, deixei as roupas escuras…
Escolhi cores frescas, dos rebuçados de fruta…………….
Num convite irresistível…"

O dia renascendo em alvorada
Florida, nos convida para a vida
Ávida dessa luz. Sentindo cada
Flor como uma esperança revivida

Minha alma vai liberta, reinventada
Nas belas cores da árvore florida
Mostrando seus desejos: ser amada
E refazer-se em pólen, mais sentida.

A beleza renasce multicor,
Com isso, ressurgindo meu cantar
Espalhando alegria, vem compor

O cenário perfeito para o sonho
De renovar vontades... Quero amar,
Refazer, ressurgir... É o que proponho...

Marta Teixeira
Marcos Loures

Publicado em: 18/03/2007 10:16:56
Última alteração:06/11/2008 10:37:56





Nos meus abraços amor só pra te dar
Tantos sonhos nos teus olhos entregar
Beijos e versos nos teus lábios bendizer
Falando do amor que eu sempre quis ter
Morena sim, sabes, toda tua
Moreno lindo vou te buscando pela rua
Ando em toda cidade e esquina
Teu amor pros meus sonhos de menina
Dourada tarde de outono
Enferrujando as folhas, meu abandono
De uma espera que não vai findar
De um tempo que sonho e não vai chegar
Mas resta a primavera e a esperança
De te ter aqui, mesmo amor, mesma dança.


Um dia amor tocando no meu peito
Se fez mais forte em versos, esperanças.
Tornando o meu sonhar mais satisfeito
Deixando para sempre más lembranças.
Agora que encontrei amor perfeito
Comigo em tanto amor pra sempre avanças..

Amor em primavera neste outono
Fazendo as flores raras, folhas belas,
De quem sempre vivera em abandono
As noites pululando em zil estrelas.
Sonhando com teus beijos, ganho o sono,
Os céus já se tornando raras telas...

Morena amar te quero em cada cena
Da sorte que bem perto já me acena...

Gi Guterres
Marcos Loures
Publicado em: 02/05/2007 17:07:58
Última alteração:06/11/2008 08:32:46



AMOR EM RUÍNAS
1

Amor que deu cupim
E vira este destroço
Além do quanto posso
Da seca faz jardim,
Ou mesmo quando enfim
Viesse o que ora endosso
No quanto não me aposso
A posse dita o fim,
Em libertário canto
Ou mesmo se me espanto
Brincando com sentidos,
Os olhos no oriente
O quanto me oriente
Em rumos pré-sentidos.

2

Jamais dedetizara
A casa em ruínas
Enquanto me fascinas
Ou mesmo se declara
A vida quando amara
Ampara ou seca minas
E tanto desatinas
No pouco me escancara
O corte da navalha
A seca que se espalha
Assola o meu sertão
Ser tão ou nada ser
Pudesse; em mim, chover
Quem sabe inundação?

3

Apego-me ao depressa
Aonde não teria
A noite embora fria
A manhã recomeça
E digo se me apressa
A sorte em ventania
Abrindo a fantasia
O passo já tropeça
E tento disfarçar
Na farsa a se mostra
A graça não perdera
Do quanto em estopim
O quanto que há em mim
Da vela em pouca cera.

4

A noite sem ninguém
Ou quando alguém madruga
O corpo trama a ruga
Que sempre após já vem
E sei sem ter desdém
O quando cumpre e aluga
A boca que não suga
A fome que inda tem
O gesto atesta o quanto
Ainda sempre canto
Ou mesmo espanto enfim
O vasto que pudera
Outrora primavera
A seca não tem fim.

5

A face carcomida
A boca sem mais dentes
E quanto mais pressentes
Ausentas minha vida,
No tanto dividida
Ou mesmo se entrementes
Audazes quando mentes
Traçando a despedida,
Não vejo e nem resumo
O todo sem o sumo
A prece deprecia
O manto que não cobre
O rosto outrora nobre
Aflora em agonia.

6

Assim como este amor
Que tanto quis e agora
Não vai jamais embora
Esboça a morta flor
E tanto a se compor
No quanto me devora
O barco não ancora
Ao tempo de se por
No cais em lua mansa
A ventania alcança
E canso do que tento
Vencendo ou mesmo além
Do pouco que contém
O intenso ou doce vento.

7

Se eu fico, na verdade
O tanto que inda resta
Da noite mais funesta
Do tempo que degrade
Ou venço em liberdade
Ou bebo o quanto presta
Já nada mais se empresta
À dita claridade,
No cais a nau em caos
Os olhos fossem maus
Presságios do que possa
Ainda ser naufrágio
E sei do meu contágio
Na morte minha e nossa.

8

Saísse solitário
Na noite em luz sombria
Ou quanto mais esfria
O vento solidário
O risco necessário
A mão se mais esguia
O tempo em ventania
O peito do corsário
Saqueia esta saudade
E nela quando invade
Degrada cada cena,
Realço o falso passo
Enquanto o canto eu traço
E a farsa me serena.

9

Agora, o que fazer?
Ao fato de talvez
No tanto que não vês
Ainda haver prazer
Ou mero interceder
Da vida noutra tez
Em falsa solidez
O quanto a derreter,
Calor a vir sorver-te
Ou mesmo me liberte
No tento aonde tento
Ou tanto tentaria
Bebendo deste vento
Em franca companhia.

10

Do amor em falsa luz
Farol se distorcendo
O tempo em dividendo
Não traz sequer a cruz
E quanto me conduz
Ou nesta se tecendo
Jamais obedecendo
O corte, o medo e o pus.
Ourives do vazio
Se tanto tento e esfrio
O peso se acumula,
Na farsa se moldara
A face desta apara
Negando em fome a gula.
Publicado em: 11/06/2010 13:20:59



AMOR EM SERENATA /

Saio à janela...
A lua bela,
No céu desponta...
Encantada ao brilho do luar...
Olho na calçada...
Vejo o meu amado
Muito afobado
Com seu pinho amadeirado
Tentando me encantar
Com seus versinhos de enfado
Que não me deixa sonhar...
Perco a noite e a madrugada
Meu amor, não tá com nada
Pois nem sabe mesmo cantar...
Toca tão desajeitado
Tem uma voz de matar...
E me ponho a perguntar
O que fazer nesta hora?
Sei que não irá embora,
Mas também não quer entrar...
Pego um balde de água fria
Vou com a bagunça acabar
Deixa-me dormir, amado
Vai miar noutro lugar!


Tu pensas que me espanta em água fria?
O que te fez assim logo pensar?
Eu gosto que me enrosco na bacia
Desde que tenha alguém a me molhar.

Se engana quando diz que estou miando
Cachorro vira lata late à toa.
Nem pensa que isto está já me humilhando
Eu sei tu és morena muito boa.

Bem vale tua vinda na janela
Na camisola vejo a transparência
E um seio tão polpudo se revela

Valeu a pena ter tomado banho,
Só por poder ter visto esta potência
Meu dia, esteja certa já foi ganho...

ANA MARIA GAZZANEO
MVML
Publicado em: 18/08/2007 19:31:38
Última alteração:05/11/2008 14:57:47


Amor em seus trejeitos, dominante;
Este meu jeito
de te amar
é tão especial ...
(ivi)

Amor em seus trejeitos, dominante;
Não deixa mais espaço para nada,
Uma alma que se encontra enamorada
Procura o seu amado a cada instante.

A fonte inesgotável, fascinante;
No olhar de quem se adora; iluminada
Tornando bem mais límpida esta estrada
E a estada em pleno amor, reconfortante...

Palavras de carinho, especiais,
Especiarias raras, jóias, brilhos...
Os pássaros repetem estribilhos

E as noites são sublimes, magistrais...
Quem dera fosse assim a vida inteira,
Até chegar nossa hora derradeira...
Publicado em: 12/02/2009 14:33:30
Última alteração:06/03/2009 06:47:00



AMOR EM SINTONIA

Quando o vento venta lá
Vento também venta aqui.
Sintonia vai pelo ar
Da forma que concebi.
Versejando noite e dia
Dia e noite versejando
Na completa sintonia
Estou te sintonizando.
Minha luz sem luz não brilha
Minha trilha é tua luz.
Todo amor que maravilha
Noutro amor se reproduz.
Então minha bem amada,
Tua, minha, nossa estrada!
Publicado em: 01/01/2007 23:18:39
Última alteração:28/10/2008 10:35:51


Amor em Solidão

No tempo em que, dispersa nas saudades,
Dormias e não vias os meus dedos
Que buscavam carinhos sem segredos,
Nas ondas, t’as melenas macias,
Desse negro absoluto, as fantasias,
Que se traduziram em tempestades,

Desde que tu te foste, meu amor;
Não restando sequer sombras, desejos...
Saudades dos jamais tentados beijos,
Na angústia de te ser sem ter-te tido
Na perda do que nunca foi pedido,
Certezas de não ter nem desamor.

Fugias sem saber que eu te caçava
Nas noites e nos dias, nuvens tantas
O sol, também a lua, nunca brilham
Se não tiverem luz, nem maravilham
O céu que permanece nem escuro,
Pois é indiferente, nem maltrata.
Apenas existindo, sempre mata,
Aquele que jamais amor amava.

Amor sempre sonhava sem prenúncios
Com medo de ter medo da paixão
Nos vícios da temível solidão
Sabia que jamais fora feliz.
Mas a vida precisa ser por triz
Amor que se pretende quer anúncios!
Publicado em: 06/12/2006 14:09:47
Última alteração:28/10/2008 11:28:11






Amor em sonhos...// Expectativas
Nas asas do vento//Libertárias
sonhei paixões,//deliciosas
devaneios reais.//sensações...

Mara Pupin// Marcos Loures
Publicado em: 10/05/2007 07:41:15
Última alteração:28/10/2008 06:04:11



Amor em tempestades, timoneiro
Um amor muito louco
Sobrevive as tempestades do mar
Os ventos sempre irão soprar
As asas do amor,
nunca deixa o barco afundar

Yang

Amor em tempestades, timoneiro
Permite que se veja o fim da estrada,
Por mais que na loucura disfarçada
Uma alma amante vive por inteiro.

Cevando com ternura este viveiro
Garante no final, bela florada,
Mas quando pela vida maltratada
A rosa perde a cor, o viço e o cheiro.

Vencer as velhas pragas de costume,
Sabendo conviver com o ciúme,
Respeitando os espaços e as verdades.

O barco assim pressente um manso porto
Atento às virações e nunca absorto
Enaltecendo as tantas qualidades...
Publicado em: 23/01/2009 08:19:56
Última alteração:06/03/2009 07:13:39


AMOR FALAZ/

Ara amô!
Tô contente
Desmaiei diemoção
Feito flô,
Num sór quente

De repente,
seagente se acerta,
Pulo a cerca,
Ocê me intorta...
Largo a vida sem graça e a lida
Vou cocê,/ Prá te vê mais
filiz... Meu juizo?

Nem ligo!
Abro a porta!
Amor bandido,
Roubou meu siso,
Cantou de viola!

Me adiscurpe se te falo
Se não falo, falo bem,
Quando amor conhece, falo,
Se me calo perco o bem.

Bem se deu quem quis o falo,
Ao falar sem ter segredo,
Mas se falo já deu medo,
Sem meu falo nada falo.

Embolando falo e falo
Numa cama é bom dizer,
Que se falo cria calo,
Eu me calo, o que fazer?

Mas se eu calo, pobre falo,
Sem ter calo, nada falo.
Mas se o falo cria calo,
Eu não falo e já me calo.


ANA MARIA GAZZANEO
MVML
Publicado em: 18/08/2007 13:48:23
Última alteração:05/11/2008 14:58:55




Amor Fatal

Num sonho espectral tive intensa sensação
Da morte em eminente aspecto mais cruel.
Nem bem adormecido, em plena convulsão,
Senti a mão macia e um negro e triste véu
Qual fosse ave agourenta em sobrevôo manso.
Pensei que fosse embora, o sentido, não alcanço...

Perfume adocicado em plena fantasia.
Um olhar sorridente estende seu carinho.
A noite que era quente, em um segundo; fria.
Cruel ave agourenta, espero, volta ao ninho...
Mas nada, estava ali, sorridente e mordaz.
Há muito tempo vivo esquecido da paz.

Nada falava, quieta. A noite se passava
Naquele ritual, macabro ritual...
A morte que eu sonhara eu nunca imaginava
Que fosse assim, tortura... Achara tão banal
Que explicações sem nexo eu procurava dar.
Delírio, fantasia... Ao sabor do luar..

Pois bem sabes a lua em momentos assim
Muitas vezes traz culpa em situações vãs.
Lunático, isso mesmo, essa ave vive em mim!
Acordando comigo em todas as manhãs,
Me acompanhando sempre, existe no meu ego
É manto que me cobre e sombra que carrego.

Dormirei mais tranqüilo e depois isso passa.
Qual nada! Inda está lá, sorridente e sutil.
Por um momento ou outro eu sinto que me abraça.
Meu peito ardendo em brasa, a noite não se abriu
E deixou essa quimera em forma de mortalha.
Não me deixará nunca. A noite vem, não falha...

Se cada vez que tento, embalde, descansar
A sombra não deixar de vir, o que farei?
Onde eu acharei força e paz para tentar
Viver? A cada dia enlouqueço...Cansei,
Mas no dia seguinte, a vida continua.
O trabalho não pára e não posso fugir.
Ao voltar para a casa eu não posso dormir.

Já tentei sair, dormir num outro quarto,
Dormir em outra casa, inútil, não me deixa...
Marcada cicatriz, dela não mais me aparto.
Pontual é dormir ela vem, não desleixa.
Namoro, casamento...Esqueci, estou só.
E rezo, toda noite, em prece peço dó

Mas nada me responde, a quimera não larga!
Eu peço minha morte, assim talvez, quem sabe...
Esta rapineira ave estúpida e vil praga
Se vá para não mais e tudo isso acabe...
Te peço Meu Senhor, desesperadamente!
Escute meu pedido, o lamento de um demente!

Há quase um mês não durmo, e sempre esse fantasma;
O sorriso calado, a mão fria, o vazio...
É sombra, espectro, Fado, ou será simples plasma,
Um pesadelo, cisma? O fato é que é sombrio.
Cansado, estou cansado... Eu não suporto mais...
Milagres? Já não creio. Eu só imploro Paz!

Decerto que acostumo, eu quase já não ligo.
A sombra me domina em todos os momentos...
Nem ansiada cura, embalde, não persigo.
A cada dia sinto o fim dos meus tormentos.
Essa presença fria, um câncer terminal,
É minha companhia, o meu amor fatal!
Publicado em: 19/11/2006 18:31:45
Última alteração:28/10/2008 11:52:32




Revendo tantos sonhos, mocidade,
Esparsa sob as faces do passado
O grito que soltara,apaixonado,
No fundo se dispersa na saudade.

Os vasos que em minha alma regeneram
Esperam outros dias que não vêm.
Depois de tanto tempo sem ninguém,
Os olhos no passado degeneram.

Sou parte do que sonho e não prossigo
Consigo ser metade de mim mesmo.
Amor sem ter amor, morrendo a esmo,
Vivendo o que tento e não consigo.

Depois de que esqueci até do nome
Que sempre mergulhara em minha vida
A noite sem ter sonho, adormecida,
Aos poucos se consome e mansa, some.

Palavras que não digo nem por reza,
Amores são brinquedos juvenis.
O coração no outono, por um triz,
Em lágrimas e risos se reveza.

Os mantos da santíssima certeza
Em volta desta mesa não mais cabem
Os sonhos retorcidos que se acabem
Senão não sobrará nem mais a mesa.

Altares dos desejos infundados
Passando pelas mãos de quem não ama.
Consomem tal verdade, morta em chama,
Em olhos que viveram inundados.

Agora a noite está assim chuvosa
Vontade de tomar mais um conhaque
Amar sem ter amor é quase um baque
E faz de nossa vida, verso e prosa.
Publicado em: 14/12/2006 18:41:13
Última alteração:24/10/2008 13:57:31

No meu castelo de sonhos,encontrei um príncipe encantado o qual nunca beijei, senti ou vi. Somente o criei.

Porém não és miragem,mas sim realidade,a melhor que me aconteceu.

Minha maior fonte de inspiração, de desejo e inquietação.

E mesmo nesse castelo te confio meu coração, minha alma e minha vida.

És tudo que sempre sonhei,que outrora havia questionado se virias a se tornar real.
Repentinamente tudo à minha volta silenciou-se,

Você surgiu e nosso amor nasceu.

Tudo que aconteceu estava escrito em nosso destino, e nada poderia mudar nossa história.

Te espero em seu cavalo branco a trotar em minha direção,
para em fim poder te dar todo meu coração.


Montado no cavalo da ilusão
Entrando em teu castelo, em teu destino,
Recebo a baforada da emoção
Ao ver-te ali deitada, me alucino!

Vencendo, do castelo, estas defesas,
Invadindo teu quarto, nos umbrais,
Nas formas tão sutis delicadezas,
Desnudo-te no olhar e encontro a paz.

Princesa adormecida, te encontrei,
E quero me entregar aos teus delírios,
No leito da princesa, hoje sou rei,
Nossas batalhas nunca têm martírios.

Cavalgas mansamente teu corcel,
E loucos, nossos sonhos vão ao céu!

Aracelly Loures
Marcos Loures
Publicado em: 17/02/2007 13:56:40
Última alteração:06/11/2008 12:07:53



AMOR ETERNO /


Amado,
Quero ficar assim silente do teu lado...
Sorver do teu amor, todo o feitiço...
Emoções em agito,
Coração em disparada,
Te amar até a madrugada...
E depois,
Sol à pino,
Fugir ao negro destino
Que me rouba o teu olhar...
Quero ficar...
Junto de ti para sempre...
Quiçá o amanhã te faça o meu presente,
E eu não precise te deixar...
Porque te amo eternamente...

Amor se faz eterno
E terno nos conquista
Em cada verso tenro
É lua que prevista
Se torna mais potente
Tomando de repente
Este infinito inteiro.
Amor que verdadeiro
Eternidade traz
Se faz sempre o primeiro
E assim nos satisfaz
Convida para a festa
Da sensação divina
Aonde descortina
Futuro deslumbrante
E a cada novo instante
Amor que se renova
Se pondo sempre à prova
Se faz de lua nova
E recomeça o ciclo...

ANA MARIA GAZZANEO
Marcos Loures
Publicado em: 28/07/2007 16:52:31
Última alteração:05/11/2008 17:42:38




AMOR ETERNO -

O amor traçou meu passo...
Vivo em taquicardia,
Buscando nos teus braços,
Viver toda a euforia,
Que atiça meus desejos...
Te dar, ganhar mil beijos...
Em noite de magia...
Meu bem, como eu queria,
Te amar, dançar, compasso,
Do amor, que me alucina!

Tanto amor, tanta alegria
Que se faz neste compasso,
Vou vivendo noite e dia
Procurando passo a passo

O calor que prometia
A firmeza deste abraço
Nosso amor, pura magia
Estreitando cada laço.

Transbordando em euforia
Não me esqueço e sempre faço
Deste canto o que eu queria

Respeitando cada traço
Venha cá, ANA MARIA,
Que eu vou te dar um amasso...

ANA MARIA GAZZANEO
Marcos Loures
Publicado em: 19/07/2007 20:35:17
Última alteração:05/11/2008 19:08:59



Amor Eterno

Deleite das belezas mais sutis
Em meio ao paraíso que prometes
Aos olhos das estrelas me remetes
E fazes o meu dia mais feliz.

Os rubis e esmeraldas não se sabem
Tão belos nem tão raros como são.
Assim também vivendo tal paixão
Amores e tristezas não te cabem.

Somente as alegrias que propagas
São fontes de ilusão que tanto quero,
Em ti, querida, amor, eu sempre espero
Nas delicadas mãos com que me afagas.

Rendido pelas rendas de teus braços
Nas teias deste amor não quero fuga.
E mesmo quando o rosto todo em ruga
Eu quero o meu repouso em teus abraços!
Publicado em: 07/12/2006 16:50:34
Última alteração:28/10/2008 11:25:06


Longe de ti,
escrevo um poema...
Não utilizo,
na escrita, reticências...
Digo o que sinto!
Abertamente,
desnudo ao teu olhar,
o que em minha alma vai...
Impulsos,
do meu coração apaixonado...
Incontroláveis sensações...
Que tresloucado,
anseia o momento
de te encontrar...
Apascentar-se...
Te amar sereno...
Amor eterno!

Estrada tão comprida, amor imenso,
Que leva para um sonho quase infindo...
Por vezes imagino e logo penso
No amor que se fez raro e assim tão lindo.
Meus passos te buscando em brilho intenso
No céu desta esperança, prosseguindo.

Amor que é companheiro mais constante
Dos pensamentos todos que dedico,
Estar contigo, amada, a cada instante;
Não sei e nem pretendo, nunca explico
Apenas conquistaste, amor radiante,
O sonho que apascenta e, gosto; fico...

Desejo incontrolável, ser teu par
E a vida inteira, contigo, namorar...

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 15/05/2007 17:11:50
Última alteração:06/11/2008 07:44:23



Amor Eterno
Amor Eterno

O nosso Amor ?
É eterno,
pois vivemos
verdadeiramente
nestes momentos ...
(ivi)

Encontro o teu perfume tão sublime
Em todos os canteiros que plantei.
Além do que desejo que se estime
Querida, em teu castelo serei rei?

Tocando tua pele, boca e dedos,
Afago em cada beijo, teus cabelos.
Misturo nossos corpos e segredos
Em pernas que parecem mais novelos.

Se em toda noite busco assim, vagueio,
Espero o teu desejo junto a mim.
Deitando meu amor em cada seio,
Sorvendo este prazer até o fim.

Menina, esta saudade foi demais,
Agora por favor, não vá jamais...
Publicado em: 03/04/2008 16:35:08
Última alteração:21/10/2008 16:57:14


AMOR ETERNO


É terno
O eterno
Sentir
Sem ti
Nada sou...

Ser teu
Certezas
Traz
Da paz
Que sei
Virá
Detrás
De cada beijo
Semens de luz
Reproduz
Ação
Que encontra
Eco
Em tua voz...
Publicado em: 24/04/2008 20:36:49
Última alteração:21/10/2008 13:29:39



AMOR ETERNO
BEBO O FIM
E RECOMEÇO...
BEBO O FIM
E RETROPEÇO
MAS BEBO ENFIM
AMOR QUE PEÇO
NÃO MEÇO
MEREÇO?
Publicado em: 22/01/2010 18:32:25
Última alteração:14/03/2010 18:27:14


Amor eterno, amor...

Não quero mais um inverno
Que me traduza saudade
Meu amor se for eterno
Viverei eternidade;

Mas nada mais que enlouqueça
Que a dança que te propus
Não sai da minha cabeça
Reflete tanto esta luz.

Que espelhando o meu desejo
Tramando nestas areias
Seja meu salgado beijo
Na maciez das sereias.

A noite traz essa lua
Que guarda tantos segredos
Da mulher tão bela e nua
Dançando nos meus enredos.

Gerando os filhos que trago
Saídos da fantasia
Nas horas mansas de afago
Derramando poesia...
Publicado em: 31/12/2006 21:19:56
Última alteração:28/10/2008 10:35:10




Uma eternidade……………………
O beijo com que me despertas………….
O suspiro com que te respondo…
O sorriso com que me brindas……….
A minha boca enfeitiçada…
O meu rosto corado………….
E os meus braços que te acolhem……….
Paixão? Amor?
Ou tudo??
Sentindo esta vontade de tocar
Teu corpo com doçura e com carinho,
Na boca tantos beijos navegar,
Na glória de viver, achar um ninho

Onde possa sentir teu suspirar
Não tendo mais temor, um passarinho
Deitado nos teus braços descansar
De noite, com loucura ou bem mansinho.

Amor que se explodindo na paixão
Não deixa mais nem pedra sobre pedra,
Fazendo no meu peito uma explosão

De sonhos e delírios vivos, ternos...
Quem ama assim jamais por certo medra
Pois sabe que estes sonhos são eternos...

Marta Teixeira
Marcos Loures

Publicado em: 19/03/2007 20:37:17
Última alteração:06/11/2008 10:36:44



Quero ir pela vida qual menina
Na luz que ofereceu-me, esperançada.
Pois amar, só te amar, é minha sina.
Me sinto pelo amor abençoada.

O tempo sei que leva e um dia traz
Mas creio neste amor tão persistente;
Eu te amo tanto, tanto... Sempre mais,
Resquícios e um passado no presente...

Eu faço e te renovo a minha jura,
A de afastar de nós a noite escura
Que teima em nos trazer tanta saudade...

Amor nunca se acaba. Um verdadeiro
Sentimento que toma por inteiro
Deságua na real felicidade!

HLuna
Marcos Loures
Publicado em: 01/04/2007 11:46:17
Última alteração:06/11/2008 10:02:23




AMOR IMENSO /

Continuarei ao teu lado
A correr belos prados
Nesta noite tão mágica...

Junto a ti,
Sei viver a alegria...
E amor, ficaria,
Do teu lado prá sempre!

Clareia esta emoção
De estar além do cais
Dispara o coração
E quero muito mais

Correndo pelos campos
Envolto em fantasia
Em meio a pirilampos
Pra sempre eu ficaria...

O tempo inteiro eu penso
No amor que não tem fim,
Que vai ficando imenso
Será que cabe em mim?


ANA MARIA GAZZANEO
Marcos Loures
Publicado em: 26/07/2007 10:13:41
Última alteração:05/11/2008 18:02:37



AMOR IMENSO
Amar-te além
Viver do bem
Do amor imenso
Que adentra a vida
E muda o rumo.

Sentidos expostos,
Gestos e gostos,
Repastos e banquetes.
Bebendo todo o sumo,
Assumo os meus erros
E vícios, delitos.

Mas quero que estendas
As mãos
E assim, iremos
Até a felicidade final...
Publicado em: 05/04/2008 13:16:10
Última alteração:21/10/2008 17:04:25



AMOR IMENSO
Tudo o que tive de fazer, já fiz
Para falar-te deste amor imenso,
Pensei que fosses crer, mas hoje penso
Que, infelizmente não serei feliz.

Muitas vezes, o peito arfante e tenso,
Deste amor te falar, buscou e quis.
Mas não levas a sério o que ele diz
E fazes meu sofrer enorme e denso.

Não vejo explicação! Por que preferes
Fugir desta maneira, se é verdade
Que tentas só negar o que mais queres

Não me digas adeus! Assim ferida,
Minha alma levará esta saudade
Do amor que não me deste nesta vida!

MARCOS COUTINHO LOURES
Publicado em: 17/04/2008 18:57:28
Última alteração:21/10/2008 18:29:43




Querido,
Ando assim, sem jeito,
De te olhar direito,
Sem me revelar...

Querido,
Sei que este brilho,
De um sol, no peito,
Acende um farol...

Querido...
Penso em fugir disso...
Do amor feitiço...
A me dominar...

Mas sei...
Não posso esconder...
Meu amor, faz crer...
Ser, grande demais...

Então...
Venho a ti, desnuda...
Te entregar a vida...
E amor, bem mais!

Escoltam meus desejos, teus feitiços,
Em mágicas palavras que me enleiam.
As luzes em meu peito ganham viços,
As sendas que procuro em ti; clareiam.

Quem teve os olhos tristes e mortiços
Percebe tantas brasas que incendeiam.
Meus versos já não podem ser omissos
Por isso te agradecem e te anseiam...

Desnuda de qualquer ressentimento
Encontro-te feliz em ser assim,
Amor que assim domina o pensamento

Reflete meu desejo em mil centelhas,
No rubro deste lábio carmesim
Felicidade imensa já me espelhas...

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 23/05/2007 20:20:45
Última alteração:05/11/2008 23:02:54



Amor feito da saudade
A noite me trouxe Vera
Que me espera e nunca vem
Meu amor se desespera
E não espera ninguém...

Amor feito da saudade
De Vera que sempre quis
Matando a felicidade
Qualquer noite ser feliz...
Publicado em: 30/11/2006 22:02:25
Última alteração:28/10/2008 11:41:40



Amor Fenomenal Com estrambote
Nas tuas mãos alvíssimas, divinas,
Espelho meus fantásticos momentos...
Alvíssaras me trazes... Opalinas
As mãos que já guardei nos pensamentos!

Nos cofres onde esconde as obras primas,
Um Deus apaixonado te guardou!
Em um momento breve, trouxe rimas
Provando que, poeta, tanto amou!

Tens a doçura mansa de um poema
Tens a beleza viva duma aurora!
A mão que me passeia, já decora

A terra inteira fica mais bonita!
Amar-te então saber da piracema
Que me carrega procurando Rita!

Tens meiguice silente catedral...
Tu és, da santidade, meu portal,
Amor que se mostrou fenomenal!
Publicado em: 05/10/2006 23:22:46
Última alteração:23/10/2008 15:35:46




Amor Ficante
Não sei se para sempre ou por um dia
Nem quero do teu ser ser simples dono
Não me importa amanhã teu abandono
O que quero é morrer na fantasia...

Minhas mãos percorrendo, não se cansam,
Tua boca traz mel e chocolate.
Não temo nem o frio que se abate
Meus olhos te traduzem e te alcançam

Nas noites que se vão e nem mais sei
Se te quero e desejo mais um tempo.
Mas se vier será um contratempo.
O meu mar no teu barco, naufraguei...

Teu gozo e teu tormento, tudo passa...
A vida continua e não se pára
Depois de tudo feito se antepara
Meu sonho nessas curvas sem desgraça.

Não me deste sinal de que amanhã
Meu mundo no teu mundo viramundo
Meu peito vagará mais vagabundo
Na procura desta febre mais terçã

Que cura noutra febre, noutro colo.
A noite não promete contradança
Nem tampouco viver sem esperança
Apenas te deitar neste meu solo

Que não promete flores nem semente.
Vencido sem jamais ser perdedor
O mundo vai girando neste amor
Que começa e termina, de repente...

Não quero ser escravo nem feitor
Apenas me provoque e vai embora.
Se chove ou se não chove, isto é lá fora
Aqui só se conhece teu calor.

Depois desta loucura e tanto gozo
A lua necessita doutra fase
Feriu-se? Que procure noutra gaze
A cura deste beijo doloroso,

Embora não te quero, te desejo.
Eu te amo como nunca amei ninguém
Verdades mentirosas caem bem
E depois que se dane o doce beijo...
Publicado em: 24/11/2006 18:38:26
Última alteração:28/10/2008 11:52:59


Amor fluindo pelos dedos, sal...
Amor fluindo pelos dedos, sal...
Quero essa sombra, divinal, cometa...
Navegarei sem me cansar, o astral
Buscando conhecer novo planeta.
Publicado em: 05/09/2006 15:57:02
Última alteração:28/10/2008 11:51:32



Diga, meu benzinho, diga,
Com tua bôca, confesse
Se no mundo já encontrou
Quem tanto bem lhe quisesse.


Amor igual ao meu? Jamais terás!
Amor que não se cobra e não duvida,
Amor que em plena guerra só quer paz,
Amor é que é bem maior que a própria vida

Pois nunca te maltrata e sempre traz
A sorte em cada noite bem vivida.
Amor assim igual ao meu jamais
Encontrarás. Eu te amo assim, querida;

De um jeito tão sereno e bem suave,
São tantos os carinhos que te faço.
Não quero e nem serei nenhum entrave

No nosso vôo livre, sou teu ar;
Soltando nossos braços pelo espaço,
Nos laços deste amor, nos libertar...

A trova mote é da região Nordeste de Minas Gerais

Publicado em: 21/03/2007 15:20:00
Última alteração:15/10/2008 22:55:33


AMOR IGUAL AO NOSSO -


É tanto que te amo...
De rio, virou mar...

Nem mesmo o oceano,
Eu sei irá conter,
O tanto de amor,
Que em mim, vejo crescer...

Talvez tão infinito...
Que ultrapasse além,
Do tempo que se escoa...

Amor que numa boa,
A colorir a vida,
Se fez em poesia,
Beleza, desta rima...

Amor que te dedico...
Que aos céus, feliz eu grito...
Qual fosse melodia,
Que a minha alma entoa,
Repleta de alegria...

Amor igual ao nosso
Mesmo que a chuva caia
Mesmo que o tempo mude
E já não dê mais praia
Cinema e botequim
Na praça ou na calçada
No mato ou no motel
Ao céu sob as estrelas
Nas velas ou nos barcos
Nos Arcos lá da Lapa
Com capa ou na garoa
É tempo e vendaval
Quintal ou no jardim,
Atrás da moita ou monte
Sem pressa que esta fonte
Jamais irá secar...

ANA MARIA GAZZANEO
Marcos Loures
Publicado em: 25/07/2007 07:44:54
Última alteração:05/11/2008 18:09:44



AMOR IMENSO
O amor
Que se faz
Tolo
Colo
Busca
Solo
Arrisca
Risca o
Tempo
Arisco
Vento
Risco os
Sonhos
E te vejo
Num cometa.
Pego a cauda,
Esqueço a lauda
E no contexto
Testo o texto
Atesto o resto
E me contento
Estando atento
A cada tento
Que no vento
Segue o tempo
De sonhar...

Publicado em: 13/05/2008 20:36:42
Última alteração:21/10/2008 14:37:37


Amor Imutável
Amar alguém significa ver essa pessoa como a Deus a concebeu.
(Dostoievsky)


Não quero a perfeição de quem desejo,
Na verdade isso nunca seria amor.
Não posso e nem pretendo ser censor,
Espelho que reflete e não me vejo...

Eu quero teu amor por ele mesmo,
Sem máscaras mentiras ou engodos.
Nem sempre maciez nem sempre lodos,
Erros, acertos, jogos vãos a esmo.

Não use mais disfarces, fiques nua.
O manto que te cobre não te cabe,
No fim da tarde o sol de tudo sabe
Não quero que me impeça a bela lua.

Não seja teu caminho o que mais quero.
Apenas vá, prossiga sem demora.
Um dia, com certeza tudo aflora
E o paladar terá outro tempero.

Não veja o que desejo, sou parceiro
E como tal meu brilho não te ofusca,
A vida que procuro nunca busca
Um brilho que não seja verdadeiro.

Senão, quando preciso sempre falha,
Por que não terá sido o que pensava.
Nesta hora a falsa luz que assim brilhava
Em plena escuridão, sem luz, se espalha...

Agora que te mostras mais desnuda
Eu tenho essa certeza que me ampara
Que tudo que vivemos, minha cara,
Jamais, nem mesmo o tempo, nada muda!
Publicado em: 25/11/2006 18:56:41
Última alteração:28/10/2008 11:53:29
Amor Imutável


No mundo tudo muda de repente,
As horas se passando na mudança
Os tempos que se foram, na lembrança;
Morreram cada vez bem mais urgente.

Recebo as novidades-velharias
Como quem jamais guarda o paladar.
O vento que passou mudou lugar
Os dias não se lembram d’outros dias.

Quem foste, com certeza, não mais és,
Pois que somos mutantes de nós mesmo
Lugares conhecidos vão à esmo.
Pergunto: onde firmamos nossos pés?

Porém os sentimentos pouco mudam.
Amor que se procura quer amor.
Na cura destroçando a velha dor,
Que mesmo depois disso, tanto abundam.

Mudanças que fazemos neste mundo,
Não sabem destruir essas quimeras
Que desde as mais antigas, priscas eras,
Derrubam as mudanças, num segundo!
Publicado em: 07/12/2006 15:19:44
Última alteração:24/10/2008 13:43:57


Amor incerto

Trago esse amor sentido sobre a mesa,
Degustas sem ter pena cada gota...
Minha alma foi pro fundo caiu rota,
Nem lágrima, restou por sobremesa...

Tentei permanecer qual vela acesa,
O vento e tempestade foram vis,
Nos dias em que,tolo,cri feliz,
Foram os de maior, grande tristeza...

Não quero mais saber de sina e sorte,
Nem procuro mais luzes onde cria,
Amor sem ter certezas, fantasia;
Fantasmas que perseguem e sei morte...

Não sinto medo, cálice sem vinho,
Nem trafego tão trôpego, vacilo.
Da morte foste lívido bacilo,
Meu Deus porque me deixas tão sozinho!?

Não haverá perguntas sem respostas,
Tampouco tenho lúdicas manhãs,
Acolho restos, fétidas e vãs,
A vida retalhada nessas postas...

Cheguei a crer, estúpido que eu era,
Que foste minha métrica, meus versos,
Agora sei, restou dos universos,
Um só poema, lúbrica quimera...

Minha certeza, vaga e tão serena,
Não poderia lírica e fatal,
Acreditar n’amor tão abissal,
Mas que mal se descuida, me envenena...

Das carteiras, cigarros são tragados,
Num sem sentido, nexo faz falta,
A dor me inclui vazio, nessa malta,
Quem dera não tivesse abandonado...
Publicado em: 07/12/2006 14:58:33
Última alteração:24/10/2008 13:39:52


Amor incompreensível
Como é difícil compreender-lhe amor,
Envolto nessas brumas da saudade,
Procuro nos seus rastros a verdade
E nunca me percebo em seu favor.

Nega-me a claridade, sem motivos,
Mas busco em sua luz a minha própria
Minha alma parecendo ser imprópria
Aos favores de amores emotivos.

Nos segredos de minha alma não sabia
Que amor não poderia visitar-me
Tampouco caberia revelar-me
Essa luz que só nasce em fantasia.

Estava tão guardado no meu peito
Em cofres que não guardo seus segredos,
Não sei se decifrando seus enredos
Consiga ter amor como um direito.

Vencido pelas noites sem amor
Cansado desta luta mais inglória
Pressinto que, afinal, sem ter memória,
Amor se tornará meu desamor.
Publicado em: 02/12/2006 21:19:27
Última alteração:28/10/2008 11:27:47



Esse amor inconseqüente
Urgente sim,
E sem igual,
Se fez todo o bem que eu sonhei um dia...

Hoje sei,
Sem você,
A vida sequer seria,
Vida!

Ao te encontrar,
Vi nascer então, o sol...

Neste amor,
Com certeza,
Toda a natureza em mim,
Floresceu em novo tom...

É amor!
Amor que ao surgir, tudo mudou!
Meus sonhos descortinam...
E nada mais eu quero meu amor...

Felicidade é saber,
Seres presente a transformar a minha sina!
Te amo tanto!


Qual fora uma criança que encantada
Por doces e delícias, seus brinquedos,
Minha alma vai da tua enamorada
Rompendo os cadeados e os segredos.
Das páginas viradas da tristeza
Encontro este compêndio da beleza.

Tu és a redentora fantasia
De quem ama demais, qual um fanático,
Numa felicidade imensa, uma alegria,
Revive um coração outrora apático.
E somos o reverso da medalha,
A cama, nosso campo de batalha...

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 29/05/2007 13:44:08
Última alteração:05/11/2008 21:50:17


AMOR INCONSTANTE -

às vezes me tratas a pão de ló
às vezes és cruel comigo
Mente, enfeitiça
depois me joga no lixo
Não entendes que é pelo teu amor
Que eu vivo e respiro
Amanhã quem sabe vais implorar pelo meu amor
E eu vou te dispensar
Dizer que já tenho uma nova paixão
sofrerás com certeza
Mas não te darei o meu perdão

Amor quando inconstante
Causando mal estar
Em luz tão deslumbrante
Depois não quer brilhara
Mudando pouco a pouco
Deixando quase louco
Quem tanto necessita
De ter tranqüilidade
Às vezes a verdade
Tornando uma alma aflita
Nega a felicidade
E segue pirilampo
Amor que não se firma.
Em tanto reboliço
Causa revolução
Não sabes que te quero?
Preciso de perdão
Talvez quem saiba assim
Amor virá sensato
Comendo o mesmo prato
Dormindo em mesma cama,
Fazendo do infinito
Local bem mais palpável
Amor enfim, bonito
Além do imaginável....

GELIS
Marcos Loures
Publicado em: 26/07/2007 11:44:18
Última alteração:05/11/2008 18:02:22


Amor Inconstante II

Se, por acaso, ao ver-te; me endoideço
E versos mais audazes tu me inspiras
Amor quando acendendo tantas piras
Se não tomar cuidados, eu padeço.

Querendo teu traçado e tuas horas
Nas mãos que me carinham perco dores
Afloras em sevícias loucas flores
Se fores por caminhos sem demoras.

Desatas as gravatas e meus nós
Amando desta forma a mando dela,
Estrela pressupondo a noite bela
Mandando um alvo leite sobre nós.

Nas regras dos amores, amador,
Aprendo a cada dia a ser amante.
Amar é aprender ser inconstante
Na constância divina de um amor!
Publicado em: 07/12/2006 16:16:07
Última alteração:28/10/2008 11:25:45



Amor Inconstante

Nunca mais cantar morte, quem me dera.
Esfera que me espera e que me move.
Se nada do que tive, te comove,
O dente que mordeste, sangra a fera.

Se nada mais me cansa que a distância
Que leva meu caminho ao teu caminho.
Prefiro que me deixes mais sozinho,
Amor que não pretendo de inconstância.

Se mostras novidades nos desejos
Em falsas cicatrizes, ressuscito.
E cada vez renovo o mesmo rito
Tentar te convencer: me dê teus beijos!

Não vejo nem as sombras do que quero.
Nos fumos que percebo, nossas almas
Viajam infinitos, não me acalmas,
Pois muito mais de ti, decerto espero!
Publicado em: 06/12/2006 16:57:27
Última alteração:28/10/2008 11:25:47

AMOR INFINITO /

Meu amor realmente é insano
Livre, sem limites e fronteiras
Mas mesmo assim vive protegido
Dentro de uma grande fortaleza

Ele é firme feito concreto quando seca
Vale mais do que ouro em pó
Quem um dia tiver o poder de desfrutá-lo
Será rico, será rei maior

Conquistará todo universo em meus braços
E nunca, nunca ficará só

A insanidade intensa deste amor
Promulga em nossa sorte, eternidade.
Eu tenho tanta coisa a te propor
Porém acima disto, intensidade.

Amor quando já traz sinceridade
Demonstra ser de berço um vencedor,
Decerto vai gerar felicidade
E nela novamente se compor.

Teus braços, universos benfazejos
Que amansam as volúpias e os desejos
Em laços carinhosos e benditos.

Meus olhos te encontrando são felizes
Pois sabem que terão belos matizes
Iluminando os céus bem mais bonitos...

GELIS
MVML
Publicado em: 14/08/2007 22:14:10
Última alteração:05/11/2008 15:46:53




Amor Infinito

Amor, eu sempre quis de verdade
Amar tanto enobrece
Amor me cura, amor salva, amor é vida.
Amar é pura prece...
Estar tão distante, viver sem paz...
Saudade me maltrata...
Amor venha depressa, me amar demais
Senão amor me mata...
Vem, minha amada,
Te espero agora,
Amor é tudo,
Amor te implora...
Amor nunca pensei
Que eu fosse amar assim.
Amor bate no peito
Amor soberano
No peito não cabe
Amor tudo sabe
Amor que dá prazer
Amor faz viver.
Meu amor de verdade...
Amor que viverei
Em cada novo dia
Toda a eternidade...
Amor nunca me esqueça
Eu te amo
Meu amor, assim.
Amor tão imenso prá mim
Pois que eu sempre te mereça...
Eu quero esse amor infinito.
Amor que é tão bendito
Pois todo grande amor, mesmo aflito,
Em toda sua força é mais bonito!!!!
Publicado em: 30/12/2006 12:53:40
Última alteração:28/10/2008 11:23:04



Amor Infinito
Amor Infinito

Ele veio do mais profundo e intimo do meu ser.
Era esperado diferente do que eu imaginei.
Amor absurdo arrebatou meus preconceitos, levou parte de mim.
Fez do normal o ridículo, o orgulho como pó que foi embora com o vento.
Esta condenada à morte, mesmo antes de viver.
Antes de lutar por um lugar ao sol.
Antes de pedir compreensão e esses seres egoístas, que só vêem as aparências.
Antes de bater para fora, a Idea de que nada vale nada, se não for à função dele.
Antes de dizer que se ele foi à vida e só e vazia.
Antes de dizer que ele sofre mais por que existe.
Antes de vencer tudo e todos.
O amor que fez de possível o impossível mais nada adiantou, o amor do meu amor foi embora.
As pessoas vem em mim um olhar distante procurando o teu perto.
A cabeça leve e vazia, flutuando no espaço a procura de você cheira você.
A razão dizendo que não adianta e o coração pedindo argumento.


CIDA F.A


Sentindo teu perfume em minhas mãos,
Sonhando com teus beijos e carinhos;
Depois de tantas noites; sonhos vãos,
Meus dias não serão mais tão sozinhos...

Renasce, nos meus olhos, primavera;
Trazendo, em teu perfume, o meu jardim.
Voltando, pouco a pouco, a ser quem era;
O cheiro deste sonho entranha em mim...

Minha alma, dos aromas, carregada;
Se esquece dos antigos desamparos.
Percebe-te, querida namorada,
Olores divinais, perfumes raros...

Depois de tanto tempo em abandono,
Renasce a primavera em meu outono...
Publicado em: 26/05/2008 18:21:30
Última alteração:21/10/2008 15:17:54





Se eu pudesse parar o tempo...
Conter este momento,
Que estou a te amar...
Eu viveria, mais feliz!

Amor que sonhei!
Amor que eu quís!
Que me faz, tão feliz!
Desejo eternizar...

Se eu pudesse...
Joguete do tempo...
Já vivo o tormento...
Do dia do adeus!

Façamos um pacto:
Neste instante,
Gastemos sem reservas os instantes,
Que juntos ficamos...

Sejamos felizes o tempo todo...
Tempo que pudermos gastar,
Desta vida para amar...

Amemo-nos!
Sejamos felizes!
Distribuamos os sorrisos reservas...
Sem medo!
De que este amor, que é bom demais...
Um dia se acabe!

Quem sabe, lograrão, a sina
Menino e menina,
No amor...
Do tempo, no limiar...
O limite, ultrapassar...
E se perdure, na eternidade!
Com este amor, que é feito de verdade!

Na breve eternidade de uma vida
Se fez o sentimento mais profundo
Posseiro nesta gleba construída
Além deste infinito, corre o mundo...

A terra que sonhara dividida
Nos campos deste sonho, me aprofundo,
E vejo nossa paz restituída
Bem mais do que pensara, e já me inundo

Da mansa rebeldia da loucura
Que mostra suas garras e sorri,
Ao mesmo tempo imerso na ternura

Que constitui as bases deste rito,
Sem ter conflitos, vivo amor em ti,
Imenso e com sabor de um infinito.

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 17/03/2007 16:20:00
Última alteração:06/11/2008 10:38:12


Ao teu lado, meu bem,
Encontrei toda a magia desta vida...

Um novo sol,
Uma lua amiga,
Vieram matizar o céu,
De nova estrada colorida...

E agora assim,
A caminhar do teu lado,
Já não temo, mais um fim, precipitado...

Dure o que durar...
O amor que nos uniu, já cumpriu o seu destino.
Somos felizes!

Haveria acaso, após a morte, um paraíso?
Agora, é o que importa-nos!
Se já vamos a desfrutar amor infindo!


Não temo mais a morte e nem a dor,
Singrando meu caminho mais sereno.
Meu mundo se mostrando encantador,
Meu dia vai passando mais ameno.

Quem fora simplesmente um trovador
Bebendo desta boca tal veneno
Que encanta e me deixando num torpor
Divino, me mostrando amor tão pleno

Percebe toda a sorte desta vida,
Num verso mais profundo e assim profano.
Tu és a minha sorte decidida

Num canto de tão doce, soberano.
Agora que encontrei uma saída,
Caminho sem temores, sem engano...

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 14/05/2007 22:37:22
Última alteração:06/11/2008 07:44:53


Amor Insaciável

Eras a solidão que tanto nego
Em versos mais tristonhos
E sempre e tanto
Quanto o calor da noite que não veio...
Eras o seio amado da mulher que sonho
E naufrago
Mas, ágil não me deixa tocar.
Eras a mansidão dolente da vida
Que não mais posso nem possuo...
Eras o amor,
Amor insensato
E insalubre
Sabre e sobra
Que sem saber acumulo
Pelas horas mais vagas
Que posso ter...

Eras a solução e o teorema.
O tema sem sentido
E a vontade de morrer...
Morto desta vontade
Vou sereno para o quarto
E parto no teu corpo,
Inerte e inerente,
Quase urgente.
Mas nada que te peço
Posso ter.
A mansidão da noite
E a fragilidade do que sinto
Não deixa senão resquícios
De abraços no teu corpo.

Eras o fim e o princípio,
Precipício de sonhos
Abismo de ilusões.
Mas, errante e errado,
A esmo, vou em busca de mim mesmo.
Sem nada que me comande
Nada que faça-me livre
A não ser a liberdade insensata
E fugaz. Inevitavelmente fugaz.
Assim como o amor.
Que, em sua fugacidade é sublime.

Eu amo-te, temerário e temente.
Nada mais que isso: amor.
Não da forma sutil e arrematadora,
Apenas amor.

Mataria mil sedes,
Menos a dos sonhos...

Essa nem oceanos,
Nem mares,
Nem eternidades
Seriam capazes.

Dormes relaxada e nua.
Seios firmes e dentes fortes.
As coxas macias
E a promessa de prazer
Sob a saia curta
E levantada pelos desejos...

Dormes...
E, entre dormências e delírios,
Deliro sobre a seminudez exposta...

Mas que fazer se o mar não veio,
Oceano não veio,
Quiçá a eternidade venha...

E traga a multidão que possa aplacar
A minha sede insaciável...
Publicado em: 23/12/2006 16:04:13
Última alteração:28/10/2008 11:23:58



AMOR INSACIÁVEL
Alumbrando meu sonho
Delírio incomparável
Amor insaciável
No verso que componho
No tempo onde proponho
Além deste agradável
Cenário imaginável
Em ar claro e risonho
O teu sexo em perfume
Aonde o gozo rume
E trace em orvalhar
Caminho mais bonito
Por onde eu me permito
Agora desvendar.
Publicado em: 17/06/2010 12:34:39



Amor intenso eu garanto Que incendeia a noite inteira Fazendo de ti meu manto


Amor intenso eu garanto
Que incendeia a noite inteira
Fazendo de ti meu manto
Na paixão mais verdadeira...
Publicado em: 03/03/2008 22:47:45
Última alteração:22/10/2008 14:28:38


Amor não se determina

Amor não se determina
Somente é pra se viver,
No teu corpo encontro a mina
Porejando bem querer.
Publicado em: 01/03/2008 22:30:54
Última alteração:22/10/2008 13:37:55


AMOR MAIOR

Por mares tão distantes velejei
Em meio a tempestades e procelas,
Por sobre as ondas, bebo desta espuma,
Não temo e não temia eterna chaga.
Jamais desistirei desta empreitada.
Por mais que a vida trame dissabores,
Por mais que a noite caia sobre mim.
Corsário sem destino ou paradeiro
Enfrentarei quaisquer mares em fúria.

Coriscos e trovões riscam o céu,
Mas tenho o coração em pára-raios.
Das chuvas e granizos, vou liberto
Pois trago esta esperança que não cessa,
Nem mesmo cede aos medos e trapaças
Da sorte que, inimiga não se cansa
De em desamores tantos, em tocaia,
Com artimanhas, cedo preparar
A queda que jamais permitirei.
Pois tenho amor maior que não se cala...
Publicado em: 06/09/2007 07:12:17
Última alteração:23/10/2008 20:41:35


Amor matreiro
Meu amor, passageiro de minha alma,
Desliza entre fornalhas e braseiros...
Meu destino se prende à sua palma
Em sentimentos crus, mas verdadeiros...

Nos delírios, defeitos e recados,
Contrafeitos sentidos, se polvilha,
Buscando encontrar novos fados,
Amantissimamente, uma novilha.

Sai vagabundeante pelo astral
Deslizando entre estrelas e luares...
Tantas vezes proscrito e tão banal,
Esperançosamente traz olhares...

Mendigando carinhos e perdões,
Nos desérticos astros do universo;
Procura por temáticas versões,
Maltrata e dilacera cada verso....

Meu amor caçador pede tocaia,
Espreita pelos passos, minha amada...
Derrama-se solar, plena praia,
Amanhece tal gado na invernada...

Vem sorrateiramente, uma serpente,
Preparando finalmente seu bote.
Me cura e tantas vezes cai doente.
Repetindo fielmente seu mote.

Amor moleque, cais e tempestade,
Previne e tantas vezes vaticina.
Nas horas mais difíceis, na saudade,
Nunca se encontrará sequer vacina...

Nas lutas mais homéricas, refém...
Nas procelas, remédio e calmaria...
Maldito muitas vezes traz o bem,
É noite que amanhece em belo dia...

Tantas vezes pilantra, outras é santo,
Aguardente que mata, refresco que ajuda,
Mordida que alivia e traz encanto.
Passarinho sofrendo a dor da muda...

Na dor, prazer, perfeito equilibrista.
No medo e gozo, brinca qual funâmbulo.
Nos arados, natura, um vero artista.
Nas noites, vaga quarto é um sonâmbulo!

No plantio é semente fecundada,
Garapa desta cana adocicada.
Abelhas e zangões resultam mel,
Delícias gordurosas pedem fel...

Imortal sensação de desamparo,
Reflete escuridão trazendo o sol.
Na doçura promete ser amaro,
É ilha em arquipélago, um atol!

Fortaleza traduz fragilidade,
Infinito, termina num adeus...
Mentira que me trouxe essa verdade.
Demônio disfarçado, imita Deus!
Publicado em: 11/11/2006 11:03:19
Última alteração:28/10/2008 11:51:58


Amor mortal
Morte cruel amiga e companheira
Que sempre determina meu destino
Pois desde que te soube, inda menino
Acompanho teus passos, derradeira.

Embora não te tema, te respeito,
E sempre saberei que vencerás,
Mas isso não termina a minha paz
E sei que este viver é meu direito.

Mortalhas vestirei em plena vida
Se nunca permitir que venha o amor.
Matando não serei o vencedor
Batalha que quem vence a traz perdida...

Por vezes nos espólios da saudade
A morte se demonstra quase inteira
Reflete, pois, a morte verdadeira
E nega a quem sofre, a claridade.

Amando minha morte e seu perfume
Talvez essa saudade não persiga
E, morto em plena vida enfim consiga
Matar essa saudade, de ciúme!
Publicado em: 30/11/2006 17:12:17
Última alteração:28/10/2008 11:41:35



Amor não deu sequer para o começo,
O tempo
vai se esvaindo
e com ele
um Amor que
acabou ...
(ivi


Amor não deu sequer para o começo,
A gente não merece nada disso,
Do sangue que servia pra chouriço
Jogaste na privada. Que tropeço!

Não sabes nem fazer a rabanada,
Ainda vem com papo de gourmet
Quem olha assim de banda, logo vê
O nosso grande amor? Uma furada...

Peguei as minhas coisas neste armário
E logo me mandei para outras bandas,
Cansando de bancar sempre o otário,

O tempo foi passando e eu aprendi,
Que quando necessário tu desandas,
A idéia do final partiu de ti...
Publicado em: 24/12/2009 11:27:59
Última alteração:15/03/2010 22:16:59


Amor não necessita de motivos
Amo-te não pelo o que és por fora,
Mas pelo o que me fazes sentir,
Quando estou ao seu lado,
Amo-te simplesmente assim,
De uma forma diferente,
Límpida talvez banal,
Mas amo-te.
Por quê? Tu és a minha vida...

CIDA F.A

Amor não necessita de motivos
É fato indiscutível, soberano.
Por mais que sobreviva ao desengano
Mantém os corações deveras vivos.

Marcando em minha pele, feros crivos,
Eu sei que o sentimento é mais que humano,
E nele com certeza se eu me ufano,
Meus dias já serão bem mais altivos.

Cavar a sepultura? Nada disso,
O amor quando se expressa em belo viço
Jamais trará no fim medo e crepúsculo.

O velho coração que é simples músculo,
É sede do prazer quando dispara
Ao ver que esta beleza fere e sara...
Publicado em: 16/02/2009 19:45:54
Última alteração:06/03/2009 06:28:28


Amor não precisa rima,
Amor não precisa rima,
Eu te garanto querida,
Muito mais vale uma estima
Que estimule a nossa vida...
Publicado em: 01/03/2008 22:08:13
Última alteração:22/10/2008 13:25:01




Amor no Crepúsculo.
Sustenta minha vida , essa esperança
Nascida num momento mais feliz
Poder ter, finalmente, o que mais quis,
Um vento que transforma, de mudança.

O bem que mais queria, confiado
Aos braços tão cansados desta luta.
Minha alma sequiosa não se enluta
Nos olhos deste amor, sou sustentado.

Suspiros que arrancara, há tantos dias,
Nos trêmulos carinhos que não tive,
De tais recordações minha alma vive,
Embora se permita fantasias.

Ao fim de tal jornada, uma surpresa
Permite que eu sossegue meu lamento.
De tudo em minha vida, meu sustento,
Amor não me deixou sua leveza.

Agora que não tenho quase nada,
Que a noite se aproxima, em meu crepúsculo.
Num fulgor que estonteia, pois maiúsculo,
Tu vens iluminando minha estrada!
Publicado em: 28/11/2006 22:17:23
Última alteração:28/10/2008 11:40:14


Amor nos traz a dor // Por vezes, engano

maltratando// sensação que desnuda

em sofrimento//perpetua

a esperança //prisão...

Marcos Loures // Mara Pupin
Publicado em: 02/04/2007 22:53:53
Última alteração:28/10/2008 06:07:11


AMOR PEGANDO FOGO

Na praça ou no chalé,
Com este cafuné,
Me vejo aos teus pés...
Beijando a tua boca,
Meu bem fico maluca,
E bem lelé da cuca,
Contigo embolo e rolo...
Pois tudo pega fogo!
Ai! Ai! Meu bem socorro!
Não faça assim, que eu morro!


Amada eu te proponho
Fazer amor gostoso,
Esqueça do teu pai
O velho melindroso

E chegue bem pertinho
Beijando a tua boca,
A noite de mansinho,
Vontade fica louca

Quebrando a sapucaia
Põe lenha neste fogo,
Nas tramas do desejo
Ninguém vence este jogo.

No morro ou no capim,
Na cama ou na palhoça
Deitar nossa vontade,
No milharal, na roça

Não tema mais, querida
Que a vida é mesmo assim,
Eu dentro de você,
Amor dentro de mim...

ANA MARIA GAZZANEO
Marcos Loures
Publicado em: 23/07/2007 09:55:58


AMOR PERFEITO ///


Nada mais me separa de ti,
Sequer em pensamento...
Já habitas em mim,
E comandas meu senso...
Sei por ti me perdi,
E contigo ao relento
De um amor grande assim,
Vou vivendo os momentos,
Que o acaso por fim,
Nos reserva, sem tempo...
Nada vou te pedir,
Me conforta o alento,
De saber que em ti,
Mesmo amor, em teu peito..

Perfaço cada sonho em sentimentos
Que a ti levam querida sem reservas.
Eu sinto que o carinho que conservas
Aumenta, com certeza em bons momentos.

As almas que se querem, sem ser servas
Atingem plenitude, ganham ventos
Voando a nos trazer mansos alentos
Tirando do jardim, daninhas ervas...

Nós temos os destinos siameses
Queremos o conforto de quem sofre.
Abrimos esperanças, cada cofre

Cantando o mesmo, encanto há meses
Com profusão dileta e preferida
De quem já sabe amar por toda a vida...

ANA MARIA GAZZANEO
MVML
Publicado em: 21/08/2007 22:13:55
Última alteração:05/11/2008 14:52:18



AMOR PERFEITO //

Gosto de amor-perfeitos...
Flor frágil...delicada.....
Todas as cores...
Um arco-íris...
Dizem ser a flor do amor...
Perfeita...
Para esta noite...
Com velas e lareira........
Convite sedutor...
Vergonha não tenho...

À noite entre as estrelas e os cometas
Os grilos estrilando no jardim,
Eu peço encarecido que prometas
Amor que tanto quero. Pois sem fim.

Em cores variadas, nossas flores
Regadas com carinho e com afeto,
Crisântemos e lírios, monsenhores,
Porém amor perfeito, o predileto

Não nasce tão somente no canteiro,
Está decerto aqui, junto comigo.
É feito em sentimento verdadeiro

Cuidado com esmero todo dia,
Da flor iluminada um manso abrigo
Na perfeição que é feita de alegria...

MARTA TEIXEIRA
Marcos Loures
Publicado em: 30/07/2007 18:05:24
Última alteração:05/11/2008 17:58:13





AMOR PERFEITO /


Hoje...falamos....
De rosas....
De livros...
Cores, arco-íris...
Amanhecer, entardecer...
De comidas favoritas...
De músicas apaixonadas...
E quando eu coro por
confessar fantasias...
Enches a sala com o teu riso solto...
E eu rio também...



Ouvindo um seresteiro na calçada
Abrindo uma janela adentra o som
Tornando toda a noite iluminada
Trazendo para a vida o que há de bom.

Quem dera se mantendo o mesmo tom
Jamais a voz saísse destoada,
Apenas vero amor tem este dom
De ter o sol em plena madrugada.

Amor tão verdadeiro e mais perfeito
Encontro nos teus braços, sem engano.
Eu penso ser feliz, é meu direito

E tento em cada verso convencer
Àquela a quem desejo soberano
Já sabe ser a fonte do prazer...

MARTA TEIXEIRA
MVML
Publicado em: 16/08/2007 17:30:01
Última alteração:05/11/2008 15:44:14



AMOR PERFEITO /

Amor é como a tempestade traiçoeira
Chega de improviso em temporal
Invade o sentimento lava a alma
Suspira, cria imagens tempo irreal

É único ninguém aos olhos se iguala
Na rua toda imagem parece viva
Remete-nos, sem rodeios se aproxima
-Perdão, pensei que eras minha sina.

A miragem continua nas lembranças
Sentindo afagos que a mente necessita
Até o cheiro do perfume vem com a brisa

Quando as metades enfim se prostram
Encontram seus desejos e mesma sina
Dentro do teu meu amor, quem nos domina!

Nós somos as metades que se tocam
E formam unitário sentimento.
Vontades e desejos quando alocam
Com força mais vital o pensamento.

Os medos e as angústias se deslocam,
Restando tão somente um calmo vento.
As dores por sorrisos já se trocam
E o fogo da paixão queimando lento

Prepara a redenção de quem foi só,
Refaz uma esperança adormecida.
Renasço em vivo amor, tão benfazejo.

Assim já retornando ao mesmo pó
Encontro a salvação em nossa vida,
Na cátedra divina do desejo...


SOGUEIRA
MVML
Publicado em: 25/08/2007 16:44:57
Última alteração:05/11/2008 13:05:17


AMOR PERFEITO /

Cai a noite azulada...
Como um manto de estrelas cintiladas...
Na varanda, em teu colo, te amo...
E não penso em mais nada,
A não ser viver este momento com você,
Sob a lua, encantada...

Amor que em plenilúnio ganha o céu
Vestido de cometas e de estrelas,
A sensação de em mãos, poder retê-las,
Aos poucos invadindo um bel dossel

Cortinas se entreabrindo descem véu
E como se pudesse percebê-las,
Amor se permitindo recebê-las
Desfila um sentimento em doce mel.

A lua escancarada na varanda,
Demonstra em claridade, amor perfeito,
Divina se entregando ao raro encanto,

Sorrindo ao deus Amor, tudo comanda,
E ao ver assim o mundo satisfeito,
Um deus supremo abriu seu alvo manto...

ANA MARIA GAZZANEO
MVML
Publicado em: 03/09/2007 19:40:45
Última alteração:05/11/2008 12:03:38



AMOR PERFEITO /

Uma estrela irá te guiar,
Pela estrada que te trará a mim,
O brilho dela iluminará,
Os teus passos pelo caminho.

A lua estará na retaguarda,
Será valente guardiã,
Protegendo-te de todos os perigos,
Preservando-te lindo e são.

A tempestade nesta madrugada,
Reverenciará tua passagem,
Dará trégua e se tornará,

Brisa suave ou aragem.
Virás então ao meu encontro,
Amor imenso e perfeito.

amor perfeito, sonho imaculado
de um tempo mais feliz que, eu sei, virá,
e ao mundo mais perfeito guiará
contigo, meu amor, aqui do lado,

vivendo com certeza desde já
o quanto que eu teria desejado
meu canto em tal beleza extasiado
buscando esta ventura que sei há

em tua morenice tão brejeira,
uma escultura feita em silhueta,
tomar-te em minhas mãos a noite inteira,

num ato de ternura e de prazer,
ficar comigo, amada, me prometa;
querida, eu não consigo te esquecer...

GELIS
MVML
Publicado em: 07/09/2007 22:06:50
Última alteração:04/11/2008 20:22:01



Nos braços deste sol
Que brilha no horizonte
Procura um girassol
Deslinda-se no monte,

Na fonte do prazer
Que tanto o sol pediu,
Sabendo que viver
Em raios repartiu.

Nas águas que me beijam
Escorrem pelo rio
Amores se desejam
Em lágrimas, rocio.

Eu tenho certa crença
Que amor não deixará,
Quem sabe te convença
De novo enluará?

Meu coração estampo
Na rede, sede e frio,
Das estrelas me tampo
Prefiro ter teu cio...
Publicado em: 26/01/2007 19:08:54
Última alteração:28/10/2008 10:41:34



Pensei
Por um momento,
Em falar com você...

Talvez,
Escrever-te,
Um poema...

Mas mesmo tema sempre,
Creio...
Também possa te cansar...

Decido-me a permanecer
Em silêncio...
Te tocar somente,
Com um terno olhar...

Por telepatia,
Enviar-te um pensamento...
E continuar meu dia,
A te adorar...

Como se em mim,
Habitasses como num altar...
De onde me fitas,
Já sabendo tudo...

Ou seja:
Do amor infindo,
Que não cabe em mim...
E de poesia inundou o mundo!

O amor jamais será tema enfadonho
Enquanto resistir felicidade.
Quem mata sem juízo, todo o sonho
Não vê em pleno dia, a claridade.

Se em versos delicados sempre ponho
Sentimentos de amor e de amizade
Permito-me um momento mais risonho
Na luta pela paz e liberdade.

Amar não é piegas não, querida,
É ser bem mais sublime, atar-se a Deus,
Cultivar um jardim em nossa vida.

Por isso é que te digo e não me canso
Esqueça, assim te peço, um vago adeus,
Deixando que este amor te invada, manso...

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 25/05/2007 12:21:08
Última alteração:05/11/2008 23:01:38



Amor Possessivo

Por seres da maneira que tu és,
Assim tão possessiva, mas formosa.
Transformas toda noite em gloriosa
Desde que eu sempre esteja assim aos pés.

Vivemos toneladas de prazeres
A cada novo dia que te adoro,
Porém se a cada dia não te imploro,
Prazeres se perdendo, não me queres.

Se quero teu amor, eu quero o gozo
Embora teu amor não seja meu.
Mas queres meu querer somente teu.
De tudo o que mais queres ‘stou cioso.

Não vejo meu olhar em teu olhar
Mas queres que eu enxergue por teus olhos.
Carrego meus espinhos, tantos molhos,
Sem olhos, como os olhos vou mirar?

Preciso de viver urgentemente
Urgente, é necessário que eu mais viva
A vida que da vida sobreviva
Não podes ter a minha totalmente!
Publicado em: 02/12/2006 11:44:53
Última alteração:28/10/2008 11:42:23



AMOR PERFEITO /

Para que temer castigos
Se o desejo nos devora
O amanhã pertence a Deus
Não queiras sofrer agora
Todo dia tem seu próprio mal
E pra tudo tem sua hora

Bebe da água desta fonte
Ela é pura e cristalina
Mata com ela tua sede
Vê se assim tu te animas
Pois a felicidade está aqui
Nos braços da tua menina

Não temas mais castigos
Não te retraias por favor
Sou esta fonte inesgotável
Que te refresca com ardor
Que mata tua sede
E evita que morras de amor

Se dela não quiseres beber
Saibas de logo morrerás
Sentirás tamanha sede
Sentirás a falta do meu olhar
Morrerás com a boca seca
E a fonte irá secar

A fonte inesgotável que sacia
Desejos e vontades mais ardentes,
Tomando nosso amor em noite e dia
Em lábios mais vorazes e tão quentes.

Recebo teu amor com alegria
Nos fogos delicados e prementes,
Em chama tão possante, em tal magia
Que morde e quando assopra crava os dentes.

Lambendo desta fonte com desejos,
Encontro delicadas maravilhas
Rondando ferozmente com meus beijos

Adentro por divinas, belas trilhas,
E mato a minha sede num segundo
No fogo em profusão, vulcão profundo...

GELIS
MVML
Publicado em: 08/09/2007 22:56:39
Última alteração:04/11/2008 18:18:07



AMOR PERFEITO /


Amor que encontrei nos braços teus
Eterno não verá jamais o adeus!
Por certo irá gravado no meu peito
Amor que desfrutei junto, ao meu leito
E que em sóis, multicolores,ilumina
Tu foste o amor mais doce e infindo
Poeta que me encanta, meu menino
Te levo no meu peito , vais comigo
Gravado, em lindos versos de carinho
Não partirás sem mim, sou tua agora...
Contigo hei de viver além da aurora
Se partes partirei junto contigo
Abrigo-te em meu peito, meu querido!

Atados pelos elos deste amor
Que, intenso, não permite que duvide
Da força em que arrebata, sedutor,
E nele o meu futuro se decide.

Encantos que espalhaste pelo chão,
Estrela radiosa em poesia,
Pendores sem limites da paixão,
Nos laços que este amor, divino, cria.

Tatuas no meu peito as tuas garras,
Reféns do deus erótico, seguimos.
E ao bendizermos sempre tais amarras
Alçamos cordilheiras, e nos cimos

Mergulhamos em busca do infinito
Do amor que em perfeição, divino rito...

ANA MARIA GAZZANEO
MVML
Publicado em: 15/10/2007 10:45:18
Última alteração:03/11/2008 20:59:04

AMOR PERFEITO /


Vontade de estar contigo agora
Me faz sonhar então, o nosso encontro
Na tarde tão bonita, primavera
Revelo-te amor, te amo tanto!

Pudesse arrumaria a minha mala
Voando já, iria pra estação
E adentrando assim, a tua sala
Pra ti, ofertaria o coração

E canto esta canção enamorada
Pra te dizer te amo, com paixão
No olhar levo tua imagem encantada
No peito, disparado o coração...

Vontade de te amar, minha alma chora
Distante de quem amo, a dor vigora...

Vontade de poder estar contigo,
E ter o teu carinho junto a mim,
O sonho mais gostoso que eu persigo
Encontro tão somente no jardim
Aonde um jardineiro busca abrigo
E sabe que é feliz – amor sem fim,
Perfume uma esperança no meu peito,
Cevada em bela flor – amor perfeito.

Depois das noites frias que passei,
Procura quase insana pela luz,
Falena que se perde, eu encontrei

Caminho que ilumina e reproduz
Beleza deste amor em que sonhei
Tivesse a divindade em que propus

A vida, num momento mais audaz,
Somente amor perfeito satisfaz...

ANA MARIA GAZZANEO
MVML
Publicado em: 24/10/2007 19:39:34
Última alteração:03/11/2008 19:36:35




AMOR PERFEITO /


--
Adormeces...
Eu escuto...
A tua respiração tranquila...
Beijo-te suavemente nos lábios...
Sorrio...
Recordando o prazer com que
te apoderaste dos meus...
Neles encontraste a minha
resposta........
E nos unimos....


Atados pelos corpos noite afora,
Sangrando corações nas mesmas veias,
Dos mares que vivemos desde agora,
As pernas se misturam nas areias

E formam um mosaico imaginário
Aonde somos dois; invés de um só
Convés de nosso barco incendiário
Rolando pela noite estrada e pó

Os passos, laços aços, ossos sisos,
Estiva, ancoradouro, deserção.
Deixando para trás velhos avisos
Causamos neste mar um furacão

Abrimos as janelas sem ferrolhos,
Matando com prazer velhos abrolhos...

MARTA TEIXEIRA
MVML
Publicado em: 13/11/2007 19:31:10
Última alteração:31/10/2008 15:31:24



AMOR PERFEITO /



Naufrago em mar
Me encontro em ilha
E ansiosa, busco a trilha
Que vai dar no teu abraço...
Voa no espaço
Na ventania
Sussurros
Teu nome
Que declamo em poesia...
Quiçá te achassem...
Em fantasia,
Vou cantando esta canção
Minha alegria
Te amo!
Ó divina sensação
E tão doce a melodia...


Fantasmas do que fomos, já se foram,
Deixaram tão somente esta alegria,
Desejos maviosos que se afloram
Formando aos nossos olhos fantasia
Tomados pelas luzes que decoram
Sabemos decifrar esta alquimia
Do amor que com certeza mostrará
O rumo em que essa estrela brilhará...

ANA MARIA GAZZANEO
ML
Publicado em: 20/11/2007 20:35:07
Última alteração:31/10/2008 13:12:32
AMOR PERFEITO /

Já chega de espinho
Não quero essa dor
Pois agora é carinho
Paixão, prazer, amor

Já chega tanta lágrima
Da névoa - escuridão
Não quero mais vinagre na
Na taça desde então...

Procuro vinho novo
Aquele que transforma
Quebro a casca do ovo
E crio outra norma...


Aonde em perfeição
Imperfeições delete
E beba o coração
Em sonhos de confete

Compete cada ação
Aquém do que soubera
A fera em emoção
Aguarda uma nova era.

Quem dera se soubesse
O canto que não veio
Amor vibrando em prece
Caminha sem receio

E faz da urucubaca
Um mísero brinquedo
Quem sabe de uma estaca
Não sabe mais do medo.

Vencendo o quase tive
Tocando o sempre não,
Amor que não contive
Virou constelação...

GONÇALVES REIS
ML
Publicado em: 04/12/2007 20:02:40
Última alteração:29/10/2008 16:56:20



Amor quando desfralda-se altaneiro
Em meio a tantos sóis e madrugadas,
Das luas que tivemos despertadas
Amor é, com certeza, verdadeiro
Nas luas que derrama, por inteiro.

Vivendo tanto amor sem ter grilhões,
Nas hordas dos desejos, dilacera,
Amor que nos permite fogo e fera
Arrasta pelo mundo, multidões
Invade sem guerrilha, corações.

Amor com suas cores fugidias,
Transforma nossos sonhos, carne viva.
De tanto que te amei, tu vais altiva
Passando destilando poesias.

Amor quando palpita não tem jeito
Recebo teus carinhos penetrantes.
Amor nos faz os trilhos deslumbrantes
E o sonho desse amor, amor perfeito...
Publicado em: 15/12/2006 20:21:05
Última alteração:24/10/2008 13:59:52



Meu amor não tem mais jeito,
Enganou meu coração,
Quem falou de amor-perfeito
Nos jardins de uma paixão?
Publicado em: 13/04/2007 22:23:55
Última alteração:28/10/2008 01:02:30




Saciada de teus beijos,
O nosso amor perfeito,
Me conduz, serenidade...
Foram-se os medos...
Tolos receios...
Tenho você tatuado em meu peito!
Aconhegado em meu leito...
Sempre ao meu lado.
Te amo, meu amado!
Contigo, adentro o infinito...
Em puro amor...
Caminhemos, sem fim, lado a lado!

A noite em que comigo saciar-te
De beijos e carinhos, insensatos...
Vontade de cobrir-te e de tocar-te
Nossos lençóis à beira dos regatos,
Cenários multicores, e com arte
Servirmos nosso amor em finos atos.

Neste aconchego doce de teus seios,
No infinito imenso de nós dois,
Descer os rios, braças, leitos, veios,
Sem perguntar sequer se talvez, pois,
Falando pelos beijos, outros meios,
E descansarmos juntos bem depois...

Eu te amo, minha cara companheira,
Te quero do meu lado a vida inteira...

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 24/04/2007 22:33:39
Última alteração:06/11/2008 09:28:03


Amor perfeito é arisco...
Pois conhece todo o risco...
Só se deixa agarrar...
Na certeza de ficar...

Jamais será mero hóspede!
Traz a exigência vital!
Na bagagem,sua bula!

Paciente, quer cuidados...
Prá poder sobreviver!
Não será assassinado...
Precisa do bem querer...
Ou da tua casa ele foge!

Apor o nosso amor em ânsia pura,
Nas vagas e nas ondas deste mar.
Recebo o teu afeto com brandura,
Espero tua mão a me afagar.

Na sucessão incrível de ternura
Que trazes em teus olhos, sei sem par.
Na boca que me beija com candura,
Vontade de sorrir e de ficar,

Bem sei o quanto vale ser feliz,
No búzio desenhada nossa sorte.
Meu verso se tornando um aprendiz

Que quer intensidade em cada aporte.
Tu és a redenção que eu procurara,
O mel que me adoçou a vida amara...

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 18/05/2007 21:16:44
Última alteração:06/11/2008 07:27:21






Em teu amor eu encontrei
repouso,
Em doce gozo, vivo
por te amar...
São tantos sonhos, que em mim
semeastes,
Não vejo a hora
de te abraçar...

E vou seguindo, assim,
o meu caminho,
Buscando o ninho do teu quente
abraço...
Me enredar nas teias de doces
carinhos,
E me perder, de vez, da dança,
o compasso...

Me encontrar após, tão bem, feliz,
feliz...
És com certeza, o amor
que eu sempre quís!

Em sílabas perfeitas, versos mansos,
Vivemos em conjunto, namorados.
O dia permitindo tais avanços
Aos poucos nos tornou mais agrupados.

Quem ama não precisa de altos brados,
Apenas se acolhendo em bons remansos,
Conhece seu destino, louros, fados,
Deitando toda a glória em seus descansos.

Por isso, companheira de viagem,
Estamos par em par há tanto tempo,
Não vemos nesta vida contratempo

Que impeça nosso amor sem ter paragem.
Beijando tua boca tão macia,
Eternidade amor, é nosso dia!

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 12/06/2007 23:00:30
Última alteração:05/11/2008 21:24:31



AMOR PERFEITO

Deus me fez um beija flor
O quê que eu posso fazer
Se na rosa, o meu prazer,
É por certo encantador
Toda faca tem dois gumes,
Claro, escuro; vaga-lumes,
Todo amor sempre traz dor...

Jardineiro cuidadoso
Não me canso de cantar
Seja no sol, ao luar,
Amar é maravilhoso,
Rosa vermelha, amarela
Meu coração é só dela,
Desse amor que é tão gostoso...

Mas saibas; minha querida,
Estou amando de verdade,
Encontrei felicidade,
Todo amor que houver na vida,
Num jardim tão bem cuidado,
Eu estou apaixonado
Já não tenho outra saída...


Bem me quer meu bem querer,
Me responde o coração
Vai batendo por paixão,
E não teme mais sofrer...
Neste colo faço os ninhos,
Não me importo com espinhos..
A minha rosa é você!
Publicado em: 28/08/2007 21:30:23
Última alteração:23/10/2008 21:07:02


AMOR PERFEITO

Amor perfeito? É claro! Não existe!
Tampouco amor que possa nos trazer
Além de uma alegria momentânea
Ou mesmo algum resíduo de prazer.

Amar é se entregar à babaquice.
Decerto alguém me disse isso uma vez.
Tolices de um romântico panaca
Que traz seu verso feito insensatez.

Mas deixe-me sonhar, isto eu te peço,
E leve as ironias para o inferno!
Se eu quero um bom calor neste verão,
Carregue tua neve em teu inverno...
Publicado em: 25/09/2007 21:24:24
Última alteração:23/10/2008 20:43:39




AMOR PERFEITO

Amor que eu tanto quis, belo e perfeito,
Tomando a minha vida totalmente,
Mudando o meu caminho do seu jeito,
Invade a minha vida plenamente.
Felicidade muda de conceito
Agora se permite mais urgente.
Passados sofrimentos destruídos,
Os medos tão terríveis já vencidos...
Publicado em: 27/10/2007 14:07:24
Última alteração:23/10/2008 18:49:20



AMOR PERFEITO

Amor sem cobranças
Senão por si só.
Por ser amor,
Dádiva divina
Sem divisas
Ou fronteiras.
Advindo do próprio amor
Nele se alimenta e se engrandece.
Tece em milhões de nós
O tapete da esperança
Que nos faz voar...
Nós e nós = ALIANÇA.
Publicado em: 25/12/2007 16:40:12
Última alteração:01/01/2008 12:30:48




AMOR PERFEITO
Sentindo o seu perfume também,
não de rosa mas de jasmim,
guardado no meu coração assim,
vivendo o meu maior bem.
Meu amor por você está guardado, num nó bem forte,atado
no laço do gostoso abraço,
meu terno e querido namorado.
Bastou o seu sorriso abrir pra mim,
pra eu te amar até ao fim!!

TUES

Trazendo algum sentido pr’os meus versos
Enfrento vigorosas tempestades,
Ouvindo plenamente tais verdades
Os dias com certeza vão dispersos...

De todos os meus sonhos, os seus berços
Cobertos pelas flores das saudades
Promete ao final, tranqüilidades,
Em gozos e prazeres mais diversos.

Nas mãos eu trago espinhos, pedregulhos,
Mas tendo a sensação de outros mergulhos
Afasto qualquer forma de perigo.

Depois que conheci amor perfeito
Matando a tempestade, e desse jeito,
Agora até sorrir em paz, consigo.
Publicado em: 20/05/2008 19:27:47
Última alteração:21/10/2008 18:32:26


AMOR PERFEITO
Saber de teus caminhos; necessito,
Num rito em que se faz amor perfeito
No leito em que adormeço os pensamentos
Momentos de loucuras e desejos.
Sobejos os meus dias vão na busca
Da branda liberdade que imagino
Nas tramas deste amor que me incendeia
Na teia tão gostosa de teus braços...
Publicado em: 22/08/2008 12:05:19
Última alteração:17/10/2008 17:06:02



AMOR PERFEITO...

Os doces prometidos nunca vinham,
Apenas o meu céu se escurecia,
As mãos em sofrimento já tremiam,
Uma alegria apenas não se via,
Meus dias sem ninguém apodreciam
As frutas que o portal sempre impedia.
Amor que tanto eu quis, doce remédio
De tanto que esperei, morreu de tédio...
Publicado em: 09/11/2007 21:27:48
Última alteração:23/10/2008 19:15:27


AMOR PLATÔNICO? /

Vamos viver este amor
De maneira diferente
Tu prá lá eu prá cá
Mas amor forte e quente
Sabe lá se em outra vida
A gente se encontrar
E sem nenhum empecilho
Este amor realizar
Vai ser lindo, perfeito
E essa nossa estória vai render
Afinal não tivemos culpa de nos apaixonar
Tu por mim e eu por você

Amor que se fazendo assim platônico
Acende uma vontade bem real
Mostrando-se fiel e tão harmônico
Invade e nos transtorna no final,
Trazendo para a vida um fogo tônico
É feito de loucura, sol e sal.

Deixando-nos com fome de prazer
Em nada poderá ter empecilho.
Se nele encontro a força de viver
Eu quero seguir sempre cada trilho
Que leve num segundo a poder ter
Contigo este desejo que partilho.

Tirando tua roupa devagar,
Portal do paraíso a decifrar...

GELIS
Marcos Loures
Publicado em: 29/07/2007 22:07:16
Última alteração:05/11/2008 17:40:13



Amor perseguidor
Amor perseguidor
Enquanto no teu rastro
Deveras eu me alastro
E busco qualquer dor
No fardo sonhador
No peso deste lastro
Arrebentando o mastro
Despetalando a flor,
Mas sou e sei quem és
Assim nossas galés
Refletem cada passo
E nele se inda somos
Diversos, unos gomos,
Em ti faço e desfaço.
Publicado em: 05/06/2010 09:02:08



AMOR POR TI... /

Amor por tí, me faz sonhar
E delirar, mel dos teus beijos
Na noite linda de luar
Por te amar, sinto desejos

De estar contigo, meu amado
Por este amor, em doce encontro
Viver delícias do teu lado
E a te amar secar meu pranto

Que na distância, em turbilhão
Desliza e molha as minhas mãos
Por desejar ter-te ao meu lado
Bem apertado ao coração...

Deslizo meus cometas no teu porto,
Inebriadamente entrega e gozo.
Sabores se misturam. Vou absorto
Vasculho teus espaços, caprichoso.

Ao mares do passado se reporto
Percebo o meu futuro fabuloso,
Nas praias da esperança então aporto
E bebo cada gole, mais guloso.

Num turbilhão de imagens sonho à solta,
Deixando para trás qualquer revolta
Adentro o quanto quero, teu prazer.

No centro do universo brilha a nua
Deitando o seu desejo, bela e nua,
No incêndio que me inflama e quero ter...

ANA MARIA GAZZANEO
MVML
Publicado em: 08/11/2007 14:36:29
Última alteração:31/10/2008 16:30:15



Amor em mim...
Amor por ti...
Flor encantada, surgida
Em maviosa noite de verão...
Venho a ti,
Ofertar-te meu amado
Rosa encantada...
Não diga nada...
Deixa que o encanto
Do momento
Nos arrebatando
Nos enlace...
Apenas me abrace...
Deixai que a flor do amor
Faça a sua mágica!


A rosa destinada para mim
É dona de um perfume inebriante.
Bem sei quanto me encanta estar assim,
Nos braços desta flor tão deslumbrante.
Vivendo neste sonho sem ter fim,
Te quero minha amada, a cada instante...

Eu quero te enlaçar neste momento,
Beijar a tua boca, flor perfeita.
Sentir o teu carinho, doce vento,
Tu para mim, bem sabes foste feita.
Em todo sofrimento és meu ungüento.
A rosa perfumada aqui se deita

E vamos nesta noite de verão
Tragarmos toda a luz desta paixão...

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 27/04/2007 23:16:03
Última alteração:06/11/2008 09:26:18



Amor Profundo
Vencido pela fria sinfonia
Que trouxe tanto frio que não quis
De tanto que sofri não peço bis
Em meio a tempestade e fantasia.

Vencido pelo canto que não tramo
Nem mesmo se quisesse poderia,
A lua que me fez a sinfonia
Espelha cada galho e cada ramo.

No barco que meu arco fez remendo
Um parco sentimento de esperança
Vestido de remendos da lembrança
O medo de ser livre me envolvendo.

Amor que nada cura já se inflama
Depois de certo tempo matará
A sorte que da morte trairá
Talvez inda me leve à tua cama.

Não posso desprezar a nossa luta
Que, bruta, tanto enluta quanto salva.
A lua em sinfonia está tão alva,
Embora dentro d’alma já se enluta.

Amada te desejo num segundo,
É mote que remete ao meu futuro
Que sempre salvará do mar escuro
Aquele que deseja amor profundo!
Publicado em: 30/11/2006 22:13:25
Última alteração:28/10/2008 11:41:46



Romeu e Julieta,
Amor proibido, clandestino,
Que nos deixa em completo desatino.
São vários os motivos que nos separam,
Somos Romeu e Julieta.

Assim como ela,
Quero em teus braços viajar,
Do vinho da tua boca me embriagar,
Ter tempo pra sonhar,
Sem os ponteiros do relógio acelerar.
E esse e o meu maior pecado
E mesmo sendo atrevido,
Por amor será perdoado!

Assim como o dela,
Independente da minha vontade,
Em meu coração fez amarras
E por ele ter chegado
Não consigo disfarçar
Começando assim a tortura,
De logo querer te encontrar.

Só peco a Deus que me ajude
Que não deixe essa historia
Como a deles, em tragédia terminar.

Nosso amor proibido, que destino!
Nossas horas de sonhos, de ternura.
Quanta beleza em ti eu descortino
Sei que me trará tanta loucura...

Te sabendo menina-primavera,
Neste outono que teima em me tomar.
Tua boca macia, quem me dera;
A vontade de sempre, sempre amar...

Mas a tarde caindo, e não te vejo,
Este tempo passando, solidão....
Encontrar meu desejo, teu desejo,
Eu estou explodindo de paixão!!!

E te quero, comigo, sem demora,
Antes que a primavera vá-se embora...

Aracelly Loures
Marcos Loures
Publicado em: 09/02/2007 13:11:34
Última alteração:06/11/2008 12:09:18



AMOR PROIBIDO -


Venha cá meu amorzinho,
Me coloca em seu colinho...
Tô querendo um beijo louco,
Que de amor, eu me empipóco...

Não precisas mais ter medo,
Nem guardar este segredo...
Pois já estamos casados,
E o papai não mais se importa...

Mas cuidado, só com a inveja,
Escondida atrás da porta!


Um beijo mais gostoso te prometo
Mas tem que ser depressa, pois senão
Alguém vai reclamar do poemeto
E depois isso vira confusão.

Aonde sou chamado se me meto
Provocando total ebulição.
Pois como já dizia o de Mileto
Amor só dá prazer se tem tensão.

Eu conheci um cabra cearense,
Sujeito bom de rima e bom de canto,
Dizia na cantiga com encanto

Sabendo que isto sempre me convence,
Viver a cada dia de uma vez
“Ignorância? Indigesta pro freguês...”


ANA MARIA GAZZANEO
Marcos Loures
Publicado em: 17/07/2007 19:15:21
Última alteração:05/11/2008 19:11:42


AMOR PROIBIDO
Nosso amor
é amor proibido,
está repleto
de loucuras,
proibições,
mas
nos entregamos,
de corpo
e alma,
estamos
despidos,
somos
descarados ...

Amados ...

Ivana

Teu cheiro
Tua pele
Sabores
E prazeres.
Vontades
Incessantes
Ébrios
De
Nós mesmos
Despidos
De pudores
Prazeres
Concebidos
E sempre
Desfrutados.

Lua nua
A cama em chama
Alma
Ama
Beijo
Seixos
Sexos
Mitos,
Ritos
Ditos
Bens
Benditos.
Infinitos
Sem pecados...
Paraísos
Risos
Vida afora...
Publicado em: 09/03/2008 21:30:03
Última alteração:22/10/2008 15:35:07



AMOR PROIBIDO
Ah,
amor proibido,
muitas vezes
aqui já chorei,
mas não o tenho
esquecido,
amo e pra sempre
o amarei ...
(ivi)



Vem logo em tal loucura
Que nada nos segura
Nem mesmo a noite escura
Impede este caminho
Que é feito de aguardente
No corpo mais urgente
Queimando em fogo ardente
Melando nossas línguas
Acende esta fogueira
Ascendo devagar
Teu rio em corredeira
A ponto de estourar
Vazando esta barragem
Insana tentação
Que mostra quanto é bom
Amor que a gente faz...
Publicado em: 02/04/2008 16:08:31
Última alteração:21/10/2008 16:51:02






Amor que a gente faz Trazendo tanta paz
Amor que a gente faz
Trazendo tanta paz
Mansinho e tão audaz
É festa garantida,
A noite se promete
Em lua e confete
Ao sonho me arremete
E muda a nossa vida.

Num turbilhão divino,
Um rosto cristalino,
No qual já me alucino
E ronda a noite inteira
Deitando em minha cama,
Fogueira que me chama
Chamado desta chama
Que emana da fogueira

Vem logo que incendeia
A noite nos ateia
Paixão em lua cheia
Quem pode segurar?
A sanha adivinhada
Assanha a madrugada,
Depois é tudo ou nada,
Não dá pra disfarçar...
Publicado em: 09/10/2008 09:57:54



Amor que espera por rima,
Amor que espera por rima,
Não tem muita serventia,
Amor não precisa clima,
Namora, assim, todo dia...
Publicado em: 13/10/2006 15:43:04
Última alteração:30/10/2008 10:37:05



Não quero morrer cedo
Nem quero solidão
Viver não tem segredo,
Liberte o coração!

No canto que preparo
No tempo que passou,
Amor é brilho raro.
Distâncias; alcançou...

Não quero ter a morte
Do amor como meu mote.
Amor prepara a sorte,
A sorte pede um bote.

Que leve o sentimento
Por mares tão distantes...
Amor solto no vento,
Caminhos radiantes...

Eu vivo em teu amor
Amor que tanto quis.
Coração tradutor,
Traduz: sou tão feliz!
Publicado em: 30/01/2007 13:58:38
Última alteração:28/10/2008 10:38:21



Amor que faz sem fim Estrada iluminada Clareia dentro em mim Em noite enluarada Te quero sempre assim Beleza emoldurada
Amor que faz sem fim
Estrada iluminada
Clareia dentro em mim

Em noite enluarada
Te quero sempre assim
Beleza emoldurada

Amor que não se mede
Sempre nos agiganta
Amor que nada pede
Decerto sempre encanta

Em versos te declaro
De todo o coração
Perfume bom e raro
Aroma de paixão....
Publicado em: 05/01/2008 18:51:23
Última alteração:26/11/2008 18:25:24



Amor que em tanto amor, amores paga,
Só de alegria há de ser
cada beijo que eu te der
que trapaceei, mal-me-quer
só vai ser o que eu quiser.

Entre abraços não te deixo,
partir, enfim, me deixar.
Nem um tédio, nem desleixo...
Tanto amor te quero dar.


Ana Maria Gazzaneo

Amor que em tanto amor, amores paga,
Não deixa qualquer dúvida, diz tudo.
E nele com certeza não me iludo,
A velha decepção, decerto apaga.

E quanto mais audaz, incrível plaga
Invado com meus lábios, quieto e mudo,
E quando no teu corpo o meu eu grudo
A sorte sorridente já me afaga.

E em movimentos loucos, os quadris
Convidam para a noite mais feliz,
Orquestrando delírios envolventes.

Assim beijando nuvens; anjos, vejo
Escravos da paixão feita em desejo,
Bebendo destas fúrias mais ardentes...
Publicado em: 05/01/2010 19:08:11
Última alteração:15/03/2010 11:45:06


AMOR QUE MATA E CURA //

Veemente temporal
Deixou meu coração chaguento
Amor que mata e cura
É hoje meu tormento


Infelicidade no meu olhar
Translúcidos pensamentos
Alma a vaguear
Coração sem alento


Hoje me matou
Amanhã volta a me curar
Com sussurros em meu ouvido



Esperanças alimentar
Exaurida já me encontro
Mas para sempre vou te amar

Eu sempre irei te amar, a vida inteira
A cada novo dia, bem mais forte.
Paixão que nos tomou, tão verdadeira
Encerra em seus propósitos a sorte

Tomada em poesia alvissareira
Num sentimento imenso e de tal porte
Que nem mesmo a saudade feiticeira
Promove em amargor insano corte.

Eu vivo nosso amor de cada dia
Bendito e feito em luz que não se apaga.
Curando totalmente qualquer chaga

Moldando em quadro raro a fantasia
Uma escultura feita em mármol belo,
Amor que tanto sinto e te revelo...

GELIS
Marcos Valério Mannarino Loures
Publicado em: 02/08/2007 21:43:57
Última alteração:05/11/2008 17:34:46









Amor, apaixonante teu carisma...
Beleza, representas Afrodite...
Teus olhos repercutem todo o prisma,
Quem foi teu criador? Peço palpite...
Nas noites te procuro, velho cisma,
Tanta candura assim, nunca se admite...
Amar-te é conhecer cada sofisma,
Procuro-te, rainha Nefertiti,

Akhenaton, procuro tal beleza,
Encontro a solidão como promessa...
Não posso te negar a realeza...
A dor que se tramar não se confessa
Loucura tatuada, ferro e lança
A vida nunca teve tanta farsa
No fundo cultivando uma vingança
A morte me servindo de comparsa.
Publicado em: 11/12/2006 00:36:35
Última alteração:24/10/2008 13:55:02




Amor que me entregaste \Com estrambote enviesado
Amor que me entregaste foi mentira
Do mesmo jeito trouxe vê se tira...

Quando te encontrei julguei sereia.
Agora que conheço me despeço
Não quero carregar na minha veia
Tal amor que, por certo, não mereço.

Não quero me enredar na tua teia
Nem quero despencar pois sei tropeço
O fogo que te queima me incendeia
O monte de tal Vênus desconheço.

Nas linhas que concebo verticais
A mão que me pediste foi-se embora.
Os cantos que me contas são banais

O medo do destino me tortura.
Teu quadro, na parede, não decora.
É muito mais bonita essa moldura...
Publicado em: 26/10/2006 18:47:53
Última alteração:23/10/2008 15:32:03




Amor que não entendo.
Em meu canto, me espanto e te procuro.
Me curo em tua cura e teu decoro.
A lua em seu encanto me faz coro.
Clareia e me incendeia nega escuro.

Vencido tenho sido mas não ligo.
Me abrigo do perigo em tuas mãos!
Os chãos que da amplidão perecem vãos,
Disfarçam noutra face do perigo...

Vorazes as audazes asas, ases,
Sem freio sem receio, caçam meio
Encontram seus encantos no teu seio.
Os versos que enveredo são mordazes.

Mentiras quando atiras sobram tiras.
Tiaras e searas são serpentes.
Os pentes nos repentes quando sentes
Se entranham e se estranham, ledas liras.

Meu mote neste pote forte fica.
Fortifica quem liça faz a festa.
Me resta tão somente frágil fresta.
Amor que não se entende, não se explica!
Publicado em: 16/11/2006 23:55:02
Última alteração:28/10/2008 11:52:17




Rodando pensamento nunca pára
E sente que se tanto quase nada
Espera numa espreita atocaiada
A tarde sem segredos que prepara
Pensamento rodando e não dispara
Vencido pelas horas, na calada,
Enviesado rouba toda a cena.
Venenos que destila, sem proveito,
De vastas solidões, longínquo acena.
Morrendo assim deveras, satisfeito.
Se roda o pensamento nunca falha
Dispara e não compara cada manso
Revejo nas alturas que descanso
O gosto deste bote, da navalha.
Meu mote que preparo nada diz
Senão da fome implícita do desejo.
Mentiras soam vivas como o beijo
Que sempre não me deste e nunca quis.
Pensamento restando sobre a mesa
Jamais posta por não caber receita.
A vida não seria mais desfeita
Em volta da redoma da princesa.
À parte sem saber se nada sei
Sementes dos segredos são expostas.
As horas que perdemos, decompostas,
Vivendo do passado que criei.
Nas tolas fantasias de moleque
O tom que dedicaste de desgaste,
Na mata dos meus sonhos, o desbaste
Levou a um deserto em pleno leque.
Vivendo sem saber mais do pileque
Em todo o sentimento, dou um breque.
Minha alma fantasia-se de fraque
Amor que não vivi, se foi, de araque...
Publicado em: 14/12/2006 14:47:41
Última alteração:24/10/2008 13:57:19



Amor que nos encanta faz roteiro
Velho cinema//

Não me veja como um filme, por favor,/
Minha definição, creia, um cinema/
Sou muitos filmes, acumulo muitas cenas,/
O do cartaz, o que virá e o que passou.//

Em cada cena da vida eu estou/
Chorando ou sorrindo, no dilema/
Roteiro vai cumprindo este ator/
Da tela eu te vejo e não me acenas.//

Em cada FIM me vejo de um jeito/
Mocinho bandido, ninguém é perfeito/
E os filmes, vão passando a cada dia//

Saudade, amor, tristeza, alegria,/
No lixo velhos filmes e a tristeza:/
Um dia saio de cena com certeza!//


Josérobertodecastropalácio

Amor que nos encanta faz roteiro
De um filme tão romântico. Decerto,
O tempo de sonhar passa ligeiro,
Depois a solidão, duro deserto.

O quanto imaginei o tempo inteiro,
O coração desnudo e sempre aberto,
Além do dia a dia corriqueiro
Ventura desvendando, está por perto.

As cenas mesmo sendo repetidas
Traduzem no final, as nossas vidas,
Comuns, mas tão diversas, pois são nossas.

E quando em holofotes tu remoças,
Atriz dentre as atrizes, principal,
Percebo quão feliz, nosso final..
Publicado em: 27/03/2009 14:26:34
Última alteração:17/03/2010 21:01:31


Amor que nos renova
Amor não envelhece e não envelhece ninguém
Regenera e não degenera, se gera por si próprio
A cada dia, cada canto, novo encanto
Amor é santo e santifica.
Se fica, então...
Amanhece a cada dia como o sol
Que sempre volta e não deixa
De brilhar
De trazer vida.
Isso, o amor traz vida
E não duvida
Que se bobear
Procria.
Aliás, amor quando procria vira espetáculo
Vira festa e transborda todo mundo
Em todo o mundo.
Contagia e renasce
Cada disfarce e cada face fazem dele
O espelho multifacetário e maravilhoso
Que se chama solidariedade!
Publicado em: 26/11/2006 14:01:50
Última alteração:28/10/2008 11:39:24



Amor que sabes trago dentro em mim,
Em versos; decantado e mais louvado.
Vivendo a sensação de não ter fim
Bebendo de teu corpo mais amado,
Encanto que me toma e vai assim
Em busca de teu gosto, doce fado...

Tu és a serenata feita em festa,
O brilho de um luar que não se acaba,
O mundo mais gentil, tudo o que resta
A sorte que se espera e não desaba,

A cor da primavera em tua pele,
O cheiro que me toca e me compele...
Publicado em: 23/10/2007 20:14:40
Última alteração:13/10/2008 19:01:50




Amor que Salva

Lembranças com saudade e nostalgia
Do tempo sem ter tempo, mas feliz.
De tanta juventude, um aprendiz
Aprende como dói o dia a dia.

Do amor demais sem paz tão enganado
Espero que não venhas falsas flores.
Se tens o meu bem quero teus amores
Porém se não o tem traz triste fado.

Desgostos acumulo, mas não quero.
Escuto a tua voz mas eu não te ouço.
Amor que se prepara em calabouço
Se vem, por certo logo desespero.

Eu quero amor que salve e regenere
Não degenere em dor um sentimento
Ferindo quem amor logo prefere,
Amor que me salvando, em pensamento.
Publicado em: 07/12/2006 16:29:05
Última alteração:28/10/2008 11:25:17


Amor que se comprova
Amor que se comprova
No beijo que se dá,
Desejo em cada trova
Pra sempre ficará.
Publicado em: 20/08/2008 21:09:58
Última alteração:19/10/2008 20:29:12



Minha amada já me disse
Desse amor que se escondeu,
Eu queria que tu visse
Claridade neste breu...
Publicado em: 13/04/2007 22:18:41
Última alteração:28/10/2008 01:02:09


Amor que se retrata em luz e glória,
Que eu nunca me esqueça
De quem em tanto amor se deu
Que ungiu minha cabeça
Em ternura me aqueceu

E depois do apogeu
Em alegria se faça
Este amor que me venceu
E de mel encheu a taça

Nada mais me torne enfim
Ausente ou sequer ingrata
Com quem me amou assim

Tua face se retrata
Em cada verso que ata
Nosso amor até o fim.

ANA MARIA GAZZANEO

Amor que se retrata em luz e glória,
No peito faroleiro que conquista,
O meu olhar distante logo avista
E, derrotado, sonha com vitória.

A noite sem te ter, tão merencória,
Por mais que à sedução inda resista
Nos olhos da guerreira, bela artista,
A mudança completa em minha história.

Atados desde então, corda e caçamba,
O mundo solitário enfim descamba
E gera amanheceres divinais.

Sabendo do que outrora já sofri,
Agora me encontrando junto a ti
Eu bebo da esperança, muito mais...
Publicado em: 18/01/2009 19:45:13
Última alteração:06/03/2009 07:19:15



Amor Que Sempre Quis

És tudo o que sempre quis...
Todo o meu sonho de mulher...
Eu quero sempre estar ao teu lado...
Amor constante...
Desse sofrimento estou cansado.
Te quero meu bem, é pra valer.
Tudo passa mas há meses, louco,
Eu sonho contigo, amor.
Vem me querer!
Minha amada, no meu canto, eu te peço,
Vem comigo, vem amar...
Estou quase sem palavras. Eu te amo...
Amor; vem, estou tão perto...
Num momento, meu amor, coração dispara
O meu viver, vou por um triz...
Só contigo, com certeza, sou feliz...
Amor sonho,
Vida livre
A minha paixão...
Vem comigo, vem amar...
No meu sonho, vida e paz,
Tanto, tanto sou capaz,
Desse amor que quero dar
Vem correndo, meu amor quero te ter...
Publicado em: 30/12/2006 12:24:24
Última alteração:28/10/2008 11:23:12


Amor que tão distante, em vão não me compete...
Vestida de saudade, a lua se entristece...
É lagrima que cai, inunda este carpete.
A dor, embevecida, amarga tela tece...

Amor que nunca cura, embalde se repete,
Não adianta crença, esqueça sua prece...
Desfila a solidão, a lua por vedete,
Minha pobre esperança, em lágrimas fenece...

Porém me resta o canto, o meu fiel parceiro...
A benção mais divina inunda o mundo inteiro!
Por tanto tempo quis o brilho da manhã!

O canto abençoado atravessando o mar...
Inunda o sofrimento, acorda o meu luar.
Nas bênçãos deste amor, o meu belo amanhã...
Publicado em: 12/04/2007 08:44:16
Última alteração:15/10/2008 21:30:57







Amor que tortura

Amor que tortura
De noite na cama
Que apaga essa chama
Faz a noite escura
Maltrata demais
Não deixa que eu ame
Nem quer que reclame
Já não satisfaz.

Amor que maldito
Me trouxe veneno
Amor tão pequeno
Me deixando aflito.

Não vê que te quero
Morena faceira
Minha vida inteira
Em ti me tempero
E perco o juízo
Não foste bondosa
Perdi minha rosa
Cadê paraíso?
Publicado em: 02/12/2006 23:36:05
Última alteração:28/10/2008 11:28:00



Amor que veio do mar...

Amor que veio do mar
Do mar de amor que carrego
No mar que sei amar
Amar que quero mais não...
Se tanto amor que não nego
Não posso mais navegar
No mar que nunca navego
Mas que me ensinou a amar...

Se tenho mar e sertão
Ser tão que nem eu sei.
Se amar seria tanto
Quanto amar eu consegui,

Meu mar está tão vazio
A maré que mal chegou
Carrega meu mar tão frio
Pras ondas que naveguei
Nas areias desta praia
Da morena mar e saia
Saia da praia morena
E venha de novo pro mar
Amar quem mais te queria.
Nas ondas frias do mar...
Publicado em: 23/12/2006 15:39:14
Última alteração:28/10/2008 11:24:03



Amor Rebaixado
A minha amada Maria,
Depois de muita conversa,
Todo dia me exigia,
Casamento assim depressa...

Por um motivo banal,
Não pude nem ofertar,
Sem dinheiro, o principal,
Como vou poder casar?

Maria me disse sentida,
Isso né motivo não,
As coisas boas da vida,
Moram no meu coração...

Pensando nessa verdade,
Olhei pra cima, pro céu,
Reparei na claridade,
Maria, bela com véu...

Ofereci pra beldade,
Um lugar para morar,
Falei, sem falsidade,
O que dava pra comprar...

Lhe disse: que tal Mercúrio,
Ela olhou bem diferente,
O lugar é bem espúrio,
Eta lugarzinho quente!

Sem dinheiro, o que é de menos,
Eu falei em procurar,
Um terreno lá em Vênus,
Nem me deixou completar...

Cheio de carinho e arte,
Belo tom avermelhado,
Eu fui falando de Marte,
Me disse não, é gelado...

Olhei um olhar soturno,
Minha voz, coloquei mel,
Como é lindo esse Saturno!
Nem Saturno, nem anel...

Falei, agora com medo,
Júpiter é maioral!
Foi me contando um segredo,
Muito grande, passo mal...

Pensei, mudando de plano,
Num terreno mais distante,
Fui pensando em Urano,
Me disse: passe adiante...

De nós dois virarmos uno,
Tanto sonho nessa vida,
Nem pude dizer Netuno,
Me falou em despedida...

Mas agora estou ferrado,
Não posso falar Plutão,
Tal qual como estou, rebaixado,
Não é planeta mais não!
Publicado em: 31/08/2006 19:06:32
Última alteração:30/10/2008 11:05:00



Amor se faz eterno
Amor se faz eterno
E terno nos conquista
Em cada verso tenro
É lua que prevista
Se torna mais potente
Tomando de repente
Este infinito inteiro.
Amor que verdadeiro
Eternidade traz
Se faz sempre o primeiro
E assim nos satisfaz
Convida para a festa
Da sensação divina
Aonde descortina
Futuro deslumbrante
E a cada novo instante
Amor que se renova
Se pondo sempre à prova
Se faz de lua nova
E recomeça o ciclo...
Publicado em: 01/08/2008 13:12:09
Última alteração:19/10/2008 22:08:38


Vem que te espero,
Para um momento de amor...
Tenho uma flor em minhas mãos...
No coração, uma canção, de amor e paz!
Nesta noite, encantada de luar...
Quero te amar, com amor em profusão...
Emoções me furtam de pensar...
Voando livre eu te chamo para amar...
Sou toda sol, e é de luz, o meu olhar...
Vem comigo, bailar, na sensação...
De paraíso, adentrar, neste verão...

Fazendo de um momento intensidade
Que possa transbordar em uma enchente
Dilúvios de prazeres à vontade,
Singrando nosso amor, ganho a corrente

Marinha que me traga a liberdade
De ser e estar em ti, mar envolvente,
Trafegue nosso barco, insanidade,
Deixando nosso mundo mais contente.

Te quero conteúdo, com ternura,
Contato, com destreza; estupefato,
Bailando a sensação mansa e tão pura

Do paraíso-incêndio redentor,
No sol a lua intensa, um aparato
Que trama nossas horas, mar, amor...

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 17/03/2007 18:30:46
Última alteração:06/11/2008 11:24:11



Celebro neste dia
Tua amada presença,
Em minha vida...

Não sabes meu bem,
Quanto se faz,
O meu querer-te, bem!

Quanta alegria me incita...
Sentir a tua presença tão bonita.

Amigo do dia-a-dia...
A partilhar comigo...
Ideais de bem viver!

Enfeitas meu viver!
Seguimos a deliberar...
A melhor forma,
De prosseguir,
O caminho da vida...

Tecemos sonhos...
Nos apoiamos,
Mutuamente...
Dividimos anseios...

Juntos, colocamos freios,
À maldade que nos cerca...

Ombro-a-ombro
Ao pôr do sol,
Miramos o infinito!

Nos amamos!
Somos felizes...
Somos amigos!

Fraternidade,
Antes de mais nada,
Nos enlaça!

Eu te amo,
Meu irmão-amor-amigo!


Amor fraterno em forma de prazer
E de desejos mútuos de alegria.
Fazendo da esperança o bom viver,
Cantando sem temer, a fantasia.

Alçamos nossos vôos por saber
Que temos nosso canto em harmonia
Sentindo todo o gosto do querer
Que a paz e a igualdade rompam dia.

Amada que aprendi amar demais.
Sem tramas, sem temores, sem medidas
Não deixe que este canto, amor, jamais

Cesse de trazer uma esperança
De que transporte paz para outras vidas,
Irmãs e companheiras nesta dança...


ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 25/03/2007 15:56:50
Última alteração:06/11/2008 10:26:29



Quero amar você,
Com amor, de verdade...
Amor de admiração!
Senão...
Te amar, para quê?

Amor ideal, já venceu o tempo...
Marcou seu passo, mesmo ao relento...
Venceu a lida...
Escreveu a história...
Deslumbradamente, colorida...
Repleta, de ações de bem.

Amor, sem ideal, porém...
Não passou de uns suspiros...
Alguns gemidos tolos...
Gralhar de abutres famintos...
Buscando apenas,
A satisfação pessoal!

Tem, no relógio, a sua parca existência, contados...
Não possui aliados...
Dança desajeitado,
Um frênesi, forjado!

E te digo, amor:
Se naõ for, pelo amor, mais elevado,
A tua permanência, ao meu lado...
Ao teu lado, eu estive, sim,
Mas vou deixar-te, agora!

Vou-me embora...
Vou a seguir, aquela luz, lá no alto...
Que um dia, eu pensei...
Fosse, o reflexo, que emanava, de ti!

Eu não sabia...
Mas se mudo, ficais...
Devo crer que enganei-me!
Tal luz, você desconhecia!

Seria de outro, a luz, que no teu céu, eu via?
Diga, que não!
Por favor, meu amor!
Que contigo, eu desejo, ser feliz!
Quando falo amor, querida,
Perceba que em toda a vida,
Antes que a morte decida,
Falo neste amor mais puro
Que beija cada esperança
Que refaz cada aliança
No seu jeito de criança
Clareando todo escuro.

Amor que não tem medida,
Não aceita despedida
Nem a dor mais comovida
Deste simples, triste adeus.
Eu te falo com franqueza
Amor que pede grandeza
Sabe que tem a certeza
De chegar próximo a Deus.

Não um Deus tão egoísta
Longe do que a gente avista
Que some sem deixar pista
E se mostra vingador.
Falo do Deus em que creio,
Ao qual não tenho receio,
No seu caminho, seu veio,
Semeou somente amor.

Falo de um amor fraterno
Que por isso, sempre terno,
Há de ser amor eterno,
Trazendo toda a verdade,
Um amor que nunca nega,
Na pureza que carrega,
Cuja luz nunca nos cega,
Amor que traz amizade!

ANE MARIE
Marcos Loures

Publicado em: 01/03/2007 19:32:57
Última alteração:06/11/2008 11:34:03



Amor sem miché,
Amor sem miché,
Clichê ultrapassado
Nas esquinas
E baladas
Publicado em: 03/08/2008 20:55:40
Última alteração:19/10/2008 22:12:35



Amor Sem Rima
Amor Sem Rima

Nesta soma
estranha
onde dois
são um,
todos
os abraços,
os beijos longos
dados,
os carinhos
provocados,
nos corpos,
em perfeita sintonia ...

Amor absoluto ...
(ivana)

Ímã, peles
Corpos
Luzes
Lumes
Crias
Dentes
Olhos.
Unos
Ultimato.
Boca
Céu
Seios
Sem
Sombras
E sem dúvidas.
Desfiles
Sem rima,
Por isso
Uníssonos...
Publicado em: 06/03/2008 20:16:46
Última alteração:22/10/2008 17:10:11



AMOR SELVAGEM


Amor
Selvagem
Viagem
À eternidade
De um momento
Apenas...
Publicado em: 15/06/2008 20:04:25
Última alteração:20/10/2008 19:02:48


Galo cantando, manhã,
O sol vem devagar, manso,
Meu amor sem amanhã,
Maremoto no remanso...
Publicado em: 28/04/2007 08:02:54
Última alteração:28/10/2008 01:04:34



AMOR SEM BARREIRAS


Amor sem barreiras
Pra quê ter fronteiras
Se as noites fagueiras
Esgueiras na cama
E dá logo um jeito
Sem ter preconceito
Vem cá que eu aceito
Depois me deleito
Amar é direito
Direto no peito
Rompendo barreiras...
Publicado em: 15/08/2008 15:44:20


Última alteração:19/10/2008 20:15:06


AMOR SEM FIM - /

Em meu fervor encontrarás puro prazer.
Meu corpo já a tempos se encontra em ebulição.
Fervendo e muito apaixonado.
Lembranças me trazem solidão.

Aqui no escuro do meu quarto,
Deitada nesta cama fria,
Por entre lençóis macios me encontro,
Numa tremenda agonia.

A falta que me fazes é imensa.
Não vejo a hora de poder te encontrar,
Falar de amor ao teu ouvido,

E de te também poder escutar,
Que me amas e que prá sempre irá me amar


Debaixo das cobertas, pura seda,
Encontro-te querida... Insensatez
Tomando o pensamento. Amor, conceda
Carinhos e desejos de uma vez.

A tua tez trigueira está desnuda
E a sede de encontrar tanta beleza
Eu peço à fantasia que me acuda
E apuro o paladar... Em cama e mesa,

Rocio deslumbrante destilando
Umedecendo a maga e doce gruta.
Meus olhos sem pudores te mirando
Porém finges que dormes; tão astuta

Tu sabes da vontade de te ter
Deitando sobre ti, o meu prazer...

GELIS
MVML
Publicado em: 09/08/2007 22:36:19
Última alteração:05/11/2008 16:22:48


AMOR SEM FIM /

Eu caminhei demais por essa senda
Observando a vida adiante
Até que achei que me entenda
É minha eterna amada a todo instante

A Dasy os seus olhos cor de mel
A sua boca doce - de ambrosia,
Estando junto a ti estou no céu
Não há um outro amor que me sacia...

Desfruto do maná que me ofereces
À noite, de tardinha ou de manhã
No templo, em teu altar, divinas preces
Que trazem sempre o gosto da maçã...

Vencer os meus limites sem fronteiras
No extremo em que me anseias ou me queiras...

GONÇALVES REIS
MVML
Publicado em: 21/08/2007 21:30:33
Última alteração:05/11/2008 14:23:30


AMOR SEM FIM /

Sou exatamente assim igual a ti,
Não temo nem sequer a própria morte,
Amando como te amo e sendo por te amada,
Já me sinto entregue a uma boa sorte.

Não resta dúvida que a distancia e a saudade,
Por diversas vezes de mim arranca lágrimas,
Mas diante deste amor tão imenso,
Sinto no meu coração em plena felicidade.

Quero continuar te amando desta maneira,
E com toda sinceridade é que te digo,
Que não pretendo nunca estar diante de ti,

Embora te ame isto não é um castigo,
Nossa felicidade nós mesmos que ditamos,
E assim já sou feliz, acredite...

Eu quero estar contigo a cada verso
Ditado pelo amor, pura emoção,
Sentindo a solidão, um mal perverso,
Encontro nos teus braços, solução.
Mergulho num segundo este universo
Que é feito de desejo em explosão.

Sentir o teu perfume junto a mim,
Beijar a tua boca delicada,
Cultivo com ternura este jardim,
Procuro minha rosa tão amada,
Vivendo neste sonho amor sem fim,
Viajo à tua cama na alvorada

E acordo do teu lado, num sorriso,
Tornando o nosso amor, um paraíso...

GELIS
MVML
Publicado em: 25/10/2007 21:59:41
Última alteração:03/11/2008 19:34:12


AMOR SEM FIM -/

És meu diamante
Sou a tua pérola
Somos pedras preciosas
Neste mundo que o dinheiro impera

Mas não nos deixamos levar
Por este mundo ganancioso
Nascemos num mundo totalmente diferente
Onde o amor vale ouro

Onde o ser humano
Tem seu verdadeiro valor
Onde os pássaros fazem seus ninhos
Numa copa baixa sem pavor

É assim que nós queremos
Por toda vida ser
Preciosos em amor
E nunca em poder


Encontro nos teus braços meu alento
E a força necessária e mais precisa
Vencer as tempestades e o tormento,
O vento transformar em simples brisa.

Num mundo onde os valores se deformam,
O puro amor perdendo seu espaço.
Dos bens materiais eles se formam,
Na riqueza se mostra cada laço.

O nosso amor, querida uma exceção
Pois feito em sentimento verdadeiro
Nascendo, eu te garanto, da emoção
Apenas tem amor por companheiro.

Querida prosseguimos sempre assim,
Seguindo o nosso amor, que não tem fim...

GELIS
MVML
Publicado em: 11/08/2007 16:45:58
Última alteração:05/11/2008 16:20:56



AMOR SEM FIM -

Toda a poesia,
Retrata sim,
O meu amor por tí...
Já não duvides...
Estátua de Carrara,
Ou pedra rara,
Incrustada, por ourives,
Na coroa d´ouro,
Que te torna, enfim,
Meu rei!
A reinar, em amor sem fim,
Tua presença em mim...


De perlas, diamantes e corais
Quisera assim fazer tua tiara
Tua presença sempre se faz cara,
Eu encontrei em ti um calmo cais

Amor sem ter limites, sempre mais
Trazendo uma emoção que nos ampara
Permite-nos vagar qualquer seara
E saiba que este amor nunca é demais.

Valorizando a vida, mostra o quanto
Deus nos foi gentil em conceder
A chance de viver real prazer

E ter depois de tudo, um raro encanto
Sabendo quanto é bom poder te amar,
Estrela que me faz assim sonhar.

ANA MARIA GAZZANEO
Marcos Loures
Publicado em: 21/07/2007 18:43:23
Última alteração:05/11/2008 18:30:08

Amor sem fim, escondido
Pelos cantos da casa,
Em qualquer gaveta,
Em qualquer cômoda
Onde se acomoda
Um coração
Que vive da fantasia
Pobre coração!
Ouve o não e sai rindo
Se rindo do não,
Do não ser,
Não ter
Não viver
Mas sim sonhar.
Amor desabaladamente
Escapuliu pela janela,
Procurou por ela.
Mas cadê?
A vida é muito engraçada.
Desceu escada
Em um segundo
Fugiu pelo mundo
E se escondeu no peito de um poeta,
Que finge que acredita no amor.
Principalmente neste:
O sem fim...
Publicado em: 13/12/2006 21:14:34
Última alteração:24/10/2008 13:56:36




A lua aparece, lá no céu...
Toda garbosa...

Lembrei-me de você,
Que todo prosa,
Vive a cantar o seu amor,
Por uma rosa...

Sequer sabeis que eu existo!
Que meu coração aflito,
Anseia, um dia te encontrar...

Ah! Não sabeis...
Nada sabeis de mim...
Sequer podeis imaginar...

Que o meu viver se faz...
Puro amor, por ti!
Amor sem fim...

Parece que esqueceste o jardineiro
Que tanto cativou-te, rubra rosa,
Depois de ter cuidado do canteiro,
Ficou tão orgulhoso e todo prosa
Sabendo que talvez no mundo inteiro
Não exista outra flor tão glamourosa.

Tu és a delicada e rara flor
Por quem diversas vezes encantado,
O velho e dedicado lavrador
Se sente como um jovem adorado
Regando com afeto e puro ardor,
Trazendo este jardim tão bem cuidado...

Ó rosa não se esqueça mais de mim,
Contigo irei viver amor sem fim...

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 26/04/2007 22:17:55
Última alteração:06/11/2008 08:38:15


No teu olhar de amor
Tive a certeza
O teu amor me transformou
Em grande deusa!

Me ví a brilhar
No teu lindo olhar
Em noite festiva
Figura altiva...

Passei a te amar
Enfim a gozar
Nesse amor, amizade...
Da felicidade...

Sequer sei dizer
Quão bom, é te amar!

E feliz...
Ao teu lado viver...
E a prosseguir assim...
A amar você!


Rainha dos meus sonhos, deusa rara,
Beleza que se espalha em meu viver.
Que a vida do teu lado me antepara
Bem sei que em teu castelo, meu prazer;
Altares te dedico, minha cara,
Louvando o nosso amor, nosso querer...

Andei por cordilheiras procurando,
Nos vales mais profundos, nada via.
Agora te encontrei e vou cantando
Meu verso que é meu hino da alegria.
O mundo do teu lado, me mostrando
Beleza do raiar do novo dia...

Não quero mais perder, amor, teus rastros,
O meu amor sem fim percorre os astros....


ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 28/04/2007 14:55:49
Última alteração:06/11/2008 09:26:12



AMOR SEM FIM

Desfaço o teu desejo,
A ti me entrego inteira...
Se sondo o teu querer,
Prá não fazer besteira,

Perdoa meu amor...
É erro de quem ama!
Perder tempo precioso,
Do amor urdindo a trama...

Não perco um só segundo...
Me jogo em tua cama...
E que se lasque o mundo!

Eu quero estar contigo
E nunca adormecer
Que dane-se o perigo,
Eu quero é ter prazer.

Não sabes, mas nem ligo
Só quero o teu querer,
Amor que assim persigo,
Pra sempre quero ter.

Amar é ser assim,
Um mar que não tem fim,
Guardado dentro em mim.

A boca carmesim,
Chamando para enfim,
Regar a flor, jardim...

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 06/07/2007 22:38:50
Última alteração:05/11/2008 19:47:37


AMOR SEM FIM
Um dengo
vou lhe dar,
se acaso
me procurar ...

Coração cheio
de amor ..

IVI

Parece que esqueceste o jardineiro
Que tanto cativou-te, bela rosa,
Depois de ter cuidado do canteiro,
Ficou tão orgulhoso e todo prosa
Sabendo que talvez no mundo inteiro
Não exista outra flor tão glamourosa.

Tu és a delicada e rara flor
Por quem diversas vezes encantado,
O velho e dedicado lavrador
Se sente como um jovem adorado
Regando com afeto e puro ardor,
Trazendo este jardim tão bem cuidado...

Ó rosa não se esqueça mais de mim,
Contigo irei viver amor sem fim...
Publicado em: 02/04/2008 16:52:50
Última alteração:21/10/2008 16:51:38


AMOR SEM FIM
Estrelas
que nos tocam
em sussurros
que trocamos ...
(ivi)

Tanta vontade de ter
Teu carinho junto a mim,
Espalhando o teu prazer
Neste amor que não tem fim,

Encontrando em tua pele,
Em teu corpo esta alegria,
O querer que se revele
Esbaldando todo dia.

Toda a noite namoramos,
Com desejo e com tesão,
Pois assim comemoramos,
Nosso amor, nossa paixão.

Que é feito em tanta loucura,
Mil prazeres sem limites,
Eu te peço, na ternura
De nosso amor, acredites...
Publicado em: 08/04/2008 20:48:12
Última alteração:21/10/2008 18:14:17



AMOR SEM FIM
Amor sem fim
Chegando assim,
Dentro de mim.
Flor e jardim,
Um querubim
Voando enfim
Em liberdade.
Felicidade
Sinceridade
Na claridade
Dos olhos teus.
Amores meus
Distantes breus
Sonhos ateus,
Em teu abraço
Vou passo a passo
Estreitos laços
Em corpos nus.
Não sei mais cruz
Aonde eu pus
Meu coração.
Em profusão,
Na sensação
Do amor que então
Fez-me feliz...
Publicado em: 17/05/2008 13:31:02
Última alteração:21/10/2008 15:06:04




AMOR SEM FIM
Clareia esta emoção
De estar além do cais
Dispara o coração
E quero muito mais

Correndo pelos campos
Envolto em fantasia
Em meio a pirilampos
Pra sempre eu ficaria...

O tempo inteiro eu penso
No amor que não tem fim,
Que vai ficando imenso
Será que cabe em mim?
Publicado em: 05/08/2008 13:19:13
Última alteração:19/10/2008 22:14:28



AMOR SEM FIM
Amor sem fim, eterno labirinto
Aonde em cada passo mais me prendo,
Bebendo deste amor luz eu pressinto
E como um prisioneiro eu já me rendo.
De toda esta emoção que agora, sinto,
Segredos e mistérios eu desvendo.
Cativo deste amor; vou a teus pés,
Amando em paradoxo estas galés...
Publicado em: 27/08/2008 12:46:38
Última alteração:17/10/2008 17:13:33


Amor sem fim
Amor sem fim, escondido
Pelos cantos da casa,
Em qualquer gaveta,
Em qualquer cômoda
Onde se acomoda
Um coração
Que vive da fantasia
Pobre coração!
Ouve o não e sai rindo
Se rindo do não,
Do não ser,
Não ter
Não viver
Mas sim sonhar.
Amor desabaladamente
Escapuliu pela janela,
Procurou por ela.
Mas cadê?
A vida é muito engraçada.
Desceu escada
Em um segundo
Fugiu pelo mundo
E se escondeu no peito de um poeta,
Que finge que acredita no amor.
Principalmente neste:
O sem fim...
Publicado em: 20/09/2008 21:43:20
Última alteração:02/10/2008 20:24:31


AMOR SEM FIM
Te vejo
assim,
só pra mim ...

Amor sem fim ...
(ivi)


Pego com a boca na botija
Não tive outra saída senão essa.
A gente se permite e se confessa
Sem pressa...
Mas tenho a impressão
Que vem aí
O bicho amor,
Valha-me Deus Nossa Senhora!
Publicado em: 02/01/2009 16:02:49
Última alteração:06/03/2009 13:28:35




Desfraldam-se altaneira, uma esperança
Por onde esta palavra já te alcança
Nos sonhos e desejos mais concretos.

Eu quero me entregar ao teu destino
Não vejo outro caminho nem domino
Os rumos destes ventos tão diletos.

Nos meus momentos tristes sem ninguém,
O canto da promessa imenso vem
E forra o coração de poesia.

Amada como é bom saber que existes,
Não deixe mais sequer momentos tristes,
Teu nome representa uma alegria...

Contigo conheci cedo o Nirvana,
Minha alma na tua alma já se ufana
De ter o teu amor só para mim.

Tu trazes um viver mais palpitante
Encontro em teu olhar tão deslumbrante
Motivos pra falar de amor sem fim...
Publicado em: 26/02/2007 14:22:09
Última alteração:23/10/2008 20:10:33


O verão terminou...
O invernou começou...
E eu...
Eu ainda estou aqui a te esperar.
Mantendo acessa em mim,
A chama da esperança.
Ainda queima em meu corpo,
O toque quente de suas mãos.
Ainda sinto em meus lábios,
O gosto dos teus beijos.
Fechei as janelas, para não ver
A saudade chegar.
Tranquei as portas, para que a solidão
Não pudesse entrar.
tranquei com chave o meu coração
Para que a desilusão não o atingisse com
Sua flecha de veneno.
Eu ainda te espero.
Espero-te ansiosa, por que sei que um dia
Você irá voltar para, os braços meus.
Neste dia talvez, seus cabelos vão estar grisalhos
Pelo o tempo.
O rosto marcado pelo sofrimento.
Mas seu coração, ainda baterá descompassada mente
Ao ritmo do meu.
Sabe por quê?
Por que você se esqueceu de um detalhe importante.
O amor quando é verdadeiro, por mais que o tempo passe,
Torna-se eterno, assim como o nosso amor...
Jamais vai ter fim.

Não sofras meu amor, irei voltar...
Tal qual as ondas eu retorno, amor.
Às vezes é preciso navegar
Buscar uma esperança, sonhador

Mas sei que no teu porto quando atraco
Depois de tanto tempo assim distante
Chegando tão exausto, manso e fraco
Teus braços sempre estão a todo instante

Abertos para velho marinheiro
Amante das estrelas e do mar.
Só penso em retornar, o tempo inteiro,
Só tenho o teu amor a me guiar

Entre tantas borrascas, tempestades,
Sonhando com teu cais... Tantas saudades...

Escritora rp
Marcos Loures

Publicado em: 13/03/2007 06:10:19
Última alteração:06/11/2008 11:37:50



AMOR SEM JUÍZO

Amor sem juizo
Eu vivo por ti
Que grita
Proclama
Pra quem queira ouvir
Que amor em delírio
Se apossou de mim
E me deixa assim
Alucinada a te amar...
Sem sequer me deixar
Ao menos, respirar...

Não quero mais juízo
E sim esta loucura
É tudo o que preciso,
Amor que não tortura

Não pede pelo siso,
Se invade de ternura
Transborda num sorriso,
E marca com brandura...

Não posso te perder,
Eu sei quanto te quero,
Em ti, quero saber

Do quanto amor espero,
Qual gato a te lamber,
Menina, eu te venero!

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 24/06/2007 22:09:09
Última alteração:05/11/2008 20:45:49



Amor, sentimento verdadeiro,
acredito, realmente, todos são.
Chega, assim, de improviso
sem aviso,
e nos toma por inteiro
o coração.

Amor não tem juízo, bate pino.
Transforma totalmente, imbeciliza.
Fazendo de repente, ouvir um sino,
Numa hora mais imprópria e mais concisa
É véspera sutil do desatino,
Nos morde e, devagar, soprando alisa...

Mas que o danado é bom demais, não nego,
Na confusão que cria nos acode...
Amor tão complicado que carrego
Depois de manhã cedo, estou de bode.
É mar em que sozinho não navego,
Poeira no final, já se sacode...

E pronto! Coração fica matreiro,
Mas logo recomeça, e vai inteiro...

HLuna
Marcos Loures
Publicado em: 26/04/2007 14:22:56
Última alteração:06/11/2008 08:39:33


Amor Sem Limite


Alimento
De minha alma
Banquete
Prenunciado
No amor
Sem limite.
Publicado em: 03/08/2008 21:53:32
Última alteração:19/10/2008 22:13:36


AMOR SEM LIMITES */

Encharca em aridez, sangrante ninho
Daquela vez que foi então primeira
É assim todo início meu benzinho
Não sinta-se então a derradeira

Se sangra agora e escorre como vinho
Depois só sorrirá toda faceira
Querendo novamente o menininho
Que fez-te então mulher - agora inteira

Percebe no teu rosto a dor e o gozo
Que embora seja assim paradoxal,
Um rito que se faz tempestuoso

Em noite que se mostra, dura e leve,
Demonstra num sorriso sensual,
Amor, doce recato em que se atreve.

GONÇALVES REIS
MVML
Publicado em: 21/08/2007 21:19:19
Última alteração:05/11/2008 14:23:36


AMOR SEM LIMITES *

Tú és o meu vinho...
Poeta, menino.
Um anjo sem asas.
Que achei no caminho...

Amigo, amado,
Meu doce, querido,
Meu par nesta dança
Festança gostosa...

A minha alma fogosa
De ti se enamora...


Um sonho que busco
Desde pequenino
Encontro por certo
No braço em que aninho
Amor sem limites
Mostrando que a sina
Se faz em festança
Na dança, rodando
A cabeça se agita
E o tempo não pára
Não tem nem por que,
Eu quero o teu corpo
Colado comigo
Certeza de abrigo
Certeza de porto,
Ouvindo mais perto
Som de bandolins
Tomando este vinho
Que encontro contigo
Andanças esqueço
E venho depressa
Fazer esta festa
Onde me enlouqueço
Encontro teu viço
Amor que é meu vício
E meu endereço...

ANA MARIA GAZZANEO
Marcos Loures
Publicado em: 26/07/2007 17:42:33
Última alteração:05/11/2008 18:01:36



Amor sem limites /Inesgotável

Invadi mundos/ Sem cansaço

quebrei espaços/ me atirei

amei./ no teu prazer...

Mara Pupin/ Marcos Loures

Publicado em: 27/03/2007 19:48:16
Última alteração:28/10/2008 05:48:56



AMOR SEM LIMITES -

Te amo e não limito este prazer...
Me atiro nos seus braços, sei me amas...
Sabendo que me amas, meu amor,
Meu peito, em mesmo amor, por ti se inflama...

E vou nestes meus versos, de alegria,
Vivendo a sensação de ter você,
Envolto nos meus braços, fantasia,
Morrendo de loucura e prazer...

Deitados lado a lado, deliramos,
De amor, que para nós, é sem enganos...
Em versos nos demonstramos a alegria,
Que o amor, vem nos trazer todos os dias...


Amor que sem limite em plena entrega
Aquece nossos sonhos todo dia.
No corpo desejado se navega
E mostra como é bela a fantasia
Deter teu corpo atado qual queria.
Amor quando demais já nos apega

Total satisfação que nos domina
Beber tua saliva, estar contigo,
E mergulhar meu sonho em tua mina
Não quero mais saber se há outro abrigo,

Vem logo, pois o tempo nunca pára
E trama a solidão se não vieres.
Distante da tristeza, dor amara,
Terás aqui, amor, o que mais queres...

ANA MARIA GAZZANEO
Marcos Loures
Publicado em: 21/07/2007 14:38:00
Última alteração:05/11/2008 18:32:32


Amor que abre as portas quando chega,
Que avança imenso como um vendaval.
O amor é bem maior, é puro enlevo,
Entregando-lhe, inteiro, o corpo efêmero,
E também a minh’alma não mortal.

Entrego-me querida, sem limites;
Sem medos sem segredos, vou inteiro.
Os olhos em teus olhos refletidos
Amor encontra em ti um raro espelho.
Tu és a minha glória e meu consolo
Minha alegria rara de viver.
Sou teu integralmente e não discuto,
E disso vou vivendo com prazer...

HLuna
Marcos Loures
Publicado em: 22/04/2007 14:17:04
Última alteração:06/11/2008 08:47:38





Amor sublime,
Se exprime,
No carinho,
Doce afago,
De suas mãos,
Meu bem amado,
A me conterem,
Neste abraço...

Que neste beijo,
Assim tão terno...
E tão gostoso,
Possas o mesmo,
Tu sentires...

O meu amor,
Apaixonado!

No beijo prometido e delicado
Salivas que se tocam, se procuram,
No abraço que trocamos, bem marcado
Os males desta vida já se curam,

No colo tão gostoso após cansaço
De todas desventuras desta vida,
Atando nosso amor eterno laço
Jornada a cada dia decidida.

Gostoso poder ser o teu amado,
É bom saber que em ti tenho este afago,
E ser pelo teu sol iluminado
Na placidez serena, como um lago...

Morena és meu desejo minha sina...
Promessa de uma luz diamantina.

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 16/04/2007 21:58:59
Última alteração:06/11/2008 08:52:32





Que amar é coisa sublime...

A brilhar, vive, no lume,

de mil, sóis, meu coração!



É como, se em outra vida,

Eu encontrasse a vivência,

De uma nova ciência,

Em vital experiência...

Química, de uma emoção!



Que gerou, clone perfeito

De um ser, tão satisfeito...

Que perdeu sua razão,

Por amar, amor- paixão!



E a te amar, eu sigo, rindo

Vivendo, este sonho, lindo

Segurando, em tuas mãos...



Pois que tenho, meu amado,

O teu rosto, tatuado,

Com amor no coração...



Meu coração nos guizos da alegria

Se esbalda em tanto amor que te queria,

E mostras com sorriso toda a festa



que gesta um coração apaixonado,

num êxtase tão puro e delicado,

Entrando sutilmente pela fresta



Aberta por Cupido no meu peito.

Assim eu passo a vida, satisfeito,

Por ter o teu amor aqui comigo.



Não temo mais o frio desta noite

Nem sei de uma tristeza, vil açoite

Que corta e nos infesta e traz perigo...



Amor reinando sempre em nosso caso,

Impede que ressurja num ocaso

A dor que fora minha companheira.



Cupido com seu arco em boa mira

Me vendo tão sozinho cedo atira

A seta mais veloz e tão certeira...



Entraste pela fenda, de mansinho,

Com beijos tão gostosos, com carinho

Aos poucos me entornaste amor demais...



E vejo como é bom tal sentimento,

Não quero te deixar um só momento,

Não deixe de me amar,amor, jamais...





ANE MARIE

Marcos Loures
Publicado em: 31/03/2007 17:44:43
Última alteração:06/11/2008 10:02:39



Amor tanto comanda
Cadeiras debruçadas
Os olhos na varanda
Amor tanto comanda
Gerando em tais estradas
Noites iluminadas
Relembro esta ciranda
E nela já desanda
A sorte em paliçadas
Sobrados, casas, vendas
E logo tu desvendas
Os fartos caminhares
Por isto mesmo estou
E sempre aonde vou
Em ti terei altares.
Publicado em: 06/07/2010 19:13:31


Amor sem segredo
Proponho não guardar mais o segredo
Vivermos nossa vida sem temor.
O tempo desfará qualquer um medo
Embora em nossa cama, tal pavor
Que sempre nos trará um novo enredo...

Desejo de beijar a tua boca
Depois fugir correndo sem ter rumo.
A mão que te deseja morre louca...
Depois de tanto não já me acostumo.
No fundo essa verdade era bem pouca...

Meu barco vou levando docemente,
E sempre meu caminho sigo atento.
Se mente ou se remete, já desmente,
A nau que se flutua sem ter vento.
Na boca que não beijo, mais contente...

Agora nossa noite traz a lua,
O sonho de viver tão doce fado,
Embora sem certezas, continua
É bom te ter deitada aqui do lado,
Principalmente assim, exposta e nua!
Publicado em: 29/11/2006 20:38:00
Última alteração:28/10/2008 11:40:47



Neste amor, por você...
Não colocarei limites...
Não utilizarei escudo...
Não deixarei que a dúvida, crie asas...
Te darei a certeza de um amor verdadeiro...
Sementeira fértil,
Quero que te sacie,
Por completo.
Que te libere do medo...
E que o único segredo a comportar,
Seja este amor, nascido,
Na curva de um caminho extremo,
Que trazendo-nos a felicidade,
Devamos, para ser felizes, resguardar...

Amor ilimitado que eu te tenho,
Além das velhas cercas do quintal.
De todos os meus sonhos sempre venho,
Aporto nosso sonho sem igual,
Ao ver tua beleza me detenho
E sinto o quanto a vida é genial.

Mistérios deste amor sem empecilhos,
Sublime em cada novo amanhecer.
É raro no seu porte, segue em trilhos
Levando calmamente ao renascer;
Do sol que se enternece, rouba os brilhos
Numa certeza plena de prazer.

Amor além do amor, nada o contém,
Se faz na plena glória, o nosso bem...

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 23/04/2007 21:58:25
Última alteração:06/11/2008 08:43:11


AMOR SENSACIONAL //

Oh! Meu amado!
Vem fazer um dueto, comigo...
Não me deixes a cantar sozinha...
Tristeza
Essa tigreza se avizinha
E assalta-me!
Dá-me a alegria da tua companhia...
A beleza sonora desta maravilha...
Teu riso encantado nesta poesia...
Vem comigo cantar u´a cantiga...
Dançar doce melodia...
Falar do amor que tanto encanta...
Deixar que a alma em festa se vista de magia...
E saltite na folia...
Vem comigo viver doce fantasia...
E colher da vida doces risos...
Vamos voltar a ser meninos
E fazer estripulia...

Menina deixa quieto
Que eu quero desfrutar
De amor tão irrequieto
Que nunca vai parar,
Correndo na calçada
Te pego lá num canto,
Depois... Não falo nada,
Depois... é nosso encanto.
Tu sobes na mangueira
Eu torço que não caia,
Beleza assim trigueira
Se vê já sob a saia.
Pulando amarelinha,
Brincando de carniça,
A tua mão na minha.
Assim você me atiça
E faz deste moleque
Um pobre apaixonado,
Amor abrindo o leque
Me deixa transtornado...
Soltando papagaio
Foguete e até balão,
Assim eu me atrapalho
Já tá ficando bom...
Depois lá no quintal,
A mãe não pode ver,
Amor sensacional,
Nos dá tanto prazer...

ANA MARIA GAZZANEO
Marcos Loures
Publicado em: 29/07/2007 22:15:44
Última alteração:05/11/2008 17:39:03


AMOR SERTANEJO

Repentista de primeira
Seu Catulo Cearense
Tendo a lua companheira
No cantar que me convence
Disse amada feiticeira
Tanto amor que a gente pense
Carregando alvissareira
A lua bela em sertão,
Nos mostrou quanta beleza
Sertanejo coração
Encontrei na natureza
Amizade e compaixão
Num repente trovejante
Aprendi uma lição
No luar tão deslumbrante
A divina inspiração
Que se mostra num instante
Iluminando meu chão,
Feito de terra batida,
De poeira pó e estrada,
Resgatando a nossa vida
Prometendo uma alvorada
Em cor diversa e sortida
Mas pra sempre iluminada...
Publicado em: 08/09/2007 18:45:48
Última alteração:23/10/2008 21:07:11



Amor Servil
Ao nosso amor, servi a vida inteira,
Sem ter ao menos paga nem vitória.
Não mais pretendo noite merencória,
Nem flecha de Cupido tão certeira.

Não vejo mais futuro nestes planos
Não quero ser servil nem ser tão vil
Que pense que este sonho pueril
Traduza tão somente meus enganos.

Imagem que pensara redentora,
Esvai-se na fumaça do tormento.
Quem trama esse terrível sentimento
Não é, hoje, nem sombra do que fora.

Por isso minha amada não lamente
A culpa, com certeza não foi sua.
A vida sem seus braços, continua;
Minha alma é que alimenta esta serpente!
Publicado em: 28/11/2006 23:24:30
Última alteração:28/10/2008 11:40:23




Amor Siamês
Em toda esse incerteza que me move,
Apenas uma coisa te proponho,
Que dividas, comigo, o mesmo sonho,
Que a pedra do caminho, se remove.

O rumo que divido mais incerto
Nos levará, talvez, ao duro frio.
Nas vezes em que choras, desconfio
Nas vezes em que ris, me desconcerto.

Diversas mas unidas, nossas vidas
São feitas desse barro e desse chão.
Não temos , e nem quero, solução,
Jamais conheceremos despedidas...

Diversos mas unidos, vou contigo,
Atados numa única esperança ,
Colados numa mágica aliança
Ligados, pelo amor, no mesmo umbigo!
Publicado em: 28/11/2006 21:22:42
Última alteração:28/10/2008 11:40:11


Vagando por espaços, solidão
Na busca por desejos infinitos,
Trafega este vazio coração
Que pede solução em novos ritos.
Implora por carinho e atenção
Lembrando de outros dias mais bonitos.
Encontra, com certeza os seus regaços;
Na intensa proteção destes teus braços...

És mais do que sonhei, deusa e rainha,
Es mais do que pensara descobrir.
Minha alma não vagueia mais sozinha,
Já tem com quem sonhar e repartir.
Meu peito com certeza assim se aninha
Nesta emoção divina a nos cobrir.
Quem fora, no passado, mais agreste,
Encontra a placidez do amor silvestre...
Publicado em: 25/05/2007 18:18:17
Última alteração:23/10/2008 20:30:35




Versos soltos
Esmos ermos
E revoltos...

Quem fora forma
Informa a rádio
Que se fez anódio e catarse.

Mel que flua melífluo e melífero.
Feros sentidos
Idos e não mais vindos...

A mão macia
O cio a ânsia
Ansiosamente
A mente chama
E o corpo clama...

Rodamos imprecisos
E nos precisamos
Amos
E cativos
Sonhos diversos
De versos
Divididos...

Não perco o certo
Ereto e tenso...

Soleira aberta
Porta aberta
Sem alerta...

Invado e sou evadido?
Será?

Mas venha que a noite é nossa
A chuva empoça
E amor não empola!
Publicado em: 11/03/2007 17:46:47
Última alteração:23/10/2008 20:12:01




AMOR SIM, E DAÍ? /


Luar encantado...
Sonhando contigo vôo pelas horas...
Nada mais me prende...
No alpendre, a olhar a lua
Fantasias te colocam à minha frente...
Um riso displicente, alegria a cantar, ecoa...
Te amo e sou tão feliz...
Povoas-me de doces sensações...
Pudesse eu, ter você aqui!

Perdi, querida a minha paciência
Com todos os arautos infelizes
Que tentam destruir um sonho breve
De ter na vida dias mais felizes.

Não temo mais o riso de deboche
Que se estampou na face de um ignaro
Que pensa que mostrando o peito em rocha
O torna mais sublime ou mesmo raro.

Amor é fantasia que é benquista
Embora para muitos nada diga,
Sorriso displicente em poesia,
Na mão desta mulher amada amiga.

Eu canto e não me canso, isto compete
A quem senão querida a nós dois mesmos?
Eu vivo o que bem quero, o sonho é meu,
Mesmo que juntos vamos ermos, esmos

Quem não quiser não ouça o manso canto
Que brota do meu peito em penuginha
De uma ave que nascendo sertaneja
Jamais quis que cantasse assim sozinha.

Portanto, minha amada, vamos nessa
Que o sol já se promete bem mais forte,
Amor secando as lágrimas de um pranto,
Não teme estupidez que traga o corte...

ANA MARIA GAZZANEO
MVML
Publicado em: 05/09/2007 23:40:09
Última alteração:05/11/2008 11:49:25



Quando o desejo é infinito,
A paixão nos desespera;
Mas o amor, como é bonito,
Quando a mulher é sincera...

Eu te quero aqui comigo
Toda noite meu amor,
Teu amor é meu abrigo,
Contigo vou pr’onde for...

Eu só quero o teu carinho,
O meu desejo é só teu,
Vivo como o passarinho,
Amor-gaiola prendeu.

Eu te peço não te ausentes,
Nem me deixe mais tristonho,
Nos teus braços envolventes
Tanto amor, calor risonho...

Mas te peço minha flor,
Por favor e caridade,
Nunca minta ao seu amor,
Use só sinceridade!

Marcos Coutinho Loures
Marcos Loures
Publicado em: 18/02/2007 20:12:20
Última alteração:06/11/2008 12:07:21




Meu amor, tão sincero
Teus beijos espero

Ao teu amor me entrego
Te quero tanto, não nego

Meu amor; és abrigo
Pros sonhos que trago comigo

Ao teu amor me rendo
Neste sonho me prendo

Meu amor, manto de encanto
Por teus afagos espero tanto

Ao teu amor serei fiel
Esperando teus beijos, sabor de mel

Meu amor, deixa-me ser tua menina
Teus carinhos, tuas mãos, minha sina

Eu quero o teu amor, doce menina
Que sedutora invade o pensamento.
Aos poucos vem tomando, me alucina,
Não deixo de querer um só momento.

A minha vida à tua se destina,
Tu és minha alegria e sentimento.
Na boca esta certeza cristalina
De que não terei arrependimento.

Encontro uma certeza em cada verso
Que faço procurando o teu regaço.
Entre tantas estrelas no universo

Tua presença meiga, é o que se espera
De quem já no final, cansado o braço;
Aguarda o renascer da primavera!

Gi Guterres
Marcos Loures

Publicado em: 28/03/2007 14:29:02
Última alteração:06/11/2008 10:33:04



AMOR SINCERO

Este amor sincero que dedico,
Que não cobra, não pede apenas vive
No sorriso feliz de quem recebe.
Amor que não concebo nem explico
E que jamais precisa tradução.
É vento que mal toca e se percebe
E faz bater mais forte o coração.
Publicado em: 03/09/2007 06:31:43
Última alteração:23/10/2008 20:40:13



AMOR SINCERO
O gozo eterno
Amor sincero
Que eu tanto quero
E que me enleva
Na mesma leva
A vida ceva
O que era treva
Já se matiza
A leve brisa
Que assim avisa
Que pereniza
Amor eterno
Gozo sincero
Matando o fero
Deixando o quero
No novo gero
O que venero
E tanto espero
Amor sincero!
Publicado em: 20/06/2008 11:11:03
Última alteração:19/10/2008 21:19:42



AMOR SINCERO
Se encerro
Sincero
Acero
Acervo
Não cervo
Nem servil
Ser vil?
Cê viu?
Nem queira
Que amor
Não dá bandeira
E foge.
E ruge
E rouge
E amorena
Morena
Cena
Imã
Irmã?
Romãs...
Aromas e romãs
Caminhos e fins
Afins
Afinidades
Idades
Dar de si.
Sem ter
Temer
Ser
E estar
Mesmo
Esmo
Amor...
Amo?
Ar?
Pra quê?
Publicado em: 22/01/2010 18:49:02
Última alteração:14/03/2010 18:26:30


AMOR SINCERO.,..

Risco o meu nome
De cadernos e agendas
Desvendo o que fui
Em lendas disformes.
O prato quebrado
O pranto rolado
E o dado rolando
Pelas mesas do bar...
Cassinos e sinas
Meninas desnudas
Fornalhas e pão.
Alçando o prazer
Amor traz a cilada
Tocaia que desfila
Em noite e madrugada
Baladas e botecos...

Sopra o vento
Tento o tento
Invento a muda
Amaro gozo
Do gosto do nada
Na boca da puta
Que tanto faz festa
E no fundo resta
Deitada na cama...

Embroma e sorri
Embrulho o orgulho
Em risos também...
O bem que eu queria
O quando não vinha
Contando o miché...
Publicado em: 04/12/2007 15:44:33
Última alteração:23/10/2008 17:36:21



AMOR SOBERANO /


Quero você!
Te amar sem pressa...
Beijar tua boca
E quase louca,
Me entregar
Ao mar das sensações,
Euforia e tesão...

Te apertar ao coração
E te acolher em mim...

Viver enfim,
Turbilhão
Vagalhão
Furacão
Amor em convulsão...

Acordar serena
Deitada à areia,
Praia bela, de teus olhos...


Em praias e desertos mais longínquos
Amor fez seus castelos e reinados,
Os passos se bem dados são profícuos
Irmanam tantos sonhos, laços, Fados.

Dos píncaros aos vales mais profundos,
Amor é portador de um bem maior.
Ao amainar tempestas, ganha os mundos
E mostra novamente a se compor

Uma existência outrora tão sofrida,
Que num momento torna-se mais forte.
Amor; o vencedor; emana vida,
E deixa mais distante a triste morte.

Nos braços deste deus, menino arqueiro,
O poder de mudar o mundo inteiro.

ANA MARIA GAZZANEO
MVML
Publicado em: 01/09/2007 19:46:20
Última alteração:05/11/2008 12:23:10



Tecidos nas neblinas,
Luas mares
Formando raro trilho
Em noite clara.
Numa visão fantástica
Etérea, rara.
Estrelas percorrendo
Este caminho.
Descendo da abóbada
Ganham o mar...
Um Pégaso marinho
Outro no céu.
Estrelas descendentes
Praia, areia..
Amor
Já se demonstra soberano...
Publicado em: 28/04/2007 22:55:40
Última alteração:23/10/2008 20:28:12


Sendo o amor, a causa que me move...
Buscar-te neste universo...
Semear em versos...
Toda a emoção sentida...

Penso querido...
Pela colheita...
Quanto amor, por ti
Venho nutrindo...

Amor imenso...
A povoar o mundo...
Abarrotar os celeiros...

Quiçá o meu amor
Te fizesse bem...
Tanto quanto o bem,
Que por te amar,
Venho desfrutando!


Eu quero que tu sejas mais feliz,
Só isso já me traz felicidade.
Um novo mundo, encanto, se prediz
Na voz de nosso amor em liberdade.

Sumindo toda a dor e cicatriz,
Prevejo e quero solidariedade
Material do amor que eu sempre quis:
O bem virá com naturalidade.

Permita te querer além do amor,
Além de um pertencer, sem possessão.
Nas mãos que unidas fazem com vigor

Uma colheita imensa com paixão.
Carinhos de quem é bom lavrador,
Arando essa seara, a do perdão...

ANNE MARIE
Marcos Loures

Publicado em: 14/04/2007 14:07:56
Última alteração:06/11/2008 09:33:10



Amor uma caixinha de surpresas,
Teu amor
me levou
a este infinito
sonho de vida ...
(ivi)



Amor uma caixinha de surpresas,
Despreza qualquer senso, faz das suas,
Um palco tão arguto quando atuas
As feras mal distinguem-se das presas.

As cartas escondidas sob as mesas,
Não sabes discernir; mas continuas,
Agulhas num palheiro, almas nuas
Crisântemos daninhos da tristeza.

Sem eco nada vale, mas persisto,
Besunto o meu olhar com este xisto
E quase libertário, sou cativo,

Num cântico em louvor eu mimetizo
Às vezes sendo lava vou granizo,
E mesmo em tal balbúrdia; sobrevivo...
Publicado em: 12/05/2009 17:10:26
Última alteração:17/03/2010 19:46:31






Amor Tão Verdadeiro

Procuro no meu céu
O sonho que sonhei,
O amor tão verdadeiro
Que eu sempre procurei.
Em plena lua cheia
O brilho deste olhar
Por onde quer que vou,
Onde eu irei achar?
Buscando nas estrelas
Amor que me proteja
De tanto que sonhei
Amor já te deseja.
Querida, por favor,
Te espero sempre aqui.
Amor que nunca vinha,
Achava que perdi.
O tempo inteiro estava
Ao lado, sem que eu visse,
Nos raios desta lua,
Amor que se sentisse,
No vento tão macio,
Que a noite sempre traz
O canto das estrelas
Amor amado em paz...
Preciso do teu brilho,
Eu quero teu carinho,
Amor de mais eu tenho,
Estava tão sozinho...
Por isso minha amada,
Essa vontade louca,
De te dar sem demora,
Um beijo em tua boca!
Publicado em: 30/12/2006 13:46:26
Última alteração:28/10/2008 10:40:51


Amor Timoneiro

Não penses que este mundo traz repouso,
Por isso não se canse de lutar.
Nossa felicidade é como o mar,
As águas turbulentas negam pouso.

Porém é tão preciso navegar
E ter a precisão de um timoneiro.
Enfrente com vigor o nevoeiro,
Não deixe essa água mansa te enganar.

As ondas costumeiras e diárias
São qual fortalecer nos exercícios,
Exigem, muitas vezes, sacrifícios
Nas horas onde mostram-se contrárias.

Não penses que isso seja um vil castigo,
Depois de tanta fúria, a calmaria.
Enfrente toda dor com alegria
Assim superarás qualquer perigo...

E ame, acima de tudo, não se esqueça,
O coração comanda o teu navio.
Depois da tempestade, vem estio.
Permita que o amor sempre amanheça!
Publicado em: 28/11/2006 18:46:30
Última alteração:28/10/2008 11:39:52


Dos penhascos, jogado, o meu amor,
Rolando pelas pedras da incerteza.
Uma alma tão sincera, de pureza
Repleta, sem saber sequer a dor.
Tormentas e tempestas, o pavor...
Em plena rebeldia, a natureza,
Rebenta com a dura fortaleza
Que em torno desse amor traz o vigor.

Em tudo que fizeste, tanto dano,
Minha alma não conhece mais brandura.
Amor que me dedicas, tão tirano,
Não deixa simplesmente que eu te chame.
Ungido pelo amor que não reclame
De tanto que doeu este abandono.
A vida que prometes, tão escura,
Que impede, sem sentir, que eu sempre te ame!
Publicado em: 13/12/2006 22:14:23
Última alteração:24/10/2008 13:56:53



Esse amor clandestino,
baila comigo ao infinito.
Me faz perder a razão.
O bastante para mim é que me queiras.
E assim ouse quebrar as barreiras,
sem medo de expor nossos sentimentos,
libertando-nos de tolos preconceitos.
Vem dizer sem demora que me queres...
sendo assim serás o dono dos meu ais.
Com tal paixão avassaladora,
minhas noites e meus dias...
se tornam inesquecíveis.
Argumento, tão somente argumentos...
serão suficientes para convencer-te e ao mundo todo...
que espero apenas o seu sim,
para deleitar-me em seus desejos?

Eu quero-te em desejo mais profundo
Vivendo em sensual felicidade,
Gritando um sentimento para o mundo,
Sangrando em cada verso de verdade.

Ardendo sem temor na mesma chama
Que traz ao meu viver uma alegria,
Dizendo em liberdade quando se ama,
Vivendo nosso amor em sincronia.

Eu quero me entregar ao nosso amor
Sem medo de saber que sou feliz,
Carinho tão divino e salvador
Que faz com que se encontre o que se quis.

Serei o companheiro que sonhaste
Aquele que quiseste e desejaste...


Aracelly Loures
Marcos Loures
Publicado em: 20/02/2007 23:07:30
Última alteração:06/11/2008 12:06:36


AMOR TOTAL

Fogo cruzado
Amor em tempestade
Causando revolução.
Sigo a seta e perco rumo
Quem dera se poeta beber sumo
Até me embebedar totalmente...
Publicado em: 08/12/2007 16:56:13
Última alteração:23/10/2008 17:38:20



Saudade!
Sol te busco,
Prazer imenso
Viver te caçando
No céu deste amor
Sou astro do dia...
És amante da noite...
Teu amor, é cantiga
Tenho a alma a bailar...
O tempo, não nos separa
A noite, não nos desune
Vislumbro fulgor e lume
Desta eclipse, sem par...
Sol vou a te buscar
Pelo tempo, sem fim...
E lua e sol, neste céu,
Prossigo, eterna, a te amar!

Tal qual o sol, a lua, em calmo céu
Sem medo de tempestas ou trovões,
Tocando-se por vezes, como um véu
Que ate nossos doces corações

Neste momento mágico e tão raro,
Por isso de ternuras recheado,
Onde um grande desejo pede amparo
E segue como um beijo tão amado,

No toque destes astros tão distantes
Uma beleza infinda nos remete,
Aos sonhos transtornados dos amantes,
Que só de raro em raro se repete...

Neste momento belo e sensual,
Num eclipse de lua e sol: total!

ANE MARIE
Marcos Loures

Publicado em: 03/03/2007 11:19:09
Última alteração:06/11/2008 11:32:45



AMOR TRAIÇOEIRO
Meu amor usa pantufas
Toda noite, é delicada,
Sua flor noutras estufas
Ela deixa bem guardada

Publicado em: 14/05/2008 19:31:16
Última alteração:21/10/2008 14:41:46



Vieste deste sol abrasador
Que teima em me queimar tão docemente,
Envolve meus carinhos num repente
Transbordando em delícias, meu amor.
Na cama em quer rolamos, sem pudor.

Estrela delicada de meus sonhos,
Amada mais gentil e tão formosa.
A lua que se esconde, de orgulhosa,
Ao ver esses teus olhos mais risonhos
Apaga seus luares, são tristonhos...

No rio que transborda, numa enchente,
As águas que escorrendo, tudo alagam.
As bocas que se beijam e se afagam
Transmitem nosso amor, mais envolvente.

Os céus iluminados por mil cores
De belas tempestades de prazer,
Por certo não se cansam de nos ver,
Refletem nessas cores, meus amores...
Publicado em: 15/12/2006 20:04:10
Última alteração:24/10/2008 13:59:47



Amor Trascedental
Amor que me transcende sem queixume
Buscando em qualquer flor, o seu perfume.
É vaso que transpira uma esperança.

Abraça, carinhoso, minha musa.
É minha melodia mais difusa,
É doce que carrego na lembrança!

Um passageiro busca, de viagem,
Viver felicidade, bela imagem.
Retrata tantos brilhos de criança!

Jamais a solidão será seu fardo,
Em seu caminho, nunca mais um cardo.
A dor, em sua vida não alcança.

Um som que ao longe escuto, cantoria.
É pleno de verdade e fantasia.
Convida-me feliz à nova dança!

Brincando de poeta solto um verso,
Que sempre te procura no universo.
Será que encontrará em plena França?

Um lírico desejo, ser feliz...
Em toda minha vida, sempre quis...
Não temo sofrimento nem vingança!

A moça dos meus sonhos me renova.
É brilho nos meus olhos, nova trova.
É pacto divinal, linda aliança...

Teus olhos desfilando na cidade,
São lumes que me trazem claridade.
Trazendo a toda gente essa bonança!

Meu verso renitente, nunca pára.
A dor não se avizinha, já se apara.
Amor e alegria na balança...

Não tenho nem terei, na vida, medo.
Conheço seus caminhos, seu segredo.
A vida corre plena, na abastança.

A vida passageira sem ter pressa,
Amor venha correndo aqui, depressa.
Senão a poesia já se cansa!
Publicado em: 16/11/2006 23:23:48
Última alteração:28/10/2008 11:52:13



Amor verdadeiro
Amor verdadeiro
Teu cheiro
Teu cio
Vagueio
Vadio
Na busca
Do seio.
Receios
Não trago,
Afago
Refogo,
No jogo,
No fogo
Do agora
E do sempre.
Nas trempes,
Fornalhas
Acendes
Ascendes
Estrelas
Etéreas
Eternas
Palavras
De amor
E desejo...
Publicado em: 03/10/2008 13:27:11


AMOR VERDADEIRO. -

Desculpe, meu amor!
De tanta paixão,
Eu sei, ando cega...
Amor, não me negas...
Mas, ah, são esses desejos,
Que tanto me consomem,
Que me tomam,
E que me devoram,
A causa de tanta ansiedade...
Estar contigo,
Nunca me chega...
Jamais me basta...
Se de mim te afastas,
Só um pouquinho, assim...
Já começa a gritar,
Desesperado, o coração!
Sente-se aqui!
Me dê sua mão!
Me abrace forte...
Me beije!
Dessedenta em mim,
Fome do teu amor!

Jamais me afastarei do meu destino
De ser teu companheiro, amante, amigo.
Procuro por teu corpo e mal domino
Vontade de ficar sempre contigo.

Amar não é viver em desatino,
É ser o que nós somos, eu consigo
Ao recordar meus sonhos de menino
Saber que finalmente achei abrigo

Nos braços carinhosos, benfazejos
Que estão sempre a meu lado, o tempo inteiro.
Além de te querer, tantos desejos,

Necessito de tua companhia
Amor que se mostrando verdadeiro
Pintando nosso céu em alegria...


ANA MARIA GAZZANEO
Marcos Loures
Publicado em: 21/07/2007 20:29:20
Última alteração:05/11/2008 19:25:24




Prá você!
Nos momentos mais inóspitos...
Em que o tema central, se fez, lamento
Te colocaste como ouvido atento
Sem dizer, um a, sequer...
Que pretendendo, fazer-me calar...
Propositalmente, denunciastes...

E por isto,
Por tal gesto...
Sem apreço, por que de inestimável, valor
Fiz de ti um grande amigo...
Ouvinte atento ao meu segredo...
Ao degredo maior, do meu coração soturno...
Amigo das minhas dores...
Hoje, meu grande amor!
Amo você!
Do nosso amor ninguém ouse falar,
Amor que se irmanando só cresceu
Nascendo entre este sol e o luar,
Agora já se fez, só teu e meu.

Amor se lambuzou no mel da vida,
Inebriando qual uma aguardente
Nesta pureza imensa e pressentida,
Amor maior do mundo? Esse da gente...

Que nada cobra e nunca dá motivos,
Que nunca se pretende propriedade,
Num ar que nos ajuda, estarmos vivos,
Espalha um sentimento de verdade,

Nunca se fez medonho ou egoísta,
Dançando livremente em qualquer pista...

ANE MARIE

Marcos Loures

Publicado em: 03/03/2007 09:37:39
Última alteração:06/11/2008 11:33:08



Se sarcasmo fosse bom

Flor de jasmim tomaria

Ofurô com pétalas de rosa

Jamais quis ser sarcástico, querida.
Apenas sou um reles sonhador,
Que qual um trovador passa essa vida
Cantando, simplesmente o meu amor.

Eu quero todo o brilho das estrelas
Entrando na janela do meu quarto.
Quanta alegria encontro em poder vê-las
Depois deitar cansado, de amor farto.

Não sei se é ironia o que destilo
Nos versos que, encantado, já dedico,
Num mar de tanto sonho, mais tranqüilo,
Assim é que eu te canto e sempre explico

Que amor é uma força soberana
Que um peito enamorado sempre emana!

Maria Karla
Marcos Loures

Publicado em: 16/03/2007 23:16:34
Última alteração:06/11/2008 11:24:37



AMOR VERDADEIRO... /

Mote – Depois que fiquei rico, não corro atrás de mulher, corro na frente...

Fiquei rico, meu rapaz,
E agora, todo contente,
De mulher, não corro atrás:
-Eu corro mesmo é na frente!

Por outro lado, destarte,
Isso não me atrai mais não,
Tem mulher em toda parte,
Menos a minha paixão...

MARCOS COUTINHO LOURES
MVML
Publicado em: 15/10/2007 12:41:24
Última alteração:03/11/2008 21:17:38


AMOR VERDADEIRO //



Como o amor que eu busquei,
um dia
Verdadeiro,
imantado de doce magia
Duradouro,
a bordar a alegria
Nas texturas serenas
dos dias,
Assim,
eu te amo...
Sei e não me engano,
ao dizer,
não ser só fantasia...
Pela revolução causada
em minha vida...
Pela primavera florida
em contratempo,
às estações vencidas...
Queiras ou não
partilhar dos sonhos
Que risonhos
emolduram minha face
extasiada,
Hei de cultivar como fosse
A última rosa a florescer,
em rigoroso inverno...
Último aceno do sol
à vespera da noite infinda...
Hei de levar de tudo,
Como a sensação
mais querida
por mim, já sentida...
Amor por você...
Razão de mia vida...

Envolto em sentimento mais profundo
Que traz em nossas vidas, sedução.
Vagando meu amor solto no mundo
Cenário deste sonho: uma paixão.

Não deixo de pensar um só segundo
Segundo já comanda o coração,
E cada vez que penso me aprofundo
Até chegar ao fundo da emoção.

Monções e tempestades sequer mudam
A rota preferida pelo amor.
Em tudo se mostrando sedutor,

As dores em remédios se transmudam
Assento meu carinho no teu canto
E embrenho meu desejo em tal encanto...

ANA MARIA GAZZANEO
Marcos Loures
Publicado em: 30/07/2007 20:48:48
Última alteração:05/11/2008 17:38:05


AMOR VERDADEIRO //

A sorte bateu na minha porta,
Logo abri e mandei entrar,
Era você feito passarinho,
Que veio comigo morar.

Trouxe malas, trouxe cuia.
Trouxe pijama, trouxe tigela.
Trouxe pinico, trouxe chinelo.
Trouxe até uma mortadela

Trouxe panela pra cozinhar.
Trouxe um coração pra sentir.
Trouxe um amor verdadeiro

Somente pra mim servir.
Agora fecha logo a porta!
Que eu não te deixo mais sair.

Também trouxe um desejo ilimitado
De ter a formosura da morena,
No corpo derramei doce melado
E a língua se mostrou audaz e plena.

Depois do teu prazer ter saciado
A noite se mostrou curta e pequena
Deitamos, de mansinho lado a lado
E a noite adormeceu calma e serena...

Amanheci e fiz com mortadela
Uma omelete cheia de carinho.
Um cozinheiro bom só se revela

Depois, na sobremesa que fizer.
Doce mel que me deste, açúcar, vinho,
Em toda variedade que quiser...

GELIS
MVML
Publicado em: 08/08/2007 19:57:03
Última alteração:05/11/2008 16:52:50



AMOR VERDADEIRO //

Te amo e amarei a vida inteira,
enquanto estiveres junto a mim.
Promessa que acredito verdadeira,
porque eu te ouvi dizer que sim.

Amor assim afasta a tormenta,
empurra bem pra longe nuvem escura.
Amor que a cada dia sempre aumenta,
talvez mais que amor, talvez loucura.
O teu amor, pra mim, suprema glória,
também final feliz da nossa história.


Amor que apascentando a minha vida
Glorificando assim o dia a dia,
Encontra nos teus braços a saída,
Vitória contra a dor, contra agonia.

Não quero nem pensar em despedida,
Pois vejo em nosso amor tanta alegria,
Ajuda a suportar terrível lida;
A noite em nosso amor jamais esfria;

Pois sabe dirimir qualquer tormenta
Que venha nos ferir sem dar descanso,
Nas asas deste amor eu me esperanço

E a paz no coração, pra sempre assenta.
Amor em liberdade se faz forte,
Não teme nem a dor, sequer a morte...

HLUNA
MVML
Publicado em: 30/08/2007 14:59:51
Última alteração:05/11/2008 12:39:24



AMOR VERDADEIRO //

Quís fosse alegria
O sentimento que surgido um dia
Em amor se transformou...
Mas passar dos dias,
Esteira do tempo tudo transformou em agonia...
Um sonho sem futuro...
Perdoa amor,
Mas entre nós,
Há um abismo que não posso transpor...
E te amo, imersa em tristeza!

Amor quando transtorna, mesmo triste,
É fero sentimento que nos move.
A lua simplesmente sabe e existe
Por ter Amor que toca e assim comove.

Porém Amor, a tudo já resiste
E as pedra do caminho ele remove.
É Fado que nos toma, sonho em riste,
Não necessita nada que o comprove.

Suplantando os abismos, livre voa,
Refeito das vergastas, sobrevive,
Altivo e tantas vezes altaneiro,

É dele o bom tesouro e a coroa,
Embora tantas vezes dela prive,
Persiste quando forte e verdadeiro...

ANA MARIA GAZZANEO
MVML
Publicado em: 02/09/2007 21:50:07
Última alteração:05/11/2008 12:17:30


AMOR VERDADEIRO /

Amores verdadeiros são tão raros
O coração é bobo em tudo alegra
Em cada caminhada a estrada é reta
Apenas num descuido é fenda certa

E chora e sangra, oculto o desengano
Depois sorrir foi bom, foi ledo engano
Limpa os destroços apruma o campo
Viaja livre e liberto “tadinho” é humano

Aposenta o coitadinho douto sonho
Mas teima desobedece quer carinho
E cresce mais gigante e vivinho

Nunca amadurece é sempre seiva
No livro de sua história remoça em tempo
Quem manda a natureza dar alento...


Amor que traz em si fogo e candeia
Incendiando tudo, num momento;
Caminho imaginário em lua cheia
Bebendo a tempestade engole o vento

E todo o pensamento se incendeia
Não deixando um espaço – sentimento-
Mais fogo em louca brasa quando ateia
Invade sem medidas, um tormento...

Depois quando arrefece, nada resta
Senão uma lembrança de um instante.
Porém se sobrevive, nos empresta

O lume de uma estrela, eterna guia.
E vai; tal qual o vinho mais constante
Ao amadurecer: quanta alegria!

SOGUEIRA
MVML
Publicado em: 13/08/2007 18:56:46
Última alteração:05/11/2008 16:17:19



AMOR VERDADEIRO /

Por teu amor, ví meu mundo
Se transformar num instante,
A sentir amor fecundo
Nada se faz como antes...

Vejo o céu bem mais azul...
Milagre da natureza?
Ou magia deste amor,
A tudo inundar de beleza?

Sim, é o amor com certeza,
A mudar toda matiz...
A tornar tudo feliz
Com pompa de realeza...

Eu vejo o quanto estamos tão unidos
E a cada novo dia isto enobrece
Um sentimento feito em gozo e prece
Que faz questão de sonhos bem vividos.

Nos passos que seguimos, decididos,
O tom de nosso canto amadurece
E mostra quanto é bom; dias cumpridos
Em negra solidão que inda aparece

Nas horas mais difíceis, madrugada,
No vento que batuca na janela.
Porém ao ver uma alma triste e tão cansada

Alegria de sermos companheiros
Em cada novo encanto nos revela
Que os sonhos que nós temos: verdadeiros...

ANA MARIA GAZZANEO
MVML
Publicado em: 19/08/2007 22:10:20
Última alteração:05/11/2008 14:55:39



AMOR VERDADEIRO /

Este amor que me ofertas
Desde o tempo de menina
Vestida de chitão vermelho
É amor não me desminta

Fomos numa festa matuta
Com comidas sertanejas
Olhaste par o meu laço
De fita bem na cabeça

De leve te aproximaste
Desatando o laço bem leve
Meu coração sorriu breve

E nunca mais nos deixamos
Cantando nossas lembranças
Amando sorrindo em festança

Amor é penuginha que saindo
Da boca de quem ama, faz história
É céu que nos dourando, mostra o lindo
Momento de viver em plena glória.

As cores dos meus sonhos são as tuas,
O laço que nos prende, eternidade.
Andando pelos campos, praças, ruas,
Encontro em teu amor pura verdade

Que tanto nos redime quanto cura,
Somente ela bendiz a nossa sorte.
A lua vai descendo e nos procura,
Fazendo o coração bater mais forte,

Nas festas que entrelaçam nosso amor,
Um sonho verdadeiro a te propor..

SOGUEIRA
MVML
Publicado em: 29/08/2007 11:23:09
Última alteração:05/11/2008 12:38:16


AMOR VERDADEIRO /

Amor verdadeiro
Me dou por inteira
Qual manso regato,
Na mata a correr...
Saciando tua sede
Num raro prazer
Qual beijo da vida
Licor, ambrosia
Doce poesia...
Sou tua
Te amo
E quero você!

Rondando na noite
Estrelas e luas
Belezas tão nuas
Prazeres, açoite.

A cada pernoite
Em sonhos flutuas
Vagando nas ruas,
Desejos acoite

O corpo sedento
Que trama desejos,
Amor, relampejos

Carinhos ao vento,
Dou-me por inteiro,
Amor verdadeiro...

ANA MARIA GAZZANEO
MVML
Publicado em: 07/11/2007 20:52:58
Última alteração:31/10/2008 16:25:16


AMOR VERDADEIRO /

Já nada mais sei dizer
Quero te fale o silêncio
O meu olhar em você
Torpor, fumaça em incenso...

Este verso ao deus-dará
Esse aceno ao longe, breve
Digam-te, sede de amar
Que num sonho se entreteve...

Desfaça a ânsia infinita
Não titubeies, me abraçe
Rechaça a triste desdita
Não deixe que a hora passe...

Venha já, não mais demore
Ansiedade me demole...
Contenha num grande abraço
Com ardor, meu vago passo
Condensado pelo espaço
Desejo de te encontrar...


No incenso desta lua em luz insana
O quanto amar é justo e verdadeiro,
Amor é quase santo e justiceiro
E faz a vida ser mais soberana.

Quem ama, com certeza não engana
E sabe ser da vida, timoneiro,
O canto mais gostoso, alvissareiro
Permite que se trague em voz temprana

Um hino à perfeição do simples ser
E ter além de tudo um passo forte,
Vencendo com sorrisos corte e morte,

Condensa os pensamentos, faz viver
Aquele que sonhara e fora triste,
Agora já percebe: amor existe!

ANA MARIA GAZZANEO
ML
Publicado em: 15/11/2007 13:57:09
Última alteração:31/10/2008 14:26:38

Amor Verdadeiro
O verdadeiro amor começa quando nada se espera em troca. Saint Exupéry


Quando vieste, lembro-me sereno,
Prometeste-me um mundo delirante
Na chama que incendeia cada amante
Amor um sentimento mais ameno...

Sonhei em cada noite que passamos
Com tempos mais felizes e fantásticos
O medo, a solidão, teriam drásticos
Finais. Mas, entretanto nós erramos...

Quero-te, isto me basta plenamente!
Não quero teu passado e sim futuro
Do chão que já pisaste, mesmo duro,
O vôo que prometes, num repente

Me importa muito mais do que imaginas...
Não quero teu lamento nem teu pranto.
A vida se renova em cada encanto
Que guarde tuas garras assassinas!

Não quero este perfume que carregas,
Olores que tu trazes do passado.
Se foram as estradas, velho cardo.
As horas se partiram, morrem cegas...

Não quero que transformes nosso caso
Em sombras que não posso carregar.
Cada dia trazendo novo amar
Fazendo do que foi simples ocaso.

Não posso te trazer a primavera
Se nunca se esqueceres deste inverno.
Nossa vida será eterno inferno.
Quem nunca se renova, nunca gera.

Percebo que tu queres neste instante
Reviver esta chama que te queima.
Do fogo que trouxeste e sempre teima
Reacender na noite delirante

Onde estamos distantes e tão perto
Teu prazer eu não quero e não preciso
Vá viver teu passado paraíso
E me deixes seguir no meu deserto!
Publicado em: 24/11/2006 16:28:55
Última alteração:28/10/2008 11:52:55

Caminhando neste destino incerto o encontrei.
No calor de teus olhos descobri a felicidade.
Tão urgente que as palavras não bastavam
Diante do que você me fez sentir.

Amor eu abro meus braços para acolhê-lo.
Não deixe este sentimento tão intenso diluir com seus temores.
Por favor, me deixe mostrar a ti o que sinto.
Quando o vejo; meu coração descompassa

E todo meu querer dá vazão aos desejos
Que tento em vão esconder.
Sim meu amor não pode negar-te.
Eu o quero, quero você aqui comigo neste instante.

Deixe-me ficar, me deixe lhe mostrar
Que o sentimento que habita meu ser é real.
Que o amor que sinto por você é verdadeiro.

Não posso mais negar o quanto a quero,
No calor dos teus olhos pude ver
Que, em ti eu encontrei tudo o que espero
De uma mulher que, um dia, eu sonhei ter.

Tu és essa presença deslumbrante
Que faz de todo sonho, realidade,
Quero ter comigo, a todo instante,
Tua presença; amor-felicidade!

Em todo esse querer, os meus desejos,
Ao abrir os meus braços quero tê-la,
Roubar de tua boca tantos beijos
Lançar-me em teus espaços, minha estrela!

Só penso em teu amor, o tempo inteiro,
Amor que sendo pleno; é verdadeiro...

Camomilla
Marcos Loures
Publicado em: 29/03/2007 12:57:17
Última alteração:06/11/2008 10:23:43





AMOR VERDADEIRO

O verdadeiro amor é raridade
Flor que nasce na areia do deserto,
Se cultivado gera uma esperança
De vida mais sincera plena e pura.
Vivendo neste sonho de um futuro
Melhor para quem vive o pleno amor,
Regado pelo vento da emoção
Aguado na bonança dia a dia,
Jardineiros do amor, pois que sejamos,
Ao cultivarmos perlas na aridez.

Amiga, não deixemos para trás
A sorte que bendisse nosso canto.
Somente esta alegria satisfaz
Projetos de outro mundo em novo encanto
Publicado em: 23/10/2007 17:47:57
Última alteração:23/10/2008 18:50:32





AMOR VERDADEIRO
Amor que desejei, pra sempre, eterno,
Tomando da emoção, a bela estrada,
Nos passos deste amor eu me governo
E vejo uma manhã iluminada,
Primavera que surge após inverno
Na face da alegria, demarcada.
As rosas que brotaram no canteiro,
Perfumam nosso amor, tão verdadeiro...
Publicado em: 26/10/2007 18:50:19
Última alteração:23/10/2008 18:49:56


AMOR VERDADEIRO

Meus passos pelos teus vão conduzidos,
Deixando para trás o que queimava,
Tocando com prazer os meus sentidos
Amor que me maltrata enquanto lava,
Efeitos tão diversos produzidos,
Insânia em nosso amor nos governava.
Tu és o meu caminho derradeiro,
Amor manso e cruel, mas verdadeiro...
Publicado em: 10/11/2007 08:06:28
Última alteração:23/10/2008 17:09:10


AMOR VERDADEIRO


Seguirmos, par a par sem dar ouvidos
A tais censuras más, por certo insanas.
Os passos que encetamos, decididos
Em busca de manhãs mais soberanas.
Futuro, do teu lado, alvissareiro,
Amor nosso, sincero e verdadeiro...
Publicado em: 26/12/2007 16:43:05
Última alteração:01/01/2008 12:26:54



AMOR VERDADEIRO
Estou tentando
sobreviver, aqui,
sem tu,
mas o vazio que
deixaste
me machuca ...

Busco
no meu dia-a-dia
motivos para viver
sem teu amor ...
Volta !!
(ivi)


Eu quero me perder neste teu cais,
Vibrando de alegria em sonho e glória
Querida, que farei se amo demais,
Seu beijo não me sai mais da memória...

Náufrago deste sonho vivo e audaz
De termos nosso canto de vitória
Nos versos tão serenos, nossa paz,
Vivendo o grande amor de nossa história...

A calma que propagas, sinto em ti,
O sonho mais telúrico, insensato.
Vasculho no teu corpo e me perdi

Na boca que te busca, corpo inteiro.
Meu mundo no teu mundo eu já retrato,
Amor, nunca duvide; verdadeiro!
Publicado em: 05/04/2008 17:46:57
Última alteração:21/10/2008 17:07:36


AMOR VERDADEIRO
Totalmente
sem juízo,
tu te aproximas
e me pegas
de jeito,
me cobre
de beijos
me joga
no leito,
me usa
sem preconceitos,
até o êxtase total !!!
(ivi)

Amor sem preconceito
Não quer saber de nada
Esqueça este pudor
A pele desnudada
Meus lábios percorrendo
As línguas se procuram
Fronteiras desconheço
E quero muito mais
Sem tréguas ou juízo
Sem medos ou vergonhas
Hedônica loucura
Gostosa fantasia
Do amor sem ter limites
Insana tempestade
Que ao fim da noite traz
Total felicidade...
Publicado em: 12/04/2008 21:51:04
Última alteração:21/10/2008 18:24:01



AMOR VERDADEIRO
Afinal,
eu sou
uma
insignificante
nuvem
vagando em sonhos,
à procura do
verdadeiro amor ...
(ivi)



Espreita esta alvorada a debruçar
Por sobre as flores todas do jardim,
O sol ao ver beleza, vai enfim
Deitar a maravilha sobre o mar.

Em cores tão diversas, decorar
O mundo que guardei dentro de mim,
Na tela que se mostra, sigo assim,
Sentindo o quanto é raro e belo amar.

Quarando uma esperança no varal,
O riso delicado e sensual
Convida e a festa, eu sei, nunca termina.

Na dança que se faz revolução
Eu verto sobre ti, com devoção
E bebo o meu prazer na doce mina.
Publicado em: 20/05/2008 19:44:03
Última alteração:21/10/2008 15:10:31



AMOR VERDADEIRO
Eu quero o teu cheiro
Teu gosto e teu riso
Amor verdadeiro
Traz o paraíso
Vencendo o teu medo
Decerto terei
O doce segredo
Que tanto esperei
Vem logo querida
Que a noite é só nossa.
E assim decidida,
A vida se adoça...
Publicado em: 22/09/2008 11:16:16
Última alteração:02/10/2008 19:50:12



AMOR

Esperança flor tão rara,
Me alimenta e me mantém,
O meu passo se antepara
Esperando por meu bem
Que virá trazendo a vida,
Volta logo amor, querida...

O meu verso te procura
Noite e dia sem parar,
Esperança é minha cura
Traz o brilho do luar
Ilumina toda a rua,
Onde minha alma flutua.

Esperança de te ter,
Companheira do meu sonho;
Só contigo o meu prazer
De um futuro mais risonho,
Canto amor, em nossa dança
Brilha um raio de esperança...
Publicado em: 09/09/2007 19:11:00
Última alteração:23/10/2008 18:18:28




AMOR

Ouvindo a voz macia de da manhã
Me vacinei deveras contra o medo...
Trabalho com certeza muito afã,
O mar não me negou um só segredo...
Enredo que me enreda meu perdão.
As vaias que sofreu meu coração!

Minto pois não credito nada a vida.
Não quero a santidade nem credito.
Os versos que escrevi amaravida.
No canto que ensinaste em vão repito...
Enredo que me enreda teu perdão
As vaias que sofreu meu coração!

Na farsa que montaste tão espúria...
Os rumos bulevares belvederes...
Não posso conservar a minha fúria
Os braços se quebraram nos alteres...
Enredo que te enreda meu perdão
As vaias que sofreu meu coração!

As bancas de tal sorte nem decifro.
Os restos desta pátria sem futuro.
Os chofres e os enxofres, versos chifro
O medo da floresta que me enduro...
Enredo que te enreda teu perdão
As vaias que sofreu meu coração!

As vaias que sofreu teu coração
Enredo que me enreda teu perdão.
Nas viças e voraz és amplidão.
No medo que me enreda solidão
Teu dedo não revela a solução
Nas vaias que me dá teu coração!
Publicado em: 01/10/2007 19:14:10
Última alteração:23/10/2008 20:44:07



AMOR

Nas minhas fantasias, te vi solta,
As marcas do teu beijo em minha boca,
São labaredas, queimam. Minha escolta
Procura navegar a nave louca...
Mas teimo em estampar minha revolta,
A voz que grita aflita, fica rouca...
Meu tempo que perdi, nada edifica
A dor que já sangrei, me dignifica

Não resta nem sequer teu telefone,
Meus versos que joguei garganta abaixo,
Das noites que passei, quedei insone,
Procuro, tantas vezes, e nada acho,
Quem dera fosse assim, um Al Capone;
Das trevas que passei, um simples facho...
Terias, com certeza, mais respeito.
Amar demais passou a ser defeito!

Vomitas imbecis tais impropérios,
Fazendo dos meus versos, teus faróis,
Das mortes que cultuas, cemitérios,
As notas que queimaste sob os sóis...
Vagando não te temo. Necrotérios
Esperam quem zombava nos lençóis...
A vida fez comédia mais sem graça.
A morte, sutilmente, nem disfarça...

Mas teimas, tuas queimas virão lentas...
As asas assassinas são vorazes,
Na chama que te chama, não esquentas,
As dores que me trazes são audazes;
Nas portas, nas cadeiras, onde sentas
Cortando fortemente essas tenazes...
Não quero nada sinto, nem prazer,
As horas que disfarças sem querer...

Cigarros vou fumando sem ter pressa,
Na fumaça percebo tua cara.
Não pretendo nem quero essa conversa,
A maldita cachaça me enganara.
Sentimento profundo, vil. Ora essa!
A boca que me cospe se escancara,
A noite que não tarda, não te viu,
A mão que te servia vai servil...

Perdeste tanto tempo, mas ganhaste,
Essa batalha torpe que me inventas.
As noites que sequer enluaraste,
Na porta das lembranças são sangrentas...
Não podes reclamar nem que ficaste,
Pois são mais convulsivas, violentas...
Na porta da senzala que m’abrigas,
As velhas, costumeiras, vãs, intrigas...

Não sei mais o teu nome, nem me importa...
Carpi teu corpo, morto na memória,
Fechei a tua casa, tranquei porta,
Jamais vou reviver a nossa história...
A boca que cuspiste já vai torta,
Tristezas que traduzes, minha glória!
Pútridas as manhãs que me feriste,
Nessa tua gaiola, nem alpiste...

Me restam pois somente esses segundos,
Não quero reviver tais leviandades,
Irei te perseguir por tantos mundos,
Mataste, bem cruel, felicidades...
Nos mares, caçarei, ‘té nos profundos,
Abismos onde houver as claridades...
Não sinta-se feliz nem satisfeita,
A vingança será mais que perfeita...

Veneno que bebi já faz efeito,
A cabeça rodando vem a paz...
Olhando pro teu corpo no meu leito,
Não quero mais saber se sou capaz...
As horas que se passam, tudo espreito.
Consigo distinguir lá: Satanás!
As mortes que refiz são libertárias.
As dores que senti, se foram, várias...

Meus últimos segundos esvaindo...
A morte acaricia meus delírios
Teu corpo, nossos corpos já vão indo...
Cobertos estarão por belos lírios
Amei-te... Foi demais, e foi tão lindo...
Valeram enfim todos meus martírios...
Vivi profundamente meu desejo...
Despeço-me com calma, nesse beijo
Publicado em: 27/09/2007 14:47:05
Última alteração:23/10/2008 21:07:28


AMOR
Eu plantei minha saudade
Nos jardins do coração
Encontrei tranqüilidade
Espalhada pelo chão
Pelas ruas da cidade
Procurei tanta emoção
Eu colhi farto carinho,
Floreando o meu caminho!
Publicado em: 04/11/2007 23:04:41
Última alteração:23/10/2008 18:55:07




AMOR

Amor além do bem que se deseja
Trazendo para nós felicidade,
Vencendo esta batalha, esta peleja
Já mostrará enfim a claridade,
Permite que outro sonho enfim se veja
Tramando em plena paz, tranqüilidade.
Amar; uma alegria assaz suprema
De um sonhador simplório antigo lema
Publicado em: 09/11/2007 19:33:03
Última alteração:23/10/2008 18:55:27



AMOR
Amor: um sentimento em que se atreve
Sonhar com mundo nobre e mais feliz
Uma alma que se torna bem mais leve
Que deixa uma alegria por um triz.
Amor, mesmo que insano, triste ou breve
Decerto vale a pena. No que fiz,
Nos dias em que estive enamorado
A divindade esteve do meu lado.
Publicado em: 20/11/2007 06:54:50
Última alteração:23/10/2008 17:13:36



AMOR

Menino entre piões
Piorras e chaveiros
Olhares tão distantes
Procuram aviões
Nos quintais e calçadas.
Os aços não conhece
Apenas adivinha
O gozo desta fruta
Roubada num pomar
Que nunca foi o seu
Que nunca mais deixou
E vive enquanto sonho
O velho abandonado
Nas esquinas do passado...
Amora amor amara
Amara a vida passa.
A ruga não disfarça
O tempo que passou.
Porém o gosto doce
Da fruta do pecado
Ainda saboreia...
Publicado em: 22/11/2007 10:41:50
Última alteração:23/10/2008 17:13:47


Depois do vale escuro das tristezas,
Eu encontrei beleza sem igual
Depois de tantas noites de incertezas,

Buscando o teu caminho, é natural
Que a vida inda careça de certezas,
Embora este teu jeito sensual

Que toma e que me doma por inteiro,
És dona do que penso e do que quero,
Eu quero ser teu último parceiro

Por tanto que te quero inda te espero,
Amor sempre sincero e verdadeiro
No verso mais feliz, eu te venero...

Minha alma só se aquieta quando tem
Teu riso de criança, pura e bela,
Não quero neste mundo, mais ninguém,

Minha alma na tua alma se revela
É tudo que desejo. Ser teu bem,
Te quero no meu mar, maris stella...

Publicado em: 13/03/2007 18:14:00
Última alteração:23/10/2008 20:12:23



AMOR VERDADEIRO...


Acordo em ti...
Vestes-me....
Pecamos?...
Desafiamos as regras?
Ou apenas o que aqui
reina...
O que faz parte de nós....
A ternura, a cumplicidade...
A paixão....
A verdade do amor....
Vivido de verdade.......


Amor; cumplicidade em tanta entrega
Seguindo em desafio, pela vida.
A sorte muitas vezes por ser cega
Nos deixa de lembrança uma ferida

Que marca para sempre em cicatriz,
Deixando fundas marcas no meu peito.
Porém agora, sigo mais feliz,
E vivo, na verdade, satisfeito.

Por ter ternura imensa, e uma paixão,
Na vívida esperança em que me vejo.
Seguindo sem dar tréguas, a emoção
Que é mais do que um simples, bom desejo...

Amor que de verdade, sedutor,
Transborda em minha vida, encantador...

MARTA TEIXEIRA
Marcos Loures
Publicado em: 11/07/2007 15:51:45
Última alteração:05/11/2008 20:07:18


AMOR VINGATIVO -

Um beijim cê me mandô?
Num correio passarin?
Discurpe meu amorzim...

Mas beijim nuncá chegô!
Nas farta dos seus carins,
Arranjei um otrô amô!
Passarin que aqui veio
Só me trouxe um recadim
daquele seu companhero...
Um tar de: "Marquin de Loure"...
E é cum ele que eu tô!


Muié feita traíra
Traindo o meus amô,
Riscando pulo cé
Seu canto matadô

Ansim vai machucano
Quem só quiria u bem,
Agora vô cantano
Na vida sem ninguém

Tumara que dê tifo
O peste das danada
Só prá pudê marcá
A cara disgramada

Que veiu me traino
E me dexô sozinho,
A seca vai cumê
Arregaçá seu ninho.

Seus óio vai cegá
Pra mode mais num vê
Vancê cum esse cabra
Jamaiz vão tê prazê;

Nem mêmo vai tê luz
Eu vó robá a tocha,
O hôme vai ficá
Dismilinguido e brocha.

ANA MARIA GAZZANEO
Marcos Loures
Publicado em: 23/07/2007 17:35:57
Última alteração:05/11/2008 18:27:01



Segue a cruzar
Estes prados azuis
Meu olhar...
Buscam você...
Encontrar-te...
Além da tela
Fria de vida!
Prossegue alado...
Ansiosos aclarar
Com visão radiosa
Tua presença!
Como rosa esperada
Na roseira, em botão!
Vai abrindo porteiras...
Subindo e descendo montanhas
Se embrenhando nas ramas
Desta louca paixão!
É amor virtual
Sem vestes, despido...
Sem bem e nem mal...
A mostrar, tão somente,
A alma, exposta...
Sem véus nem contornos...
Sem máculas, adornos...
Mas tais obstáculos
Não pode transpor!
É amor do além...
Em quê implicaria, então...
Um amor tal,
Se não é bem e nem mal?
Muito aquém do alcance?
Olhar em relance
Descobre o fado!
E o tempo se esvai...
Querer assim, aqui, pega bem!
Não é poder!
Te amo sim!
Mesmo, assim...
Mas emoção te alcançaria?
Segue tristonho
A cruzar este prado azul,
Meu olhar
Em busca de tua presença!
Com um amor, do além...
Como o sol ama a lua
E a sonhar eclipses?

Por mais distante sonho que pareça
Por mais que a vida não nos obedeça
Amor vai palpitando mesmo assim.

A lua é tão distante do deus sol
Rebrilha a forte luz deste farol,
Assim este amor rebrilha em mim...

Por mais que não se toque, se imagina
Amor que tão potente descortina
Um mundo virtual que enfim, existe.

O canto da ilusão não é mentira
Nas ondas mais longínquas já se atira
Não deixa que esta vida siga triste...

O brilho deste sonho é tão potente
E mostra todo amor lindo da gente
Que vive e se proclama nesta dança.

Nos versos que cantamos, nós vivemos,
Por mais que não tocamos e nem vemos,
Em nome deste amor; viva a esperança!

Ane Marie
Marcos Loures
Publicado em: 25/02/2007 07:44:59
Última alteração:06/11/2008 12:03:45



Amor Voraz

Na voracidade da dor
Num canibalismo louco
Devorando pouco a pouco
Pressentindo o meu pavor,

Tua boca entreaberta
Aguarda os restos finais
Nos amores canibais
Que teu desejo desperta.

Não vou me entregar inteiro
Nem pretensos suicídios
Nos teus venenos, ofídios
Nas armas deste faqueiro.

Vencido por não ter medo
Arremeto-me afinal,
Neste teu mundo abissal
Eterno mar, meu degredo.

Parido da própria morte
Ambivalente sentido.
Sem rumo, sigo perdido,
Teu amor era meu norte.

Mas tanta fome, querida,
E nada mais me sobrou.
Entreguei, a quem me amou,
O resto de minha vida!
Publicado em: 05/12/2006 03:23:27
Última alteração:28/10/2008 11:25:48



A noite tenebrosa aproximava,
Nas mãos deste fantasma, meu guerreiro,
A lua tão lasciva decorava
Todo o céu, transformado num tinteiro...
O rastro das estrelas transportava
Amor que sempre fora verdadeiro,
Cometa-prostituta se entregava
Nos braços deste amor, mar derradeiro...

As algas fosforescem no oceano,
Testemunhas reais deste romance...
Na noite das orgias, cada lance
Delirante transforma todo plano
Permite que prazer de novo avance,
Refaz toda luxúria e todo gozo...
Quem nunca cometeu sequer engano?
O mar derrama as ondas, caprichoso...
Publicado em: 10/12/2006 19:16:07
Última alteração:24/10/2008 13:54:46



Nas minhas mãos cansadas, a luta incessante da lida, os ouvidos atentos, espreitando o canto do amanhecer, refletido na lida distante e constante, na tímida fragilidade das esperanças acalentadas pelo gosto da aurora, brilhando por sobre os edifícios e barracos.

Minha vingança nunca tarda, retrata o tempo esgotado, o ardor mitigado da dor da contradança consumada num ato insensato de perdão.

Quero a pretensão de ser livre e morrer no mar, no amor e marte, na sorte dos destinos sem tatos e sem tinos, sentidos expostos e impressionantemente vagos.

Quero o vagão do trem passando pela porta da namorada, na amada alma, animada festa, pela fresta da porta entreaberta, na cidadezinha pacata, acatando o recato e o recado das meninas, que me ninam e me transitam, corpo e alma...

Quero o orgasmo da chama ardente no peito, no contrasenso imenso, imerso, às avessas, bailando a esmo por entre sentimentos e lamentos, meus momentos mais frágeis e cruéis.

Nos reveses, as lacaias dores, amores vencidos e passados a limpo, num timpânico reboliço, noviço e vicioso, contraposto e audacioso, num exposto e nevrálgico alento.

Quero ter o termômetro e o tormento, o acento e o incestuoso desejo de amar a mã terra, minha origem e meu ocaso, por acaso, companheira de tantos tempos e temores.

Na natureza soluçante de meu amante peito, perto e completo, complexo e sem nexo como o vai e vem das ondas, das vastas ondas do meu mar, marés e manhãs são, sobremaneira enfáticas nas mãos cansadas da tarde crepuscular da da existência.

Quero a clemência pelos pecados, pelos olfatos e carícias, pelas delícias algozes, vorazes e velozes que me conduzem ao orgasmo.

Quero o marasmo da vida o cansaço do depois, após o cio, o vazio do prazer satisfeito, do tudo feito e nada compreendido, no sarcástico sorriso preciso e necessário, dos vários modos de amores- perfeitos, mesmo contrafeitos, do feitio exato, do ato exalando o olor de todas as dores que o prazer proporciona.

Sei ser o não fui, nem sei nem serei, sei ser o calado, o mudo e sensato, mesmo que, na insensatez da tez que a vida apresenta, sei me conter no infinito, no rito mais melodioso dos cantos mais belos, nos vôos perfeccionistas das artistas borboletas.

Sei o amor da mãe, numa manhã, numa manha, numa sanha que assanha e debocha, desabrocha no outro colo, no solo do amor maior.

Do amor divino pelo atino e desatino, desalinhando cabelos e novelos da lã mais bonita, numa multicolorida esperança.

Falo do tempo, do tento, do invento e contrato, do cadarço do sapato que a surpresa desamarrou, no tropeço mais distante, num concerto mais vibrante, consertando o que fora erro e desterro de um sonhador.

Meu gesto tresloucado, atado a cada passo, num compreensível desgaste, num arremate fatal, trazendo a tradução do trabalho que atalha o complexo processo de batalhas pela sobrevida anunciada, com os medos e cantigas esquecidos no fundo da memória.

Marcho para o misto de broto e poda, num eterno ziguezaguear do parto e morte, arrematando-me integralmente para o futuro, escuro e vago da brisa e tempesta, da festa e sofrimento que acalentam e acalmam, que riscam, cometas e cometem as mesmas intransigências que nem as clemências nem as impotências podem traduzir mais corretas.

Por fim, tenho meu mundo nas mãos cansadas, mas soltas, arrematadas para o amanhã.

Ditos e mitos são meus cálices onde mergulho e naufrago, onde me embebedo nos tragos trazidos pelo transitar dos meus segredos, os medos e os cantos.
Meu pomar de carinho, meus ninho, aninho-me, te acarinho, mas morro, sozinho...
Publicado em: 13/02/2007 19:07:05
Última alteração:27/10/2008 21:17:08


Com certeza, o amor,
A si mesmo, se basta...

Não obstante,
Usa das palavras
Para realizar semeadura...
Entre os homens,
Em face humana...

Desceu dos céus...
Como homem,
Entre os seus, conviveu...
O amor espalhou...
E incompreendido,
Morto foi...

Mas venceu!
Perdoou...
O amor venceu...
O amor construiu o mundo...
Só o amor, pode salvá-lo!

Onde encontrar amor? Num belo rosto?
No gosto sensual do doce beijo?
No amigo verdadeiro, sem desgosto?
Na fonte da alegria e do desejo?

Naquilo que se faz sem ser imposto?
No céu que se esparrama em azulejo?
No sol onde bronzeio-me e me tosto?
No doce da ambrosia que prevejo?

Aquele que ensinou o vero amor,
Mostrando a nova face: a do perdão;
Demonstra quanto amor é sedutor

E vivo em cada gesto e pensamento.
Nunca se esqueça disso um só momento.
No amor é que foi feita a criação...

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 15/04/2007 21:32:46
Última alteração:06/11/2008 09:31:30



Amor




Minha lágrima, estima e sentimento;
na palidez do não, nem talvez,
digo sempre,
praieiro coração...

Nas pedras do cais, o caos,
o vem e não vais,
o jamais, o quem dera.
Vida, esfera,
roda de bar em bar,
girando gitana
em busca da cigarra
que transforme toda forma em matriz,
peço bis,
sou feliz mas não queria...
Meio dia, melodia,
meu dia é diária avaria.

Quebro o tempo, contratempo,
conta-gotas,
vão envoltas
minhas voltas pelo mundo...

Contra-sensos,
são imensos, sou imerso,
vou diverso de verso em verso...

Mas quero o acero,
quero a aragem,
a coragem não se fia.
Fiador da dor
que não pré-curo nem procuro,
sobre o muro que escurece e divide.

Dívidas e débitos,
bytes e bikes,
sou flâmula.

Inflama a alma,
a lama e a trama,
trâmites e trinos,
seus hinos e meus tinos,
desatino...

No quebrar da onda,
mareio e timoneiro,
sou Marte, vou Plutão...

Nunca sim,
quem sinaliza a brisa entoa,
minha canoa não voa,
afunda...

Minha funda melancolia,
colites e cólicas,
eólicas sensações...
Sou vago, e vadio,
meu cio é todo seu.

Quero bocas e delírios,
teus cílios e teus seios.
Teu mar, sou pororoca.

A toca
onde entocas teus desejos,
meu anseio.
Sou vermelho, formalizo,
te aliso e não consigo.

Mas, prossigo, do teu pêssego,
fiz perigo e âmago,
meu gosto nesse agosto
é teu rosto contra o meu...

E te chamo
amo e reamo
reclamo
e me acalmo.

Não temo teu fogo
meu jogo e jogral

E, somente,
semente
te amo!

Serpente
que nada
a minha
amada
caminha
comigo.

E, gomos expostos
somos felizes?
Se dizes, com a corda
atada
concordo.
mas quero
assim.
até o fim?
Publicado em: 08/12/2006 05:49:32
Última alteração:24/10/2008 13:52:17




Amor

Procurei a rosa
Nos espinhos encontrei
Promessa de dor...
Publicado em: 17/12/2006 09:35:32
Última alteração:28/10/2008 19:25:07




A voz de meu silêncio grita incessantemente
Sentimento que queima no peito
tem algo a explicar.
Mas como?
Se o que sinto e inexplicável.
Não e mensurável.
Sinto que é divino
um caminho sem fim.
Busco então as conexões,
Para entender a voz da razão que se cala.
Ao fundo escuto uma canção leve e suave,
um sussurro de magia.
Meu pensamento que voa livre
no meu tempo de menina
fantasiando um castelo encantado
de um mundo mágico
envolto de luz e poesia.
E foi nesta morada
que encontrei tua presença,
deixando em mim um espírito lúcido
mas sem a devida lógica.
Porém, para que buscar explicações?
O meu silêncio por si responde...
que isso é amor.

Escuto um leve sopro qual brisa incessante
Tocando levemente em meus ouvidos
Não consigo explicação.
O que seria?
No toque inexplicável,
Da brisa em meus cabelos,
Toda a eternidade...
Relembro meu passado,
Os tempos mais felizes.
E me deixo levar pelo som
Tão delicado desta brisa
Sobre as folhas que restaram
No outono que se abate.
Um perfume suave, de flores que se abrem...
A voz de uma princesa,
No castelo dos sonhos,
Chegando mansamente...
Ecoa no meu peito,
Com mágica esperança.
O vento, o perfume, o canto, a voz;
No silêncio absoluto
Em que a tarde cai,
Fazem com que esse outono
Reviva a primavera,
E traga toda a esperança
Perdida, já faz tempo...

Aracelly Loures
Marcos Loures
Publicado em: 06/02/2007 08:46:03
Última alteração:26/10/2008 20:22:23



Vagamundo, vagabundo
Coração sem serventia,
Rasgando rasgo profundo
Morrendo um pouco por dia

Cada dia sem Maria
Sem magia e sem valor
Trazendo tanta folia
Transbordando esse calor

Coração, bem que podia,
Traduzir taquicardia
Por outra palavra: amor!
Publicado em: 11/02/2007 17:34:51
Última alteração:26/10/2008 20:24:36


Amor, palavra bendita
Mostra pra nós a saída,
Onde há um mar que reflita
Rajadas plenas de vida...

Publicado em: 19/03/2007 14:09:42
Última alteração:23/10/2008 15:4




AMOR

O vento frio de uma noite de inverno caiu sobre minha alma, quando soube que irias partir.

Como ave de rapina, a angústia fincou as garras em meu coração, ferindo-o mortalmente!

Ah! Como te amei!

Eras a realização de meus sonhos mais ardentes, a luz que iluminava meus passos, a minha calção preferida.

Com a tua partida, os meus sonhos se perderam na longa estrada da vida; o sol se apagou em meus dias e se calou naquela canção, na distancia que já nos separa.

Jamais pude entender os motivos de tua partida! Éramos tão felizes juntos, tão felizes que era impossível pensar em uma separação.

Da mesma forma que esqueci teus erros, tu perdoaste todas as minhas imperfeições.

Fiz do teu amor a minha oração e, talvez por isso, Deus ainda não tenha gostado, afastando-te de mim, fechando todas as portas do paraíso.

Hoje, reunindo o que sobrou de minha esperança destroçada, a Ele peço o perdão de meus erros, antes que o frio de uma noite de inverno congele para sempre toda a minha alma!

Marcos Coutinho Loures

Publicado em: 03/04/2007 10:11:33
Última alteração:23/10/2008 20:26:02



Que o meu grande amor,
Mais que te fazer, cativo,
Feito um pássaro na gaiola...
Faça de ti, um ser maior...
Que o meu amor, te eleve...

Que seja sol,
Sempre a brilhar,
No firmamento,
Encantado,
Dos teus sonhos...

E tragam-te, sem par...
Aos milhares,
Risos, e flores...

Que o meu amor, te faça
Sempre e mais feliz!
Que prossigo a te amar!
Que assim o seja...
Que assim, o quís!


Contigo, meu amor, por onde fores;
Trilhando por estradas, sendas, ruas.
Palavras carinhosas como as tuas;
Amenizando sempre minhas dores.

O campo do teu lado em belas flores,
Revivem esperanças antes nuas,
Da forma em que me encantas quando atuas
Trazendo novos sonhos sedutores.

A mão da solidão, triste e sombria
Distantes dos carinhos, todos meus,
Refazes em meu mundo uma alegria.

Presença divinal que vejo enfim,
Contigo estou mais perto do Bom Deus,
Amor que renasceu dentro de mim...

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 23/05/2007 13:19:51
Última alteração:05/11/2008 23:03:43



Poesia...
Canção...
Emoção...
Ou magia...

Sonho...
Devaneio...
Sorte...
Ou loucura...

Ilusão...
Brincadeira...
U´a paixão...
Ou besteira...

Infinito...
Mais audaz...
E divino...
Ou fugaz...

Eu não sei
Te dizer...
Sentimento...
Forte assim...

Penso ser...
Mais que tudo...
O amor...

Meu amor...
Por você!


Um frágil sentimento, amor perfeito
Que sabe que não pode vacilar,
Deixando o ser amado satisfeito,
Não tem como direito maltratar.

Amar assim querida, desse jeito
É ser dono da terra, sol e mar.
Traçando em cada rio um puro leito,
Efeito deste amor a transbordar...

Nasceste num jardim imaculado
Em flores delicadas, bons perfumes.
Espero que escutando este recado

Jamais volte a sofre duros ciúmes,
Amor que se floriu em manso prado,
Atinge cordilheiras, altos cumes...

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 24/05/2007 14:25:48
Última alteração:05/11/2008 23:02:00



AMOR

Neste deserto raro me encontro
A procura do teu vulto distante
Percorro o olhar sobre a mira
Vejo passos se aproximando

Indago ao vento apressada
Que podes fazer por mim?
Leva esta mensagem nas asas
Ao meu amor bem ali!

Sumiu rápido como um sopro
Sem uma palavra sequer
Sem um lamento de fé

Era miragem, lindos sonhos
Que povoaram na noite fria
No gozo da mente sombria

Não vejo mais agruras nem desertos,
Miragens num oásis são reais.
Meus passos se perdiam, pois incertos,
Palavra mais ouvida foi: Jamais!

Ao mar lançando um barco em desatino,
Um velho timoneiro mal sabia
Que mesmo sob o sol queimando a pino,
A voz de uma sereia em fantasia

Chegara aos meus ouvidos maltratados
Por ventos e procelas sem ter fim.
O sopro da esperança muda os Fados,
E doura cada flor deste jardim.

Perduram os meus sonhos em teus braços,
Desertos já se foram, tristes, baços...

SOGUEIRA
Marcos Loures
Publicado em: 06/07/2007 17:48:36
Última alteração:05/11/2008 19:48:31



AMOR

Te amo todo dia, toda hora,
com um amor imenso - desmedido.
Amor que me consome, me apavora,
jamais acreditei tê-lo vivido.

Aos poucos minha alma se aquieta,
no apelo que ofereces sedutor.
Quem sabe, sou a musa predileta,
e tu és um eterno sonhador.
Falena que esvoaça em plena luz,
o amor é chama viva que a conduz

Amor é chama viva, intermitente
Que ao mesmo tempo cura e me magoa,
Uma emoção terrível embora boa,
Na redenção divina, penitente.

Um sentimento nobre e persistente
No peito de quem ama sempre ecoa,
Minha alma num segundo já revoa
Castelos que queremos só da gente.

Vencido pela força deste amor,
Encontro a solução de meus problemas,
Ao mesmo tempo aumentam meus dilemas

Tornando a calmaria em pleno horror
Amor me conduzindo faz perder
O rumo da tristeza é o do prazer...


HLUNA
Marcos Loures
Publicado em: 29/06/2007 15:47:28
Última alteração:05/11/2008 20:27:02


Palavras que nos beijam e nos tocam,
Amor, felicidade, sexo e gozo,
Sorrisos cristalinos nos provocam
Levando ao paraíso tão gostoso.
Palavras multicores, delicadas,
Agradam quando são pronunciadas...

Os nomes e desejos estampados
Em letras e fonemas, voz, papel,
Nos levam a caminhos já passados,
O pensamento livre, qual corcel,
Transporta-nos em breve e raro instante
Ao patamar dos sonhos, delirante...
Publicado em: 03/08/2007 17:17:13
Última alteração:23/10/2008 20:36:33






Minha sorte tá lançada,
Nos dados da solidão.
Amor é carta marcada,
Sempre sofre o coração...

Meu coração sofredor
Procurando o teu regaço
Vai vivendo sem amor
Vai secando sem abraço.

Todo o tempo que passei
Procurando o meu cantinho
Depois disso me entreguei
Ao teu calor e carinho.

Não me deixe mais à sorte
Deste sentimento ingrato,
Coração batendo forte
Apaixonado de fato.

Venha ser minha menina
Deixa eu ser seu bem querer,
Tua luz já me ilumina,
No teu fogo me aquecer.

Mas a noite que passou,
Tanto tempo te esperei
Teu amor se demorou
Outro amor eu encontrei.
Publicado em: 06/08/2007 06:19:54
Última alteração:23/10/2008 20:36:45



AMOR

No meu barco procuro esta sereia
Que me encanta e convida para a areia
Em plena lua cheia, namorar...

O mar por mais bravio e perigoso
Parece nos teus braços, tão gostoso
Que dá tanto prazer em navegar.

Quem dera timoneiro deste amor
Pudesse oferecer ao teu dispor
Carinhos e desejos sem ter fim...

O sol vai nos queimando lentamente
A lua se promete, de repente,
Guardando este momento bom em mim...

Remando em direção ao paraíso,
Sabendo: navegar sempre é preciso,
Pros braços da sereia, sempre vou.

Quero a rosa dos ventos dessa vida
Guiada pela mão tão decidida
Da mulher que este amor já despertou...
Publicado em: 18/08/2007 09:50:51
Última alteração:23/10/2008 20:38:01




AMOR, AMOR/


Vamos colher um florilégio de rosas e margaridas,
Para nosso imenso amor perfumar e adornar,
Enaltecê-lo-emos com lindas e singelas poesias
Cânticos melodiosos este amor irá guiar.

Dividiremos o mais doce de todos os frutos,
Lambuzaremos de puro mel as nossas bocas,
De todos os prazeres imagináveis usufruiremos,
De dois seres que fomos, seremos uma só pessoa.

O mundo fatídico lá fora não mais existirá,
Só nos dois conheceremos verossímil paraíso,
Não precisaremos sonhar apenas realizar,

Desejos e planos outrora impossíveis,
E assim este imenso amor perdurará,
Com toda certeza por tempo indefinido.

Amor nos apresenta o sortilégio
De um sonho que emoldura nossa mente,
Amar nunca se aprende no colégio,
Um sentimento feito plenamente

Domina o pensamento e se faz régio
Um comandante inato; é inerente
Quem nega o grande amor, em sacrilégio
Não pode e nem merece estar contente.

À cântaros as lágrimas descendo,
Matando um sonho intenso em frio cântico,
Porém um coração audaz, romântico

Percebe quanto é belo e, num crescendo
Do inverossímil forja um bem provável,
Além do que permite o imaginável...

GELIS
MVML
Publicado em: 23/10/2007 20:39:44
Última alteração:03/11/2008 20:47:09



AMOR, AMOR/

O computador é meu amigo
Parece até que sofre coitado
Sem falar do pobre teclado
Que vive todo molhado
Quando minhas lágrimas rolam
Com todos os meus desabafos

Já troquei até a cadeira
Por um macio estofado
Pra digitar versos pra ti
Sonhando contigo ao meu lado
Pra nos sentir mais a vontade
Pois fazemos amor sentados

Os meus dedos digitando
Bem queriam percorrer
O teu corpo, eu não sei quando,
Poderei ter o prazer

De contigo namorar,
Obedeço ao teu aceno,
Bem queria te tocar,
Mas te falo, ele é pequeno

Não chega nem a um metro,
Tantas milhas nos separam,
Eu decerto perco o cetro,
Os teus versos desamparam...

Um caipira lá de Minas
Ao sonhar com a morena,
Procurando tocas, minas,
Mas ausência já me acena

Com vazio destas noites,
Que pensei tu fosses minha,
Bem sonhara com pernoites,
Muito embora nunca eu tinha.

Sou um pobre seresteiro
Um vadio trovador,
Que durante o tempo inteiro
Vive em sonhos, tanto amor...

Vou calar minha viola,
Que esta lua não virá,
A viola na sacola,
O que me resta? Guardar...


GELIS
MVML
Publicado em: 02/10/2007 21:03:49
Última alteração:04/11/2008 12:08:20



AMOR

Amor que se mostrando onipotente
Seduz em fantasias os vencidos,
Invade o coração de toda gente
Aos fortes transmudando em oprimidos
O velho se transforma – adolescente
Tomando sem limites os sentidos.
Apascentando assim o mais voraz
E o temeroso resta enfim, audaz.
Publicado em: 12/12/2007 22:05:10
Última alteração:23/10/2008 07:51:07


AMOR

Amor, a tempestade, em calmaria breve
É pesadelo louco. Espero e me destrói
Ao mesmo tempo cura, amputa e tanto dói!
É fardo que carrego e que me deixa leve.
É mão que me tortura, em carinhos se atreve.
Depressa, cicatriza, um segundo, e corrói.
Esfacela meu sonho; a vida, me constrói.
É frio no deserto, e sol em plena neve.
Amor manto desnudo, e clara madrugada;
Serpente que me beija, a boca envenenada.
Derrota na vitória, os louros na derrota!
É pleno contra-senso, um barco sem destino.
Ao velho, pleno encanto, e volta a ser menino.
Amor é louco guia, esquece-se da rota!
Amor é fantasia que me aquece,
Quem vive sem amor. Cedo enlouquece...
Publicado em: 19/12/2007 21:07:39
Última alteração:23/10/2008 08:59:39



AMOR


Ninado pelo amor desta menina
Um acalanto breve em sonho farto,
O verso que chegando me ilumina,
Entrando pela sala e pelo quarto,
Estrela divinal e vespertina
Seguindo cada raio, ao amor parto
E sigo pelos céus morrendo em astros,
Não deixo nem sequer pegadas, rastros...
Publicado em: 26/12/2007 10:02:57
Última alteração:01/01/2008 12:29:04



Amor

Menina, me dê licença,
D”eu contar a minha história ,
Enquanto a cabeça pensa,
Vou falando de memória.
Nasci nas terras do Juca,
Lá pras bandas do Meião.
Saudade quando cutuca,
Maltrata meu coração.
Minha mãe foi benzedeira,
A melhor que havia lá,
Curava qualquer besteira,
Qualquer doença que há.
Com a fé de quem rezava,
Dia inteiro, se preciso,
Tanto mal ela curava,
E tá lá, no Paraíso.
Foi embora, a dor é tanta,
Mas, bonita sua cruz,
Morreu sexta feira santa,
Mesmo dia que Jesus.
Lá no Céu teve festança,
Movida a muito forró,
Teve prenda e teve dança.
Teve tudo o de melhor.
Meu pai, foi sertanejo,
Lavrador com muito orgulho,
Lutando com tanto pejo,
Viveu sem fazer barulho,
A morte também, destino,
Levou meu querido pai,
Deixando, tal desatino,
Que, da lembrança, não sai.
Fiquei sozinho na lida,
Sem mulher ou companheira,
Tudo que tenho na vida,
É a viola, estradeira.
Tenho o sol como meu guia,
A lua por namorada,
Vou cantando todo dia,
Canto só, sem ter parada.
Não quero cantar tristeza,
Nem tampouco solidão,
Vou cantando essa beleza,
A beleza do sertão.
A vida deu regalia
E tomou, sem perguntar,
Se era isso o que eu queria,
Mas não posso reclamar.
Foi Deus quem me deu o dom,
Dessa viola tocar,
Quando dela, tiro um som,
Canto sem pestanejar.
Não quero amar a ninguém,
Nem me prender a Maria,
Preciso de ter um bem,
Que a mim, não pertencia.
Pois somente assim, menina,
Não tendo amor que se implora,
Nem tendo vida que atina,
A minha viola chora...
Publicado em: 02/01/2008 06:12:28
Última alteração:22/10/2008 21:29:47



AMOR

Amor partogenético divino
Eterno pleonasmo que nos guia.
O canto de louvores, um sacro hino
Enquanto abençoando luxuria
E traz o gosto doce em que alucino
Sagrando a maravilha em heresia.
Altares e pendores, ritos fartos,
Amores e loucuras, camas, quartos..
Publicado em: 10/01/2008 13:03:09
Última alteração:22/10/2008 19:43:35



amor
Deus ensinou sobre o amor
Também ensinou sobre o perdão
Apenas não me ensinou
Como tirar você do coração

GELIS

Na dança
Que avança
A noite
criança
Vontade
Que alcança
Permite
Sentir
Limite
Não tendo
Sou teu
Não nego
Carrego
Teu nome
Comigo
Vestindo
Prazer...

Publicado em: 06/03/2008 21:40:19
Última alteração:22/10/2008 15:27:53



AMOR
AMOR mente
Mente muito
Faz do pouco
Quase tudo
Depois quer pagar a conta
Com carinhos esquecidos
E beijos estouvados.
Estocados sentimentos
Muitas vezes
São apenas
Pagamentos...
Publicado em: 07/04/2008 18:22:01
Última alteração:21/10/2008 20:01:36



AMOR


Amor não traduz ir-se
Apenas emoção.
Enclaves
Entranhas
Adentras
Volúpias.
Um ópio...
Publicado em: 26/04/2008 17:53:42
Última alteração:21/10/2008 13:36:23



AMOR
Ondas
Rendas
Luzes
Cores
Alvorada
Raiada
Nos braços
De quem
Amor
Passarinho
Jamais
Vai sozinho
Causa arribação
O tempo
Sem tempo,
Temporal
Atemporal
É mel e sal
Fartura
De gozos
E risos
Sem bonzos
Sem medos
Segredos
E lendas
Desvenda
Sem vendas
Traduz
Emoção...


Publicado em: 30/07/2008 20:11:37
Última alteração:19/10/2008 22:01:01


amor
Envolto em tantas nuvens, perco o dia,
A tempestade rola pelos céus,
Descortinando, rompe os alvos véus
E mata, em dissabores, a alegria.

Os sinos anunciam agonias
Os lírios que eram alvos, ficam roxos,
Os passos deste amor quedaram coxos
As luzes dos meus olhos, mais sombrias...

Guardando o sofrimento neste altar
Que prezo como um cais que necessito.
Amor que sempre foi por Deus, bendito,
Em nuvens se desmancha sem parar.

A chuva dos meus olhos sempre cai
Ao fim da tarde triste sem te ter.
Porém, um certo dia, irá nascer
O sol da tempestade que se esvai...
Publicado em: 18/09/2008 09:46:27
Última alteração:03/10/2008 13:58:05



AMOR

Amor partogenético divino
Eterno pleonasmo que nos guia.
O canto de louvores, um sacro hino
Enquanto abençoando luxuria
E traz o gosto doce em que alucino
Sagrando a maravilha em heresia.
Altares e pendores, ritos fartos,
Amores e loucuras, camas, quartos..
Publicado em: 28/09/2008 19:48:31
Última alteração:02/10/2008 14:45:34



AMOR
Eu plantei minha saudade
Nos jardins do coração
Encontrei tranqüilidade
Espalhada pelo chão
Pelas ruas da cidade
Procurei tanta emoção
Eu colhi farto carinho,
Floreando o meu caminho!
Publicado em: 23/09/2008 11:42:43
Última alteração:02/10/2008 19:25:12


AMOR
Amor ronda perfeita
Em sonhos fantasias
Mesmo em ilusões.
Alados pensamentos
Ao largo dos tormentos
Procuro os teus desejos
E beijo tua boca.
Dia branco anunciado
Espalhado em poesia...
Publicado em: 01/10/2008 14:18:27
Última alteração:02/10/2008 13:48:34

AMOR
Meu barco adentra
Deriva à parte.
O cais que tenta
E representa
Amor em arte...
Publicado em: 28/10/2008 19:01:00
Última alteração:02/11/2008 20:31:54




AMOR
NÃO PRECISO ME DROGAR
PARA SER UM GÊNIO,
NÃO PRECISO SER UM GÊNIO,
PARA SER HUMANO,
MAS PRECISO DO SEU AMOR E
SO SEU SORRISO PARA EU SER FELIZ.
FELICIDADE PARA MIM É O SEU PERDÃO,
POR QUE EU AINDA TE AMO PERDOA...

Cida F.A

Amor quando entorpece
Permite uma viagem
Além do infinito
Estrelas, mares
Tantos.
Luas e abismos
Sismos, convulsões.
Versos e verões
Galáxias, nebulosas...
Publicado em: 25/11/2008 14:56:36
Última alteração:06/03/2009 16:56:15


AMOR
Amor esconde
Bondes trilhos
Filhos silos
Da esperança
Asas abertas
Olhos nem tanto
Medos à parte
Partilha e caridade.
Solidariedade...
Amor realça
Calça sonhos
Gera pesadelos
É novel e enovela.
Velas abertas
Mares distantes
Instantes eternos.
Ternas loucuras.
Curas e tédios
Remedia e maltrata
Ata e desata
Realiza e adia.
Escraviza e liberta
Fornalha invernosa,
Rosa espinho
Pedra e perda.
Salto no escuro...
Muro transposto
Exposto...
Em carne viva.
Publicado em: 13/05/2009 13:42:51
Última alteração:17/03/2010 19:31:54



AMOR
Eu amei mais do que pude
Açude arrebentando
Invade o dia a dia
Adia o que talvez
Jamais pudesse imaginar
Conter além do infindo,
Se lindo ou se infinito
Rito erétil e errático.
Poesia.

Amei mais do que grude
Interação
Intercessão
Inter enter
Intra...
A alma finta a mente
E remete ao gol de placa...
Empaca e desempata.
Gera e degenera
Regenerará?
Publicado em: 26/05/2009 15:18:52
Última alteração:17/03/2010 18:59:32



AMOR---

Te amo e conservo
Teu rosto sereno
Gravado em meu peito,
Tatuado em relevo.
Te amo e em ti penso
Nas horas, nos dias...
Feliz, vou tecendo
As mil fantasias...
Em versos descrevo
Momentos de sonhos...
E com o rosto risonho
Alegre te exponho
Meu amor, que é tanto
Toda a felicidade
De te amar,
Que me invade!

Amor fez sua festa
No fundo do quintal
Abrindo nova fresta
Eleva o meu astral

E mostra o que me resta
De um tempo sem igual
Invade esta floresta
Fogo no matagal.

Amor moleque à toa
Brincando de esconder
Naufraga uma canoa

Num rio de prazer.
Assim a vida é boa
Contigo, um bem querer...


ANA MARIA GAZZANEO
Marcos Loures
Publicado em: 22/07/2007 20:18:17
Última alteração:05/11/2008 19:07:18


Saber que estás aqui…
Recebo o teu vento
Como o vento que partiu
E retornando pressentiu
Que voltou pra me salvar
Do medo de viver
Da esperança sem lugar
Da vida que se foi
Sem vontade de ficar...
Saber que estás aqui,
Refaz amanhecer
Da noite que não ia
Do mundo que sabia
Que nada poderia
Fazer sem poder ter
O brilho dos teus olhos,
Na aurora das promessas
Rodando sem parar
Nos cíclicos amares
Em todos os lugares
Ares, bares, mares
Altares e certezas.
Sertões e cercanias.
Enchendo de poesia
A vida que partia
Na ausência de quem fora
O vento que aquecera
A noite tão vazia.
Publicado em: 12/12/2006 18:56:27
Última alteração:24/10/2008 13:55:36



AMOR, AMOR ///

Tomando o coração, sentido e mente.
A paz que tanto quis, chegou-me agora
Felicidade não vai mais embora
Pois dá-me a atenção mais pura ardente

Eu sei que terei dores mais à frente
Mas o que importa, no momento, agora
É aproveitar o êxtase senhora
Um êxtase sublime diferente

Porém Leonora morre em agonia
E ri-se de meus sonhos. Ironia...
Pois sabe não terei mais mocidade...

E um corvo que agourento, a noite traz
Crocita ao adentrar estes umbrais...
Não a terei jamais... eis a verdade...

GONÇALVES REIS
MVML
Publicado em: 09/08/2007 15:13:46
Última alteração:05/11/2008 16:17:54




AMOR, AMOR //

Descrevo o teu corpo
em suaves afagos...
Acordo-te....
Mal acordado está ainda o sol..
Mas a minha cama, o meu
corpo e os meus beijos
tens que deixar........
Ouve os meus gemidos na tua
memória, sente nos teus os
meus lábios e imagina tocar
a minha pele...
Até a poderes descrever
novamente..................


O som do mar quebrando em alva areia
Adentra pelo quarto nos chamando
Um canto extasiante de sereia
Aos poucos, na janela penetrando.

O sol que em Portugal já veraneia
A pele devagar vai bronzeando.
Vontade de te ter, o corpo anseia
Espero que tu chegues... porém quando?

Meus lábios sequiosos de teus beijos
Meu corpo solitário pede o teu.
Distância? O pensamento enfim venceu

E matou de verdade, os meus desejos
Desenho meu castelo em ar romântico
Atravessando assim, o grande Atlântico...

MARTA TEIXEIRA
Marcos Valério Mannarino Loures
Publicado em: 03/08/2007 14:38:58
Última alteração:05/11/2008 17:34:42


AMOR, AMOR //

Se computador fosse gente
O teu viveria dando risadas
Escutando declarações de amor
Destas poetisas apaixonadas

Ana Maria morena linda e faceira
Isabel Nocetti maravilhosa
Sogueira jóia rara
HLuna pedra preciosa
Marta Teixeira um diamante
E outras que não lembro agora

Eu coitada bobinha
Escrevendo versos marotos
Às vezes penso em fugir da raia
Às vezes tenho até desgosto

Mas tudo é brincadeirinha
Pois já sei que eu sou
A rosa preferida
Deste jardim todo em flor
Além do mais sou a abelha rainha
E o Marcos meu zangão do amor
Agora me desculpem por favor!

Jardim de tantas rosas, todas belas,
Esplêndido canteiro, com certeza,
Que é feito em profusão, tanta beleza,
Um céu que se emoldura nas estrelas...

Quem dera se eu pudesse, assim, vivê-las
E ter com tal magia, e com presteza
Louvores se desfilam, natureza;
Um mundo é muito pouco p’ra contê-las.

Decerto o grande bardo inspirador
Que emana em ricos versos que recebo,
De toda a maravilha que concebo,

Força descomunal de um sonhador
Que canta no conjunto a tal mancebo
Em arco e seta, alado, o deus AMOR.

GELIS
MVML
Publicado em: 21/08/2007 16:30:29
Última alteração:05/11/2008 14:53:10



AMOR, AMOR //

Ah, delicioso mergulhar em teus olhos...
Sensação de vôo no infinito...
Sorriso feliz aflora nos meus lábios...
Depois turbilhões me agitam...
Jogar-me em teus braços...
Dar vazão ao anseio...
Amar-te sem freios e sem medos...
Retirar os véus, meus segredos...
Nua, corpo e mente, me entregar...
Sentir as delícias dos teus beijos...
Barco do meu corpo, em meu amor, a navegar...

Quis Amor que um remanso procurasse
Nas montanhas, nos mares, prados, rios
Que a sorte em desatino, os desafios
Mais duros e ferozes encontrasse.

Amor contém segredo e noutra face
Trazendo em si caminho em que o desvio
Em outro sentimento já disfarce
E mostre ao mesmo tempo, calor/frio.

Permite-se, portanto ao deus Amor,
Arqueiro que insensato atira setas
E espalha o sofrimento e a alegria;

O mundo inteiro estando a seu dispor
Mesmo em tristeza e dor explana as metas.
Sinceras emoções; Amor dizia...

ANA MARIA GAZZANEO
MVML
Publicado em: 02/09/2007 21:25:59
Última alteração:05/11/2008 12:18:15


AMOR, AMOR /

Nessa canção trigueira,
Eu quero te envolver...
Tomá-la em meus braços
E nos fortes amassos
Explorar cada parte...
E quero só beijar-te
Provar, sugar morder!...

Tocar teu corpo nu
Roçando tua pele
Bebendo desta fonte
Que é feita como ponte
Ao mundo que sonhei
Amar é nossa lei
Que move e que compele...

Pra quê fugir então
Se é nosso destino
Ou só uma vontade
Qu'importa a idade
Ninguém nasce estátua
Ah minha chama fátua
Quando eu te examino...

Percebo levemente
Um gosto angelical
Que vem tão delicado
De um jeito assim safado,
Teus seios pequeninos
Provocam desatinos...
Menina sensual...

Que faz-se de inocente
Mas quando nós sozinhos
Carícias e lambidas
Então desinibidas
As almas num prazer
Movimentar, fazer
Fechamos com carinhos...

Seu riso tão maroto
Desejos principia,
E mostra-se voraz
Querendo sempre mais,
Um rosto adolescente
Num corpo mais ardente,
É santa e é vadia

Mulher que me domina
Menina que me mata
Esse desejo é louco
Matemos ele um pouco
Ou não - o quê tu achas?
Teus dedos são-me tachas
A ti minh'alma é grata!...


Amor que é sempre muito
Chamando pra batalha.
Repentes eu te faço
Estreito assim o laço
No corpo mais sedento,
Desejo é como ungüento
Que cura e nunca falha,,,

Escrevo-te palavras
Componho uma canção
Te faço poesias
E assim todos dias
Fugimos da rotina
Ah como é doce a sina
Dessa tal sedução...


Num jogo em que se ganha
Vencido e vencedor,
Banquete de emoções
Angústias e paixões
Loucuras e desejos
Mordidas quase beijos,
Assim é o santo amor...

GONÇALVES REIS
MVML
Publicado em: 09/08/2007 21:20:40
Última alteração:05/11/2008 16:23:37



AMOR, AMOR /

Este atalho do amor imaginário
Irreal... verdadeiro e genético
Que mesmo odiado e sem desfecho
Infecta a todos seres patéticos

É infatigável na busca diária
Do primeiro beijo ao último abraço
Corrosivo, ainda espera o amanhã
Autor da sena no palco quer espaço

Aonde encontrar amor tão desejado
Anciã da juventude, do ancião é um fardo
Cantado pelo poeta com tanta profundidade

Ama o homem humilde, o mediano, o ricaço
Encanta o espectador no canto, no teatro
Em romance, novela na tua tela é um regalo

No vértice dos sonhos, amor puro
Que tendo como base uma esperança
Aponta desdenhoso sobre o muro
Deixado pelas dores da lembrança.

Mortalha que se esquece, um mar escuro,
Após o sacrilégio, intemperança.
Aguarda este sussurro mais maduro
Que faz o amor nascer, livre criança.

Assim depois de tantas desavenças,
Amar é ser real que, em fantasia,
Enfatizando a dor molda a alegria

E sabe recolher as recompensas
Diárias de um cultivo benfazejo,
Nas hortas do prazer e do desejo...

SOGUEIRA
MVML
Publicado em: 21/08/2007 15:15:52
Última alteração:05/11/2008 14:24:47


AMOR, AMOR *

A boca rubra beijo - um doce vinho
Inebriando a vida o teu lábio -
Que eu que julgava um grande sábio
Estava envolvido em teu carinho...

Amor que dominando se mostra hábil
Vencendo tantas urzes no caminho,
Norteia meu saveiro, um astrolábio,
E é duro navegar quando sozinho.

Quanta volúpia minha está cheia
De um êxtase de um gozo e alegria
Enfeitiçado fui minha sereia

E sob o plenilúnio da esperança
Um Fado encantador já bendizia
E o Paraíso em vida, amor alcança...

GONÇALVES REIS
Marcos Loures
Publicado em: 26/07/2007 18:51:59
Última alteração:05/11/2008 18:01:14


AMOR, AMOR/

Estou de volta; agora não mais saio
Eu quero estar contigo a vida inteira
Oh, sim minha menina e companheira -
Eu sem quer caí em teu balaio...

Que dia aquele - naquele mês de maio,
Teu beijo, teu carinho e então inteira
E naquela loucura tão faceira
Por pouco em tal cilada quase eu caio

Às vezes tão somente por um talho
Que estrategicamente colocado
A gente cometendo um ato falho

Estraga nossa vida, o nosso fado.
Porém depois de tudo arregaçado,
Ao menos, meu amor, me quebre um galho...

GONÇALVES REIS
MVML
Publicado em: 10/09/2007 19:16:39
Última alteração:04/11/2008 18:36:20


AMOR, AMOR/


Nada pense, nada fale...
Sequer questione, destino que nos separa...

Já forjamos a sorte,
Quando o amor se fez o nosso norte,
E belo sol, na nossa estrada...

Ah! O amor...
Que nos embala em ternura tanta,
Dando às nossas vidas, sacrossanta,
Alegria de viver e amar,
E o poder de voar...

Cantar em bela melodia,
Fulgor do amor em poesia,
E nos unir...

Tão felizes, assim, na fantasia,
De viver o amor sonhado um dia,
Com tal beleza, em paz!


Um amor sem par
Beleza que é sorte
Mudando o meu norte
Na deusa/luar
Que gira em meus sonhos
Estradas e viço
Amor que cobiço
Sem nunca parar
Rondando o teu corpo
Qual um pirilampo
Em busca do brilho
Da estrela maior.
Eu sinto o teu cheiro
Amor verdadeiro
Que há tanto procuro
Que há tempos sonhei
Vazios completa
Amor me repleta
De tudo o que quero
Meu verso singelo
Porém mais sincero
No qual já venero
Amor fonte pura
Que traz a ternura
De um beijo macio
Do gosto do vinho
Que tanto inebria
Amor que vicia
Vivência divina
Que aos poucos domina
Transforma e refaz
Amor quando audaz
Em versos, canções,
Em mil turbilhões
Num redemoinho
Rodando a cabeça
Amor que ofereça
Carícia e carinho...

ANA MARIA GAZZANEO
MVML
Publicado em: 17/09/2007 16:03:58
Última alteração:04/11/2008 16:11:13



AMOR, AMOR/


Boba eu fui,
Quando te acusei...
E não posso viver sem ter você!
Restou-me pedir o teu perdão
E enfim voltar,
Pois és o meu amor, meu coração...
E sem você,
Não sei cantar...


Amor é ser paciente e poder ver
Que a luz nos ilumina, sem dar tréguas
Embora tantas vezes disfarçada
Jamais nos deixará de recobrir.
Por vezes mal entendo algumas coisas,
Mas deixo que este barco siga em frente.
Urgentes sentimentos que nos tocam,
Que a morte um dia chega de repente.
Não tem por que pedir então desculpas,
A vida prosseguindo mostra o rumo,
E mesmo as duras pedras não impedem
Que possamos seguir nossa viagem.
Um dia saberás de barco e cais.
Ancoradouro vivo da esperança
Que é feito em carinho e em aliança
E não descansa nunca. Busca a paz...

ANA MARIA GAZZANEO
MVML
Publicado em: 19/09/2007 18:31:22
Última alteração:04/11/2008 15:15:34



AMOR, AMOR, AMOR //

Um amor puro e sublime
Podemos ao certo encontrar
No mar, numa criança, no sol
Numa rosa ao desabrochar
No céu repleto de estrelas
Num barco em alto mar
no ventre de uma mulher gestante
Que seu feto já sabe amar
No rocio da manhã
No sol escaldante do meio dia
Na chuva da madrugada
Poderá amor também encontrar
Na pele da mulher trigueira
Que vive a te esperar

Amor vai se espalhando tela Terra
Em versos e palavras mais serenas,
Andando pelos vales sobe a serra
Nas praias tropicais, em luas plenas.

Amor que tanto amor em si encerra
Já sabe das vontades mais amenas
Amor vai invadindo nas antenas
Entrando em casamatas, mata a guerra.

Amor que nos domina e nos faz par.
Amor de uma amizade mais perfeita,
Amor que por amor se faz amar,

Na mãe que gera a vida, amando inteira,
Amor pela mulher com quem se deita,
Na cama ,numa rede ou numa esteira...

GELIS
Marcos Loures
Publicado em: 28/07/2007 16:30:10
Última alteração:05/11/2008 17:42:43



AMOR, AMOR, AMOR //

Com amor, eu te acolho...
Recolho aos molhos,
No jardim da fantasia,
Sonhos e abrolhos...

Quem dera fosse a vida, alegria,
E em teus braços, desnuda,
Saciada do teu mel,
Tão só ventura...

Te abrigo em sonhos...
Vivo deste amor, só poesia...
Marejam meus olhos...
Quiçá meu desejo, realidade fosse, um dia!

No mel de minha abelha, uma rainha,
Lambuzo-me e não canso de beber.
Sorvendo gota a gota com prazer,
Meu corpo nos teus seios já se aninha.

Vencendo a solidão, que outrora eu tinha,
Agora encontro em ti meu bem querer,
Sabendo finalmente, o que é viver.
Desnudos, tua pele junto à minha...

Assim em farto mel, doce licor,
Loucuras, desvarios e venturas.
Eu tenho tanto amor a te propor,

Tua nudez audaz, em minha cama,
Imagens delicadas, esculturas;
E a noite sem limite, assim se inflama...

ANA MARIA GAZZANEO
MVML
Publicado em: 28/08/2007 18:22:59
Última alteração:05/11/2008 12:51:14



Queria poder pegar uma rosa,
para em teu rosto passar,
E assim sentires o cheiro
De todo o amor que tenho pra dar.

Sentir sua pele delicada,
com a beleza de cada pétala te tocar.
Pra que possas sentir com o vento,
a minha vontade de te amar.

Quero também poder,
nossas mãos entrelaçar,
e juntos tomando sorvete,
no banco da praça sentar.

Depois de um longo passeio,
pra casa vou te levar.
Um banho gostoso e quente,
nossa alma há de lavar.

De nada adianta tanto sonho,
se comigo não podes estar,
mas sei que logo, logo
sua boca hei de beijar.
E mesmo quando está longe,
minha alma consegue tocar.
Pois meu amor por ti é tão grande,
que ninguém pode mudar.

Sentir o teu perfume em minha cama
Deitada sem espinhos, minha rosa.
Eu quero me enredar na tua trama
A boca enveredar, audaciosa.

Eu quero te fazer minha menina,
Menina em que desejo uma mulher,
Que logo me devora e me domina,
Fazendo neste amor, o que quiser.

Sorver-te qual sorvete lambuzado,
Beber cada gotícula de orvalho.
Deixando-te sentir-me enamorado
E conhecer teu corpo, cada atalho...

Depressa vem o tempo de encontrar-te
Correr, pintando o sete, fazendo arte...

Aracelly Loures
Marcos Loures
Publicado em: 17/02/2007 15:02:32
Última alteração:06/11/2008 12:07:43



AMOR, AMOR, AMOR /

Teus olhos de amor já me conquistam
Num ímpeto de loucura e lucidez
Viajo na miragem dos teus sonhos
Momentos envolventes cama e tez

Direto Nesta nau também me empolga
Viajo galopando em teu pensar
Jogando ao vento toda primazia
Do Céu que nos protege em pleno mar

Iluminado sejam nossos dias devaneios
Em busca de ilusão contentamento
Ao lado deste amor divino e bento

Nesta embarcação sem leme firme
Seguimos vento e popa sem destino
Até que saudade e tempo nos dominem

Semeio uma alegria em cada verso
Espalho o puro amor em todo vento.
Viajo lado a lado este universo
Que é feito e perpetua o pensamento.

De um mundo que viemos; mau, perverso,
Aflora em devaneio o sentimento
Do fruto que se faz, belo e diverso
Quem sabe em nosso amor, um novo intento.

Amor que assim bendigo e sou submisso
Servindo qual devoto em romaria.
Futuro mostrará que o compromisso

Firmado pelas almas que se buscam
Trará para quem ama; esta alegria,
Que nem mil sóis raiando não ofuscam...

SOGUEIRA
Marcos Valério Mannarino Loures
Publicado em: 03/08/2007 18:04:35
Última alteração:05/11/2008 17:14:09



AMOR, AMOR, AMOR /

Não sofro pelo amor, que por ti, meu peito canta
Mas pelo desejo de ter você, sempre ao meu lado
E nessas pedras, que de mim te isolam
Vai meu pranto sem fim, rolando sem consolo...

Te amo demais, sem contenção, medida,
Por este amor, darei a minha vida,
Mas quiçá a sorte, você, me trouxesse...

Aos céus então, elevo a minha prece,
Pedindo à Deus, somente uma chance,
De ter você, secar este meu pranto,
E em teus braços, te amando tanto
De alegria eu possa até morrer!


Não há por que temer o sofrimento
Se amor é nosso guia e companheiro.
Tristeza se escoando num momento,
Desnuda um sentimento verdadeiro

Que embaça toda dor, alvissareiro,
Matando pouco a pouco e sem lamento,
Com ele as tempestades, eu enfrento
E serei vencedor me dando inteiro,

Amor nunca permite nem reservas
As almas devem ser cativas, servas
Deste fulgor imenso que nos toma.

Amar é ser bem mais que simples soma,
É ter multiplicadas esperanças
Nos entrelaces firmes, alianças...

ANA MARIA GAZZANEO
MVML
Publicado em: 25/08/2007 10:25:51
Última alteração:05/11/2008 13:06:49



AMOR, AMOR, AMOR /

Tu cantas o amor em poesias,
como fosse jóia rara.
Uma jóia preferida,
de todas a mais querida,
com carinho resguardada.
Para mim o amor é guia,
é estrela
aos meus olhos deslumbrados,
que surge mal nasce o dia,
ao romper da alvorada.
Tu bem sabes qual meu sonhos,
se não sabes adivinhas.
Mas as palavras são minhas,
nestes versos que componho.

Amor força motriz em nossas vidas,
Um sentimento além de simples gozo,
Quem traz de duros tempos despedidas
Percebe quanto amor se faz airoso,

No passo em que eu espero que decidas
Tu vens com teu poder maravilhoso
De ter as nossas dores resolvidas
Num mar de um sonho raro e fabuloso.

Tomado pela estrela que nos guia,
Amor é bem supremo, incontestável.
Além do que queremos alcançável

Amor; a humanidade salvaria
Trazendo em plena paz santa utopia.
Num mundo tão perfeito, imaginável...


HLUNA
MVML
Publicado em: 11/09/2007 21:14:46
Última alteração:04/11/2008 17:47:45


AMOR, AMOR, AMOR /

Na solidão e na penumbra deste quarto
A lua pela janela penetra e a domina
Substituindo seus dedos já cansados
Pelo cavaleiro que ama e lhe alucina

Aqui entregue aos sonhos devaneios
A princesa não acorda deste sonho
Fecha os olhos e num relance percebe
O cavaleiro no seu corcel chegando

A delírios prazerosos se entrega
Não resta nem um outro pensamento
A mente concentra-se apenas no cavaleiro
Que veio pra lhe dá prazer, felicidade...

A lua plena e branca em noite clara
Adentra o quarto e vê alva nudez
Que sonha com cavalo branco e livre
Num cavaleiro armado até os dentes
Montando num corcel estrela guia
Rebenta nas janelas do castelo
E entrando pela alcova encontra nua
Princesa que se entrega aos devaneios.
Tocando os belos seios virginais,
Descendo pelo corpo em alabastro,
Um príncipe viola os seus sentidos
E deixa esta princesa extasiada,
E o sangue que se escorre nos lençóis
Matando uma princesa a faz rainha...

GELIS
MVML
Publicado em: 17/09/2007 23:08:52
Última alteração:04/11/2008 16:06:55



AMOR, AMOR, AMOR /


Na certeza de um segredo
na sensibilidade da visão
a calmaria de um pensar intenso
transbordante de emoção

Navegando pelo mar denso
no leme trago meu coração
naquilo que desejo e penso
sinto-me segura no timão

Meu olhar segue no senso
no rumo da orientação
hoje faço com meu amor imenso
navego fundo na sua emoção

a bonança do meu coração agita um lenço
de amor, paz e purificação

Qual náufrago de um sonho em mar imenso
Que encontra em um atol; porto seguro,
No amor que te dedico sinto e penso,
Deveras dos meus erros me depuro.

Meu barco; na partida, em alvo lenço,
Deixara uma saudade, sem apuro.
Mas logo a tempestade em céu tão denso,
Ao soçobrar perdeu-se, mar escuro.

Amor; um timoneiro persistente,
Encontra ancoradouro em manso cais.
A salvação mostrando-se evidente

Permite que se estenda em firmes laços
E atraque em segurança. Os vendavais
Da vida me aportaram nos teus braços...

HELEN DANTE
MVML
Publicado em: 26/09/2007 16:39:43
Última alteração:04/11/2008 13:29:56




AMOR, AMOR -


Ao teu lado,amor,bem sei,
A paz e o sonho, encontrei...
Já não procuro o amor...
Pois eu encontrei em ti...
A te amar, eu sou feliz!
Gozo da paz que um dia,
Pensei que nem existia,
Mas que em teus braços, achei...
No amor, que o mais bonito
Enfeitou o meu caminho,
Fez feliz o meu viver...
Sigo feliz com você!
A cantar a melodia,
Que se fez a poesia
Um poema, uma magia
Que no amor,se revelou.


Amor se revelando em plena glória
Na redentora imagem de teu rosto.
Prenúncio de alegria e de vitória.
Moldando o meu viver bem mais disposto.
Teu canto não me sai mais da memória
Deixando o coração pra sempre exposto.

Ouvindo a melodia em que dizias
Do sentimento vivo que nos toca,
Vibrando nos meus braços, me dizias
Da vida que se fez e se retoca
Em beijos e carinhos, nas magias,
Que toda esta emoção já nos provoca...

Amar em paz com força e com vontade,
Trazendo para o amor, sinceridade...

ANA MARIA GAZZANEO
Marcos Loures
Publicado em: 14/07/2007 13:31:07
Última alteração:05/11/2008 20:06:46



AMOR, AMOR/

Alua esta eterna enamorada
Que inspira sem recato seus poetas
Entra em nossas mentes faz bagunça
Rola em nossa cama menina sapeca
Incita as mentes calmas descuidadas
Institui critérios ao amor como uma loteca
Lança a sorte quem for forte lança a fecha
Cupido aliado trança os laços paixão e festa


Bebendo desta lua a luz que assim me guia
Traduz um canto livre, estrela e fantasia.
Um verso em esperança, algoz desta tristeza,
Amor que é feito em festa, encontra a liberdade,
Deixando para trás um rastro de incerteza,
Amor me permitiu viver felicidade!

SOGUEIRA
MVML
Publicado em: 30/10/2007 19:02:46
Última alteração:03/11/2008 18:24:43



AMOR, AMOR/

Nos mistérios do amor te encontrei
Confuso procurando amor bendito
Sem perceber no teu jardim entrei
Colhi uma rosa no teu bolso deposito

Na chuva que clava a alma me encontro
O coração aventureiro pede abrigo
Sob teu olhar vejo um sorriso
Saboreio tuas palavras afeto amigo

Nas refletidas lembranças a liberdade
Nos teus amores desfila saudades
Na busca dos teus versos amor verdade

Nas tuas canções revejo os sonhos
Se abalizar as profundezas do mar
Lá bem no cantinho o verbo amar



Amor, se verdadeiro já se lava
Nos olhos de quem amo. É tão premente
Gritar ao mundo inteiro o que se sente,
Mostrando olhar liberto, sem ter trava.

Quem antes deste sonho se encontrava
Passando pela vida simplesmente,
Vivendo em solidão mais descontente
Nas trevas da existência não notava

A claridade intensa de um momento
Que nos permite sempre renascer,
Tocado pelo amor, em brando vento,

Permite-se sonhar e perceber
Beleza em que se encontra o sentimento
Que é feito em alegria e faz viver...

SOGUEIRA
ML
Publicado em: 21/11/2007 12:25:16
Última alteração:31/10/2008 13:12:23


AMOR, AMOR -

Hoje sonhei contigo
Acordei com lágrimas nos olhos
Sentindo a tua falta
Olhei para o relógio
Às horas passam rapidamente
O tempo voa
E eu aqui tão sozinha
Vivendo assim à toa
/Ah, amor da minha vida!
Porque não me perdoas?
Vem para o teu ninho
Me cobrir de beijos
Me embalar em teus braços
Deitar tua cabeça no nosso macio travesseiro
Sentir o meu perfume
Quero beija-lo sem parar
Ah amor, vem me consolar...


Ouvindo o teu chamado,
Querida namorada,
Estarei do teu lado
Ao chegar da alvorada.
Eterno apaixonado
Eu não penso em mais nada

Somente em te beijar
E te fazer carinho,
Depressa irei chegar
Correndo ao nosso ninho.
Não canso de sonhar
Não vou ser mais sozinho.

Esqueça esta tristeza
Amor é Fortaleza

GELIS
Marcos Loures
Publicado em: 20/07/2007 16:08:04
Última alteração:05/11/2008 19:08:18


AMOR, AMOR , AMOR //

Qualquer dia, Gatinho
Chegando de mansinho,
Eu quero te encontrar...
Fazer-te uma surpresa...
Te amar feito tigreza,
Que ataca a sua caça...
Quero te ver sem graça,
Sem ter como fugir...
Amor, eu vou rugir,
Feroz, como leoa...
Mas vou te amar na boa...
Só estou a impressionar!
Sou gata borralheira...
Falei foi só besteira...
Pois sei na hora agá,
Vou ter é tremedeira!

Ó gata não se esqueça
Que amor igual ao nosso
Por mais que não pareça
Também me dá um troço

Decerto que enlouqueça
E nele me remoço
Coração prega peça
Nem reação esboço...

Um gato de telhado
Vadio contumaz
Jogado assim de lado,

Será que ele é capaz?
Desafina o miado...
E tremedeira traz...

ANA MARIA GAZZANEO
Marcos Valério Mannarino Loures
Publicado em: 07/08/2007 20:11:28
Última alteração:05/11/2008 16:55:28



AMOR, AMOR .../



Se penso em ti,
eu amanheço sorrindo,
o coração sossegado,
pois eu creio meu amado,
que vivo um sonho lindo.
Mergulho meus olhos nos teus,
neles vejo meu reflexo
que é como um doce amplexo,
um no outro existimos.
Amor assim é conforto, é o mais seguro porto
onde me acolho em silêncio
só aurindo esse momento
de paz e serenidade.
Amor bem da humanidade

Amor recolhe os sonhos e embaralha,
Fazendo da alegria, uma tristeza
Na sutileza, o beijo da navalha
Em agridoce serve e põe a mesa.

Amor treteiro, segue a sua sina
De ser alvissareiro em agonia.
Ao mesmo tempo cala e descortina,
Aquece em noite gélida e sombria.

Faz festa e ao mesmo tempo traz velório.
Um bem que nos encanta e nos maltrata,
Da negritude imensa que colore-o
Na noite iluminando em serenata.

Amor um arcanjo híbrido e safado,
É feito salvação, gozo e pecado...

HLUNA
MVML
Publicado em: 08/10/2007 14:33:54
Última alteração:04/11/2008 11:28:45


Procura-te o meu corpo...
Insinua-se...com as mãos...
Encanta-te...com os beijos...
Namora-te...com a pele....
Deseja-te...
Ardentemente...
Um vulcão de desejos contidos...
Que no teu roça........

Desejo que nos toma, leve bruma
Vagando por estrelas belas,raras,
No aroma tão suave das searas
Que toca, me inebria e me perfuma...

Sorvendo das loucuras uma a uma,
As noites vão seguindo sempre claras.
Cabelos com estrelas e tiaras,
O mar que vai quebrando branca espuma...

Palavras são trocadas, sem clemência,
Roçando em nossas mãos com paciência
Prazeres delirantes num cortejo.

No teu corpo os altares sensuais
Retrato destas noites magistrais
Louvores que fazemos ao Desejo...

MARTA TEIXEIRA
Marcos Loures
Publicado em: 23/05/2007 14:00:01
Última alteração:05/11/2008 23:03:36




Reli a poesia meu amor.
Senti a tua dor... o abandono
do canto exalando amargor,
que até fez-me perder noites de sono.
Se queres, deixa vir a primavera,
chegando mais ligeira que o vento,
que vai suavizar a nossa espera,
e aliviar, também, o sofrimento.
O amor jamais morreu, ele viceja.
Amor é bem maior - louvado seja.


No abandono que sinto em tua ausência
Meus versos são tristonhos, magoados.
Às vezes te pedindo por clemência
Os sonhos, eu perdi, abandonados.
Bem sei que isso só foi coincidência
Que amores devem ser sempre louvados.

Porém, por tantas vezes vou sozinho
Na busca pelo sol da primavera
Um pássaro que luta por seu ninho,
Não vendo solução se desespera.
Que bom que tu vieste. Em teu carinho
Um mundo bem melhor do que se espera...

Assim, no vicejar de nosso amor,
Pretendo, minha sorte recompor...

HLUNA
Marcos Loures
Publicado em: 10/06/2007 19:24:08
Última alteração:05/11/2008 21:26:53


AMOR, AMOR

Gaivota, minha alma em alegria
Buscando o teu amor, seu voo, alça...
Despida de temor, suspira ansiosa...
Chegar ao ninho aonde tu repousas...
Só traz amor e vem assim descalça...
Em teu abraço, sabe, amor alcança



Eu quero ser feliz a cada dia,
Do lado da mulher maravilhosa
Que exala este perfume qual de rosa,
Marcando minha vida em fantasia.

Aos poucos, minha amada eu percebia
Que a vida se mostrava fabulosa
Embora tantas vezes, ansiosa
Chegavas transbordando em poesia.

Descalço meus orgulhos imbecis,
E sigo em cada verso, o teu caminho.
Da vida, sei que sou um aprendiz,

Sonhando noite e dia com carinho.
Não deixe que este sonho, amor, acabe,
Nem que nosso castelo, assim desabe...

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 27/06/2007 19:36:04
Última alteração:05/11/2008 20:28:22


AMOR, AMOR

Depois do amor consumado
deitada sobre o mesmo travesseiro
quero o sono tão esperado
que os amantes almejam
mas lá pela madrugada
oh neguinho você não me escapa!
quero repetir a dose
e saciar meus desejos.


Não canso de querer ficar contigo,
Fazendo deste amor minha bandeira,
A noite se mostrando companheira,
Jamais se saciou, se tem abrigo.

Nos seios perfumados, eu prossigo
Sentindo tua pele alvissareira,
Entrego-me outra vez, como a primeira
Repito noutra dose, beijo o umbigo

E desço sem juízo para o sul,
Encontro o paraíso, refestelo,
Invado, novamente o teu castelo,

E o dia nascerá, por certo, azul,
Famintos vamos nós, insaciáveis,
Prazeres e desejos incontáveis...

GELIS
Marcos Loures
Publicado em: 02/07/2007 23:11:02
Última alteração:05/11/2008 20:23:03


AMOR, AMOR

Buscando desta vida desde cedo
Conhecer os caminhos dessa sorte
Que tantas vezes causa temor, medo.
Muitas vezes preciso ser mais forte
Esse é o meu segredo.

Tantas vezes, preciso te dizer,
As pedras machucaram; cicatriz.
Mas nada nem ninguém pode conter
A luta por um dia, ser feliz.
Assim eu tento ser...

E faço do meu canto um estandarte
Levando minha voz com esperança
A quem quiser me ouvir, em toda parte
Quem sabe na promessa de aliança
O amor meu baluarte.

Eu sei que tantas vezes sou piegas
Pareço muitas outras imbecil.
As plantas são diversas noutras regas
Dependem desta luz se mais sutil
Amores soam bregas.

Porém tantos poetas de valor
Fizeram tantos versos deste jeito.
Não quero ser nenhum ás, professor,
Apenas vou cantar desse meu jeito,
Cantando o meu amor!
Publicado em: 11/08/2007 08:10:51
Última alteração:23/10/2008 20:36:50


AMOR, AMOR

Descendo a escadaria
Tropeço com palavras
Que são as minhas lavras
Quem dera se eu soubesse...

Jardineiro que cultiva
Meia dúzia de rosas e margaridas
Fazendo no canteiro
Cortina de fumaça.

Tempo passa
Passa a praça
Passa o tempo
Que não veio
A morena
Mais dengosa
Traz a rosa
No seu seio...

Mas fazer do verso
Que abortei
Universo
Que não sei
É pura sacanagem.

A viagem perseguida
Não saiu do papel.
Se eu perdi o mapa
E perdi o trem
E perdi o bonde
Aonde vou me esconder?

Debaixo da sua saia
Que a vista não atrapalha
Depois de tudo, o prazer...
Publicado em: 16/08/2007 08:28:28
Última alteração:23/10/2008 20:37:27



No tempo em que eu caçava,
era famoso caçador.
Fazia pontaria certa,
meus olhos matavam amor

Meu amor, te procurei
Nestes versos que te fiz.
Só má sorte eu encontrei.
Não serei jamais feliz.

Tanto tempo que passei;
Da ferida à cicatriz.
Teu amor já virou lei,
Nele encontrei o que eu quis

Mas a vida é sorrateira
E já te levou; meu bem.
Amor tem flecha certeira

Quem diria; um caçador,
Foi caçado por alguém,
Envenenado de amor!

A trova mote é da região Oeste de Minas Gerais
Publicado em: 17/08/2007 18:14:26
Última alteração:05/11/2008 15:42:42



AMOR, AMOR

O laço que nos prende não sufoca;
Tampouco nos impede de viver,
Somados somos feitos num só ser
Criados na emoção que hoje nos toca.

Vencidos pelo amor, ou vencedores,
No enlace mais profundo e soberano,
Não precisamos nunca de um engano
Que nos faça do amor, dois desertores...

Desertos que passamos nos mostraram
A luz que nos levou à parceria,
Que nasce na manhã de cada dia
Aos raios deste sol que nos tocaram...
Publicado em: 19/08/2007 22:10:56
Última alteração:23/10/2008 21:06:58


AMOR, AMOR

Mas vou no vôo
Dos medos tantos,
Dos olhos tontos
Encantos espalhados
Pelos cantos da casa.
Desde que o vazio,
Oco, cego, sem rumo
Nesta embriaguez do nada;
Do vago, do quando e do talvez.
Solidão namora
E me toma pelas mãos.
Mãos! De que servem?
Os versos ocos,
O tempo pouco
A dor é tanta...
Ah! Se eu tivesse
Esperança!

Dor que corta
Não do que veio.
Do que não veio
Errando o veio,
O rio salga
Alaga e morre
Em mágoa.
Água desce,
Lagrimante vida
Amante espreita
E a perda total...
Publicado em: 20/08/2007 13:50:45
Última alteração:23/10/2008 20:38:59


AMOR, AMOR

Meu amor eu te confesso
Que gostei desta surpresa
Teu carinho eu já te peço,
Mas venha sem ter lerdeza
Meu amor eu nunca meço
Pelo tamanho da mesa,
Simplesmente quero ter
Teu jeitinho de princesa.

Todo dia de manhã
Na nossa cama, que festa,
Depois disso, nosso afã
Muito trabalho é o que resta,
Quando provei da maçã,
No meu coração; a fresta,
Na verdade foi um rombo,
Devastação na floresta!

Já faz tempo que te quero
Muitos anos que te adoro,
No teu amor me tempero,
Sem o teu amor eu choro,
Toda noite eu sempre espero
No teu corpo que decoro,
Teu prazer é meu prazer,
Meu amor eu não demoro.

Vou correndo te dizer
Desse amor que trago aqui
Tanta coisa por fazer,
Nesse amor eu me perdi
Eu só quero é te saber
Deitadinha bem aqui,
Para a gente mergulhar
Nesse amor que tenho em ti.
Publicado em: 23/08/2007 17:03:55
Última alteração:23/10/2008 20:39:07



AMOR, AMOR

Tanto amor que encontro em ti
Não me cansa de encantar
Acalanto que esqueci
Eu lembrei no teu cantar.

Minha vida que era pranto
Nunca mais eu pranteei
Desde que me vi no encanto
Que em teu canto eu encontrei.

Se viver fora um espanto,
Espantei o mal querer,
Neste canto me agiganto,
E jamais irei sofrer.

Meu amor, eu te adianto,
Te quero tanto pra mim,
Minha voz eu já levanto,
Vou cantando até o fim.

No telhado de amianto
Cobertura de sapê,
Qualquer que seja o recanto,
Em me encanto com você;

Minheirinha eu me levanto
E te tenho tanto amor,
Fica aqui, chega pro canto,
Deixa eu ser teu cantador!
Publicado em: 30/08/2007 20:15:01
Última alteração:23/10/2008 20:39:39



AMOR, AMOR

Rosas vermelhas,
Centelhas,
Espelham as rosas.
Moscas voando
Moças passando
Meu cadáver espera...
Meus cravos...
A rosa. Brigamos...
Morte/amores.
Quebranto...
Publicado em: 27/09/2007 19:15:12
Última alteração:23/10/2008 18:26:40



AMOR, AMOR

Seios
Sexo
Veios
Nexo
Anexos
Dois portos
Dois corpos
Um só.
Frente
Reverso
Versos
Vastidões
Vagas
Tempestas
E festas
Em frestas
E elevações.

Montes,
Encaixes,
Frondes
E fontes
Fornalhas.
Tesão.
Tensão
Alívio
Cio
Recrio
Universos.
Bocas
Línguas
Mares
Locas
Antigas
Promessas
Acesas
Em chamas,
Começas
Comelanças
Banquetes
E gozo.
Publicado em: 04/10/2007 17:54:21
Última alteração:23/10/2008 18:40:39




AMOR, AMOR

Felicidade é sonho, isso eu bem sei,
Não vivo de ilusões, tu sabes disso.
Da vida, as injustiças que encontrei
Tiram toda beleza e todo o viço.
Mas tenho, bem no fundo, uma criança
Que sonha haver um dia, uma mudança.

O verso que imagino mais perfeito
Já passa pelas mãos de quem sonhou
Num mundo tão cruel, falta o Direito,
Amor, palavra vã que me restou.
Só tenho, no meu peito, em temperança
Resquícios tão pequenos da esperança!
Publicado em: 19/12/2007 20:29:11
Última alteração:23/10/2008 08:59:47



AMOR, AMOR

Vem que espero / impaciente e aflita / Tantas lembranças / -
saudades... / Saudades que doem / machucam / criam feridas /
profundas / mas depressa cicatrizam / basta só o sol nascer./ Vem que
te espero / todo dia toda hora / ansiosa tão carente... / Porém quando
/ enfim chegares / te prenderei em meus braços / e jamais / hás de ir
embora

Vencendo tantos medos chego a ti,
Para dizer do quanto que procuro,
Na vida ser feliz. Do que senti
Tão logo vi teus olhos sobre o muro.
Nesse momento mágico vivi,
A claridade vívida n’escuro.
Sentidos fervilhando sem cansaço,
Meus braços mendigando teu abraço...

És maciez sonora , belo canto,
Embora nos acordes dissonantes,
Traduzem meus ouvidos, teu encanto,
Quisera concederes, cedo e antes,
Cristalina pureza, me agiganto
Quando mostras; canora voz, sublime...
Tua bela voz, lúdica, suprime...

Emanas um perfume delicado,
Qual rosas, num jardim celestial,
Bem quisera viver deliciado,
Minha dama da noite, vendaval
Fustigando a janela, vou; ceifado
De malícias, verter em bem, o mal.
Somente do suave olor que emanas,
Nos céus, vou construir nossas cabanas...

Tens o sabor dos lábios divinais,
Humana criatura não conhece,
Sentindo o paladar dos imortais,
Em ti, qual fosses deusa, numa prece,
Persigo tua boca, quero mais.
Devora-me e decifro, magistrais
Enigmas; soberana fantasia,
Poder sentir teu beijo, uma ambrosia...

Na pele delicada que te veste,
Sentindo a maciez dos teus cabelos,
Apalpo tantos rumos, leste e oeste,
Na maciez da cútis, são novelos
Feitos da pura seda, que reveste
Entre tantas, sublime em envolvê-los,
Teus seios recobertos de camurça,
Ao senti-los, meu tato tanto aguça...

Meus olhos, quando vejo tal beleza,
Insanos não conseguem enxergar,
Mais nada do que tenha a natureza,
Nem céu, nem as estrelas, nem o mar.
Escravos; são servis a ti, princesa,
Consegues a beleza embelezar.
Te vejo como náufrago sedento,
Sereia, tanto canto exposto ao vento...

HLUNA
ML
Publicado em: 31/12/2007 18:31:52
Última alteração:22/10/2008 21:30:11




AMOR, AMOR
Quem canta, agora ?

Alguém que vive,
sobrevive ...
Ama,
canta
e encanta ...

IVI



Teu corpo desnudando, teus cabelos,
Desejos me invadindo vêm com tudo,
Teus seios delicados, posso vê-los
Roçando tua pele de veludo.

Sentindo de teu sexo raros pêlos,
Também neste momento eu me desnudo,
Carinhos que ofereço, ao recebê-los,
Não deixam nem mais tempo para estudo.

Tanta vontade chega e já te eriça,
Espasmos chegarão e repetidos,
Demonstram claramente esta cobiça

Que toma nossos corpos num desejo,
Rendidos aos clamores dos sentidos,
Adentro ao paraíso que eu almejo...
Publicado em: 25/03/2008 22:11:23
Última alteração:21/10/2008 22:06:38


AMOR, AMOR
Não quero um amor que afronte
Nem tampouco me amedronte
Quero beber dessa fonte
Que me traga um horizonte,
Que não me faça desmonte,
Que me eleve para o monte
Refletindo em minha fronte,
Mas que nunca me confronte.
Amor que sempre se conte,
Nem que toda a dor desconte,
Seja amor que se desponte
Que passe por toda a ponte
Mas que nunca a dor apronte.
Tamanho dum mastodonte,
Que os prazeres não reconte
Que minha vida remonte,
Que o mais lindo sonho monte
Dos prazeres, minha fonte...

Publicado em: 19/04/2008 15:11:55
Última alteração:21/10/2008 13:12:21




AMOR, AMOR

Um sonho sem limites
Em meio à cordilheira,
Beirando o precipício
Beijando o infinito.
A queda
A ascensão
O vôo
O mergulho.
As névoas
Preconizam
A eternidade
Do fim...
Publicado em: 22/05/2008 15:20:34
Última alteração:21/10/2008 06:32:17




AMOR, AMOR
AMOR, AMOR

Mas vou no vôo
Dos medos tantos,
Dos olhos tontos
Encantos espalhados
Pelos cantos da casa.
Desde que o vazio,
Oco, cego, sem rumo
Nesta embriaguez do nada;
Do vago, do quando e do talvez.
Solidão namora
E me toma pelas mãos.
Mãos! De que servem?
Os versos ocos,
O tempo pouco
A dor é tanta...
Ah! Se eu tivesse
Esperança!

Dor que corta
Não do que veio.
Do que não veio
Errando o veio,
O rio salga
Alaga e morre
Em mágoa.
Água desce,
Lagrimante vida
Amante espreita
E a perda total...
Publicado em: 06/01/2009 13:54:05
Última alteração:06/03/2009 12:08:46

AMOR, AMOR, AMOR ///

Deixo que me ames.........
Que em ti me sintas...
As minhas mãos nas tuas..
Guardiãs dos teus segredos...
Rosto dos teus desejos...
Deixo que me deites...
Num lençol de palavras...
E nele embrulhes os meus gemidos..............


Na tinta da caneta ou no teclado
Palavras que dedico, verdadeiras,
Falando deste amor iluminado
Moldado em noites claras, feiticeiras.

O corpo da mulher tão desejado,
As noites guardiãs são costumeiras
E o tempo com certeza traz ao lado
Promessas e carícias, cama, esteiras.

Deitando as minhas mãos, passeio lento,
E rondo cada parte, mais audaz.
Amor vem sussurrando pelo vento

E com felicidade sempre traz
O verso que entorpece o sentimento
Que explode em alegria e satisfaz...

MARTA TEIXEIRA
MVML
Publicado em: 15/08/2007 11:36:24
Última alteração:05/11/2008 15:46:10



AMOR, AMOR
Ilusões transformadas nos jardins
Que tento semear nesta esperança.
O vento que te trouxe já me alcança
Lembrando dos tropeços e dos fins...

Meu triste sol morrente sem futuro,
Furtando a claridade de uma lua
Parece que a tristeza continua
No templo das promessas, mais escuro...

Porém as ilusões, asas partidas
Esperam mais um dia pelo vôo.
Que nada... Tanta dor que não perdôo
Morando em nossas casas divididas.

O mar que se arrebenta feramente,
Em todas as falésias dos meus sonhos.
Repete esses momentos mais tristonhos
E quebra em suas ondas totalmente
As ilusões que teimam resistir.
A vida, mais teimosa, não quer ir
E dorme em minha cama, tristemente...
Publicado em: 09/01/2009 15:39:39
Última alteração:06/03/2009 07:33:11


Amor...

Não feito de palavras frias...
E vazias...
E sem nexo...
Te confesso...
É o que sinto...

Torpor de absinto...
Me inebria...
Me aquece,
E me lança,
Revelar-te...
Sem temor...
Nenhum pudor...
Que sou feliz...
A viver o nosso amor!

Porque quiseste,
Sem fazer testes...
Fidelidade, nasceu de uma confiança, mútua!
Em amor de verdade...

Sou tua, e não sou sua dona...
Me amas e apenas te limitas ao convite
De permanência na felicidade que nos toma...

Abraça-me...
Sente comigo, o coração pulsar maravilhado...
Fica ao meu lado...
Acredita, sempre...
Eu te amo, meu amado!

Vibrando em nossos corpos o desejo
De sermos incontidos, sem espaços.
As bocas se buscando em louco beijo
Os pés vão caminhando o mesmo passo...

Não tenho mais pudores nem mais pejo,
Eu quero o teu carinho sem pedaços,
Inteiro da maneira que prevejo.
Deixando pelos céus os nossos traços...

Sair contigo à noite, viajar
Pelas estrelas tantas neste céu...
Depois no templo belo desfrutar

Toda delícia em forma de carinho...
Deitar-te em minha cama, tiro o véu...
Fazendo de teu corpo, altar e ninho...

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 28/09/2007 16:56:58
Última alteração:04/11/2008 13:10:10


AMOR, AMOR, AMOR...


Teus braços carinhosos me envolvendo
À noite tuas pernas me agasalham,
O fogo da vontade num crescendo
Nossos corpos desnudos já se atalham
E sentem o prazer nos percorrendo,
Decerto estes desejos nunca falham
Permitem que se beba do rocio
Que emana da mulher, a deusa em cio...
Publicado em: 10/11/2007 10:51:10
Última alteração:23/10/2008 17:09:43



AMOR, AMOR..

Amor é sentimento valoroso,
Tantas vezes cruel, duro e sutil,
Em outras; delicado e prazeroso,
Benfazejo, risonho e gentil.
Mas sempre, com certeza, glorioso,
Mesmo para quem teve e já partiu,
Tocado pelas dores e tormentos,
Trazendo inesquecíveis, bons momentos...
Publicado em: 18/10/2007 17:15:33
Última alteração:23/10/2008 19:57:29



AMOR, AMOR..

Amor bate no meu peito
Faz bagunça e me abandona.
Será que tem o direito
De fazer tamanha zona?

Eu sou quase um passarinho
Que prefere uma gaiola
Já não sei viver sozinho,
O teu canto me consola.

Vem comigo, moreninha,
Vamos fazer arruaça,
Tua boca sendo minha,
O teu corpo, uma cachaça.

Viciado no teu beijo,
Não me canso de beijar,
Vem matar o meu desejo
Venha logo namorar...
Publicado em: 03/10/2007 17:42:38
Última alteração:23/10/2008 21:07:39


AMOR, AMOR..

Amor que tantas vezes foi meu mote
Por mais que me maltrate o coração
Perdendo o mel quebrando o velho pote,
Traz assim mesmo toda uma emoção
Não deixe que este amor assim se esgote,
Pois nele vejo a minha redenção.
Fazer de cada verso uma esperança
Da vida em plenitude e temperança.
Publicado em: 11/12/2007 18:04:28
Última alteração:23/10/2008 09:47:31



AMOR, AMOR, AMOR /


O amor chegou de repente
quando, já, não esperava.
Tomou-me o corpo e a mente,
invadiu a minha casa,
foi entrando sem licença,
se acomodou á vontade.
É amor ou é doença?
Nem sei dizer, na verdade.
Porém encheu de luz o meu dia,
trouxe cor, trouxe alegria
onde antes nada havia
- preencheu os meus espaços.
Me domina o tempo inteiro,
amor lindo, feiticeiro,
me cativa nos seus braços
sussurrando bem baixinho,
ao meu ouvido, carinhos,
jamais, nunca, imaginados.
Deita-te, então no meu leito,
te aconchega ao meu peito.
Esse é o amor que hei sonhado


Amor chegou depressa
E trouxe em festa plena
A lua mais serena,
Perfeita fantasia,
Do quanto que me resta
Cantar em poesia
Amor que se empresta
Em laivos de alegria.
Não deixe que este amor
Que é feito de benesses
Nos sonhos que confesses
Nas noites que se chegam,
Meus braços já navegam
Teus portos mais seguros.
Libertos dos temores
Trazendo bons augúrios
Serei o que tu queres
Serás somente minha,
Mulher entre as mulheres,
De todas; a rainha.
Meu verso te procura
Ternura e sedução,
Matando uma amargura
Adoça o coração...

HLUNA
MVML
Publicado em: 31/10/2007 20:21:50
Última alteração:03/11/2008 18:21:30


AMOR, AMOR, AMOR /

Só pelo amor eu te amo
Mais que sonho, uma ventura
Afago-te na alegria
De ter-te meu doce amante...

Nesses beijos delirantes
Sabor de mel, doce vinho
Te entrego meu carinho
E te tatuo em meu peito...

Neste leito em poesia
A ti me dou sem reserva
No amor que se observa
Em meu olhar só magia...

Magias que emolduram teu olhar
Singrando em calmaria a noite imensa,
Desejo que se mostra ao desnudar
Vontade que terá por recompensa
Prazer tão valioso a se buscar
No corpo de quem amo em chama intensa.
Fazendo de nós dois em alquimia
A conjunção perfeita, poesia...

ANA MARIA GAZZANEO
MVML
Publicado em: 05/11/2007 21:05:46
Última alteração:31/10/2008 17:40:29


AMOR, AMOR, AMOR /

Amada que imortal resistirá

Às pedras, duros cardos do caminho,

A luz que eternamente brilhará

Permite que imagine bem mansinho

O dia que decerto nascerá

Proliferando amor em cada ninho.

Desejo a rosa bela e sensual

Da amada que hoje sei ser imortal!


Poeta! Somente quem amar sentirá
A força para retirar as pedras do caminho,
A luz e o sal da terra do mundo será
Despertando os corações em desalinho
Em cada amanhecer o sol brilhará
Renovando o amor no êxtase e no carinho.
Desejo o verso de amor substancial
Do poeta que hoje sei ser imortal!


MARCOS LOURES
AMADA IMORTAL
Publicado em: 22/11/2007 16:50:57
Última alteração:31/10/2008 13:36:31



AMOR, AMOR, AMOR -


Que seja este meu verso
O braço do amor,
De quem te ama tanto,
Levando-te calor...

Que seja mero espelho
Do amor que te devoto...
E deste meu sorriso
Se torne rara foto...

Que espelhe a alegria,
Que linda poesia,
Tornou eterno encanto,
Te amar todos os dias...

Não nego o quanto quero estar contigo
Porém há tantas coisas por dizer.
Do sonho que desejo e que persigo,
Querida; proibiram meu prazer!

Mas faço deste verso qual castigo
A quem não quer deixar sequer viver.
Se eu tenho a sorte imensa como abrigo
Não há quem desobrigue o meu querer.

Não posso mais falar sequer desejo.
Mas quero desfrutar deste pomar.
Sentido figurado: do teu beijo

Eu quero penetrar em raro altar.
Se a poesia exige algum traquejo
Não quero mais sozinho poetar...

ANA MARIA GAZZANEO
Marcos Loures
Publicado em: 17/07/2007 17:53:10
Última alteração:05/11/2008 19:26:45


AMOR, AMOR, AMOR --

Queria ser novamente uma adolescente
Para contigo planos fazer
Sonhar com uma casinha rodeada de varandas
Com crianças no jardim a correr
Sim, seriam nossos filhos
Frutos de um lindo amor
Que em tardes maviosas e quentes
Fizemos com muito ardor
Quatro, cinco, seis
Depende da imaginação
Mas se tu preferisses
Poda ser até um timão.


Se em cada tarde quente e maviosa
Em que entornamos todas as vontades
Nascesse um botão sequer de rosa
Um roseiral imenso em saciedades.

Tornando nossa vida mais gostosa
Sabemos conquistar felicidades.
Deliro quando sinto que se goza
Deste furor intenso em que tu ardes.

E neste roseiral, a primavera
Viria com eterna juventude
E sem pedir licença, sem espera

Transformaria a vida em redenção.
Tomemos, pois, querida, uma atitude
E vamos novamente, em explosão...

GELIS
Marcos Loures
Publicado em: 21/07/2007 09:38:09
Última alteração:05/11/2008 18:33:32





Foi na curva já,
De um caminho extremo,
Que eu te encontrei...

Briguei com você,
Para ter a chance,
De entrar na tua vida...

Não sabe você,
Mas esta história atrevida...
Valeu só porque,
Não sendo reconhecida,
Por você,
Não me dei,
Por vencida...

Gritei a injustiça...
Pedi mil desculpas...
Fiz você acreditar,
Que eu era sua amiga...

Dei um tempo,
Para que o próprio tempo,
Me revelasse em tua vida...

E então te falei,
Da magia deste amor por ti,
Que me envolvia...

Verdade soberana,
Em minha vida...
Que você desconhecia...

Mas foste tu, amor...
Grande alegria!

O homem amado,
A descortinar,
Ao meu olhar
Toda a beleza desta vida...

Oxalá, eu fosse um dia,
A musa em sua poesia...

Por causa do amor,
Que trago no meu peito,
Em brasa viva...

Como para mim,
O fostes, um dia...
A causa mais sincera
E verdadeira,
De toda a alegria,
De em minha vida!

E este amor,
Que te trago,
Em minhas mãos...

Sem ilusão de um dia,
Quimera se tornar...

Vou a eternizar,
Com o meu canto...

Tua presença amada,
Em minha alma...
Trazendo festa, rebuliço, fantasia...
Em belos dias...
Te amoooooooooo!


Vieste em calmaria e tempestade
De um jeito tão sutil, alucinante.
Bebendo desta fonte da verdade
Tornando nosso o canto deste instante.

No campo, no quintal ou na cidade,
O verbo conjugado delirante,
Em todos os momentos de saudade,
Amor que se fez belo, amigo, amante...

Depois de certo tempo, mais presente,
Às vezes com as garras afiadas,
Amar foi se tornando de repente

Urgente em nossas vidas, nosso canto.
As bocas se procuram, ‘stão molhadas
Na busca mais concreta deste encanto...

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 31/03/2007 07:58:07
Última alteração:06/11/2008 10:22:26


AMOR, AMOR, AMOR

Um passarinho canta de manhã
Trazendo uma esperança de alegria,
A vida se passando neste afã
Não ser somente um canto em fantasia...

Ao ter-te aqui comigo, sou feliz,
Meu canto se transborda tão contente
Agora já consigo o que mais quis

Meu verso se encantado pede mais
Do amor que é tão imenso e só da gente,
Te peço; por favor, não vá jamais...
Publicado em: 16/08/2007 22:25:37
Última alteração:23/10/2008 21:06:42


AMOR, AMOR, AMOR

Correndo na manhã
Bebendo cada raio
Do sol que se anuncia
Num horizonte claro,
Desta aquarela faço,
Pintando traço a traço
O sonho da menina...

Nas cores deslumbrantes
Matizes não repetem.
O corte cicatriza
Ferida já se esquece...
O primeiro batom,
O beijo imaginário,
Vermelho carmesim...

Os olhos deste amor
Que não chegou ainda
No céu fazendo espelho
Refletem medo e mar,
Vontades tão azuis,
Sangue, olhos e sonhos...
Publicado em: 26/08/2007 21:39:09
Última alteração:23/10/2008 20:39:15


AMOR, AMOR, AMOR

Perdoe se ao arrancar meus olhos
E expor minhas vísceras
Eu te assuste.
Matando o cavaleiro
Deixando a princesa
Sem reino e sem véu.
Sem céu e sem promessa
Às avessas do que pensas.
Sou pobre, podre e frágil.
As garras afiadas
Escondem o nada
Protegido pela farsa
Do verso que não creio.
Cerzindo em fios de ouro
Tecendo em falso brilho
Não creio no amor
Nem tampouco na esperança.
Baldeio com palavras
Cidades tão distantes
Aonde não entrei.
Vedada minha entrada
Um mundo imaginei.
De tudo restou nada,
O nada que me habita
E aloca-se profundo.

Amargos tragos
Bebi da vida,
O não repetido,
Redemoinhos...
Moinhos de esperanças
De amores que não sei.
Jogado nos esgotos
Da cidade,
Da ansiedade
Felicidade?
Abandono...

Perdoe se me mostro por inteiro
E isso pode causar nojo.
A podridão do vazio
Do morto há tanto tempo,
Esquálida vontade,
Armadura feroz.
No fundo o oco, o vago.

Falemos do amor,
Do lirismo, da flor
Do jardineiro
Que só conheceu o adubo.
Amar demais,
De mais a mais
Nada além
Do trem descarrilado
Capotado nas curvas
Da desilusão...
Publicado em: 06/10/2007 14:07:22
Última alteração:23/10/2008 18:42:02


AMOR, AMOR, AMOR
Amor que em flórea estrada nos transforma

E vence qualquer força ou tempestade.

Refaz a vida em glória e nos compele

Ao canto mais sublime: liberdade!



Eu quero estar além de um simples cais

De um corpo tão somente em fantasia.

Amar é ser depois da eternidade,

E ter estrela pura que se guia



Buscando o beneplácito da sorte

Alçando uma concórdia que, suave,

Ressoe em consonância e nos leve

Ao infinito encanto sem entrave...
Publicado em: 07/04/2008 13:35:19
Última alteração:21/10/2008 20:00:29





AMOR, AMOR, AMOR
Estrelas fazem ronda
Adentram na janela
Seus brilhos me tocando
Amor, dos barcos vela
Velando o meu passado
Repasso o que sentia
Um passo que se perde
Escasso amor dizia
Refaço o meu caminho
Aninho-me em teus braços
Abraços e cansaços
Os olhos que tão baços
Disfarçam, não conseguem,
Estrelas no meu quarto
Forrando o coração...

Publicado em: 30/07/2008 11:59:25
Última alteração:19/10/2008 21:53:24



AMOR, AMOR, AMOR
Amor comanda a minha alma
E sempre me desengana
A minha alma soberana
Já está perdendo a calma.

Amor sempre sem razão,
Não me deixa um só segundo,
Vou me perdendo, no mundo,
Em busca de um coração.

A minha alma tem pavor,
Pois sabe que nunca vejo
Esse amor do meu desejo.
Que livre essa alma do amor!
Publicado em: 15/09/2008 22:03:07
Última alteração:17/10/2008 13:46:29


AMOR, AMOR, AMOR
Como é difícil compreender-lhe amor,
Envolto nessas brumas da saudade,
Procuro nos seus rastros a verdade
E nunca me percebo em seu favor.

Nega-me a claridade, sem motivos,
Mas busco em sua luz a minha própria
Minha alma parecendo ser imprópria
Aos favores de amores emotivos.

Nos segredos de minha alma não sabia
Que amor não poderia visitar-me
Tampouco caberia revelar-me
Essa luz que só nasce em fantasia.

Estava tão guardado no meu peito
Em cofres que não guardo seus segredos,
Não sei se decifrando seus enredos
Consiga ter amor como um direito.

Vencido pelas noites sem amor
Cansado desta luta mais inglória
Pressinto que, afinal, sem ter memória,
Amor se tornará meu desamor.
Publicado em: 16/09/2008 13:20:30
Última alteração:17/10/2008 13:48:44


AMOR, AMOR, AMOR. /


Contemplo os albores
De belo sol
Em tua face iluminada
E tenho a alma encantada...
Brilho que me seduz
Em mágico reflexo
Faz meu ser reluzir..
Você em mim
Eu em você
E toda a doçura do amor a envolver-nos...
Divinal visão que me alucina...

Reflexos de teus olhos
Em brilho sem igual,
Amores quando em molhos
Num lance sensual

Realce sedutor
Em verso mais audaz,
Vivendo em teu calor
Prazer que satisfaz

No riso mais preciso,
Na boca mais gostosa
Adentro o paraíso
Em noite mais fogosa,

Amor sem ter juízo,
Sem espinhos, a rosa...

ANA MARIA GAZZANEO
MVML
Publicado em: 08/09/2007 18:18:37
Última alteração:04/11/2008 18:40:12


AMOR, AMOR, AMOR.


Amor mais perfeito
Te oferto em meu leito
Meus sonhos te entrego
Meu corpo não nego

Em chamas, ardor...

Em carícias e beijos
Cedendo aos desejos
Contigo eu prossigo
Rumo ao infinito

Deste louco amor...


Deitando em teu leito
Amor mais voraz
Estar satisfeito
Mas querendo mais.

Mansinho, com jeito,
Amor que me traz,
Carinho perfeito,
Corajoso, audaz.

Carícias e beijos,
Vulcão, relampejos
Querendo te ter,

Demais, teu prazer,
No gozo, sedento,
Amor violento.

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 25/06/2007 22:26:18
Última alteração:05/11/2008 20:45:11


AMOR, AMOR, AMOR..
Se lembra quantas as vezes que te chamando você não veio?
Se lembra quantos os abraços e beijos que guardei só pra você?
Se esqueceu quantas as horas que fiquei te olhando,te esperando,
perguntando por você às estrelas e pedindo à lua que te iluminasse?
Pois meu coração continua assim, te chamando, te perguntando, te
esperando e te beijando, tanto te amando!

TUES

Meu corpo se acoplou na tua pele
Em gemelares sonhos somos um.
Depois de tantos medos, sou cativo.
Eu não te deixarei de modo algum.

Recebo o doce vento do desejo
Batendo no meu rosto, acalentando.
Amor que nos redime e me sustenta;
Encontra-me feliz, e levitando...
Publicado em: 15/05/2008 19:07:16
Última alteração:21/10/2008 18:32:15


AMOR, AMOR, AMOR..
Amor tanto machuca após prometer cura.
A noite na minha alma é sempre tão escura.
Não tendo teu carinho, espero teu perdão.
A lua no meu peito aguarda a escuridão.
Meu verso te dedico, espero teu carinho.
Não posso mais ficar nem quero ser sozinho...

A vida me deixou num canto, tão sozinho.
Na boca que me morde aguardo minha cura;
Eu que jamais esqueço um ato de carinho;
Por mais que seja estranho, espero a noite escura.
Sou como pirilampo, adoro a escuridão.
Por isso minha amada, entregue-se ao perdão!

Quem passa pela vida em busca do perdão,
No fim de seu caminho, encontra-se sozinho.
Quem busca neste sol, imensa escuridão,
É como quem procura a dor pensando em cura.
A luz tanto incendeia a noite mais escura
Quanto esta alvorada, imersa em teu carinho.

Eu quero o teu amor, em forma de carinho,
Aguardo assim, querida, um laivo de perdão.
A profundeza da alma está, sem ti, escura.
Cansado desta estrada, andando tão sozinho,
Espero pela amada, a certeza da cura...
Quem sabe inda tenha, a luz na escuridão?

A tempestade chega em plena escuridão.
A lua vai embora, esperava um carinho
De estrela enamorada, a dor negou a cura.
A noite nebulosa, em raios, sem perdão,
Avisa à pobre lua. Um cometa sozinho,
Passa, qual fora um raio, em plena noite escura.



Assim é meu amor, saudade tão escura
Em busca do teu beijo, encontro escuridão.
Melhor morrer assim, sem nada, tão sozinho...
Sem sonho que me traga, amor, calor, carinho.
Eu sei nunca darás, o dom do teu perdão...
A minha lua morta, esparsa-se, sem cura...


Cura é um mero sonho, a vida é breve, escura...
Perdão simples palavra em plena escuridão.
Carinho nunca tive, agora vou sozinho...
Publicado em: 22/09/2008 16:52:47
Última alteração:02/10/2008 19:35:01



Fornalhas
Acesas
Presas
Expostas...
Garras e dentes
Urgentes vontades.
Roçando lábios
E bocas,
Tocas...

Sombras
Escuras
Em
Meio Tombos
A Escadarias a
Tantas o
C
HÃO.

Den es
T
Quebrados e
Sonhos também...

Amor fez a festa
Amor não contesta
Entesa este tese
A presa se prende
Amor reacende
A chama
A lama
A trama
Otimiza.

E traz outro caos
Pereço sem cais
Se sou nada mais,
Amor me compraz
E traz outro cais...
Publicado em: 25/09/2008 19:19:00
Última alteração:02/10/2008 14:36:27



AMOR, AMOR, AMOR... xvii


Amor vai se elevando sobre a Terra,
Além do que eu pensara; imaginário
Sonho aonde esta glória assim encerra
Um canto mais audaz e necessário.
No amor a solução pra triste guerra,
Vencendo em calmaria um adversário
Que contra a sua força não podia
Entregue sem defesas, fantasia...

Invade pelos mares, ganha a areia,
Renova em alegria uma jornada,
Na praia da esperança se incendeia,
A sorte de viver é desejada,
Amor vai penetrando pela veia,
A nossa alma se deixa ser tomada,
Pelas garras felinas deste sonho,
Trazendo um canto nobre e mais risonho.

Andando pelas sendas arenosas
A cada novo passo me acenando,
Embora em cada curva perigosa,
Em loucas sensações, já me incitando,
Amor numa alma pura e generosa,
Aos poucos vai mais forte rebrilhando,
No passo deste amor, ando ligeiro,
De todos os meus sonhos, o primeiro...

Do amor em plenitude, eu sou amante,
Caminho sem ter dúvida esta estrada
Que segue sem temores para diante,
E forte no meu peito sempre brada,
Mostrando uma alegria a cada instante,
E a vida já trazendo iluminada.
O canto deste amor me contagia,
Clareia em luz intensa cada dia...

O brado feito amor já se levanta
Espalha sobre a Terra um bem profundo,
A dor para bem longe, amor espanta,
Mudando a minha sorte num segundo.
Minha alma extasiada, assim se encanta,
Nas águas deste amor, enfim me inundo,
E canto meu futuro venturoso,
Tocado pelo amor em pleno gozo...
Publicado em: 20/10/2007 13:57:35
Última alteração:23/10/2008 19:57:33


Tua presença amada já cintila
Trazendo tua imagem tão tranqüila
Reflexo do luar numa esplanada.

Te quero em cada verso que dedico
Amor que sempre foi de amor tão rico
E traz de manhã cedo uma alvorada.

Amor que perpetua-se em afagos
Na calmaria eterna destes lagos,
Pedra filosofal d’uma esperança.

Dourando meu caminho pela vida,
Curando toda dor, toda ferida,
Atando nossos sonhos, aliança.

No rio que se entrega em mansa foz
Aos braços deste mar que sei feroz,
E dorme descansando em fria areia,

Amor que sempre acalma, traz brandura,
Encanto verdadeiro de ternura
Deitando neste mar, em lua cheia...
Publicado em: 24/02/2007 17:06:32
Última alteração:23/10/2008 21:01:49



AMOR, AMOR, AMOR...

Ok!
Vc sabe que tb te amo.
Blz.
Naum pense d+ que o tempo
Passa.
E a gente tb.

Abçs, bjs, risos...
A festa continua.
Coração de velho baladeiro
Se perde nas raves,
Nos bares
E na night.

Tomando um birinight qualquer
Aguardo a rebordosa
Que sei que virá.

Andei embucetado vida afora
Mas, de repente o tempo passa.
Aí é fd.

Já dei um rolé por aí.
Encontrei a gata dos meus sonhos...

- E aí bicho?
- Rolou?
Que nada.
Vai ter que ficar em casa.
Os netos estão passando
Um findi com ela...
Publicado em: 16/08/2007 10:04:20
Última alteração:23/10/2008 21:06:38



AMOR, AMOR, AMOR...

Amor tanto machuca após prometer cura.
A noite na minha alma é sempre tão escura.
Não tendo teu carinho, espero teu perdão.
A lua no meu peito aguarda a escuridão.
Meu verso te dedico, espero teu carinho.
Não posso mais ficar nem quero ser sozinho...

A vida me deixou num canto, tão sozinho.
Na boca que me morde aguardo minha cura;
Eu que jamais esqueço um ato de carinho;
Por mais que seja estranho, espero a noite escura.
Sou como pirilampo, adoro a escuridão.
Por isso minha amada, entregue-se ao perdão!

Quem passa pela vida em busca do perdão,
No fim de seu caminho, encontra-se sozinho.
Quem busca neste sol, imensa escuridão,
É como quem procura a dor pensando em cura.
A luz tanto incendeia a noite mais escura
Quanto esta alvorada, imersa em teu carinho.

Eu quero o teu amor, em forma de carinho,
Aguardo assim, querida, um laivo de perdão.
A profundeza da alma está, sem ti, escura.
Cansado desta estrada, andando tão sozinho,
Espero pela amada, a certeza da cura...
Quem sabe inda tenha, a luz na escuridão?

A tempestade chega em plena escuridão.
A lua vai embora, esperava um carinho
De estrela enamorada, a dor negou a cura.
A noite nebulosa, em raios, sem perdão,
Avisa à pobre lua. Um cometa sozinho,
Passa, qual fora um raio, em plena noite escura.



Assim é meu amor, saudade tão escura
Em busca do teu beijo, encontro escuridão.
Melhor morrer assim, sem nada, tão sozinho...
Sem sonho que me traga, amor, calor, carinho.
Eu sei nunca darás, o dom do teu perdão...
A minha lua morta, esparsa-se, sem cura...


Cura é um mero sonho, a vida é breve, escura...
Perdão simples palavra em plena escuridão.
Carinho nunca tive, agora vou sozinho...
Publicado em: 08/10/2007 21:37:36
Última alteração:23/10/2008 20:45:21

AMOR, AMOR, AMOR...

Qual harpia em sobrevôo
Procurando pela caça
Gavião batendo as asas,
Nem de longe mais disfarça
Não sou presa que tu queres,
Nem também sou tão gentil,
Resta um pouco de esperança
Deste amor em meu cantil.
Gargalhando em cada curva
Covas abres sob os pés,
Turvas águas que não bebes,
Mas depressa, de viés,
Numa soma multiplica
Toda a força da vingança
Não sou urze no caminho
Nem sou pedra que se lança
Ao espaço sem destino,
Sou moleque, eu te garanto,
Que o amor que tu me deste,
Na verdade secou pranto.
Rego o rogo que não trazes
Nos canteiros sem adubos,
Meu amor se dilaceras
Açucarando teus cubos.
Cubro os olhos de vergonha
Mas de novo vou contigo,
Travesseiro perde a fronha,
Toda noite é um perigo!
Publicado em: 10/10/2007 21:53:41
Última alteração:23/10/2008 18:46:19

AMOR, AMOR, AMOR...


Amor quando em desejo mais aceso,
Trazendo esta mulher maravilhosa,
Vislumbra com certeza em fogo teso,
Delícia que nos toca mais gostosa,
Sentindo sobre mim teu doce peso,
Te quero assim audaz e tão fogosa.
Bebendo desta luz tão deslumbrante
Eu quero o teu prazer a cada instante...
Publicado em: 01/11/2007 22:20:09
Última alteração:23/10/2008 18:54:35






AMOR, AMOR, AMOR...


Moleque traquinas
Esquinas e ruas,
Nas nuas lembranças
Nas danças profanas,
Alcanças nirvanas.
Amor com traquejo
No beijo sacana
Na boca sedenta
No vento que toca,
Recolho teus gozos
E gonzos e guizos
Sorrisos e cios
Criando o incrível.
Moleque safado
Deixando de lado
O tempo passado
Não tem solução.
Quer logo o futuro
Saltando este muro
Caindo no chão.
Amor faz das suas
Sincera aguardente
Cravando seus dentes
Crivando estas garras
Amor sem ter travas
Nas trevas se embrenha
Esquece da senha
E faz tempestade.
Amor na verdade
Sem rumo e sem nexo,
Vagando o teu sexo
Se faz tentação.
Renega o teu não
E nada se cria,
Amor fantasia
E traz solução...
Publicado em: 02/11/2007 21:14:32
Última alteração:23/10/2008 19:55:52



AMOR, AMOR...

Mal sabes dos brinquedos do moleque
Que faz neste meu peito um tiro ao alvo.
Aos borbotões caminhos traz em leque,
Em todos eles, sigo e já me salvo
Das dores insensatas da amargura,
Maltrata enquanto trata, mata e cura.

Trazendo o coração em sobressalto,
Prenúncio de um infarto ou de um derrame.
Às vezes quer plantar em quente asfalto
Em outras predispõe sempre ao vexame.
Que faço com as flechas deste arqueiro?
Garoto tão traquinas, feiticeiro...
Publicado em: 19/12/2007 14:25:48
Última alteração:23/10/2008 07:27:55


AMOR, AMOR...

Vejo os sonhos congelados nas estepes da minha alma.
Entre as ruínas do que fui
Percebo os dilúvios do vazio
Esgueirando pela porta entreaberta.
As luzes expondo cada marca
cicatriz ou nódoa que carrego
entre os escombros da noite
permitem o regresso à treva uterina
abandonada há tempos.
Meus dedos seccionados, rasgados
E jogados pelas esquinas entre espinheiros
Sangram e buscam os restos de sol.
Outono e primavera se confundem,
Porém os destinos diversos impedem
O passo incauto e desnecessário.
Com o pulso cortado adentro o crepúsculo
E sinto a aragem da noite me esbofeteando.
Noite derradeira sem esperanças de alvorada.
No ácido que escorre pelas minhas veias
Apenas o final, último capítulo.
Ultimo e capitulo, sigo esmo e mesmo assim
Persisto.
Galáxias derramadas sobre os mares de lava
Prenunciando a seca eterna ou, quem sabe,
O retorno à treva uterina...
Publicado em: 21/12/2007 16:48:46
Última alteração:22/10/2008 22:55:33


AMOR, AMOR...

Prazer: te conheci?
Talvez foste moleque
Meu leque não pedi
Emblemas poemas
E temas tremas
Lemas lesmas...
Mesmas palavras.
Larvas e lavras
Sal lavas.
Salivas...
Ogivas
Giras.
Iras
Miras
Martírios;
Muito prazer!
Não há de quê
Amanhã não amanheço;
Prazer; eu te conheço?
Publicado em: 03/01/2008 16:33:13
Última alteração:22/10/2008 21:27:58




AMOR, AMOR...

Amor chega sorrateiro...
Menino traquina que não tem juízo
Esse danado do amor!
A gente estende o coração
No varal
E... Já era!
Vem um formigamento,
Uma vontade de ver
Vai ver. Amor!
Depois se vire com ele
Anorexia, saudade
Malemolência
E, se bobear
Demência...
Aí chama o corpo de bombeiros
A guarda municipal
E a turma do deixa disso.
Mas o coração atiço
E a fogueira se renova...
Publicado em: 25/12/2007 12:59:20
Última alteração:01/01/2008 12:32:58


AMOR, AMOR...
Muié feita traíra
Traindo o meus amô,
Riscando pulo cé
Seu canto matadô

Ansim vai machucano
Quem só quiria u bem,
Agora vô cantano
Na vida sem ninguém

Tumara que dê tifo
O peste das danada
Só prá pudê marcá
A cara disgramada

Que veiu me traino
E me dexô sozinho,
A seca vai cumê
Arregaçá seu ninho.

Seus óio vai cegá
Pra mode mais num vê
Vancê cum esse cabra
Jamaiz vão tê prazê;

Nem mêmo vai tê luz
Eu vó robá a tocha,
O hôme vai ficá
Dismilinguido e brocha.
Publicado em: 05/04/2008 08:04:48
Última alteração:21/10/2008 17:00:24



AMOR, AMOR...
Amor, poesia
Amor desencanto
Fazendo meu canto
De novo brotar.
Amor é “combate
Que os fortes abate”
Mas vale lutar.

Amor, esperança
Que sempre me invade
Pois nunca se é tarde
P’ra de novo amar.
Amor é promessa
De nova remessa
De novo sonhar.

Vencendo, me perco
Nos braços felizes
De tantos matizes
Mal posso esperar
Que amor sempre traga
Uma doce adaga
Que possa matar.

Amor sem ter medo
Lua prateada
Que traz minha amada
A cada luar.
Amor é meu sonho
Que, sempre risonho,
Eu vivo a sonhar.

Amor, meu segredo
Tenho-te querida
A força da vida
Sem medo a lutar
Não temo mais morte
Amor me faz forte
Sem nada esperar.

De tudo que tenho
Na vida sem medo,
Não faço segredo,
Eu vou te contar:
Não temas a vida
A força querida
É sempre te amar!
Publicado em: 17/04/2008 14:33:57
Última alteração:21/10/2008 18:27:39



AMOR, AMOR... //

Pra mim tu és o sol que ilumina
o dia mergulhado em densa treva.
É música sacrosanta, é divina,
me envolve, em suas asas me leva.

Te entrego o meu corpo perfumado,
que tocas num harpejo sedutor.
Te amo sem ter culpa ou pecado,
abençoado, sei, é este amor.
Ternura se derrama no meu beijo,
que faz mais aumentar nosso desejo.


Eu quero cada vez mais forte, intenso,
Amor que se faz belo e resistente.
Fazendo nosso mundo mais contente
E o dia se acalmando, menos tenso...

Eu quero nosso amor que não termina
Jamais derrama lágrimas de dor.
Da pura fantasia, doce mina
Trazendo para a vida o resplendor

De um sol que vai nascendo bem mais forte,
Da lua que se entrega sem limites.
Eu peço que tu venhas e acredites

Na mansa sensação que nos comporte
De um mundo mais alegre e mais feliz
Vivendo da maneira que se quis...

HLUNA
Marcos Valério Mannarino Loures
Publicado em: 05/08/2007 21:10:36
Última alteração:05/11/2008 17:08:31


AMOR, AMOR... /

Quero beber da fonte que inspira
Todos poetas que beberam nela
E tendo minha musa com sua lira
A enlevar-me na canção mais bela.

Quero voar no Pégasus depois
Banhar-me lá na Fonte de Hipocrene
Então querida Daisy só nos dois
Faremos serenata pra Silene...

Eu quero ser o verbo que não cabe
Na lista de outros bardos sonhadores,
Pois se dane este amor que vira sabre
E fere sem juízo nem pudores.

Pensei que a refeição fosse completa,
Porém amor capota em linha reta...

GONÇALVES REIS
MVML
Publicado em: 22/08/2007 19:16:41
Última alteração:05/11/2008 14:21:55


AMOR, AMOR... /

Estou sempre aniversariando
Todo o dia é mais um dia
E os anos vão acumulando
Mas não morre a fantasia

Quando a manhã vem chegando
Abro os olhos em plena calma
Respiro a luz do dia agradecida
É sempre primavera nunca acaba

Assim a cada minuto contado
Desde o nascer até o final
Fazemos aniversário igual

Nós dois sempre jovens levando
Coração vivo amando palpitando
E só a mente juvenil vai ficando

A cada novo dia, renovada
Uma esperança feita em juventude.
O sol vem renascendo em alvorada,
Trazendo a cada sonho, uma atitude
Iluminando sempre a mesma estrada,
Embora o calendário sempre mude.

Singrando por espaços, ilusões,
Vivemos deste sonho em mocidade,
Abrindo com carinho, os corações
Alçando sem limites, liberdade.
Sangrando nas loucuras das paixões
Podemos perceber felicidade

Na boca da manhã que nascerá
No sol que eternamente brilhará...

SOGUEIRA
MVML
Publicado em: 25/10/2007 16:25:09



AMOR, AMOR... /




Amo-te tanto
E nos teus braços
Amor é manto...

Nossos beijos
Doce licor
Embriagador...
Nossos corpos
Coisa única
Força de magia nos ata...

Nossos olhos
Sóis que brilham
Na noite encantada...

Nosso amor
Mágica
Que nos absorve...

Nós e o amor
Divindade
Que nos eleva...

Amor se faz em mágico momento
Numa alquimia rara e desejada.
Vivendo a profusão de um sentimento,
Minha alma prosseguindo declinada
Aos pés de quem desejo e me contento
Em ter a tua boca assim colada
À minha boca em tal felicidade
Capaz de levitar, alçar os céus.
Teu corpo que traduz a divindade,
Coberto pelo azul de puros véus,
Em mágica alegria, amor se dá,
Vibrando eternamente e desde já...

ANA MARIA GAZZANEO
MVML
Publicado em: 30/10/2007 22:10:24
Última alteração:03/11/2008 18:20:42



Segue o meu perfume…….
Deixa-o seduzir-te……….
Entra nos sonhos que na minha pele o perfume desenhou…………….
Vem, vem - segue-lhe o rasto e encontra-me……………
Descalça os sapatos….
Sente a relva, deixa que te manche os pés…………
Fecha os olhos e respira a nuvem densa que,
no ar o meu perfume deixou……….
E deixa que seja uma perfeita loucura…………..

Seguindo o teu perfume, encontro o rastro
Pelos campos e prados, me extasio...
Tal qual fosse um satélite de um astro
Em busca deste amor, me delicio...

Encontro-te deitada; relva e orvalho,
Perfumes de jasmins; mar de verbenas,
Meu olhar desejoso em ti espalho
As flores testemunhas tão serenas...

E mansamente toco tua boca
Descalço meus sapatos, ao teu lado,
Respiro a nuvem densa, intensa e louca
Que exalas em aroma delicado...

E seduzido, entregue. Na ternura
Tão mágica, mergulho amor... Loucura...

Marta Teixeira
Marcos Loures

Publicado em: 11/03/2007 14:27:38
Última alteração:06/11/2008 11:38:46



AMOR, AMOR...

Adorava ser........
Uma gaivota
e seguir-te......
Rasgando as nuvens,
contrariando o vento
e desafiando o sol.......
Imprimir a minha silhueta na lua.....
Pintar-me na tua sombra........
Tocar a tua pele com as minhas penas...........
Fico sempre à tua espera...............


Tocar-te extasiado, vôo e mar,
A areia roça as pernas, queima a pele,
Eu vejo tuas asas... Ah! Voar...
Um sonho que me leva e me compele.

Na gaivota a mulher que desejei,
Liberta, sendo minha companheira...
A pele; com as penas misturei,
Numa ânsia mais sutil e verdadeira...

Alçando o pensamento, rasgo o vento,
Abraço-te, sou teu enquanto és minha...
Espero te encontrar... Um sentimento
Liberto no meu peito, já se aninha...

Vendo tua silhueta em plena lua,
Minha alma em tuas asas continua...

Marta Teixeira
Marcos Loures
Publicado em: 14/03/2007 13:16:32
Última alteração:06/11/2008 11:26:20



Esse grito preso na garganta
Oculta o luto
No qual já me perdi..
Disfarço meu cansaço.
Aço exposto
No gosto
Mais amargo,
Águo, deságuo
E nada sei...

Correndo no meu peito
Ostracismos...
Sismos e cismas.
Somas. Corpos
E divisão.

Traço tais atalhos
Cortes,
Falhas
Óleos
E sacristia...

Hóstias e bênçãos...
Altares e vertigens...

Ao fim de tudo.
Resta o luto
Impoluto
E necessário...

Mas tenho uma esperança
Meio eunuca,
Meio adunca.
Caduca...

Aonde estará a gaveta
Onde se escondeu o nosso amor?
Publicado em: 28/04/2007 23:07:06
Última alteração:23/10/2008 20:28:16




Quando te vi com palavras tão singelas
Olhar distante no quadro emoldurado
Senti um ímpeto de chegar bem perto
E dividir contigo diálogo bem postado

E uma afeição de mulher tão singular
Próprio da feminilidade adormecida
Pegou na tecla e na mente surgiu
Uma comunicação poética envaidecida

De duelar com mãos tão hábeis e amáveis
Que encanta como o dedilhar de um trovador
E admirar-te como os amores virtuais
Apenas na miragem e no vôo dos sonhadores

Sentindo o teu olhar tocando leve,
Teus dedos tão suaves no teclado,
Num momento feliz, embora breve,
Percebo o teu carinho aqui do lado;

Meu verso que é tão brusco não se atreve,
Mas bebe do perfume, extasiado,
E deixa calmamente que se enleve
Num sonho divinal, quase encantado...

Não sabes, mas... A vida me enterneces
Em cada novo verso que me emanas.
Tuas palavras soam como preces

Em redentora sorte que encontrei.
De tuas mãos macias, soberanas,
Apreendo o santo amor como uma lei.

SOGUEIRA
Marcos Loures
Publicado em: 06/05/2007 12:11:22
Última alteração:06/11/2008 08:07:40



Que esse amor, meu amor,
Jamais caia no tédio sem remédio,
No silêncio da indiferença...

Para o amor, que é palavra viva,
Criador de todas as coisas...
Esse silêncio se fará
A própria morte!

Que jamais perca seu rumo e nem o norte...
Somos consortes de um destino mavioso...
Traçado já no céu...

Que não nos percamos ao léu,
De nossas perdidas ilusões...
Não somos vilões da história!

Que a nossa glória,
Seja,
Cantar prá sempre,
Em uníssona voz,
Esta canção de amor e paz!

Que nossas vozes não se calem jamais!

Quem me dera viver eternamente
Quem me dera saber felicidade
Quem me dera o prazer sempre presente
Quem me dera o querer da mocidade.

Quem me dera este brilho dos teus olhos
Quem me dera este trilho dos teus passos.
Quem me dera os perfumes, flores, molhos
Quem me dera o calor dos mansos braços.

Quem me dera o teu corpo junto ao meu
Quem me dera o sorriso da vitória
Quem me dera esta luz em pleno breu
Quem me dera esta lua merencória...

O bom Deus escutando um sonhador
Presenteou-me com nosso imenso amor...

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 08/05/2007 08:28:39
Última alteração:06/11/2008 08:05:20


Ninguém é de ninguém dizia o outro
Num ímpeto de liberdade em igual
Mas, ambos choravam os dissabores
Da luta pelo amor em desigual

Amor quando se dá, amor recebe
Na busca ferrenha do querer
O coração sucumbe, empobrece
Da ausência que ao outro faz sofrer

Matriz e filial não se coadunam
Os olhares faíscam em desprazer
A luta pelo amor vai fenecer

Uma, vira ateu para os queixumes
A outra espera tempo pra vencer
Os três aposentam o bem-querer

Amores, sofrimentos ,risos, gozos...
Em dias tão difíceis, solidão...
Noutros momentos somos andrajosos,
Mendigos que procuram por perdão...

Os dias sempre assim, tempestuosos
Maltratam um faminto coração
Que busca em mil amores belicosos
Caminhos bem distintos, solução.

Na dor da perda eterna sem ter sido,
Na dor de se saber somente resto.
Assim talvez, amor já não empresto

E sinto-me, por isso enfim vencido
Da dor deste desejo que é fatal;
A vida se passando... eu... filial...

SOGUEIRA
Marcos Loures
Publicado em: 12/05/2007 10:34:43
Última alteração:06/11/2008 07:47:02



Surgiste na dança
Da noite criança
Que nada detém.
Suamos bastante
Bebemos um drinque
Amor foi de araque
Mas fomos amantes.
Amada não brinque
Com luas constantes
Que chupam estrelas.
Difícil contê-las,
Devoram as pernas,
As noite eternas
Balançam as coxas
Depois não afrouxas
E a dança não pára.
Tomamos na cara
O vento que explode
Mostrando o decote
Da moça morena
Que sempre me engana
Que nunca me acena.
Depois só faz cena
Na hora da cama...
Publicado em: 25/05/2007 10:53:48
Última alteração:23/10/2008 20:30:25



E naquele matagal, a bela moça caminhava
Esperava ansiosa o seu garoto
Moça bela, charmosa e sensual
Era de fato um espetáculo, um colosso
O garoto vem tocado atrás dela
Por saber que ali estaria sua paixão
Quando ao final se encontraram
Se jogaram um ao outro, explosão
O que aconteceu-nos finalmente
Só o tempo para eles irá dizer
Foi entrega, foi loucura
Sabe-se lá o que vai acontecer...


Menino desfrutando dos desejos
De pernas e de coxas descobertas.
Fornalha que se acende em doces beijos,
As portas para o céu, por certo abertas.
Ainda sem malícias e traquejos
Apesar das vontades tão alertas
Pressente a maravilha das ofertas
Da moça mais bonita do lugar.
Morena que se entrega sem pensar,
Aos braços e carinhos, ao luar...
O tempo mostrará novos caminhos
Tocados pelos anjos, por carinhos.
Ao velho restará tanta saudade,
Da moça sensual, da mocidade...

ISABEL NOCETTI
Marcos Loures
Publicado em: 29/05/2007 12:35:01
Última alteração:05/11/2008 21:50:43


AMOR, AMOR...

Deixemos de lado, amor, toda essa dor
Que roubou de nós tanta alegria
E nesses momentos de divinal ternura,
Deixemo-nos ficar, em doce enlace...
Que o tempo passe, agora sem ter pressa
Pois entre abraços, vamos nos perder...
Nadar no mar de amor, nossa delícia...
Embriagados, tontos de prazer...

A noite se passando sem ter pressa,
Deitando junto a ti, meu verso leve.
Que a dor que nos tomou, bem sei, tão breve
Não venha nunca mais, que vá depressa.

Paixão mais ardorosa se confessa
Tristeza que se foi, já não se atreve,
Um canto em tua cama, me reserve
Que eu quero tanto amor, contigo, à beça!

Vem logo, não espere um só segundo,
Eu necessito, amor, de teus carinhos.
Contigo, no universo me aprofundo

E bebo as tempestades, destemido.
Mais fortes quando unidos, faz sentido
Jamais ficarmos outra vez sozinhos...

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 26/06/2007 18:14:58
Última alteração:05/11/2008 20:44:25


AMOR, AMOR...

Sorri de tanta oferta em belo dia
A terra inteira é dádiva Divina
Estrelas cintilando ao meu redor
Rainha sonho, gozo de menina

A lua iluminando em extensa relva
O mar com suas ondas, frio infindo
Deitados no aconchego da paisagem
Embalo que a mente quer sorrindo

Mas, as promessas tantas é tal tormento
Que a vida se desfaz com tanto afinco
Sorvendo deste amor momentos lindos

Na tela amamos todos em conjunto
Lindo esta partilha em verso corrigível
Mas, a mulher é monogâmica irreversível

Amor é como um vaso de cristal
Se não tivermos tudo se desanda.
Não quero um prazer simples e carnal.
Amar e ser feliz, coração manda...

Às vezes me perdendo no caminho,
Sentindo ser cruel a solidão,
Da rosa perfurando-me um espinho,
Trazendo bem feliz uma emoção.

Amar é demonstrar uma harmonia
Que mostre quanto a vida vale a pena.
Não quero ter somente a fantasia,
A sorte que me guia sempre acena.

Vou vivendo em total monogamia,
O amor que a vida enfim, já bendizia...

SOGUEIRA
Marcos Loures
Publicado em: 30/06/2007 14:22:35
Última alteração:05/11/2008 20:26:11



AMOR, AMOR...

Nevoeiro esconde o sol..
Mas não me esconde de ti...
Dos teus abraços...
Onde me perco...
Onde me refugio...
E juntos procuramos o sol...


A noite se passara em diluências
De luzes que se foram sem a lua.
As almas se perdendo em penitências
Apenas a tristeza se cultua.
Na fria madrugada, sem clemência
Parece que somente a dor atua.

O rio vai correndo para o mar,
Assim como a alvorada vem chegando.
E o mundo num minuto a se mostrar
Mais belo com o sol iluminando.
Na glória de poder já te encontrar
O dia em plenitude vem chegando...

E sinto em teu calor o renascer
Da vida num eterno amanhecer...

MARTA TEIXEIRA
Marcos Loures
Publicado em: 14/07/2007 07:48:49
Última alteração:05/11/2008 19:27:53



Reflito os mil fulgores desta lua
Que invadiu o teu quarto sem licença
E flagrou-te deitada, toda nua,
Ganhando o teu perfume em recompensa...

Do lado que me cabe desta rua
Não há sequer no mundo que convença
Minha alma a desistir, e continua
Até que meu desejo enfim te vença.

As horas se passando, são eternas,
Os raios do luar, te possuindo...
Quisera ser um deles nestas pernas

Marcando de prazer minha morena
Distante, bem distante vou pedindo,
Abra as portas; te juro... Vale a pena!


Quanto a isso não duvido,
Sei que vale a pena.
Já abri as portas,
Não Somente de minha morada
Mas de meu coração

Peço aos pássaros que te levem,
Todo o cantar de minha alma,
Que te embriague com o cheiro de minha pele,
Que o vento o refresque...
Com o toque de meus lábios.
Para juntos em pensamento,
Nossos corpos se unirem.

Marcos Loures
Aracelly Loures

Publicado em: 07/09/2007 18:37:41
Última alteração:23/10/2008 18:18:45


AMOR, AMOR...


A juventude foi-se há tanto tempo.
Agora só me restam poucos anos.
Preciso de elixir que restitua
Meus dias que se foram, soberanos.

A fonte que busquei, da mocidade,
Decerto não encontro no caminho.
A noite sem luar, vai se acabando
Enquanto permaneço aqui sozinho.

Porém num almanaque, uma verdade
Estampada, dizia e não reprovo.
A boi velho, jogado já num canto,
Remédio é um chocalho bem mais novo...
Publicado em: 20/09/2007 20:53:33
Última alteração:23/10/2008 20:43:17





AMOR, AMOR...

Amores, amizades, alegria,
Palavras que; compondo minha vida,
Traduzem, no meu canto, fantasia,
Deveras, vai seguindo, Aparecida...

Beleza da bondade, beatifica,
Muda meu sofrimento em ser feliz,
Das dores mais cruéis, me santifica
Em tudo que traduzes, Beatriz...

Cabendo certamente meu carinho,
Em tudo que pensei tão cristalina
Quanto fosse capaz, sem ser sozinho,
Das fontes mais felizes és Cristina...

Devendo devedor divino Deus,
Serem os meus segredos sem marquise,
Eu te vejo, reluzes nesses breus,
Me trazes sensações, feliz Denise...

Eu espero esperanças nos teus beijos,
Na vida não sei dor que não se aplaine,
Vivendo, convivendo com desejos,
Te quero, te pretendo, doce Elaine...

Fervem fervores, febre e fogaréu.
Minha vida, transcorre vai mais branda,
Quando estou procurando azul do céu,
Somente encontrarei a ti, Fernanda...

Gosto gesto gozando gota a gota,
A toda solidão a vida impele,
Mas quando, a solidão queimando, rota,
Recolho-me aos braços de Gisele...

Horas horrores, honra e homenagens,
A quem a vida amou, serena brisa,
Não quero mais saber dessas paragens,
Distantes dos teus olhos, Heloisa...

Instantes imortais, idolatria;
Dessas noites passadas tão insone,
Que nunca mais parece, vem o dia,
Noites brancas, sozinho, sem Ivone...

Jogos jamais jogados, jogatina...
No tabuleiro-vida que me engana,
Sabendo ter teu jeito de menina,
Sabendo ser teu homem, Ó Joana...

Liberdade levando leve luz,
Descanso em meu brinquedo de pelúcia,
Buscando tanto brilho que reluz,
Vivendo por viver, amada Lúcia...

Marcado morredouro mantimento,
Sofrimento passando a ser a tônica
Do que mais poderia ser lamento,
Vou salvo, acreditando só em Mônica!

Nascendo naufragado, néscio não,
Provando essa amargura que venci.
Maltrata devagar meu coração,
Que bate, tresloucado, por Nadir...

Ouvindo ondas ouvi outras ondinas,
Que, por mais igual, nunca se repete
O mar dessas belezas, das meninas,
Que nunca chegariam ser Odete...

Palavras perseguidas plenitude,
Não sabem nem conhecem a delícia,
De ter todo bom senso e atitude,
Que surgem tão somente em ti, Patrícia...

Restam risonhos risos e resquícios,
Desse delicioso amor que agita,
Salvando-me de todos precipícios,
Só quero mergulhar em ti, Ó Rita...

Sabendo sentimentos sem saudade,
Melhor que ti, somente se for clone,
Igual são muito poucas, na verdade...
Sereno, saberei ser teu Simone...

Trazendo tempestades tropicais,
Em meio a tanto canto e mais beleza,
Bebendo, vou tragando e quero mais,
De tudo que vivi em ti, Tereza...

Vivendo vou vencendo vacilantes
Momentos em que tento abrir cratera,
No peito que batia já bem antes
De poder conhecer a bela Vera..
Publicado em: 24/09/2007 06:23:58
Última alteração:23/10/2008 18:25:20





AMOR, AMOR...

Quando eu conheci Serena,
Num galope a beira mar,
Aquela bela morena,
Tinha tudo pra encantar,
Coração bate, dá pena,
Dá vontade de chorar,
Nunca mais poder cantar
Num galope a beira mar...

Serena foi minha vida,
A razão do meu viver,
Tanta dor já tão sentida,
Sem vontade de sofrer,
Eta vida mais sofrida,
Não cansa mais de doer,
Viola canta, luar...
Num galope a beira mar...

Minha voz anda cansada,
Cansada de tanto pedir,
Minha moda vai cantada,
Cantada móde sentir,
A viola enluarada,
Que canta quase a carpir,
Tanta coisa, sem parar,
Num galope a beira mar...

Levei Serena pra casa,
Como manda o coração,
Tanto casa, quanto embrasa,
O luar do meu sertão,
Meu amor quando se atrasa,
É problema e solução.
Como era belo sonhar
Num galope a beira mar...

Com Serena tive filho,
Dois ou três se não me engano,
Do amor seguindo o trilho,
Passa dia, mês e ano,
Mas o tempo tem gatilho,
Detonando tanto plano.
Nunca mais vou esperar
Num galope a beira mar...

O amor, de maravilha,
Transformado na tristeza,
Na promessa dessa ilha,
No meio dessa beleza,
Toda dor vem de matilha,
Acabando a realeza.
Tanta coisa pra contar
Num galope a beira mar...

Serena foi assassina,
Do que belo, tinha em mim,
Maltratando minha sina,
Fazendo tão trist’assim
Tanta dor que desatina,
Do amor, foi meu Caim.
Me matando, devagar,
Num galope a beira mar...

São tristezas, duras penas,
Têm o gosto da mortalha,
Só pedia a Deus, apenas,
Outro tipo de cangalha,
Noites mansas, mais amenas,
Na minha casa de palha.
Poder sonhar com meu lar,
Num galope a beira mar...

Já cantei minha verdade,
Fiz meus versos sem vergonha,
Procurei felicidade,
Que é coisa que se sonha,
Pelo campo ou na cidade,
Não é coisa medonha.
É meu direito tentar,
Num galope a beira mar...

O veneno em minha veia,
Corre solto, vai matando,
Essa aranha fez a teia,
Minha vida foi sugando,
Minha carne foi a ceia,
Ela foi me envenenando.
Até conseguir sangrar,
Num galope a beira mar...

Quando vi nos seus olhinhos,
Verdes olhos cor de mata;
Percebi que seus carinhos,
Me diziam, ser ingrata,
Aquela por quem meus ninhos
Sonhavam amor em cascata,
Nunca mais eu vou cantar,
Num galope a beira mar...
Publicado em: 24/09/2007 14:46:59
Última alteração:23/10/2008 18:25:24








AMOR, AMOR...

Nas estradas do castelo
Já capinei com rastelo,
Encontrei linda princesa
Que no Tororó deixei,
Dona de rara beleza
Por ela me apaixonei...

No rosto trazia a lua,
Quando andava tão nua
Tinha gosto de saudade
Tinha o brilho desse sol
Ao ver essa claridade
Eu virei um girassol!

A sua pele macia,
Só me trazia alegria
Era linda como poucas
Diamante era o sorriso,
As minhas noites tão loucas
Ao seu lado, o paraíso...

Os olhos dessa rainha
Brilhavam sempre à tardinha.
No seu olhar de brilhante
Eu plantei meu bem querer,
Eu me sentia um gigante
Tanta alegria viver!

Suas mãos tão delicadas
Pareciam mãos de fadas
No carinho que me dava
Tanta amor eu encontrei
Tanto que por fim achava
Nesse mundo ser um rei!

Nessa boca peço um beijo,
Vou matar o meu desejo...
A fantasia da vida
É a rosa mais bonita
Nunca viver despedida
Pobre coração agita!

No castelo essa donzela
Rosa vermelha amarela
Hei de amar até morrer,
Seus caminhos ladrilhei,
Como vou poder viver
O amor era nossa lei!

Como pode um peixe vivo,
Viver nesse mundo altivo
Sem a sua companhia
Sem essa bela princesa
Como vai nascer o dia
Como pode haver beleza?

Vamos todos cirandar
Nesse reino do luar
Em volta dessa rainha
Nos caminhos tão dourados
A saudade essa vizinha
Os meus olhos marejados...

Encontrei linda morena
O meu coração acena
Procurando por descanso
Nas asas dessa saudade
Vou encontrar meu remanso,
No reino da claridade!

Companheira de solidão
Brilhando nesta amplidão
Lua não me deixa só,
Iluminando essa mina
A vida não tem mais dó
Procurei essa menina...

Meu coração vagabundo
Já procurou pelo mundo,
Só tristeza ele encontrou
No jogo da cabra cega
Deste pouco que restou
O resto minha alma nega...

Persegui felicidade
No reino da claridade
Só encontrei meu sofrer,
Procurei a fantasia
Nos braços do bem querer
Me restou só poesia!!!
Publicado em: 01/10/2007 13:51:46
Última alteração:23/10/2008 20:44:00



AMOR, AMOR...

Corpos
Toques
Chamas
Risos
Gozos
Tempestades.
Tocas
Bocas
Flamas,
Sisos
Esquecidos.
Retiro tua roupa devagar
Nudez que se adivinha
Sob a transparência/lingerie.
Seios e mamilos desejosos.
Lábios mais ousados,
Extasiantes...
Atritos, ritos, rumos, somos
Sumos plenos.
Mucos e salivas e suores.
Felatio, cunilíngua,
Amor algarismal,
Sacro e sensual.
Devoro-te e me devoras
Entranhamos...
A lança em riste,
A grota em brasa.
Voluptuosamente
O tempo passa
A chama acesa,
Lanhando as costas,
Unhas e dentes
Gementes.
Inclementes e profanos
Tramamos jogos
Inconfessáveis.
E no momento
Em que os caudais
Encharcam fozes,
Atômicas,
Atônicas
Atônitos
Descobrimos
Ápices.
Cumes
Cordilheiras.
Vôos estrelares.
Sidéreo desejo...
Publicado em: 15/10/2007 06:40:45
Última alteração:23/10/2008 18:52:14


AMOR, AMOR...

Moleque sem vergonha, o coração,
Depressa bagunçando toda a gente
Entregue a mais completa sedução,
Mudando o meu caminho de repente,
Trazendo para a noite, a tentação,
No fundo o que ele quer é estar contente.
Amor que sem remédio não tem preço
Tristeza ou alegria? É só começo...
Publicado em: 10/11/2007 09:03:59
Última alteração:23/10/2008 17:09:27


AMOR, AMOR...

O parto traz um porto
Aonde recomeça
Viagens que não cessam.
A vida se refaz
Nas coxas da morena
Na boca escancarada
Chorosa do moleque.
Num leque interminável
De cores e formatos,
Olhares e retratos
Misturas
na colméia
Porém alguns se investem
Do poder de vigias
Fechando as coxas
Enganam trouxas
E cobram o aluguel.
E a culpa é do Judeu
Que ensinou a amar e perdoar.
Transformado
Num porteiro de motel...
Publicado em: 22/11/2007 10:47:55
Última alteração:23/10/2008 17:34:51




AMOR, AMOR...


Nosso céu se cobriu em negras nuvens,
Chegaste agonizante, ao fim da tarde,
Trouxeste a tempestade entre teus dentes,
Riscando a minha pele, olhos e face;
Disfarces escondeste num sorriso.
Na mórbida falência dos meus sonhos
O regozijo fatal da podre esfera.
Falenas espalhadas na cidade,
Senzalas vão quarando no varal.
Publicado em: 24/11/2007 08:56:13
Última alteração:23/10/2008 19:15:53




AMOR, AMOR...

Ao amor, canto o meu canto
Tanto ardor, em poesia
Aqueceu-me a alma fria
Doce abraço em acalanto...

A brilhar nos olhos meus
Céus de beleza e magia
A tua face adorada
Adornando esses meus dias...

Sei , tanto amor que te tenho
Fim, jamais encontrará...
Perenizado ele está
Em cada verso, um desenho...

Aquém do norte sombrio
Que a morte, vem propor
Jamais perderá seu brilho
Ou força, esse grande amor...


Falando deste amor tão docemente
Em termos mais felizes, namorados.
Andando em liberdade, alcanço os Fados
E deixo que este sonho me avivente

Quem anda tão distante qual demente
Não sabe destes laços bem atados
Tampouco destes sonhos desfraldados
Que invadem seduzindo nossa mente.

Amar é ser feliz e ser honesto,
É ter solicitude, estando presto,
Voar sem ter as asas milagrosas.

Amar é ter engenho, saber arte,
Estar em pensamento em toda parte
Aonde recender olor de rosas..

ANA MARIA GAZZANEO
ML
Publicado em: 13/12/2007 21:25:10
Última alteração:23/10/2008 08:26:20



AMOR, AMOR...

Veio-me a lembrança à cena
Do meu sertão em pequena
Do cavalo caseiro domesticado
Com esmero proteção e cuidado

Montava na garupa deste manso
Animal de estimação do meu pai
Viajava para a cidade sem cansaço
Admirando a paisagem que se esvai

Passava pelo rio sem temer
Os pés descalços na água tocavam
O vento soprando na face vibrava

Era o transporte na labuta, amigo fiel
Olhava seu porte com vigor e beleza
Recordo do amor por tamanha destreza

Galopando em meu corcel
Ganho o espaço, bebo o vento,
Libertário sonho ao léu
Não me sai do pensamento

Do passado tão cruel
Não guardo ressentimento,
Renovando o seu papel
Meu amor segue sedento.

Coração esmiuçando
Encontrou o teu retrato
Pensamento galopando

Já desaba em teu regato
Nosso amor vai se entranhando,
Dos teus laços, não desato...

SOGUEIRA
ML
Publicado em: 15/12/2007 16:43:52
Última alteração:23/10/2008 08:53:41



Amor, Eterno Amor!
Nada nasce senão do amor, nada se faz a não ser por amor; só é preciso reconhecer as diferentes fases do amor. C.F. Ramuz


Te amo tanto querida, não se espante
A cada dia amando-te bem mais
O mundo se renova em tanta paz
E se demonstra sempre delirante...

Ao ver-te na janela, uma criança,
Outra criança sonha com um dia
Onde possa viver a fantasia
Trazendo, a cada noite, essa esperança...

O tempo passa, vejo-me distante,
Os olhos que sonhara estão lá longe...
Na solidão doída, qual um monge,
A vida me matando a cada instante;

Pois decerto encontrara um companheiro
Tão bela madrugada espera o sol
E juntos formarão o girassol.
Iluminarão este mundo inteiro...

Também a vida trouxe-me essa lua
Com a qual fui feliz, isso não nego.
Porém essa saudade que carrego
De tudo que passamos, continua...

A tarde chega, e mostra meu verão.
A lua que me acalma sempre fria
O sol queimando tua fantasia
A vida serpenteia pelo chão...

Depois deste verão, o manso outono.
Trazendo a calmaria que me amorna,
A lua já se foi, a vida entorna
A dor que me promete duro sono...

As lágrimas enchendo um triste rio
Em dilúvios, transcorre para o mar.
São tantas que não deixam de salgar
Inda mais, aumentando o meu vazio...

Bem sei que meu inverno se desponta
Ao largo deste mar no meu crepúsculo...
E neste fim, tormento mor, maiúsculo
A vida cobrará por certo a conta.

Não pude ser feliz completamente.
Faltou-me tanta coisa, eu asseguro,
O mundo que vivi, por certo duro,
Não deixa bela marca em minha mente.

Um dia, a solidão queimando fundo,
Ardendo e me matando pouco a pouco
Cortando e me deixando quase louco,
Agozinantemente e moribundo

A porta que deixara sempre aberta,
Num átimo demonstra uma saída.
Quem já pensara estar de despedida
Da treva uma surpresa me desperta!

Ao ver teus olhos mansos tão gentis
Em frente a minha porta escancarada
Ressurge, em minha vida essa alvorada
Embora quase morto, eu sou feliz!!!!
Publicado em: 25/11/2006 17:24:34
Última alteração:28/10/2008 11:53:21


Tanto quero o teu querer,
Quanto bem quero te dar.
Sem teu amor, me perder,
Me perder de tanto amar!

Amor, eu necessito teu amor.
Que é força que me traga e me consome.
Na vida, sempre fui um sonhador.
De tanto amor que tenho, sinto fome...

De ter, nestes teus braços, meu carinho.
Trazer uma esperança no meu peito
Cansado de viver, assim, sozinho,
Sem ter esse desejo satisfeito.

Querida, por favor, nunca me esqueça,
Se te perder jamais serei feliz.
Retorne antes que tudo me enlouqueça,
Desculpe-me as loucuras que já fiz.

Amar demais passou a ser pecado,
Vivendo em teu amor, alucinado...
Publicado em: 07/02/2007 17:47:27
Última alteração:16/10/2008 11:54:05



AMOR, ETERNO AMOR
Luz no escuro,
olhos fechados,
palavras
sussurradas,
o reflexo
da música
nos espelhos
molhados
revela visões
de delícias
acorrentadas ...
(ivi)

As almas gemelares vão atadas
Procuram pelas fontes mais profanas
Nas loucas heresias, madrugadas,
Aguardam tresloucadas, mais sacanas...

Rolando a mesma cama, sem temor,
Vivendo cada toque com prazer,
Porejam as delícias de um amor
Que sabe tanto dar e receber...

Na claridão das luas que se encontram
As nuas maciezes já se tocam,
Depois de desatadas desencontram
Em tantas alegrias se retocam

E voltam destemidas à batalha
Amor com fanatismo já se espalha...
Publicado em: 29/03/2008 17:56:07
Última alteração:21/10/2008 20:36:23



És meu belo Deus, meu rei...
Quero-te nesta noite de paixão,
Vibrar nos braços teus,
Completamente entregue, alucinação;
Tuas mãos, em meu corpo percorrer
Desejos muitos, saciar
Não quero a tal lucidez...
Quero loucamente ser amada e amar...
Me beija amor, quero agora
Mata minha sede, minha fome...
Te quero tanto, tanto, tu nem sabes,
Venha, não me deixe esperando!


Beijando o belo corpo devagar,
Nesta brônzea escultura divinal
A noite inteira até me saciar
Nesta loucura amável, sensual,
Tocando cada raio do luar
Com mãos e com meus lábios... Sem igual...

A sede que se mata em cada gosto,
A fome que se aplaca extasiante.
Meu corpo no teu corpo sobreposto
Num quadro mais sutil e deslumbrante.
Todo o prazer que estampas em teu rosto
Me torna mais feliz, amor garante...

Tu sabes deste sonho que alimento,
Vibrar junto contigo, num momento...

ISABEL NOCETTI
Marcos Loures
Publicado em: 28/04/2007 20:23:26



Amor, falso amor

Amor que tanto mimo escusa-se de engano.
Minha alma feita seixo, em águas se lavava.
Qual alga neste mar, nos sonhos flutuava.
A noite que chegou, promete duro dano.

Quem sabe deste amor, se lava em desengano.
Em calmaria audaz traz vulcânica lava.
Na boca, mais mordaz, a faca, em costas, crava.
Amor sabe procela, embarca no oceano...

Vestígios de saudade, a tarde sempre traz.
O rumo do meu verso, a lágrima distrai.
A tarde em minha vida, ao meio dia cai,
De tudo que escrevi, só peço a minha paz.

Não sou mais controverso, aguardo teu recado,
O mar deste universo, espreito da janela.
A cor desta morena ou jambo ou canela.
O mote que me deste, escuro e maltratado

Peço-te não perdoe, espero teu castigo;
A mão anda cansada, estreita, dura, em prece.
Amor que tanto mimo, a lua não merece.
Depois de tanta coisa, eu quero estar contigo.

Um carro em disparada, a rua é tão deserta,
O manto da alvorada, estrelas são a linha.
Amor que se conteve, agora não és minha!
Depois de tanta luta, esqueces minha oferta.

Bendita claridade! Embora esteja escuro.
O vão já se desaba e caio desta ponte.
No meu olhar, distante, aguardo um horizonte.
O chão , depois do tombo, eu sei que é bem mais duro.

Vestígios do que fui, te trago na bandeja.
Da santa guilhotina, o resto sempre é teu.
Na faca que me lambe, o meu amor morreu.
Amor que nunca tive, o pranto não deseja.

Repare nesta estrela... O brilho é muito escasso.
Cometa repentino, espero um novo dia.
Agora, não se esqueça, a velha fantasia.
O mundo me carrega, aguardo um novo passo.

Em verso alexandrino, eu canto esta desdita.
O sol que não raiou, estrela que não veio...
O mundo que restou... Só quero ter teu seio.
A noite me embriaga... A cachaça é maldita!
Publicado em: 18/11/2006 00:21:23
Última alteração:28/10/2008 11:52:24


AMOR, AMOR...
Canto meu canto sem pranto
No risonho bem querer
Amor demais eu me encanto
E canto amor pra valer
Sem saber se amor me mata
Se me cura ou me maltrata.

Fiz meu barco na esperança
De encontrar o teu mar
Amor viveu da lembrança
Se lança, não quer parar.
De tanto quanto me espanto
Tanto amor quero em meu canto.

Nos olhos que não te viram
Na boca que não beijei
Nos dias que se seguiram
No tanto que tanto amei
Amor se fez de mansinho
Tomou conta, fez seu ninho...

Vencido por tanto sonho
De poder ser mais feliz
O meu cantar mais risonho
Coração pedindo bis.
Conto contas quanto canto
No canto que já me encanto
Na conta que te contei.
Tanto quanto amor amei...
Publicado em: 19/09/2008 14:04:09
Última alteração:03/10/2008 13:02:24



AMOR, AMOR...

Amor chega sorrateiro...
Menino traquina que não tem juízo
Esse danado do amor!
A gente estende o coração
No varal
E... Já era!
Vem um formigamento,
Uma vontade de ver
Vai ver. Amor!
Depois se vire com ele
Anorexia, saudade
Malemolência
E, se bobear
Demência...
Aí chama o corpo de bombeiros
A guarda municipal
E a turma do deixa disso.
Mas o coração atiço
E a fogueira se renova...
Publicado em: 05/01/2009 17:31:28
Última alteração:06/03/2009 12:33:00


AMOR, AMOR...
Minduim está assando,
não há mais enrolação,
fofoca na pista vazia
não dá em nada não!

LUZIA MONIQUE

Vou assando minduim
Pra fazer pé de moleque
Se deu seca no jardim,
Que a grama toda sapeque,
Venha logo para mim,
Num amor não há quem peque,
Ou na cama ou no capim,
Mas antes que a fonte seque,
E sempre devagarim
Aumentando assim o leque
Do começo até o finzim
Pode ser até no requi
Vou fazendo o meu golzim,
Centro avante nunca é beque..
Publicado em: 15/01/2010 18:13:54
Última alteração:14/03/2010 21:04:55






Amado...
Fica comigo, esta noite!
Tua ausência é açoite...
Faz meu coração penar...

Tenho fome de te amar...
Necessidade de ti!
Insônia vai me matar...
Se resolveres partir...

Deixa para lá a tentação,
De fugir ao meu carinho...
Sei do teu medo infinito...
De à este amor, se entregar...

Decide, vai?
Fica!
Estou louca prá te amar...
Nesta noite de luar!

Não irás te arrepender...
Te prometo, muito mais!
Noite de amor, sem igual...

Querida sempre estou aqui contigo
Jamais te deixarei tu sabes disso,
O que faria amor, sem teu abrigo,
Seria como a flor que perde o viço...

Sentindo o teu desejo, já te digo
No cheiro de t’a pele eu já me atiço
O mundo desabando, amor; nem ligo
No nosso amor-desejo eu me enfeitiço

Não vou me arrepender, disto estou certo,
O nosso amor intenso e sensual,
É como uma miragem no deserto

Oásis de esperança em minha vida.
Amor que tanto sei não tive igual,
Eu não te deixarei jamais, querida...

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 25/03/2007 23:34:42
Última alteração:06/11/2008 10:26:14


Amor, ato de firmeza!
O amor é uma actividade, não um afecto passivo; é um acto de firmeza, não de fraqueza...é propriamente dar, e não receber.
(Erich Fromm)


Amor sempre nos traz felicidade
Mesmo que esteja envolto na tristeza.
A mágica da vida com certeza
É sempre perceber variedade.

A mão que nos afaga e que nos corta
Decerto também teve muita dor.
Mas saiba que é preciso, para o amor,
Que a vida se renasça mesmo torta

E traga novo brilho e nova estada
Sabendo que teremos fantasia
A vida nos permite, a cada dia,
O gosto do nascer d’uma alvorada.

Nem sempre conseguimos ser amados
Mas isso não se pede, se conquista.
Não há um simples ser que inda resista
Aos ventos que lhe tragam mansos fados.

Porém, mesmo que a sorte lhe proíba
De ver o seu reflexo neste espelho,
De tudo nessa vida que assemelho
Amor sempre carrega e nos arriba.

Portanto minha amiga e companheira
Não deixe de sonhar, pois desengano
Faz parte desta vida e traça o plano
Que sempre te fará mais verdadeira.

Embalde muitas vezes, sem luar,
A noite deste amor é sempre bela;
O sentimento nobre nos revela:
Bem mais que receber é sempre dar!
Publicado em: 25/11/2006 18:46:03
Última alteração:28/10/2008 11:53:25



Quando moço gozei a mocidade,
Ao lembrar disso tudo, que saudade!
O tempo foi passando e neste outono,
Sozinho condenado ao abandono
Depois de ter buscado tanto tempo.
Respostas? Não... Somente contratempo.
A vida me prepara esta surpresa,
Envolta neste manto de beleza
Surgindo inesperada criatura
Que plena de carinho e de ternura,
Promete a salvação destes meus ais.
A solidão agora, nunca mais.
Encontro quem sonhara a vida inteira,
Divina e soberana companheira,
Alento para o fim dos dias meus
Adia por um tempo o meu adeus...
Publicado em: 03/04/2007 22:28:52
Última alteração:23/10/2008 20:26:20



Eu recebo estas flores que mandaste,
Em versos tão bonitos para mim;
Meu mundo perfumando segue, enfim,

Nas mãos, em pensamentos, me tomaste.
Não temas a distância, nem saudades;
Os sonhos aproximam de repente;

Vontade de te amar é tão urgente
Que nada impedirá nossas vontades.
Só peço que tu olhes para as flores

Plantadas e regadas com carinho,
Verás um colibri, um passarinho,
Meu mensageiro vivo dos amores...
Publicado em: 26/02/2007 06:25:05
Última alteração:26/10/2008 20:27:29





Amor tão intenso...
Como o incenso,
Ascende aos céus,
Como um louvor,
A um deus!

Amor tão profundo...
Que espaços do mundo,
Sequer o contém...

Amor tão divino...
Mais que paraíso,
O céu já refez...

Amor tão bonito...
Tão leve, tão solto...
Tão cheio de risos...
Igual, sei não tem!

É o amor que te entrego...
O amor, que não nego,
Mui feliz, já me fez!

Recebo o doce alento de teu canto,
Tão leve, mais sereno, em harmonia.
Tomando toda a noite em tal encanto
Que faz tudo brilhar como eu queria...

Contigo, minha amada, eu já me encanto,
Totalmente encharcado em poesia.
Por isso toda noite, amada, eu canto
Nosso mundo repleto de alegria...

Entrego o coração, nem mais desminto
Em toda esta emoção, querida eu sinto
Vontade de contigo mergulhar

Nas ondas mais divinas do oceano,
Nos braços deste amor, que é soberano,
Imergindo feliz em pleno mar...

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 21/05/2007 18:32:05
Última alteração:05/11/2008 23:05:52


Amor, divino amor!
I


Não posso permitir que me torture
A dor d’uma existência sem sentido.
Por mais que a tempestade se perdure,
O dia brilhará, eu não duvido!
Preciso muitas vezes que se cure
A dor da solidão no amargo olvido.
O trilho que me trouxe ao teu regaço
Com minhas mãos sedentas, o desfaço.

Vieste qual penumbra dos meus sonhos,
Nasceste com a marca da pantera.
Os dias que vivemos, vãos, medonhos,
Por certo de se jogaram na cratera
Do esquecimento. Morta essa quimera,
Nascerão com certeza mais risonhos.
O sol que nunca brilha, se esvaindo.
A lua dos amores vem surgindo!

Recebo das manhãs, doce promessa
Da vida que se fez enamorada.
Albor de bela aurora me confessa
Os sonhos que guardei da madrugada.
Querer ser mais feliz, já tenho pressa,
Procuro nos meus sonhos nova fada.
Vestindo claros mantos, mansa lua,
Desfila nos meus édens, toda nua...

Respiro seus momentos de prazer,
No cio que jamais vou confessar.
Penetra feramente todo o ser,
Na calmaria atroz vinda do mar.
Soprando nova brisa, converter
As duras tempestades, calmo ar...
Forjando sua imagem, minha mente,
Encontra teu olhar, puro, envolvente...

Meus versos disfarçados em sementes
Fecundam os teus olhos, mostram lume.
Os gritos que bradara, vãos, dementes,
Perderam intensidade de costume,
A boca que mordia sem os dentes,
Tua flor já me inunda de perfume.
Amor que não soubera paradeiro,
Invade, me tomando por inteiro...

Não quero mais saudades nem tristezas,
A vida se demonstra mais sincera.
Percebo que virão tantas certezas
Matando a solidão, minha quimera.
Os campos se encharcando de belezas,
Nascendo, finalmente, a primavera!
Recebo desta vida, seu pendor,
Na doce mansidão do teu amor!!!!

II


Porém o tal destino, traiçoeiro,
Derruba meus castelos, mata o mundo.
Amor que se mostrara verdadeiro,
As máscaras se quedam num segundo!

Rasgaste nossos sonhos, sequer traço,
As luas que te viram morrem pasmas,
Meu barco desgoverna, perde espaço;
Restam-me tão somente meus fantasmas...

Quem trouxe tanta luz, morre no breu,
Quem fora juventude traz a morte;
Quem fora claridade, escureceu.
Quem fora meu caminho, perco o norte...

Vestígios do que fui, velho retrato,
Jogado na parede, despencou...
Nas noites em que lembro, me debato,
Procuro, não encontro mais quem sou...

Desfaço-me nas dores da saudade,
O rumo que seguia perde prumo.
Ao peso tão cruel da mocidade
Desfeita, me esvaindo como o fumo...

Acordes dissonantes são meu mote,
A dor vem entranhada e traz receio
Meu barco naufragado, sem um bote,
Dos campos que sonhei, morre centeio.

A vida se transcorre, sem abrigo,
O medo de morrer já não assombra.
A tal felicidade, nem persigo,
Nas ruas onde passa, sequer sombra...

Qual noite que perdeu o firmamento,
Qual reino que jamais teve tesouro.
Qual sonho num presságio de tormento,
Destrói as esperanças, mau agouro...

Mendigo pelas ruas, noites frias,
Estrelas que me tragam esperanças.
As luas se gargalham, vãs, vadias,
Restando-me somente estas lembranças...

No cálice do vinho que não bebo,
Amarga solidão encontra cura.
Quem fora, em pensamento, tal qual Febo,
Deforma-se infeliz caricatura.

III

Vestígios deste amor? Nunca mais os terei...
As cordas que rebento, esquecem-se dos nós.
A dor qual vil quimera, erguida, faz a lei...
Meu rio, assoreado esquece-se da foz.
Esboço minha queixa, aguardando meu fim.
Meu canto que brilhava, embalde, sem festim...


IV


Os astros tão distantes, decorando
Todo o céu com seus raios generosos,
Percebem fogo fátuo se emanando
Dos meus olhos vazios, lacrimosos...
Astros! Meus companheiros de desdita!
Desfaçam esta dor, cruel, maldita!


Entretanto, uma estrela mais sensata,
Mostra-me, no seu rastro, meu caminho!
A noite que negara serenata,
Entrega-se num canto, passarinho...
O raio desta estela-viajante,
Explode-se em luz; forte, radiante!

Meus olhos qual procelas disfarçadas
Ressurgem tempestades mais bravias...
Cortantes, tantas trevas; de guardadas
Rebentam num segundo, nas sangrias.
Amar que parecera ser inútil,
Num átimo devora, não é fútil...


Qual vergalhão penetra no meu peito,
Dilacera simplesmente, corta fundo.
Quem fora despedida, novo leito,
Do mar que naufragara, já me inundo!
Respiro, aliviado, essa promessa,
Nas pedras deste cais, vida arremessa!



Estrela luminária, sou falena,
Inebrias meus sonhos, aguardente.
Em tantos turbilhões, em louca cena,
No manto desta estrela, sou demente!
Rasgando minhas dores mostro entranhas,
Feridas terebrantes são tamanhas!

Estrela radiosa, meu destino,
Seus rastros me levaram para o mar...
Do canto que escutei, volvi menino,
Deveras mergulhei, sou constelar.
Cometa que lhe trouxe, minha estrela,
A noite dos amores, revivê-la!

Ao ver a mansidão desse sorriso,
Ao ver a paz que enfim já se aproxima,
Descubro que conheço o paraíso,
A fonte que me trouxe, tanta estima....
Nos olhos tão tranqüilos, calmaria,
Bonança que promete um novo dia...

Amores tão sutis quanto a manhã,
Na aurora sem ter nuvens, dia claro.
Recebo mansamente a guardiã
Que trouxe em minha vida, rumo raro...
Na maciez dos olhos, sem quimera,
O renascer divino, uma nova era...!

Sem guerras, sem desgraças e desmandos...
Sem medos, sem angústias, fim e rota...
As aves calmamente, tantos bandos,
Nascentes tão suaves, vida brota...
Recebo no bafejo desta brisa,
As boas novas que a alegria avisa...

Eflúvios matinais, forte esperança...
Os lagos, placidez, as águas mansas.
Das dores nem sequer triste lembrança.
A noite que virá promete danças...
Recebo seu carinho, estrela amada,
As mãos tão carinhosas duma fada!


V





Nesse amor o meu celeiro.
Promessas de amanhecer,
Vontade de renascer
E vagar o mundo inteiro.
Vivendo sem ter queixume,
Espalhando um bom perfume
Por campos, terras e mares,
Sem temer sequer a luta,
A vida que fora bruta,
Desmaia em belos luares.

Vestígios da solidão
Dormitam, não amanhecem,
São cadáveres que apodrecem.
Fenecem na podridão.
Os vermes já devoraram
No passado, se esgotaram...
O canto do passarinho
Engaiolado d’outrora
Há muito já foi embora,
Não cantarei mais sozinho...

Meus versos procuram rimas
Nos claros desta paisagem
Na brisa mansa, na aragem,
Pomares, laranjas, limas...
Nas flores deste jardim
Perfumes, rosas, jasmim...
A mão macia da vida
Desliza num rosto calmo.
Meu canto, meu manso salmo,
A dor deveras vencida!

Nem as densas tempestades
Que cismam pelos espaços,
Trazendo futuros baços,
Nem as garras das saudades,
Nem a morte que angustia,
Com a mão cortante e fria,
Nem a sombra da mortalha,
Nem sequer o vago medo
Conhecedor do segredo
Do corte desta navalha.

Nem o vento do deserto,
Nem procelas e quimeras
Nem o bafio das feras,
Nada mais anda por perto.
Minha vida se renasce,
Amor me mostra outra face,
A face mansa, serena,
De quem sabe perdoar
Do beijo manso do mar...
A vida renasce plena!

Vestido de paciência,
Rompendo com tristes elos,
Dias se passam tão belos
Refazem-se na clemência.
No perdão, no amor completo
De saber-se predileto,
De saber que é tão feliz,
Do saber-se iluminado,
De saber do belo fado,
De ser tudo o que se quis!

Amor desta estrela guia
Que da noite fez a luz
Abelha que mel produz
Derramando poesia
Nos rumos belos, floridos,
Nos caminhos divididos,
Olhares de mansa delícia,
Sem as trevas, negra noite,
Sem cicatrizes, açoite,
Nas mãos, a plena carícia!


Amor que nunca promete
Não me torna prisioneiro,
É tinta do meu tinteiro.
É brilho que me reflete.
Amor, promessas divinas
Das águas mais cristalinas!
Recebendo manso beijo
Da fantasia mais pura.
Refletindo tal ternura
Que me inunda de desejo!

Amor praieiro destino,
Enfrentando a solidão,
Abençoado perdão.
Meu peito refaz menino.
É brilho, doce manhã,
Esperança temporã
Trazendo-me calmaria
Dedico meus longos versos,
Aos seus belos universos,
À luz clara desse dia!


V

Descortinando toda angústia fera,
O gosto da saudade, amargo vinho,
Deixado, abandonado não impera.
Meu canto que era, outrora, desalinho,
Se esgueira da tocaia da pantera.
Trazendo a mansidão d’um passarinho...
Não posso conceber a crueldade,
A vida se refez nesta verdade!

Meus olhos que viviam tão tristonhos,
São provas de que existem esperanças.
No mundo que te trago, puros sonhos,
Persiste essa alegria das crianças.
Os vales que caminho são risonhos,
Refletem tantos cantos, tantas danças.
A casa dos meus sonhos traz o mar.
O verbo que conjugo: pleno amar!

Meus dias vão passando sem tormentos,
A noite que já fora tão escura
Explode de alegria e sentimentos,
Aprendo a cada dia, que a ternura
Destrói, tão mansamente, os sofrimentos...
As dores que vivi tiveram cura,
A vida se renasce em mil momentos...
Estrela que ilumina tristes breus?
Nos braços tão amados de MEU DEUS!
Publicado em: 14/11/2006 14:04:53
Última alteração:28/10/2008 11:52:06



AMOR, DIVINO AMOR

Aguardo teu amor pela manhã
Marcado pela boca que me toca.
Ouvindo o canto lento da paixão
Recebo tua voz tão mansa e rouca.

Decido te encontrar de qualquer jeito
Invado teus espaços, quero muito
Venenos esparramo pelo quarto.
Invento novos portos e chegadas
Navego teus desejos, todos meus
Ouvindo cada gota que se caia

Amando teu amor com tanto afã
Marcando cada toque desta boca
Ouvindo o canto doce que me encanta
Recebo teu prazer afoito e louco...
Publicado em: 07/01/2007 00:05:01
Última alteração:23/10/2008 15:47:48



AMOR, ENFIM...

Quero teu enlace
Rolando nos meus sonhos
Livre, sem disfarce,
Só para mim..
Olhando faca a face
Olhares se tocaram,
Amor enfim...

Amor já se dizia
Toda uma emoção
Plena fantasia
Sempre te quis
E de beijo em beijo
Acendendo o desejo
Me fazer feliz...

Já chegou,
Tomando toda a costa
Do nosso mar azul,
É tudo o que pedi
Fiquei mais nu...

Como se pudesse
Trazer de novo a vida
De sonhos e poemas
E dar a luz
Novas piracemas
Reproduzindo vida
Sem dor e cruz...

Abuso do amor
Em cada novo toque
Em cada nova noite
Mas sou feliz.
Amor tanto explode
E nada me segura
Sempre te quis...

E voltou
Tramando um novo filme
Tão gostoso de viver.
Sem ter adeus.
Meus sonhos são teus,
Quero te ter...

Na mão uma rosa
Quer a primavera
Os espinhos teima a rosa,
Mas deixa estar.
Espero a rosa
Sabe que desejo
E vai chegar

Trazendo a primavera
Trazendo uma esperança
Trazendo uma nova dança
Ser mais feliz
Amor traz perfume
Também traz lume
Que sempre quis...
Publicado em: 06/01/2007 11:59:02
Última alteração:28/10/2008 10:36:20


Te procuro no barco
Arco solto sem rumo
Prumo que não se forma
Deforma sensação
Se são ou se seriam
Se riam ou não ris
Se fiz o que quiseste
Disseste o que se quis
Por um triz sou feliz,
Mas não sei mais o nome
Que some e não assume.
No sumo que se deu
No adeus fui sempre gomo.
E tomo meu destino
Que é manso mas escuro
Me curo e te procuro
No barco que partiu
Se viu ou se não viu.
Amor estou aqui!!!!
Publicado em: 25/01/2007 23:02:05
Última alteração:28/10/2008 10:37:50




AMOR, ETERNO AMOR //

Nestas ruas também fui cobiçada
Olhares lânguidos, amores e paixões
Desfilando na passarela da juventude
Força gigante, disfarçando as multidões

Passagem rápida, natureza programada
Neste planeta, inevitável esta sina
Só ficam os sonhos e o desejo de menina
Vagueiam “príncipes” mesma sorte mesma sina

Mas os desejos sempre abertos já perfazem
Cabelos grisalhos, maturidade que enfeitiça
Com o mesmo charme o olhar segue uma pista

E com desvelo, ama, sonha, acaricia
O coração não tem idade se enfeitiça
Com o mesmo afeto, mesmo ritmo e cobiça

Amor em plenitude só se faz
Capaz de não temer vicissitudes
Quando se mostrando mais audaz
Distante das mais frágeis atitudes

O tempo tantas coisas já nos traz
Das lágrimas formaram-se os açudes,
Que sanam quando há seca. Amor se traz
Mais forte do que em tantas juventudes.

Sabemos caminhar com firmes passos,
Sem medos, teimosias, inconstâncias,
Mais firmes encetamos nossos casos

Sabemos demarcar nossos espaços
Dos corpos, mil prazeres em reentrâncias
Fulgores que se explodem sem ocasos...

SOGUEIRA
Marcos Loures
Publicado em: 31/07/2007 19:51:42
Última alteração:05/11/2008 17:57:56



AMOR, ETERNO AMOR /

Esbanjo em fantasia
O que seria
Um momento de amor
Contigo...
Vero paraíso!
E castigo se faria,
Te amar e depois
Ter que partir...
Te quero sim...
Mas...
Prá sempre!

Amor que eternamente se promete
É qual um soberano em desatino.
Ao sonho mavioso me remete
E volto novamente a ser menino

Depois de tantos anos à deriva
Um coração matreiro, se renova.
Colhendo uma esperança sempre-viva
Aos poucos, todo dia, já comprova

Que tudo nesta vida é pontual,
Somente em nosso amor, perenidade.
Pois feito com desejos e amizade

Revolve sem ciúmes, todo o astral,
Amor que é sempre belo e magistral
Trazendo para nós eternidade...

ANA MARIA GAZZANEO
MVML
Publicado em: 09/08/2007 19:43:59
Última alteração:05/11/2008 16:24:04


Fico a sonhar
Com aquele encontro
Tanto ansiado
E não consumado...

Conto os dias
Que vão passando...
Morosos sem graça!

Quiçá o amor
Nada mais fosse ,
Que uma pérola morta,
Dentro de uma caixa!

Certamente,
Eu poderia
Deixá-lo num canto
Esquecido...

Mas é força que agita...
Me move me incita...
A ir te buscar...

E a ti convencer...
Do meu lado, ficar...


Semente que se anseia em primavera
Brotar numa explosão maravilhosa
Valendo toda a dor da triste espera,
Perfumando eterna e rara rosa
Que faz da vida luta mais sincera
E trama nossa sorte generosa.

Se toda uma ansiedade vale a luta,
Se toda luta se ganha e se batalha
Se à noite novo som mais belo escuta
Acalmando o meu canto de navalha,
Se a jóia foi um dia pedra bruta,
Se esta alegria por certo já se espalha.

Amada, não temais tempo vindouro,
Nossa riqueza é feita em jóias de ouro.

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 01/05/2007 18:48:08
Última alteração:06/11/2008 08:14:46



De volta...
A casa....
Feliz....
Sorridente...
Corro para ti...
Num abraço nos fundimos...
A breve ausência já esquecemos...

Querida a tua ausência doeu tanto,
Não sabes como é triste estar sem ti,
Distante de teu beijo, teu encanto,
Parece que metade já perdi.
Vem logo me trazer teu belo canto,
Estava tudo escuro, amor, aqui...

Se nada me trazia uma emoção
Se a noite se passava tão vazia,
Se a cama se perdia em vago não,
Se a vida estava assim insossa e fria

Ao ver que tu voltaste, estendo os braços
E toco tua pele encantadora.
Vem logo renovar os nossos traços,
Que o tempo vai passando e não demora...

Marta Teixeira
Marcos Loures
Publicado em: 01/05/2007 22:31:46
Última alteração:06/11/2008 08:14:17



Dourado sonho dominando tudo...
Os olhos esquecidos adormecem...
Nas horas mais doridas não esquecem
E deixam o meu dia quase mudo...
Não posso compreender, porém, contudo,
Que as noites que vieram se padecem
Dos sonhos que perdemos e enlouquecem
Fazendo um coração já tartamudo.

Amor interagindo com saudade
Matando, sem querer, felicidade.
Nos braços que me entrego, em fantasia...
A vida me promete este tesouro,
Estrela que ilumina trazendo ouro.
Por sobre essa montanha tão divina
Abraça toda a terra que domina.
Raiando tanta luz em pleno dia,
Trazendo a minha estrela da alegria!
Publicado em: 14/12/2006 11:51:30
Última alteração:24/10/2008 13:57:07


Tanto amor que a vida trouxe
Mas amor se foi, morreu...
Acabou-se o que era doce,
Mas antes ele do que eu...

Amor, palavra bonita,
Que tanta luz sempre traz.
Amando, a gente acredita,
Que esta vida satisfaz.

Eu plantei um pé de amor,
Fui colher felicidade,
Mas fui tão mal lavrador,
Que, no fim, colhi saudade...

Se Maria não me quer,
O quê que posso fazer?
Nos teus braços de mulher,
De tanto amor vou morrer.

Quero o gosto dessa boca
Nesta boca mergulhar.
A saudade dói, é louca,
A saudade quer matar!

Vivo em busca do futuro,
Não esqueço meu passado,
Presente em cima do muro,
Coração desembestado...

Saudade é no feminino,
É assim que a vida quer.
Desde o tempo de menino,
Esperei, você, mulher...

Você veio devagar,
Devagar tomou assento.
De tanto que quero amar,
Nesse amor já me arrebento...

Mas não deixo de tentar
Ser feliz por mais um dia...
Não canso de imaginar,
Montado na fantasia...
Publicado em: 08/02/2007 23:35:40
Última alteração:28/10/2008 10:39:51



Amor, Minha Última Esperança!



Quero teu cheiro,
desejo e chama,
no beijo que chama
e clama e aclama,
teima e me traduz.
Na luz serena da morena,
que acena com a vida,
ávida e vadia,
audaz e perene.

Quero teu sentido,
ameno e amoral,
amargo delírio,
nos lírios do campo,
nas sendas e searas.

Quero o amares
nos mares e marés,
na trilha do sol,
no arrebol e na terra,
treino e acento,
aceito e assento,
assertiva que mente
e remete à mente
que traz o audaz que seduz,
em tua luz e amplidão.

No chão que pisas
concisa e complexa;
nos plexos e praças,
nos arredores dos lugares
por onde flutuas,
delicias e deliras
os olhos perdidos,
os medos perdoados,
denodados dos nós dados
de nós atados em nós,
urdidos e ungidos
num ágil e frágil
pendão.

Quero o acero de teus lábios,
sábios e cruéis,
de viés, ao revés
ao invés.
Desviados das vias onde voas,
onde havia a harpia que devora.
Voraz e virtuosa,
com as mãos mais audazes,
velozes, audaciosas,
cônscias e cientes, do que,
de repente, no repente,
repetidos atos
atam em nós.

Minha amada
nada mais quero
e espero senão
o teu perdão,
pendão e acórdão,
cordão que ate e que arremate,
maltrate e acaricie.
Vicie e delicie
quem quer que se veja,
na mesma peleja,
na mesma cantiga,
antiga e perene.

Amo teu amor,
amo e escravo,
me lavam e me levo
me deixo ao teu rumo,
no aprumo que decidires,
nos dizeres que conjugares,
nos ares que voares
nos mares que nadares,
onde quiseres
por onde vieres
e para onde fores.

Nas flores e odores,
nas dores que escolheres,
nos mesmos motivos
que sirvam de tema.
Que sejam teu lema
e tua gema.
No mesmo leme,
no mesmo cerne,
que concerne a quem ama.

Na vida que queima
na curva do rio,
na trilha da estrela,
ao vê-la me perco.

Na vela que consome
que some e bruxuleia,
no brilho dos olhos,
na filho que teremos,
no amor que produz e reproduz,
na noite das estrelas,
desse hotel onde estamos
nos amores que tragamos
e estragamos
pela vida afora.

Mas, agora ,
nada importa,
tranque a porta
e abra o peito.

Teu confete,
teu confeito somos
ambos nesse tempo.
Nosso tempo nesse templo
em que contemplo e perpetuo
nosso duo, nosso dia,
na poesia que derramas,
nessa cama, nossa chama,
nos chama e declina.
No declínio da noite,
o arremate, o combate,
nada abate nosso trato,
no contato, no contrato,
contralto e contrabaixo,
nosso facho,
acho que a lua,
a rua e a cachaça,
nosso pia batismal.

Nosso doce carnaval,
canavial dos desejos,
nos beijos e afetos,
nos perpétuos ósculos e ócios,
vícios e delícias.

Nos teus seios
que sei-os tão meus,
nesse momento são regaço,
meu cansaço, onde lasso,
teus laços e meus traços
são um só.

Amo-te,
desse amor tão mais urgente
que necessito ardor,
que transmite a dor,
e consola minha perda,
minha perca e minha musa,
minha medusa.

Abra a blusa e, confusa,
com fusão,
entre lábios e delírios,
somos todos um só corpo,
absorto e absurdo,
surdos e semimortos,
filhos dos mesmos tratos,
entre Hermes e Afrodite,
acredite minha amada,
aceite essa madrugada,
como estrada e madrigal.
Nesse doce precipício,
o fim de tudo é o início,
o meu renascimento,
o momento mais sublime,
o suplício,
a súplica,
o início,
a última esperança!
Publicado em: 08/12/2006 00:40:57
Última alteração:24/10/2008 13:52:15



Meu manto descoberto, quase nu,
Caminho pelas ruas sem ter nexo
O canto da agonia mais complexo
Vertendo meu silêncio morto e cru.
Em cada maço aberto de cigarro
Certeza de fumaça e de prazer.
Do câncer que, por certo, vou morrer;
Nas pernas do bichano eu sempre agarro.

Depois de ter vivido mais que tido
O medo sem vergonha e sem disfarce
Retorna me causando tanto impasse
Que faz com que me sinta dividido.

Duvido que talvez assim padeça
No conto que não conto me obedeça
E vença ao fim da tarde essa agonia.
Parede que me encosto, sendo fria,
Demonstra tanto gelo que me corta.
Abrindo, sem querer, uma outra porta,
A morta natureza faz a festa.
De tanto que senti o que me resta
É o manto que desnudo nesse dia
Raiado, adormecido em poesia...
Publicado em: 12/05/2007 17:22:28
Última alteração:23/10/2008 21:05:46



AMOR, IMENSO, AMOR /


Menino que promove os meus mil sonhos,
Contigo vejo o céu azul, risonho...
Me tome pela mão, comigo dança,
A bela dança, de uma esperança...

Que encantos trazes, neste teu sorriso...
Nos versos que me fazes, mil canções...
Tecendo de magia, um paraíso.
Perdida vou, de amor, nestes rincões...

Contigo vejo a vida mais bonita.
Te entrego sem ter medo o coração.
E louvo tua presença tão bendita,
Que vejo-me, tomada de paixão.

Menina que ninando cada sonho
Trouxe-me essa alegria já sem par,
Meu mar; aonde embarco e sempre ponho
Delícias que encontrei na preamar

Mil cordilheiras, venho e assim transponho
Neste horizonte lindo de mirar,
Encontro um arquipélago risonho
Espelhos refletindo o teu olhar.

Um céu caleidoscópico recebe
Alucinadamente cada brilho
Que emana-se em teu corpo em cada sebe

Por onde passaremos sonho e verso.
Que nada se transforme em empecilho
Ao claro amor, maior deste universo...

ANA MARIA GAZZANEO
Marcos Valério Mannarino Loures
Publicado em: 02/08/2007 17:23:32
Última alteração:05/11/2008 17:16:22




Caminhas na beleza destes lírios
Nos linhos e nas rosas alvas flores.
Vivendo sem temer sequer as dores
Procuras pelas noites em delírios
Esquece-se somenos dos martírios...

Em teu caminho aromas e delícias.
Seguindo, radiante nunca paras.
Bem sinto que no fundo tanto amaras
Vivendo um paraíso de carícias.
Amores te inundando de malícias...

Serenas as noturnas caminhadas
Que fazes pelos campos deste amor.
Querendo teu querer em plena flor
Sabendo das estradas mais ornadas.

Quem dera se não fosses mais embora!
Meu mundo transbordando sem ter medo.
Amor de tanto amar sabe o segredo
Que trama teu prazer, amor implora!
Publicado em: 15/12/2006 19:49:01
Última alteração:24/10/2008 13:59:42


Amor, meu companheiro de viagem
Amor meu companheiro de viagem,
Por quantas madrugadas desfrutamos
Das dores e ternuras que inventamos
Dos ventos e tempestas, das aragens...

Em camas e motéis, tanto calor,
Banquetes de desejos, mil talheres,
Nos corpos seminus, muitas mulheres,
Gigantescos delírios, pouco amor...

Nas luas que, em vermute, me enlouquecem
Nas vozes e cantigas, nos bordéis,
Nas hordas mais incríveis, de viés
São coisas que vivemos e se esquecem...

Por quantas noites, santas rebeldias,
Paixões, velhas doenças que torturam,
E somente em paixões novas se curam.
E ferem sem marcar os nossos dias.

Amor, meu companheiro delirante,
Passamos tanto tempo em minha vida
Chorando e renovando a despedida,
Durante toda a vida, meu amante!
Publicado em: 29/11/2006 17:04:08
Última alteração:28/10/2008 11:40:34




AMOR, MEU DESTINO...

Amor, destino
Caprichoso e tão menino
Traz conforto e desatino,
Faz roseira balançar.
Me descompensa
É muito mais que a gente pensa
Todo amor quer recompensa
Compensa recompensar.

Amor que inflama
Toda noite em minha cama
Fervilhando em nova trama
Faz a cama balançar.
Amor te quero
Eu por ti me regenero
Tanto amor que te venero
Tanto amor me faz gerar...

Amor sacana
Nossa vida se embanana
Se esse amor cedo me engana
Tenho ganas de esfolar.
Amor gemente
Toda noite, de repente,
Arrastando uma corrente
Faz a gente delirar...

Amor de fato
Eu guardei o teu retrato
Foi pro morro foi pro mato
Nesse trato quero estar.
De manhã cedo
Tanto amor, sem ter segredo,
Vou vivendo sem ter medo,
Nesse enredo vou ficar.

Amor de sonho
Um futuro tão risonho
Meu amor, a ti proponho;
Já me ponho, imaginar...
Amor que peço
Sem amor eu me despeço
Meu amor a ti confesso
Só me estresso sem amar...

Venha comigo
Perceber se tem perigo
Meu amor eu não consigo
Se te ligo quero estar.
Amor não corra
Se rodar feito piorra
Quero amor que me socorra
E não morra devagar.

Amor gigante
Te queria neste instante
Meu amor que se adiante
Neste instante namorar...
Amor salgado
Se ficar assim de lado,
Meu amor é bom bocado
Nosso estrado vai quebrar.

Te quero nua
Toda a vida continua
Nesse amor que se flutua
Onde a lua quer brilhar.
Amor marinho
Eu preciso do carinho
Meu amor não vou sozinho
Quero o ninho povoar.

Não falo nada
Vou seguindo minha amada
Toda noite e madrugada
Em cada cama cada olhar.
Amor meu verso
Procurando no universo
Tanto amor assim diverso
Que é o inverso de chorar...
Publicado em: 06/01/2007 14:02:40
Última alteração:28/10/2008 10:36:17



AMOR, MEU GRANDE AMOR /


É feito de esperança em laço algoz
Aquele que diz amo e cegamente
Seguindo vai achando que essa foz
É sua única fonte à boca ardente...

O qu'é triste é saber que logo após
Aquela água era um aguardente
E alma presa, então, em tantos nós
Quer ser livre, solta finalmente.

Amor sendo perfeito vai errático
Em torno de si mesmo, aleatório.
Revoluciona e nunca fica estático

É mágico e por isso, seus olores
O tornam quase oculto, mas notório
Cortando nos perfuma, espinho e flores


GONÇALVES REIS
MVML
Publicado em: 20/08/2007 18:57:50
Última alteração:05/11/2008 14:52:45



Amor, meu grande amor
Caminhando sozinha pelas brumas,
Teus passos são perfeitas jóias raras,
Meus sonhos traduzidos nas espumas
Por onde passas, tantas noites claras!

Como esquecer, enfim, lindas searas,
Enfeitiçadas pelo teu perfume,
A lua embevecida traz tiaras
Tresloucada, morrendo de ciúmes!

Pelos teus passos, alvos de inocência,
Estrelas radiosas, num cortejo.
Ao te verem passar, pedem clemência
Na natureza inteira, um só desejo!

Em teu corpo permeiam claridades
Roubadas pelos céus desse infinito.
As ondas desse mar, as tempestades,
Nos teus passos professam novo rito!

Quem não soubera ouvir da terra os brados,
Quem não pudera ver: os ventos clamam.
Os teus pés iluminam tantos prados,
As vozes mais divinas te reclamam!

Caminhas simplesmente livres passos,
Quem os vê silencia, fica mudo.
Espelham luz dos céus, tantos espaços..
E representas, nos meus versos, tudo!

Quem me dera saber dos teus desejos!
Quem me dera viver nos teus anseios...
Minhas noites teriam tantos beijos.
Os meus sonhos dormindo nos teus seios!

As noites sem te ter são tão geladas...
Delícias se esvaindo como o fumo,
Tantas vezes sozinhas madrugadas,
Só de lembra-te perco todo o rumo!

Minhas tardes, de pobre caminheiro
Espalham pelos campos toda essa ânsia!
Amo-te e isso é mais puro e verdadeiro!
A cada instante sinto essa fragrância!

Quem me dera saber dos teus caminhos!
Viveria por toda a vida amando!
Quem souber que me conte teus carinhos,
Minha vida seria, enfim, cantando!

Te procurei por todos esses mundos!
Eu já te quis buscar na eternidade!
Meus olhos são tristonhos, são profundos,
Só vivem por viver essa saudade!

Quantas vezes dos meus sonhos, vens surgindo...
Apascentas meus olhos desolados...
Ao lembrar que te vi assim dormindo,
Em tal momento estão ensolarados!

Por tantas madrugadas foi atroz
Os sons que me chegaram pelos ventos...
A porta aberta deixa ouvir a voz
Que me recorda tantos pensamentos!

Na maciez serena dos cabelos,
Na maravilha audaz de tais melenas...
Dessa lã que compõe os tais novelos,
A sensação feliz das noites plenas!

Delicadeza doce dessas pernas,
Na sutileza breve da ilusão!
Os meus sentidos todos, já governas,
Justificas assim meu coração!

Beleza igual, jamais verei em vida!
Em lugar algum nunca mais existe.
A mão macia calma e comovida,
Num gesto mais suave eu te vi triste!

A cada dia vivo perseguindo
Os teus olhos, reflexo irisado,
Teu perfume nobreza, vou pedindo
Aos teus pés num repente apaixonado!

Em teus pés livres belos os contornos,
Flutuas pelos céus, anjo adorável!
Teus sorrisos precisos, meigos mornos,
Refletem tal beleza sempre amável!

Nunca mais poderei te ver angélica
Minhas asas partiram sem saber.
Minha noite revoa psicodélica
Meus sonhos, pesadelos passam ser...

És estilo clareza e velho cio.
Esquentas, acalentas meus enganos
Nas horas mais geladas traz estio.
És parte principal de tantos planos!

A morte sem te ter atinge o cúmulo!
Não consigo descanso sem teus olhos!
Meus versos levarei para o meu túmulo,
Das flores que colhi, diversos molhos!

Não sabes desse amor, nem o pretendo.
A porta que me mostras da saída.
Viver assim parece estou morrendo.
A morte representa toda a vida!

Já não sei de teus beijos minha amada,
Nunca soube nem tive tal coragem...
A porta que me deixas vai fechada,
Por ela penetrando essa friagem...

És meu princípio e fim de toda luta.
És o começo triste da chegada.
Minha vida cruel já vai, se enluta
És a marca final da minha estrada!

Passei por tanto tempo minha história,
Em meio a tempestades mais bravias...
Não me resta sequer doce memória
Nada ficou nem mesmo esses meus dias!

Eu passe simplesmente em teu caminho,
E nada mais seria, nem revés!
Tanta flor que brotando, traz espinho.
A vida me pegou me fez viés!

Nas bordas deste mar, sufocam ondas.
Areia que pisei foi do deserto...
As horas que passei, frias, redondas
Nunca estiveste ao menos nem por perto...

As flores que te dei já se murcharam,
Os partos que pensei foram abortos.
Meus sonhos que sonhei, despetalaram
Os olhos que mirei, são mais absortos...

Não vi nem penetrei a tua entranha...
Resumo minha vida em simples lodo.
Nas mortes que vivi, tu foste estranha
Pois nem sequer fui parte deste todo.

Veneno que tomei já faz efeito,
Tudo embaçado vejo, nada sinto...
O mundo me parece mais direito.
Embriagado tomo mais absinto!

Rodando meu passado e meu presente
Futuro nunca tive e nem terei
A mão da morte sinto, mão tão quente,
Carinho derradeiro me faz rei!

Nunca mais sofrerei a tal desdita
Que te fez tão rainha dos meus sonhos.
Agora ouso dizer: tu és maldita.
Por ti sonhei os sonhos mais medonhos!

Afasta-te serpente não te quero!
Inferno foi herança que me deste.
Cruel destino é tudo que venero
Que morras precipício feroz peste!

Teu corpo profanado pelos vermes.
Necrofágicos seres te possuam...
Jamais terás nenhum dos vários Hermes
Que sonhaste, que os cardos te poluam!

Que esse corpo padeça sem perdão!
Que nas pernas te comam as varizes,
Que apodreçam, em vida, o coração.
Que a morte sempre pinte vãs matizes!

Teus filhos devorados pelo vício,
Que nas pedras tempestas te maltratem...
Que não sobre de ti sequer indício.
Que as cracas e os corais rosas te matem!

A morte se aproxima tudo sinto.
O gosto desse beijo da medusa.
As dores da saudade já pressinto
Calor vai consumindo minha blusa...

Arranco, mais depressa minha vida...
Nos olhos carregados de paixão.
Te peço, me desculpe essa ferida...
E que tenhas, feliz, teu coração!
Publicado em: 30/09/2006 22:15:00
Última alteração:28/10/2008 11:51:41



AMOR, MEU GRANDE AMOR
Vagamos noites densas, libertárias,
Cobertos de poeira e de prazer.
As fomes que se matam, tantas, várias,
Na fonte que se entorna; eu posso ver
Distantes das tempestas temerárias
A lua em mansidão. E passo a crer
No amor que nos domina sem tortura,
Na frágil sensação de uma ternura...
Publicado em: 01/04/2008 20:40:07
Última alteração:21/10/2008 16:47:49



AMOR, MEU GRANDE AMOR
Tu és meu sol
em tons dourados,
que tanto necessito
em meu ser ...
Tu me ofereces
alegrias, paixão,
companhia e amor ...
(ivi)

Vou buscando nos teus seios,
A delícia sem recato,
Devorando meus anseios,
Nos teus seios me retrato,

Vamos nessa que a vontade
De matar a sede, a fome,
De engordar felicidade,
Pois senão a dor nos come.

Sou teu par, o teu parceiro,
Companheiro de viagem,
Meu amor é verdadeiro,
Nunca foi uma miragem.

Vasculhando os meus caminhos,
Encontrei teu coração,
E bebi destes teus vinhos,
Teu perfume: sedução.

Hoje embriagado estou
E num vício tão divino,
Coração já te buscou
Deixe eu ser o teu menino!
Publicado em: 08/04/2008 21:27:57
Última alteração:21/10/2008 18:14:36



Pomares da esperança
Infância tão distante
Sorriso de criança
Refaz-se neste instante
Amor que tenho imenso
Deixando-me contente
Tu sabes quanto eu penso
No amor que é só da gente...
Recolho cada mel
Que emanas, delicada...
Mergulho e chego ao céu
Em tuas mãos de fada.
À noite sou corcel
Canção agalopada
Que mostra no dossel
Que a noite não é nada
Distante deste véu
Desta mulher amada
Que encontro; desnudada,
Na boca o seu sorriso
Convite que me faz
Chegar ao paraíso....
Publicado em: 09/04/2008 16:42:51
Última alteração:21/10/2008 18:19:10


O Sonho
e a Imaginação
se abraçam,
aqui, num cantinho
do coração,
num espaço
só pra ti ...
(ivi)

Na ronda deste amor
Beijos te proponho
No sonho que procuro,
A cura inevitável.
Amor nos seduzindo
Num lindo vendaval
Que assola o pensamento,
No toque sensual
Dos lábios e palavras
Nas lavras que cultivas,
Tu és a paz que eu quero
Bendita serenata,
Mulher que me maltrata
E ao mesmo tempo alenta,
A vida passa lenta
Distante se não vens.
Nos versos que fazemos,
Os remos deste sonho,
Aonde a sorte eu ponho,
O leme que eu queria.
No barco/fantasia
Que leva-nos distante...
Na fortaleza imensa
A doce recompensa
Do mel que colho agora
Na boca mais gostosa
Da morena fogosa,
Que tanto desejei...
Publicado em: 10/04/2008 18:12:02
Última alteração:21/10/2008 18:23:07



A vida é uma soma que nos guia
Leva-me até ti nas tardes calmas
O sol já declinando, ouço a melodia
Levando uma saudade a duas almas

Que clamam por amar sem reticência
Colhendo nas palavras que arrebata
O sopro da espera em toda essência
Escolta que seguindo qual fragata

Navega em direção em rumo certo
Nada detém, as ondas são vorazes
Chega e alcança o leme que por perto
Recolhe no abraço, forças ferazes

Para aquecer nas tardes calmas, frias
Dois corpos que a saudade inebria

SOGUEIRA



Aragens e frescor de primavera
Nas flores, nas abelhas, borboleta.
Libélulas voando. Quem me dera
Poder seguir seus passos, ser poeta...

Falar da imensidão do sentimento
Que sinto sem segredos por você,
Na doce poesia deste vento
Amor que tudo sabe e tudo vê.

Fluir tão mansamente como um rio
Que desce por cascatas, mais ligeiro.
Vivendo a fantasia que recrio
Do sonho deste amor mais verdadeiro.

Na música que canta um passarinho,
No colo da mulher fazer meu ninho...
Publicado em: 27/05/2008 17:21:49
Última alteração:21/10/2008 15:22:17



Amor meu companheiro de viagem,
Por quantas madrugadas desfrutamos
Das dores e ternuras que inventamos
Dos ventos e tempestas, das aragens...

Em camas e motéis, tanto calor,
Banquetes de desejos, mil talheres,
Nos corpos seminus, muitas mulheres,
Gigantescos delírios, pouco amor...

Nas luas que, em vermute, me enlouquecem
Nas vozes e cantigas, nos bordéis,
Nas hordas mais incríveis, de viés
São coisas que vivemos e se esquecem...

Por quantas noites, santas rebeldias,
Paixões, velhas doenças que torturam,
E somente em paixões novas se curam.
E ferem sem marcar os nossos dias.

Amor, meu companheiro delirante,
Passamos tanto tempo em minha vida
Chorando e renovando a despedida,
Durante toda a vida, meu amante!

---------------------------------------------------


Não deixe que a vida te afaste...
Eu tantas vezes imaginei tua presença.
Era um sonho, nada mais que isso...
Muitas vezes acordava e sentia
O teu respiro calmo e macio,
Amor!!!
Como é bom poder gritar: AMOR!
Mas temo, e cada vez mais,
Que se perca essa palavra
Ou pelo menos, não retornes...
Durante tanto tempo adormecido,
Sinto que nada mais impedirá de gritar
Teu nome, com toda a liberdade...

Nas horas mais difíceis
Mísseis soltos pela vida
Ávida de paz e guerra
Terras revoltas luta
Bruta desesperança
Lanças apontadas
Estradas fechadas
Rumos perdidos,
Sentidos à tona.
Átona existência...
Nestas horas mais tristes
Quando esperança
Passa a ser somente um quadro
Na parede, amarelado e sem brilho.
Vejo teu sorriso, meu filho adorado.
E percebo que a vida faz sentido.
E descubro o quanto o amor é capaz...



Amor vai se elevando sobre a Terra,
Além do que eu pensara; imaginário
Sonho aonde esta glória assim encerra
Um canto mais audaz e necessário.
No amor a solução pra triste guerra,
Vencendo em calmaria um adversário
Que contra a sua força não podia
Entregue sem defesas, fantasia...

Invade pelos mares, ganha a areia,
Renova em alegria uma jornada,
Na praia da esperança se incendeia,
A sorte de viver é desejada,
Amor vai penetrando pela veia,
A nossa alma se deixa ser tomada,
Pelas garras felinas deste sonho,
Trazendo um canto nobre e mais risonho.

Andando pelas sendas arenosas
A cada novo passo me acenando,
Embora em cada curva perigosa,
Em loucas sensações, já me incitando,
Amor numa alma pura e generosa,
Aos poucos vai mais forte rebrilhando,
No passo deste amor, ando ligeiro,
De todos os meus sonhos, o primeiro...

Do amor em plenitude, eu sou amante,
Caminho sem ter dúvida esta estrada
Que segue sem temores para diante,
E forte no meu peito sempre brada,
Mostrando uma alegria a cada instante,
E a vida já trazendo iluminada.
O canto deste amor me contagia,
Clareia em luz intensa cada dia...

O brado feito amor já se levanta
Espalha sobre a Terra um bem profundo,
A dor para bem longe, amor espanta,
Mudando a minha sorte num segundo.
Minha alma extasiada, assim se encanta,
Nas águas deste amor, enfim me inundo,
E canto meu futuro venturoso,
Tocado pelo amor em pleno gozo...
Publicado em: 24/09/2008 14:24:56
Última alteração:02/10/2008 17:57:20



Como dói a distância!
Tantas vezes procuro por teus braços;
Vazia nossa cama.
Um céu se torna escuro.
Minha alma tanto chama,
Mas nada, nada escuto.

A dor desta distância,
Só encontrará cura nos teus braços;
Que longe estão dos meus;
Saudade da ternura,
Tua luz em negros breus
Amada; vem, escuta!

Amor que na distância,
Vai estreitando tanto nossos laços,
Na busca ensandecida
Cadê o teu encanto?
Amor da minha vida...
É tanto amor que sinto...

Vivendo na distância
Te quero sempre aqui, junto aos meus braços.
Quem foi, de amor, vencido,
Amor que concebi;
Me pego, distraído,
Cantando, só; por ti.
Publicado em: 17/09/2008 20:36:47
Última alteração:17/10/2008 13:56:50



Ao toque da tua boca
Desperto uma vontade
E sol de intensa luz
Meu corpo se transforma...

Mergulho em teus carinhos
Ao toque sedutor
Me lanço ao paraíso
Te amo, meu amor!

Afagos e carícias
Nas noites de delícias
Nos fazem levitar...
Adoro te sentir, vontade insana
De te tocar inteira, e te despir,
De noite, na delícia mais profana,
Sem nada e sem ninguém para impedir

Dois corpos que se querem, se desejam,
Em toda esta loucura, levitar;
Nas bocas curiosas, já latejam
Palavras que se tocam, sem parar...

Invado o paraíso, num segundo,
Respiro teu desejo sinto o cheiro,
De tantas maravilhas, eu me inundo,
Do amor deliciado, por inteiro...

A noite vai passando; lua e sol,
Estrelas nos olhares, um farol...

ANE MARIE
Marcos Loures

Publicado em: 09/03/2007 22:55:55
Última alteração:06/11/2008 12:01:37

Quando à tardinha as nuvens te levaram,
Achava que jamais eu poderia
Viver de novo encanto e poesia,
Ah! Meu grande amor...
Mas logo após a chuva, já raiaram,
De novo em belos raios de alegria,
As plenas ilusões da fantasia.
Raiou novo amor!

Querida; sei que assim, a vida passa.
Não posso aqui ficar como finado,
Vivendo tanto tempo abandonado.
Sem um grande amor!
Saudade no meu peito é qual fumaça
Entenda, meu amor, esse recado,
O que passou em mim, só é passado.
Preciso de amor!

Se toda triste noite, em frio inverno,
Arder nos olhos meus uma tristeza,
A vida se desloca em correnteza
Trama novo amor.
Saudade no meu peito faz inferno,
Amar demais é sempre uma grandeza.
Levando minha dor, tanta leveza,
Escravo do amor!

Mas saiba que te gosto muito e tanto.
Contigo eu aprendi uma verdade.
A vida não permite mais saudade,
É tempo de amor.
Não deixo de por ti, ter tanto encanto,
Amar é conhecer a liberdade.
Quem sabe conheci felicidade,
Nesse nosso amor!
Publicado em: 04/02/2007 16:13:58
Última alteração:28/10/2008 10:38:47




Nada mais vago
Afago teu
Que tanto estrago
Já fez no meu.
Menina eu quero
O nosso céu
Nele eu espero
Um branco véu
Que cubra amor
Sem ter pudor...

Raio de lua
Vagando só,
Beleza nua
Ando tão só.
Te peço amada
Claro luar
Não quero nada
Somente amar...
Amor intenso
Só nele penso...

Na cicatriz
Sem alegria
Não fui feliz
Por nenhum dia
Agora vejo
Tanto carinho
Nosso desejo
Em nosso ninho
Onde estará?
Em Xangrilá?
Publicado em: 08/02/2007 20:15:50
Última alteração:26/10/2008 20:23:33



Olhando pela fresta,
Desta janela aberta,
Encontro-te na certa,
Que vindo ao meu encontro,
Co´amor, tal qual um laço,
Querendo me enlaçar...
Te vejo e não resisto...
Amor, no amor, insisto!
Que vivo esta alegria,
Te amar mais este dia...
Se acaso você fica
A vida é mais bonita!
Me entrego aos teus carinhos...
Te levo por caminhos...
Que este amor mandar...
E tudo se faz festa
E tudo tem encanto...
O alento me visita..
E a vida, voa, então...
E bate o coração...
Vivendo esta emoção...
Desfruto este prazer...
De amar assim, te ver...
Trazendo o teu amor!

Amando o teu amor só por amar,
Certeza de poder viver o mar
Que tanto traz beleza quanto o medo...

Abrindo o coração ao pensamento
Abrindo esta janela, vem o vento
E fala deste amor sem ter segredo...

Desfruto do prazer que tenho em ti
Receio de sofrer eu já perdi,
Imerso neste sonho sem tamanho.

Eu não tenho mais nada sem te ter,
Minha vida se perde sem prazer,
Mas contigo, meu bem, a sorte eu ganho.

Eu quero te fazer bem mais feliz,
Tu és minha promessa e cicatriz
Com risos e com gozos divinais.

Amada, meu navio te procura
Tu és o meu farol em noite escura,
Tu és porto seguro, és o meu cais...


ANE MARIE
Marcos Loures

Publicado em: 25/02/2007 17:11:40
Última alteração:06/11/2008 12:16:30



Quero...
Com amor e desvelo...
Acariciar teus cabelos.
Com essa sede que me alucina,
Beijar o teu corpo inteiro...

Achar a trilha...
Mapa da mina...
Te vasculhar sem medo...
Desvendar teus segredos...

Possuir teu corpo quente...
Te amar feito louca...
Chegar à tua alma...
Beijando a tua boca...
E satisfeita, sorrir...

Ao teu lado descansar...
Envolta em calma...
Nesta cama em chamas...
Palco de um amor... Infame?
Multiforme?
Perene?

Nada sei! Só te amo!



Beijando mansamente tua boca,
Mordendo devagar a tua orelha,
Roçando tua nuca em noite louca,
Acesa esta vontade... na centelha

Que abrasa neste incêndio dos sentidos,
Numa ardorosa cena em nossa cama,
À toda flamejantes as libidos
Os braços enveredam cada trama.

Desvendo teus segredos, te desnudo,
E tomo o teu prazer como destino.
Voluptuosamente; quero tudo,
Desde o princípio ao fim em desatino...

E penetrar com calma e com vontade
A porta que sonhei: felicidade!

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 02/04/2007 13:51:44
Última alteração:06/11/2008 10:01:17




Voando o espaço
Para te encontrar
Trago o brilho das estrelas
No meu olhar
Chego prá te amar...

Tenho no corpo a fulgurar
Lume do luar...
Brancura da neve...
Calor, de um sol...

Fogo de um amor
A me queimar...
Desejos sem fim...


Nossos corpos nus...
Eu em você...
Você em mim...
Noite afora...
Mavioso festim...

No fogo tão ardente deste amor,
Uma paixão intensa e transbordante,
Deitados nesta cama sem pudor,
Vibrando de prazer a cada instante.

Teu corpo já desnudo e sedutor,
No gozo desta noite flamejante,
Entrego-me em teus braços, teu calor.
E sinto-me perder; itinerante...

Eu quero te sentir em cada beijo,
O gosto da saliva e do prazer
Marcando em profusão nosso desejo.

Logo depois do orgástico festim,
Deitado junto a ti; adormecer
E renascer intenso até o fim...

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 26/03/2007 04:56:11
Última alteração:06/11/2008 10:26:05





Um sonho que todo rosa, cor de amor
Feito um beijo teu me acordou na manhã
Com gosto de carinho e ternura
Raio de sol a tocar minha pele
E no meu rosto um largo sorriso
Com tom rosa de esperança
De um futuro nosso tão promissor
E nesta coxilha tão morta e fria
Aquece meus sonhos estes versos
De nossos sonhos bordados
Amor nosso que é só sonho
Encanto e mais pura paixão
E neste ritmo de canção
Entrego e é todo teu
Este meu coração

Bordando uma ilusão em céu tão claro,
Olhos distantes buscam uma estrela
Que é feita de cristal deveras raro.
Meu Deus, como é difícil poder vê-la...

O gosto da existência, triste, amaro,
Percebe que não posso mais contê-la
Faltando para os passos, anteparo,
Tal sorte, se perdendo em bela tela.

O cheiro de esperança, outono leva.
Não deixa mais um sonho conduzir.
Minha alma solitária tanto neva

Que nada mais farei, senão sonhar,
Quem sabe poderei, enfim pedir,
Um beijo desta estrela... longe... ao mar...

GIANNA GUTERRES
Marcos Loures
Publicado em: 09/05/2007 10:43:32
Última alteração:06/11/2008 08:04:43




Me pega, domina
Entrega total

Corpos ardentes
Ocasião ideal
Beija meus lábios
Realiza meu desejo
Eu te quero na real

Doce teu mel, me lambuza
Encanta-me, abusa

Amo-te neste instante
Me abraça, me faz tua
Onde nada mas importa
Revelá-me teu amor

Eu falo deste amor com claridade
Um gosto desejoso me tomando,

Tocando tua pele, ansiedade,
Espero o teu amor, imenso e brando...

Adoro o teu perfume bela flor,
Misturo nossos corpos nos meus sonhos.
O frio se rendendo ao teu calor...

Tenho essa alegria de te ter
Amada, a cada dia, mais constante.
Mergulho sem ter medo no prazer
Bebendo desta fonte a cada instante.
E sinto que serei só teu também,
Mulher, que é fantasia e doce bem...

ISABEL NOCETTI
Marcos Loures
Publicado em: 11/04/2007 17:12:39
Última alteração:06/11/2008 09:40:26







Tanta poesia encontro no teu olhar
Convite pra ao teu lado, nosso mundo ser só poesia
Trazendo sonhos pra amanhecer nosso dia
Vivendo este amor contigo a poetizar



Quem sabe, finalmente em teus braços estar
Matando a sede destes tantos desejos
Mergulhando no silvestre sabor dos teus beijos
No teu corpo feito coxilhas a desbravar



Peço tua chegada a estrelas cadentes
Iluminando nossa noite, neste breu
Sentindo meu calor de encontro ao teu
Nossos corpos de amor, tão quentes



Sorver teus segredos na madrugada
Mirando teus olhos, brilho intenso do luar
Envolta em teus braços, abrigo imenso pra nossa sede de amar
Apenas nosso fogo da paixão em meio ao nada



Entrego a ti meu mundo, pra sempre tua menina
Vivendo intensamente nosso amor a me completar
Mesmo que só nas poesias ao teu lado possa estar
Querendo pra sempre meu sonho refletindo em tuas retinas

Eu quero te sentir, tocar, saber;
Adentrar mil caminhos tuas sendas.
A mais bela menina; pude ver,
Entre todas gurias, tantas prendas...

No teu colo deitar, boca sorver
E te peço, meus rumos que desvendas
São todos os campos do prazer
Sem mentiras e farsas, não são lendas...

Receber teu carinho, sem enganos,
Na guaiaca levando o teu amor.
Não me importam nem frios minuanos

Se tenho teu calor já me aquecendo
Na distância, meu mundo a recompor,
No amargo esta saudade vou bebendo...

Gi Guterres
Marcos Loures

Publicado em: 30/03/2007 13:00:41
Última alteração:06/11/2008 10:32:55



De rio, se fez mar
O amor, que tão pequeno,
cresceu...

Em essência,
No universo expandiu-se...
Agora, nos contém...

E felicidade,
No olhar brilhante, se avista...

A vida canta festiva...
O amor em sol,
Esse novo mundo, iluminou...

Amor,
Amor por ti,
Descortinando o paraíso!
Felizes, caminhamos, mesmo passo...

Eternidade deste amor...
Nos guia...
Nas estradas da alegria

Ouvindo passos nesta escadaria
Percebo o teu alento que se chega.
Na luz que teu sorriso me irradia
Vontade de te ter... vida carrega
Meus sonhos em perfeita sintonia
Trazendo em nosso quarto a plena entrega....

Ascende qual um fumo, o meu respiro.
Ao ver teu corpo belo, aqui comigo;
Extasiado solto num suspiro
A sensação perene deste abrigo.
A teus braços abertos, já me atiro
E passo a passo amada, em ti prossigo...

Nas estradas mais duras, és quem guia
A caminhada nossa, de alegria...

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 23/04/2007 16:00:13
Última alteração:06/11/2008 08:44:18


Nos meus caminhos longos e tristonhos
As noites se fizeram revoltosas...
O rumo das estrelas nos meus sonhos,
Passam por essas sendas venenosas...
Deixaste tantas urzes nos medonhos
Rastros que irão levar às nossas rosas!
Por que essas duras sebes nos risonhos
Jardins de luas tão maravilhosas?

Nosso amor necessita dos espinhos?
Tão cruel essa lei que me legaste!
Das gaiolas vislumbro belos ninhos!
As dores nos amores têm limite!
Depois de tantas lutas, o desgaste...
São duros os caminhos , acredite,
Mas valem nossa estrada, podes crer,
Amor que nos uniu, nos faz vencer!
Publicado em: 15/12/2006 09:26:20
Última alteração:24/10/2008 13:59:07



Titã no amor,
Venceste a guerra...
Resistência, pois,
Não resta...
Céus e florestas...
Tudo cercastes...
Até a lua
Comemora esta vitória!
Eu?
Não sou rainha
Nem escrava!
Contigo meu amor,
Sou vencedora...
O amor enlaça-nos!

Amor tão delicado em pura essência
Com doce sensação, em manso afã
Se encontra qualquer força em resistência
A faz mais frágil, tola, até malsã
Amar não é cumprir u’a penitência
É se entregar à força de um titã.
Embrenho com delícias tal floresta
Na lúdica emoção que assim se empresa.

Não vejo nem escravos nem senhores
Amor sempre nos faz um vencedor.
Reparte com carinho belas flores,
Nos traz sempre um sorriso encantador
Manhã que já renasce em seus albores
Com toda a fantasia, em esplendor.
Que o amor nos seja sempre um bom abrigo,
Nas chuvas que enfrentamos, no perigo...

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 25/05/2007 19:03:20
Última alteração:05/11/2008 23:00:09



A dor que dilacera corações,
Reside nas profundas de minha alma...
Herdando velhas chagas, aflições,
Não tenho mais sequer quem me acalma!
As rosas exalando podridões,
Teu nome rabisquei na mão, na palma...
Vermelhos velhos vermes vendilhões,
Meus versos são versões antigo trauma...

Minha dor, resistente não perece...
A cada novo dia me envelhece,
Nas rugas que desenha minha face...
Desdenha sutil corda que embarace
Meus passos sertanejos na cidade.
De teu amor tão grande nada sou
De tudo que tivemos mal sobrou
A dor que já me enluta, a da saudade!
Publicado em: 10/12/2006 18:39:59
Última alteração:24/10/2008 13:54:37


Amor, que te quero


De tanto que tinha
Amor não sabia
Que esta poesia
Não vale o que tem
Amor que se sabe
Gigante não cabe
Sozinho já vem
Aporta meu porto
Depois quase morto
Deitada de lado
A noite não nega
Amor tanto apega
E vai donde vem
Amor que te quero
Não deixo um segundo
Eu tanto venero
A boca que beijo
Amor e desejo
Depois já cansado
Não pára jamais
Perdendo essa paz
Que tanto persigo
Amor eu consigo
E te peço mais.
No sono que tive
Amor sempre vive
Na valsa que dança
Na noite se avança
Depois não se cansa
De tanto dançar.
Amor quero a praça
De tanta fumaça
É minha cachaça
Poder tanto amar.
Publicado em: 29/12/2006 20:20:21
Última alteração:28/10/2008 11:23:26



Te amar se fez para mim, meu grande amor...
Meu infinito...
E esse brilho a refulgir em meu olhar...
Prova o que digo...

A te chamar, para viver, amor por ti...
Sei que prossigo...
Por que amor, viver, sem ter você,
Já não consigo...

Escuta e vem, como eu te quis,
Já estou pronta...
Para viver, sonhar, amar-te até o fim...
Minha alma canta...

Que o amor, tal qual sonhaste entregarei...
Meu corpo em chamas...
Quero queimar, no teu abraço,o meu desejo...
Vem se me amas!

Nestes vales prolíferos plantei
Sementes que brotaram em mil flores.
As vertentes auríferas que sei
Nos seios rebentaram os amores.

Anseios desejosos; te cantei,
Carregue meus caminhos onde fores,
Nos campos olorosos semeei
Não negue nossos ninhos, tantas cores...

Na chama que, te ardendo, me consome,
Trama nos envolvendo a cada dia,
No banquete carnal matando a fome,

Vibrando nossos corpos, convulsão...
Fomentam os momentos de alegria,
Causando em nossos portos, explosão...

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 11/04/2007 13:52:04
Última alteração:06/11/2008 09:39:40



Amor, sempre amor...


Versifico com cuidado
Não pretendo magoar
Aquela que foi passado,
Nunca mais irá voltar
Não procuro por saudade,
Nem cheguei a perguntar.
Vago ruas na cidade
Esperanças de voltar.

Teus braços são meus descansos
Nas estradas que passei.
Os olhos são os remansos
Onde enfim eu descansei.
Quem quisera ser saudade
Dos meus braços sairá,
A canção da liberdade,
Todo pranto cantará.

Minha senda é sempre leve,
Meu caminho pesa cruzes.
Meu amor passou tão breve;
Nos espinhos e nas urzes.
Quem não quer ser mais sereno
Trovejando vai passar
Amor que não tem veneno
Serenatas ao luar.

Minha luta é sem destino,
Os meus olhos negam sol.
O amor desse menino,
Ilumina qual farol,
Todo tempo que não tenho,
Nada fiz que não valia.
Quando em tristezas me lenho,
A noite não traz o dia.
Toda minha fantasia,
Se perdendo num abismo.
Quem souber da poesia
Esquece do fanatismo.
Quadro que pinto não nego,
Tenho as tintas que encontrei.
Toda dor que não carrego,
Nas espadas dessa lei.
Vi meus barcos naufragando,
Vi meu tempo sem remédio.
Meu amor já foi mudando,
A vida não quer mais tédio.
Toda trama me envolvendo,
Nunca pude revelar,
Minha dor pede remendo
Nas espreitas do luar.
Vacinei a tempestade,
Encampei a solidão
Esqueci felicidade
Fechei porteira e portão.
Menina não tenho prenda,
Não me prende teu amor.
Vestido de chita e renda
Nos cabelos, uma flor.
Na mão a rosa vermelha,
Certezas no coração.
A vida pede centelha,
Não terá mais solução.
O meu verso de repente,
Volta e meia não tem fim.
Todo amor que se sente,
Emana dentro de mim.
Quero o tempo sem certeza
Sem ontem nem amanhã
Tudo que tiver na mesa
Procurei com muito afã
A geléia e sobremesa
Vieram lá do quintal.
Só restou esta certeza,
Minha vida no varal,
Quarando qual fosse sina,
Que não deixa seu recado.
A mão que cedo assassina
Não permite um belo fado.
Recado que não foi dado
Às expensas da paixão.
Quando foi, foi malcriado
Esperando teu perdão.
Navego por sete mares,
Oceanos sem penedos.
Minhas noites sem luares,
Meus pesadelos, segredos.
Na rosa que tu me deste,
Espinhos fincaram fundo.
Amor que tens não empreste
Meu coração viramundo
Sabe das horas sem rumo
Quem não sabe não deseja
Amor que não mede prumo
Nunca nega nem me beija.
Sempre vaga estrela morta,
Sempre rouba no final
Minha vida morre torta,
De tristezas, festival.
O canto do passarinho,
Na gaiola não se ouviu.
Buscando seu velho ninho,
Muitas saudades pariu.
Minha mão não tem as linhas
Nem da sorte nem da morte,
Migrando qual avezinhas
Procurando pelo norte.
Somos versos reversos,
Inversos e inversões
Não quero mais universos
Nem quero rebeliões
Quero o canto mais sensato
Da vida que não me leva.
O meu medo é do regato,
Alma triste já neva.
Sofreguidão traz demência
Não pode servir de alento.
É tudo coincidência
A mão da sorte no vento.
Um remendo sem sentido,
Um vaso que não se quebra
Um amor mal resolvido
Nunca nas danças requebra
Me empurrando do penhasco
Amor que não deve nada
Se no final me sobra asco
Amor de carta marcada.
Revezando meu barraco,
Sai Joana entra Maria
Na vida sei que sou fraco
Vivo errando pontaria
Meu descanso é trabalhando
No suor já fiz a cama.
Muito tempo procurando,
Esqueci como se chama.
O monte que não divide
A terra que não concebe
O medo que nunca tive
O resto não se recebe.
O dedo que não aponta,
A faca que nunca corta
Estrela que não tem ponta
Minha esperança é morta,
Vizinho não sei o nome
Mortalha que não me cabe.
Se vou comendo sem fome
Meu mundo que não se acabe
Se viver virou meu mote,
Se não posso mais cantar
Enchi de fel esse pote,
Encharquei água do mar
Fiz desejo minha luta
A força que nunca tive.
A mão se anuncia bruta
O pranto que não contive.
O resto levo na vida
Na vida que não me resta
Liberdade sei perdida,
Observando pela fresta.
Vivendo sem ter juízo,
Não tenho medo ou saída
Vou morrer no paraíso
Preparando a despedida
Não quero choro nem vela
Nem discursos de mentira
A fita que tenho amarela
Não restou sequer a tira.
No velório que se preza
Defunto que não se enfaixa
Não quero nem mesmo reza
Derrame muita cachaça.
Quero dança e rapapé
Quero riso da viúva
Depois de ter rastapé
Que me caia muita chuva.
Mordida de jararaca
E de formiga saúva.
A sobra deixo de inhaca.
Pra sogra mostro essa luva.
O parto que nunca parte
Pois o resto fica aqui.
Molambo por toda parte
Dessa terra onde nasci.
Um gosto de rapadura
Um cheiro de café fresco
A noite que seja escura
Já pintei o meu afresco.
“Aqui jaz quem não jazera
Se jazesse a medicina”
Minha casa foi tapera
Minha morte, minha sina.
Defunto não fala nada
Minha voz já não tem força
Vai chegando a madrugada,
Por mais que torça e retorça,
No final quase não sobra.
Vencida minha batalha,
Vestido couro de cobra,
Na ponta dessa navalha.
Eta corpo mais pesado,
Como pesa esse presunto.
Que pena não ser alado,
O danado do defunto...
Publicado em: 07/12/2006 06:25:56
Última alteração:24/10/2008 13:33:28



Estrelas que encontrei, enamoradas,
Por vezes se entranhando no meu quarto.
Vasculham cada canto, nas gavetas,
Se riem me mostrando o meu retrato.
Estrelas radiosas que se adoram,
Se adornam deste lume que demonstram.
Trazendo uma alegria sem igual,
Aos poucos do meu lado já se encostam.
Incrustam seus desejos, rasgam tudo.
Lençóis e travesseiros vão ao chão.
Nos gritos e nas manhas irradiam,
Espalham ecos loucos, gozos, som...
Estrelas são sedentas queimam tanto,
Nas brasas e nos jogos mais audazes.
Sorrio dos brinquedos de criança
Nos beijos que se trocam, luminosas...
Publicado em: 19/01/2007 21:03:34
Última alteração:28/10/2008 10:37:23



E enfim, o dia chegou...

Envolto em brumas, sim...
Mas o que eu posso fazer,
Se por mim,
Tudo teria sido eterno?

Meus olhos, acobertados,
Por espessa névoa...
Não te mostrarão por certo,
A fonte a transbordar...

A fluir, incessante...
Mas que importa?
São fatos corriqueiros, ante cena tão banal!

Adeus!

Qual a importância de chorar,
Se o momento transformou em cacos,
Todo o riso de cristal?

Resignada, aceito o fim...
Como se fora, imprescindível...

Tudo o que começa, tem um dia, o seu final...
É o jogo da vida!
Uns perdem, e outros ganham!
E os que ganham,
Assim, não o fariam,
Se não houvesse, quem perdesse!

Quites, comigo mesma...
Alegre, por ter sido escolhida,
Para o ato,
Que não me fez artista "estrela", mas que representei,
Como devia, Adeus!
Cerro as cortinas do fim da peça!

E como foi só,
Um ato encenado, meu amado...
Enfim, sós, posso, te dizer:
Te amo! Te amo! Te amo!

Na perfeição completa deste caso
Que faz com que se encene o sofrimento,
Fingindo que esta noite traga ocaso,
Com dores que sangramos num momento.

Amor em quem me miro e já me embaso
É base para todo o sentimento,
No colo da morena em que me abraso
Eu vejo, na alegria este tormento...

As lágrimas que rolam do meu rosto
Aos poucos empapuçam de tristeza
Causada pela dor deste desgosto...

Depois eu vou correndo pros teus braços,
E agradeço a Deus tanta beleza
Do amor que se refaz em fortes laços...

ANE MARIE
Marcos Loures


AMOR, SIMPLESMENTE AMOR


Não te chamo pelo nome.
Que; aliás, é bem comum.
Nomes são coisas factíveis
E inimagináveis...
Às vezes surpreendem
Quanta Linda conheci
Vida afora...

Prefiro te chamar: amor!

Isso sim, raro e belo.
Muitas vezes é apelido.

Mas quando é o verdadeiro nome
Traz a eternidade
Entre as sílabas e palavras...
Publicado em: 16/08/2007 10:17:23
Última alteração:23/10/2008 20:37:46



AMOR... //


Porque suspiro???...
Porque chove...
Gostava que estivesse sol...
Não ter o corpo tão coberto...
Estar descalça....
Despenteada....
Gozar o calor do dia...
Livremente......
Com o teu prazer...........


Poder sair correndo sob o sol
Criança retomando os pensamentos
Olhando para um belo girassol
Correndo desfraldando cata-ventos

Brincando livremente no quintal
Sem medos sem pecado e sem juízo
A roupa vai secando no varal
Tão perto do que penso paraíso...

Menina vai descalça, pés no chão,
O vento levantando a micro saia
Batendo bem mais forte o coração,

É pena que esta tarde um dia acabe,
Que estrela da esperança nunca caia,
Pois a vida, de bela já não cabe...

MARTA TEIXEIRA
Marcos Loures
Publicado em: 01/08/2007 15:19:31
Última alteração:05/11/2008 17:35:52



Amor o verão se aproxima
Reflete no sorriso da menina
Olha para os raios de sol
Verão se anuncia na cor do arrebol
Amor, como as andorinhas a voar
Procurando calmaria e sossego
Assim meu coração anseia te encontrar
Em teus braços meu refúgio e aconchego

Calmaria que encontro nos teus braços,
Trazendo para a vida, tanta paz;
Adaga penetrante em frios aços,
Desesperança, às vezes dura; faz
Dos olhos de quem sonha, cegos, baços,
Porém ao te encontrar eu sou capaz
De ter neste aconchego um manso dia,
Que se traduz enfim, em calmaria...

GIANA GUTERRES
MVML
Publicado em: 31/10/2007 19:07:09
Última alteração:02/11/2008 20:21:55





Às vezes me pego pensando no amanhã
Que talvez venha ou não
Mas, com certeza não será do jeito que quero
Ou mesmo necessito.
Dá vontade de cobrar as dívidas do tempo.

São muitas, além das inevitáveis rugas
E decepções.

Opções que não tive e, quando as tive,
Escolhi errado.
Como sempre!

Sou assumidamente gauche.

A falta de amigos e de esperanças,
Deixada na porta, meio de banda,
Carregada nas costas.

Tudo bem que uma vitória do meu time
No final de semana ajuda a encarar
O dia a dia.

Amei demais.
Além da cota e aquém da conta.

Velho mentiroso é fogo!

Mas tenho minha Maria, Maria e Joana que ninguém é de ferro!

Uma, sem saber, salva a outra
E ambas me salvam do suicídio inevitável.
Publicado em: 02/06/2007 20:47:43
Última alteração:23/10/2008 20:35:19




Amor é faca de dois gumes,
Em criança quis gomas de mascar,
Adulto; o revólver mascou
E as balas continuam
Doces ou férreas
Ferrenhas...
Publicado em: 16/01/2010 10:34:16
Última alteração:14/03/2010 21:08:18




Esfuziante, cala nossa voz.
Um sentimento que nos contagia
Ond'alma fica plena de alegria
Trazendo a esperança e paz após...

É bom ter um apoio uma foz
Pois no momento de melancolia
Naquela escuridão gelada fria
Tendo uma ajuda a desatar os nós...

Em tiras se transforma em seda pura
Tão belo traz um circo em seus horrores
Açoita com gentil, rara ternura,

Realça tanto espinho quanto cores,
Se manso, muitas vezes nos tortura.
Profano em si carrega mil andores.

GONÇALVES REIS
MVML
Publicado em: 20/08/2007 21:05:04
Última alteração:05/11/2008 14:52:48



Nas mãos deste pastor vai padecendo
Ovelha que em total obediência
Não vê neste disfarce tão horrendo
A cara mais cruel da penitência,
Daquele que em tostões se vai vendendo
Levando junto a nossa consciência.
De quem amou demais em agonia
Agora já virou mercadoria...
Publicado em: 22/11/2007 15:50:44
Última alteração:23/10/2008 17:35:09



Neste
profundo desespero
desta noite
infinita,
lá onde
as estrelas
se encontram,
nesta claridade
tão estranha
do luar ausente,
um grito
acorda as ondas,
exaltando as almas
que no breu
se refugiam ...

IVANA

Durante muito tempo
Imaginei
Que a sorte se fizera
Mais distante.
Agora que recebo
A claridade intensa
Emanada de teus olhos,
Ébrio de lua
E de estrelas
Encontro
Meteoros...
Publicado em: 09/03/2008 20:00:35
Última alteração:22/10/2008 15:34:26

Essa flor aqui do cerrado
Seu jardineiro tem esperado,
´Que pena dessa flor
Que aos poucos tem se fechado.

Será que mãos bonitas
Um dia hão de tocá-la?
Pois flor lá do cerrado
Espera desconsolada.

Veio o sol e aqueceu,
A chuva não resolveu,
Murchou a podre flor,
Pode ajudá-la seu doutor?

O outono tem chegado
Mas primavera... ela tem esperado.
Não tarde seu jardineiro,
Saudades da flor do cerrado.


A seca que aconteceu
Logo, cedo vai passar,
A chuva se prometeu
Lá do céu vai despencar

Trazendo muita alegria
E beleza pra essa flor,
Que se abrindo um belo dia,
Por falta d’água murchou.

Mas o tempo de estiagem,
Vai passar, vem invernada,
Chovendo em toda paragem,
Bela flor revigorada.

Primavera vai chegando,
Depois dela vem estio,
Eu bem sei que vai passando,
Bem depressa o tempo frio.

Jardineiro não se esquece
Da flor que um dia plantou,
Todo dia reza prece,
Pra essa flor que ele cuidou.

Mas a gente mesmo sabe
Que tudo na vida tem vez,
Toda a alegria se cabe,
Onde a tristeza se fez.

A vida se recupera
Em cada nova esperança,
Todo amor que se tempera
Nas forças desta aliança

Não pode temer mais nada,
Nem o frio nem a dor,
Depois desta madrugada,
O belo sol acordou.

Trazendo no vento breve
O perfume desta flor,
Deixando minha alma leve,
Este cheiro encantador!

Aracelly Loures
Marcos Loures
Publicado em: 23/03/2007 22:26:29
Última alteração:06/11/2008 10:19:20




Amor que nos consola embale a terra.
Qual chuva benfazeja, a tudo inunde...
Ternura, qual incenso à tudo infunda,
Uma indescritível sensação de paz...

E versos de amor vamos fazer...
Sementes de alegria, replantar...
Fazer da terra nua, renascer,
A vida, que bem maior, não há!

Que surja o pão do riso, muito mais...
Que o amor, seja as manchetes dos jornais!
Que reinicie a terra, triste e em guerra,
Se torne o novo Éden... Adão e Eva...

Quem dera se pudéssemos voltar
Histórias do passado no presente.
Assim um mundo inteiro a recriar
Moldando em nova sorte o que se sente.

Talvez por ter amor a se fartar
A Terra em si seria diferente.
No céu que já rebrilha sobre o mar
Apenas da verdade um contingente.

Quem dera, meu amor, se a primavera
Tomasse novamente toda a Terra
Assim já bem distante de uma guerra

Iríamos viver novíssima era
Aonde feito amor, o paraíso
Seria sempre aberto e sem juízo...

ANA MARIA GAZZANEO
Marcos Loures
Publicado em: 18/07/2007 22:38:31
Última alteração:05/11/2008 19:10:19

Amor, Tanto Amor

Amor tanto que não tive
Amor tanto
Que nem nas luas sonhara
Com este tamanho encanto.

Nas minhas noites vazias
Amor tanto
Vivendo deste meu mar
Nas ondas vai o meu canto...

No tempo que se sonhara
Amor tanto
O meu tempo de viver
Sem dor, sem quimera ou pranto.

De tanto amor que te tenho
Amor tanto.
Deitado neste teu colo
De tanto amor, de amor tanto...
Publicado em: 02/01/2007 00:14:56
Última alteração:28/10/2008 10:35:54


AMOR, TÃO SOMENTE...


Laços aços ritos e resquícios
Vícios e ócios misturas
Falo do quase
Que foi tudo
Somente.
Resta o talvez,
Mas isso não conta...
Vértices
Vórtices
Vales
E rios.
Montes
Cordilheiras
Fontes
Vazio...
Menina sob a saia
Escondes o paraíso!
Publicado em: 08/12/2007 14:07:45
Última alteração:23/10/2008 17:37:11







Amor, vem cá

Na cauda desse cometa
Carona para outro espaço
Nas ondas desse meu rádio
Procurando antes que tarde
Antes do dia raiar
Bêbado do meu luar
E se nada mais desperta
Vivendo de estar alerta
Nas horas mais serenas
Sabendo que tantas penas
Apenou meu coração.
Procuro por meu cadinho
Nos bares e serenatas
Vagando pelas cidades
Nas luas cores e pratas
No fundo dessas saudades
Duma mulher que foi minha
Hoje caminha sozinha
Nas estrelas e no mar.
Cometa que me prometa
Carona. Te procurar
No rabo deste cometa
Tanto espaço a procurar.
Senão não vivo mais sorte
Não tenho sequer notícia
Mas a noite está propícia
Nas ondas deste meu céu
Procurar jamais é tarde
Amor que possa raiar
Nos braços deste luar
Que devagar, me desperta,
Deixando meu peito alerta
Sem temer horas serenas
Passarinho troca penas
E foge do coração.
Amor vem cá um cadinho
E mata essa solidão.
Segura firme o timão
Que o cometa não espera.
Amor que tanto se esmera
É fera.
E se tempera
Nas asas desta paixão...
Publicado em: 02/01/2007 14:14:45
Última alteração:28/10/2008 10:36:05



Servido da saudade tal encanto
Que nada mais servira nem quisera
O mundo transbordando na pantera
Se mostra qual meu verso, em desencanto.
O vaso que quebrei custava tanto
Que nada mais teria assim quem dera
A vida sempre em duro e negro pranto.
A chama que me queima num quebranto
Avisa que esta sorte morde, fera.

Mentiste mas não posso concordar
Que nada que propões é mais sincero.
Amor que naufragando no luar
Esfera que descendo me descerra.
Amor tão verdadeiro, mas tão fero,
Invade, dominando toda a terra.
Por isso, minha amada me permita
Que a vida do teu lado, se repita.
Publicado em: 10/12/2006 17:34:47
Última alteração:24/10/2008 13:54:31


Cheguei à conclusão de que sou uma
pessoa de sorte, pois o destino me
brindou com a dádiva de encontrar
você em meu caminho.
Enquanto muitas pessoas elevam
preces pedindo riqueza e prosperidade,
o meu pedido é que você nunca se
afaste de mim, pois sua companhia
é meu bem maior e mais valiosa do que
qualquer outro bem que possa existir.
É bom ter você ao lado, mesmo que seja
apenas através dessa tela, pois sua
presença traz-me alegria e confiança.
Assim, com esse seu jeitinho doce,
meigo, confiante, sinto-me
mais forte para encarar a vida.
Agradeço a Deus, todos os dias, pela
oportunidade que Ele me ofereceu de
encontrar alguém assim como você
pois tornei-me mais feliz.

Amor, com que ternura te recebo,
Na mansidão sincera deste amor
Um mar tão mavioso assim percebo
No verde da esperança, sua cor.
Quem dera estar contigo, ser teu Phebo,
Vivermos num castelo encantador...

Se ao menos eu montasse num corcel
Voando qual um Pégaso ligeiro,
Tomasse num segundo o belo céu
Que torna teu amor tão verdadeiro,
Assim eu beberia farto mel
Que guardas no teu peito, amor primeiro.

Meus olhos te tocando mansamente,
O mundo sorriria de repente...

Escritora RP
Marcos Loures
Publicado em: 03/05/2007 22:35:14
Última alteração:06/11/2008 08:12:10



Continuei então na esperança
Voltei para o sofá e fiquei lendo
Outra batida então será que atendo?
E o vento, então lá fora com pujança

Parei de ler; fiquei só escrevendo
Lembrando do perfume e da dança
Daquela noite toda de bonança
Ao perceber de novo alguém batendo...

Depois de ter penado a noite inteira,
traído pelo vento; Outra ilusão:
É ela que está batendo. Agora é fato.

A noite terminando alvissareira,
portando no final, rara emoção...
Abrindo, eu me arranhei...Um simples gato!

GONÇALVES REIS
MVML
Publicado em: 31/08/2007 19:49:38
Última alteração:05/11/2008 12:39:31


AMOR,AMOR...

Pela vida que passei, plantando flores
Que são, de Deus, as grandes maravilhas!
Dos corações fui retirando as dores
E desarmei, da estrada, as armadilhas...

Trouxe alegria aos olhos sofredores
E, ao caminheiro, enumerei as trilhas:
Pintei os muros, das mais vivas cores
E coqueiros plantei, em muitas ilhas!

Ingratidões sofri mas não lamento
Pois é do humano ser a provação
E, do Bem recebido, o esquecimento...

Mas, se a tristeza, acaso, o peito invade,
Olho o jardim e vê, meu coração,
Que na vida também plantei saudade...

MARCOS COUTINHO LOURES
Publicado em: 01/11/2007 17:11:59
Última alteração:23/10/2008 18:54:25


Não deixe que a vida te afaste...
Eu tantas vezes imaginei tua presença.
Era um sonho, nada mais que isso...
Muitas vezes acordava e sentia
O teu respiro calmo e macio,
Amor!!!
Como é bom poder gritar: AMOR!
Mas temo, e cada vez mais,
Que se perca essa palavra
Ou pelo menos, não retornes...
Durante tanto tempo adormecido,
Sinto que nada mais impedirá de gritar
Teu nome, com toda a liberdade...

Nas horas mais difíceis
Mísseis soltos pela vida
Ávida de paz e guerra
Terras revoltas luta
Bruta desesperança
Lanças apontadas
Estradas fechadas
Rumos perdidos,
Sentidos à tona.
Átona existência...
Nestas horas mais tristes
Quando esperança
Passa a ser somente um quadro
Na parede, amarelado e sem brilho.
Vejo teu sorriso, meu filho adorado.
E percebo que a vida faz sentido.
E descubro o quanto o amor é capaz...












Deitar no teu colo
Beijar-te de leve.
Da dor que consolo
Amor vive breve

Eu não te direi
Do tempo que passa
Se amar fosse lei
Depressa esfumaça

Mas mesmo ligeiro
Amor é remédio
Amor verdadeiro
Aos poucos o tédio...

E nada segura
Amor que se acaba
Nem sombra ternura
Não cai, só desaba!
Publicado em: 17/02/2007 21:14:13
Última alteração:26/10/2008 20:26:36



Ironia desta vida...
Ou uma história atrevida?

Fico a pensar...
A questionar, até...
Mas sem resposta!

Almas a bailar...
Na vastidão do mundo...
A se tocar,
Em um segundo...

E mesma grandeza que une,
A distanciar sem remédio...

O amor é maçã?
Ou melancia?
Seja o que for...
Gosto das duas!

Enquanto eu puder sentir
Minha alma unida à tua...
Vastidão do mundo...
Não me amedronta!

Com a tua amada presença,
Em minha vida...
Cessei a procura...
Do amor, essa fruta!

Maçã ou melancia?
Nada mais importa...
Gosto das duas!
Estou com você!
E fecho essa porta!

No pomar dos desejos, bela fruta
Amada que se faz doce e tão terna.
Colheita que se pega e se desfruta;
Tristeza, com certeza, muda hiberna.

Na boca o vivo mel, cana caiana,
Nos seios, belas formas da romã.
Do jambo, a pele, a tez que já se ufana
As formas delicadas da maçã.

Assim como um sanhaço mata a fome
Em meio a tais delícias, não se cansa,
A vida o tempo inteiro se consome
Neste banquete imenso, nossa dança.

Contigo, meu amor, fruta gostosa;
Colheita se mostrando maviosa...

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 07/05/2007 17:31:35
Última alteração:06/11/2008 08:06:15



Amor.
Amor.
Tu me perguntas por que mudei tanto, mas nada posso te dizer.
Quando a noite cai, cobrindo com seu manto, as cores esmaecidas do entardecer de minha vida, mais se agita meu coração dividido.

É verdade que, em ti, encontrei a mulher dos meus sonhos, aquela que, livremente, escolhi para ser a mãe dos meus filhos, fonte de carinho, afeto e ternura, inundando meus dias de luz e calor.

Quis o destino, porém, que uma outra mulher cruzasse os nossos caminhos, despertando, dentro de mim, sentimentos adormecidos de paixão e de desejo, nunca antes experimentados!

Jogou ela, por terra, todos os meus conceitos a respeito do amor, que julgava único e eterno.

Agora, quando me perguntas o que está acontecendo, confesso que não sei como dizer-te a verdade.

E eu me pergunto?
Como fazê-lo sem romper com tudo aquilo que construímos, juntos, durante nossa vida em comum?

Perdoe-me, amor.

Mas prefiro ocultar-te toda a verdade, insistindo em dizer-te que não vejo causa para esta tristeza que tomou conta dos meus dias.

Como te dizer que, ao tocar teu corpo, vem-me , na lembrança, o rosto de outra mulher, embriagando-me de desejo?

Não mereces sofrer a desilusão de me ver assim dividido, amando-te como sempre mas desejando ter, ao meu lado, aquela que tardiamente, surgiu em minha vida, enchendo de sonhos e desejos um velho e tolo coração apaixonado...

Marcos Coutinho Loures
Publicado em: 20/09/2008 21:36:03
Última alteração:02/10/2008 20:26:58



Amor que é soberano sentimento
Não deixa de vibrar nenhum momento;
Tomando minha vida por inteiro,
Num gesto mais altivo e verdadeiro.
Calando toda a dor de uma saudade
Que às vezes incomoda tolamente.

Amor já me remete a uma esperança
De um dia mais feliz em meu futuro.
Na mocidade canta em louvor pleno,
Às vezes se treslouca se maduro.
Eu tantas vezes fui seu aliado,
Em outras tantas tive dissabores,

Porém cultivo sempre uma ilusão
De ter amor completo e sem mentiras.
Que seja assim repleto de emoção
E faça da alegria o seu bordão.
Publicado em: 21/09/2007 22:30:09
Última alteração:23/10/2008 18:24:55


AMOR..

Bares
E barcas
Braças
E beijos
Bancas
Ancas
Morenas
Cenas
Venenos
Plenos
Amenos
Ao menos
Gozos.

Abarco
Os lábios
Sábios dedos
Segredos
Buscam
Assim,
Afim
Enfim
De mim
Explodem
Gametas...
Publicado em: 03/10/2007 17:16:04
Última alteração:23/10/2008 20:44:48



AMOR..
Lama vento
Lamento...
Mote e serra,
Mortalha. Batalha
Falha e estupidez.
Versos são conversas
Converso e converto,
Cabarés
Bares
Cabem
Fés...
Firo e não atiro,
Martirizo...
Preciso
Siso
Isso que quero.
Amores que não firo
Prefiro a lama.
Lama e vento.
Lama vento
Lamento...
Mote e s...
Publicado em: 26/04/2008 12:41:35
Última alteração:21/10/2008 13:33:30


passarinho,te ofereço o meu ninho.
te dou água e alimento,
e mesmo não satisfeito,
prometo te cuidar,
pra todo o sempre te dar,
meu mais nobre sentimento:
te amar.Não fique tão triste assim,
saiba que este amar não tem fim.

TUES

Voa, voa passarinho
Procurando o seu descanso
Encontrando logo o ninho,
Na delícia de um remanso,
Vai deitando de mansinho,
Nos teus braços eu me lanço,
Se me cobres de carinho
Meu amor eu te afianço...

Publicado em: 14/05/2008 20:34:22
Última alteração:21/10/2008 14:43:06





Bares
E barcas
Braças
E beijos
Bancas
Ancas
Morenas
Cenas
Venenos
Plenos
Amenos
Ao menos
Gozos.

Abarco
Os lábios
Sábios dedos
Segredos
Buscam
Assim,
Afim
Enfim
De mim
Explodem
Gametas...
Publicado em: 29/09/2008 22:15:52
Última alteração:02/10/2008 14:50:27



Eu pus minha saudade
Num barco de papel...
As correntezas fortes desta vida
Levaram para sempre, fui ao léu...

No barquinho buscando
Um porto onde parar,
Encontrei tantas pedras no caminho
Até vi meu barquinho naufragar...

Tempestades, passei,
Diversas corredeiras...
Vinha vida foi lenta e tão sofrida
Minhas lágrimas foram as bandeiras...

Mas encontrei meu cais
Nos braços da mulher
Que esta noite me trouxe, tão bela,
Pressinto que você; amor, me quer...
Publicado em: 21/01/2007 17:21:41
Última alteração:28/10/2008 10:41:23



Meu coração nos guizos da alegria
Se esbalda em tanto amor que te queria,
E mostras com sorriso toda a festa

que gesta um coração apaixonado,
num êxtase tão puro e delicado,
Entrando sutilmente pela fresta

Aberta por Cupido no meu peito.
Assim eu passo a vida, satisfeito,
Por ter o teu amor aqui comigo.

Não temo mais o frio desta noite
Nem sei de uma tristeza, vil açoite
Que corta e nos infesta e traz perigo...

Amor reinando sempre em nosso caso,
Impede que ressurja num ocaso
A dor que fora minha companheira.

Cupido com seu arco em boa mira
Me vendo tão sozinho cedo atira
A seta mais veloz e tão certeira...

Entraste pela fenda, de mansinho,
Com beijos tão gostosos, com carinho
Aos poucos me entornaste amor demais...

E vejo como é bom tal sentimento,
Não quero te deixar um só momento,
Não deixe de me amar,amor, jamais...

Publicado em: 01/03/2007 06:49:58
Última alteração:23/10/2008 20:11:00



O pão, o mel, abelhas querem flores
Carinham mansamente com as patas,
Abrindo suas pétalas sem medo,
No regozijo intenso, ficam gratas

E soltam seus perfumes pelos ares,
Clamando um colibri mais desejoso.
E a rosa, se esquecendo dos pudores,
Sentindo o beija flor, explode em gozo...

Publicado em: 10/03/2007 11:19:24
Última alteração:23/10/2008 20:11:52


Amor...
Único bem,
Que eu busquei na vida...
E que em ti encontrei...

Talvez nas lutas que a vida encerre
Eu possa me perder...
Mas já não ligo...
Amei você e destemida, prossigo...
Na guerra inglória...
E se por amor, eu não puder viver,
Por ele morrerei, mesmo prazer...

Nasci para amar...
Mas se guerra a vida exige...
Que eu tombe sim,
Mas por amor ao amor,
Vivi a vida!


Amor que é nossa luta e nosso tema,
Nos glorifica em luz e nos redime,
Por isso minha amada nunca tema
Além de toda dor, amor estime.

Façamos deste amor qual piracema
Lutando contra o rio, guerra e crime,
Vibrando mais felizes, nosso lema,
Fortalecendo sempre nosso time.

Venceremos as cismas e batalhas,
E tantas maldições quanto vier.
Os cortes tão profundos as navalhas

Não têm sequer poder de nos conter
Um homem, um amor, uma mulher,
E a vida companheira pra viver...

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 16/04/2007 18:49:14
Última alteração:06/11/2008 09:29:35



Cupido é um garoto astucioso
Traquinas – é menino prazenteiro.
Pois sorrindo ele fica só no gozo
Numa esquina espiando sorrateiro.

Um dia me acertou e desde então,
(flechada mais certeira nunca vi),
Tomou-me por inteiro o coração,
E logo eu entreguei-o para ti.

Também comigo fez a peraltice
E agora o que fazer de minha vida?
Assim como a cigana me predisse

Estou apaixonado de verdade.
Flechado, não encontro mais saída...
Vem logo meu amor, por piedade!

HLuna
Marcos Loures
Publicado em: 27/04/2007 17:22:32
Última alteração:06/11/2008 08:36:30


Rodando em verso e valsa
Avança a noite bela
Princesa que descalça
Belezas me revela.
A pedra do amor falsa,
Vagando por estrela
O rosto não realça
Da moça que envilece
E tece nova farsa
No riso que apodrece
A lágrima oferece
Como recompensa.
A moça arrebatada,
Jogada sem disfarce
Em medos retratada
Não tendo uma outra face
Se mostra enfim desnuda
Qual pássaro na muda.
E vejo, por segundos
Os olhos da princesa
Tão vis e tão imundos,
Partidos sobre a mesa
Por todos os talheres.
Repartidos corcéis
Passeiam nos bordéis
Bordando seu vestido
De estrelas; revestido,
E de lástimas, pintado...
Publicado em: 06/06/2007 19:56:00
Última alteração:23/10/2008 20:35:33


AMOR...

Amor eu te imploro
Porque eu te adoro
Fique, não se vá...

Na noite tão linda
Eu quero ainda
Poder te beijar...

Te amar sem ter medo
Sem pressa desejo
Mais e mais namorar...

À luz do luar
Que prateado
Encantado
Vem iluminar...

No olhar, qual magia
Toda a fantasia
Que em nós, faz morada...
E nos faz flutuar...


Amor traz a magia
Que nos enfeitiçou.
Nos braços da alegria,
Contigo eu sempre vou,
É tudo o que eu queria,
Por isso aqui estou.

Amor em reboliço
Tomando toda a casa,
No fogo em que me atiço
Decerto sei que a brasa
Aquece este fogão
Chamado coração...

ANA MARIA GAZZANEO
Marcos Loures
Publicado em: 13/07/2007 20:11:24
Última alteração:05/11/2008 20:06:55




Vestígios descuidados do que fomos
Em gomos, rumos, céus desperdiçados.
Calçadas e vermutes destroçados
Nos bares, breus e tocas, ruas ermas.
Nas termas, termos tíbias emoções
Clarões que não passaram de mentiras.
As tiras esquecidas pelos cantos.
Destroços percebidos nas varandas
Das casas esquecidas na memória,
Augúrios abortados com o tempo.
No vento que nos rouba alguma paz.
Litígios, vagos ritos, nem vestígios...
Publicado em: 20/09/2007 16:39:52
Última alteração:23/10/2008 20:41:45



Pureza
Moça
Troças
Risos
Sonhos
Transparências...
Frescor
Amor
Pudor
Poder,
Fazer
Quem sabe?
Sonhar...

Ardentes
Noites
Vagando
À toa
Abajur
Contraluz,
Aridez...

Pélagos
Lagos
Plácidos
Rumos.
Queria
A tempestade
Mas nada
De chegar.
A moça
Príncipe
Princípio
E fim...
Ateus
Meus olhos
Breus
Abrolhos.
Faca
E gumes.
Lumes
Não tenho.
Venho
Do nada
Da alçada
Da dor.
Do dom
Da raiva
Contida
Neste oco
Coração...
Publicado em: 01/10/2007 10:27:57
Última alteração:23/10/2008 18:28:59



Amor em louca entrega, no furor
Dos corpos imantados que se tocam,
Vestido de desejo e sem pudor,
Prazeres sem limites desembocam
Explodindo em orgástico torpor.
Os gozos misturados que se entocam
Nas grutas e nas locas, pedem bis.
Deixando o corpo amante então feliz...
Publicado em: 20/10/2007 08:41:21
Última alteração:23/10/2008 18:51:16


Quem teve um grande amor em seu passado
Merece ser feliz por certo; um dia.
Um céu que se fez iluminado
Recebe novamente a fantasia,
Bastando se deixar incorporado
Na maciez da doce poesia.
Se recompõe a vida num instante
Rendendo à força imensa e tão brilhante.
Publicado em: 06/12/2007 22:12:11
Última alteração:23/10/2008 17:36:36


Caos
Caso
Aceso
O lampião
Lamparinas
Faróis
Girando
Sóis
Somas
Comas
Camas
E chamas
Campanas e
Campanhas
Champanhas
E guerrilhas.
Armas
Ilhas
Armadilhas
Açodas
Cordas
Pescoços
Além...

Amor
Armar
Aromas
Amoras
Armas
Amas
Más
Ás
Publicado em: 07/04/2008 17:56:52
Última alteração:21/10/2008 20:01:26




Amor que cadencia
Credencia
À paz feita alegria
Que sacia
E torna mais incrível
Nosso dia,.
Mas quando amor acaba
Isso desaba,
Quem tem amor se gaba
Da doce fantasia
Que a vida já desfia
Em luz e poesia.
Publicado em: 15/05/2008 20:23:19
Última alteração:21/10/2008 12:46:35





Pranto rolando
Cachoeiras de dor.
Amor é selvagem,
Bobagens que falo
Apelos e cismas,
Pelos tocados
Tufos trocados,
Rendido aos teus braços.
Covardia
É não ver
O sol que emoldura
A pele morena
Da moça sacana,
Que cura e que morde.
Que pede e não nega.
Azulejo no céu
Desejo na cama
Entrego o pavio
E o resto é contigo...
Publicado em: 06/10/2007 10:57:09
Última alteração:23/10/2008 18:41:43




Mais este dia, eu te amo...
Mais um vez, eu te busco...
Alegria em lusco-fusco,
Não me impede, te adorar...

De novo começo o dia
A pensar só em você
E me nego a te esquecer,
Sois o amor da minha vida...

Tua presença querida
A embalar os meus sonhos
Mantém meu rosto risonho,
E a alegria de viver...

Mais este dia eu te amo
E ansiosa eu te espero
Sendo o homem que eu venero
Nos teus braços me abandono...

Mais este dia, eu te quero
Te amar, só me faz viver...
Felicidade é tempero
Quando eu estou com você!

Vertendo em cada verso
Um sonho esperançoso
De ter neste universo
Prazer, desejo e gozo.

Eu quero te dizer
Do quanto amor nos doma,
Amor que multiplica
Enquanto o tempo soma,

Receba o meu amor
Sem medo de sofrer
Vencendo o vencedor
Não há por que temer.

Amor, sendo sutil,
Não deixa sobrar nada,
É forte, mas gentil,
Alma desgovernada

Na busca do infinito
Encontra aqui abrigo,
Teu corpo tão bonito
É tudo o que persigo...

ANA MARIA GAZZANEO
Marcos Loures
Publicado em: 30/07/2007 11:28:08
Última alteração:05/11/2008 17:38:27



Troncos.
Velhos troncos
Arvoredos destruídos
Em nome do poder dado aos homens...

Troncos
Velhos troncos
Senzalas construídas
Em nome do poder dado aos brancos.

Troncos
Célula-tronco
A esperança sonegada
Em nome da vida que não virá
A morte nos olhos de quem
Diz amor?

Monopólio
Da verdade
Escondida
Entre os olhos rapineiros

De quem prega “amor”.
E vende o perdão.

Entroncamentos
Entre Deus e demônios
Que ardiam
Bruxos na fogueira
Matavam índios
Justificavam as injustiças

E agora
Tentam
Novamente
Pisar no freio
E trazer a escuridão.

Aves agourentas.
O repasto não será o mesmo.
Publicado em: 07/04/2008 17:42:02
Última alteração:21/10/2008 20:01:18


Tempero nosso amor.
Aço, fogo, brilho e faca.
Roupas
Bocas
Rotas
Restos...

Livros,
Fronhas
Gozos
Leves
Nós....

Versos
E reversos
Diversos
Movimentos
Lentos
Rápidos
Noites
E tocas.

Tocaias.
Saias
Blusas,
Confusas
Pernas
Coxas...

Lençóis
Rios
Rias
E vertentes
Tentes ver
Sentes
Dentes
E línguas.

Lua mínguas
Em suas fráguas
Águas
Algas
E gozos....
Publicado em: 11/05/2007 19:42:20
Última alteração:23/10/2008 20:29:13


Amores Confusos

Festas e feitiços
Feitores...
Eis nosso sangue
Transfuso...
Amores...
Confusos e fusos.
Fusões.
Publicado em: 07/12/2006 14:47:42
Última alteração:24/10/2008 13:33:34




Amores do Passado.

Quero falar das coisas mais serenas
Assim como essa lua e o belo sol
Lindos olhos da amada, meu farol,
Todas as emoções, as mais amenas.

Do canto passageiro, passarinho,
Do ninho que tivemos e perdi.
O mundo mais fantástico vivi,
Agora, sem ter hora, vou sozinho...

Mas nada me impediu de te guardar
A sete chaves, dentro do meu eu.
O meu amor jamais, nunca esqueceu
O brilho dos teus olhos sobre o mar...

Bem sei que estás, agora, noutro bem,
Mesmo assim, minha amada, não te esqueço.
O teu amor bem sei que não mereço,
E desde que tu foste, amor não vem...

Não quero te encontrar, isso não quero.
Guardando teu retrato, com saudade,
Eu sei que bem no fundo, o que venero,
Em ti, se refletindo: a mocidade!
Publicado em: 08/12/2006 21:01:42
Última alteração:28/10/2008 11:24:15



Meu amor se escondendo faz doer,
O que jamais senti por essa luz.
Amor só, sem amores, não seduz,
Nem mesmo me dá forças p’ra viver...

Num barco se navego, sou distante;
Na vida sem ciúmes tenho medo.
Quem sabe do meu parto, meu degredo,
É quem me permitiu ser inconstante...

Na mata tem palmeiras, tem Palmares,
No campo tenho flores impossíveis.
Amores são deveras insensíveis,
Procuro por amor, noutros lugares...

Setembro já me trouxe primavera;
As flores que brotaram nessa mata,
Misturam-se no belo da cascata.
Amores de verdade, quem me dera!

Tenho mudanças nessa minha vida;
Que não consigo máximo nem tédio,
A vida transbordou esse remédio,
Amor é uma cantiga despedida...

No beijo de Maria sei Dolores,
Nem quero pressentir tanta mudança;
Quem me dissera lúdica esperança,
Murchou num triste vaso sem ter flores...

Num momento de glória quis Jesus,
Que o perdão fosse enfim, uma verdade,
Por isso meu amor, por caridade.
Perdão te peço, em nome dessa Cruz...

De tantas valentias que menti,
Não peço nem pergunto por que queres,
Pois sabes, Tiradentes, foi alferes,
Esferas são as feras só por ti...
Publicado em: 05/12/2006 13:10:06
Última alteração:28/10/2008 11:25:50


AMORES MODERNOS
Tá na pista?!
Pega,
depois despreza.

Quem se preza,
corre na pista
aberta!

Quem não se preza,
fica na pista...
descoberta!

A pista se fecha
e a morte
é certa!

LUZIA MONIQUE

Amor é descartável
Feito pet,
A litragem varia
Algumas tanto
Outra vazia,
Mas a liquidez
Traduzindo
A insensatez
De um mundo lindo...

Ainda que volátil,
Ser prático
Pratique
E não fique
Na arquibancada
Vendo o jogo.
Centro avante perde o gol
E seria goleada
Se a perna fosse a tua,
Vê se atua na jogada...
Publicado em: 16/01/2010 11:17:02
Última alteração:14/03/2010 21:07:25


Amores que vivemos
E sei que neste fato
Também eu me retrato
No todo onde teremos
Certeza verdadeira
De um dia sem temor,
E tento neste amor
Além da vida inteira
Sentir noutro caminho
Farta continuidade
E sei que tanto agrade
A vida em teu carinho
Aninho-me decerto
Num rumo em paz, aberto.
Publicado em: 06/07/2010 19:11:19






Meu Amor
por ti
é verdadeiro ...
(ivi)


Amor; se verdadeiro traz a paz,
E faz da tempestade uma bonança,
Trazendo ao coração a temperança
Que a gente o tempo inteiro corre atrás.

De tudo nos fazendo mais capaz,
O céu sendo o limite, já o alcança,
Voltando em teu abraço a ser criança,
Embora toda noite, seja audaz...

Estar sempre contigo haja o que houver,
Tu és a perfeição feita mulher,
Escultural imagem de uma santa

Que tanto procurei e não sabia,
Julgara ser somente fantasia,
Porém tua magia doma e encanta...
Publicado em: 22/12/2009 11:19:16
Última alteração:16/03/2010 06:32:37


Amado, amor, meu cigano,
Nestas danças de amor louco,
Aos poucos perpetuamos,
História do amor vertente,
Qual u´a fina corrente,
De ouro a nos enlaçar...

Vou contigo, sou parceira,
Seja ao leito, à cabeceira,
Ou no mar, já desmaiado,
Deste rio encantado...

Rio de minas, de ouro...
Veio eterno e dourado...
Contigo partilho, amor...
De toda felicidade...
Deste canto, desta dança,
Com um amor de verdade...

Amar e lapidar a parceria,
Vertente destes rios da esperança.
Qual sol que se renova todo dia
O sentimento em paz, não pára, avança.
Perpetuamente somos companheiros
Tocados pelos ventos feiticeiros

Do amor que, sem medida, não se cansa,
Refeito nas partilhas, na magia
Dos beijos que trocamos, mesma dança
Na busca sem dar tréguas, alegria.
Servidos em banquetes, espetáculos,
Amores já previstos por oráculos...

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 06/06/2007 16:24:01
Última alteração:05/11/2008 21:32:09


Correm,
flores, amores ...
Socorrem lágrimas ...
(ivi)

Amor que sei flameja no teu peito,
Deveras me alucina e me domina,
Depois de tanto tempo insatisfeito,
A vida, novamente me ilumina.

Amar passou a ser um meu direito,
Ao ver tua beleza de menina
Que nina toda noite no meu peito,
E logo, num carinho desatina

Quem fora sempre só, calado e mudo,
Agora já percebe tal beleza.
Querida o mar é grande e não me iludo

Não foi feito p'rum barco sonhador.
Mas sei de tudo resta esta certeza
Duma alegria imensa em nosso amor...
Publicado em: 25/03/2008 20:13:23
Última alteração:21/10/2008 22:05:22




Toda dor que sei que tenho
E que carrego em minha alma,
Deste tempo aonde venho
Quase nada mais me acalma...

De amar tanto e amiúde
De sofrer por tanto amor,
Sem ter amor que me ajude
Cada mulher uma flor...

Nos canteiros que esta vida,
Me ensinou a cultivar
Cada flor era querida,
Em cada cor quis me achar...

Mas não reclamo da sorte
E me dou por satisfeito
Se amar foi o meu norte,
Eu vou morrer desse jeito.

Passando pelo jardim
Das esperanças perdidas,
Que existe dentro de mim,
E que me mostram feridas

Vi hoje uma árvore velha
toda coberta de flores
e me lembrei da minh’alma
carregadinha de dores.

A última trova é da Região de Patos Minas Gerais

Publicado em: 13/03/2007 11:56:40
Última alteração:23/10/2008 20:12:20



AMORES VIRTUAIS
Espero a sua volta
Aqui no meu pc,
Vontade de ficar
Juntinho com você
Porém o tempo urgindo
Não deixa namorar,
Trabalho vem surgindo
Também vou me mandar
Depois quando à noitinha,
De banho já tomado,
Você tão cheirosinha,
Perfume de pecado.
A porta ou a janela
É bom deixar aberta,
Que à noite qual novela
Não tem mais hora certa..
Publicado em: 08/04/2008 18:04:48
Última alteração:21/10/2008 18:13:41



Este desejo que sinto por ti, esta saudade ,
este querer...
São reais.
Passaram todos a fazer parte de minha vida...
A alegria de falar contigo...
A saudade que comecei sentir...
A dor da ausência...
Do desejo de ter-te ao meu lado...
Nas noites frias, queria teu calor...
Em um lindo dia de sol queria tua companhia...
Em meus sonhos tu estavas comigo...
Nos dias de solidão ficava a te esperar...
Imaginava-te ao meu lado
e este sentimento foi me tomando,
me invadindo,
fazendo-me ficar vulnerável diante de tuas caricias virtuais...
Teus beijos eu sentia todos!
Tuas mãos sempre a acariciar meu corpo...
Fechava meus olhos e te sentia me tocar suavemente...
Em meu quarto exalava um perfume,
que sabia ser o teu!
Eu sentia teu cheiro...
Em meus ouvidos tu sussurravas palavras de amor,
de desejo...
Eu conseguia ouvir...
Aquela telinha ficava pequena diante da emoção que
sentia com tua presença...
Sabia que estavas lá, em minha frente,
e eu via isso...
Através do coração te senti de verdade
E te amei...
Foi real.


Amor que nós fizemos, maravilhas...
Embora não tocasse, te senti
Nas ondas deste mar nós somos ilhas
Distantes, mas tão perto, estás aqui.
Eu sinto esta presença aqui do lado,
Na tela em que te vejo, no teclado...

Não temos mais motivos pra negar
Imensa intensidade em cada beijo
Que penso, no teu corpo emoldurar
Com sonhos e delírios, meu desejo.
Numa realidade virtual
Teu toque tão sutil e sensual...

ELIANA DUARTE
Marcos Loures
Publicado em: 29/05/2007 11:48:53
Última alteração:05/11/2008 21:50:52


Julgando os nossos sonhos imbecis
A canalhice mostra sua cara.
Comendo a tenra carne de um petiz
Tornando a nossa vida mais amara,
A vida se passando por um triz,
Felicidade é sempre coisa rara.
Escaras quando expostas apodrecem
Amores tão ingênuos que se tecem...
Publicado em: 19/11/2007 23:04:26
Última alteração:23/10/2008 17:13:31

Espelho
Velho
Confidente.
Tento
E não consigo
Venço
Os meus remorsos
Remoço-me?
Troças;
Traços imprecisos
Rugas e verrugas
Rusgas.
Musgos de minha alma.
Tramas e tramóias
Somas?
Prejuízos...
Juízo?
Joios colecionados.
Amores destruídos,
Troféus destroçados.
E sigo.
Insisto.
Misto de dor e galhardia.
Amei Maria
Amei Joana
Amei.
À meia
Almejo,
Mas o espelho
Gargalha
Sobre o gargalo
Do tempo
Afunilando
As ilusões...
Publicado em: 26/11/2008 22:32:17
Última alteração:06/03/2009 16:35:44




Fantasmas de amores...
Assombras meus sonhos.
Fantasmas de amores...
Nas noites me dramaste
Me fizeste me mataste
Me supriste e não me deste.
Fantasmas andam sem paragem...
Sem visagens, sem viagens.
Fantasmas são pajens
E pajés...
La luna que me deste
A pluma que não veio
A fome de legaste.
A festa que não tive
A fresta que fechaste.
As horas que negaste
As hastes que quebraste
Quero tua parte
Mas nada, partes...
Lã e tosquio.
Arrepio.
Frio.
Rio
Nos tais fantasmas me desfio!
Publicado em: 27/09/2007 19:30:31
Última alteração:23/10/2008 20:43:47



Amar noite afora
Entre ruas, becos e botecos.
Nuas luas buscam ecos
E soltam-se em feras
Sem juízo...
Nos seios intumescidos
Dentes e sorrisos...
Os corpos vão beirando
Rios e raios,
Rumos e somas.
Lamas e tremores.
Pernas abertas
Sonhos alertas
E o silêncio soturno.
Amor guarda noturno
Trocando o seu turno
Entorna ternuras...
Nas poças as moças
Se buscam e sonham.
Sementes se mentes
Aos pobres rapazes...
Nas fases que encetam
Amores poetam
E lambem
A fruta proibida...
Publicado em: 24/05/2007 21:36:09
Última alteração:23/10/2008 21:05:52





Pois vamos à guerra, amado
Bandeirantes e sem trégua
Novas terras conquistar,
Não com a força dos canhões,
Nem ogivas nucleares,
Mas plantando novos pomares
Onde os frutos, são de paz...
Vamos desfraldar bandeiras,
Nas terras, em que povo irmão
Sem reservas dêem as mãos,
Para o mundo, unificar...
Vamos cantar nossos hinos
Com orgulho do destino,
Que à vida, pudemos dar...
Se assim for, conte comigo...
Que raça eu tenho de sobra
E meu amor nada cobra,
Minha missão é de paz!

Amor amigo, irmão e camarada
Que é feito de união e é solidário
Num mundo tão cruel e solitário
Demonstra numa voz unificada

Que a sorte já faz tempo foi lançada,
Porém homem ignaro e temerário
Se preocupou demais com campanário
Deixando esta verdade abandonada.

Eu te amo, minha amada, minha amiga.
E sabes que caminho junto a ti.
O sonho que em meu peito já se abriga

É o mesmo que carregas, percebi
Que assim, chamando amor/fraternidade
Espelho a refletir amorizade...

ANA MARIA GAZZANEO
MVML
Publicado em: 19/08/2007 21:00:25
Última alteração:05/11/2008 14:55:55



À sombra de um carvalho
Amado, amigo, companheiro,
Quem dera pudéssemos eternizar o tempo,
para que o amor que nos toma,
se transformasse em fonte de águas cristalinas
para saciar a sede dos que carecem de um pouco de sonho...
Quem dera o nosso amor,
fosse belo espelho,
aonde as faces que o mirassem,
pudessem se ver refletidos,
num sorriso mavioso...
Quem dera a magia que nos envolve,
pudesse ser um aceno de paz,
ao mundo conturbado, em que vivemos...
Quem dera renovasse,
não só o nosso próprio encanto,
mas devolvesse à vida
de todos os que nos vissem juntos,
a irradiar tanta felicidade,
a alegria de cultivar com zelo,
um doce e nobre sentimento...
Que nenhum pobre ou faminto de amor,
morresse de inanição,
ao relento da afeição,
mesmo que da pura compaixão...
Porque o amor faz toda a diferença...
Sem amor, não pode existir a vida!
E a terra, portanto, ressequida,
não sofre o deserto de água que seca,
às loucuras do desmatamento,
mas porque os homens deixaram de amar,
seus semelhantes!
Quiçá com o amor que fomos agraciados,
novo milagre de vida e de amor,
repovoasse a Terra!
Te amo!
Agora, já sabes, o quanto!
Bons sonhos!
Que o meu amor, te alimente, sempre!

Àquele que nos fez, sublime Pai
Eu ofereço amor pleno e sincero.
A vida muitas vezes já nos trai
E mostra um sentimento amargo e fero.

Aos olhos de Oxalá ou de Adonai
Felicidade imensa, o que mais quero.
E a dor que nos maltrata já se esvai
Nos braços de quem amo e que venero...

Nós somos passageiros desta Terra,
Planeta abençoado e destruído.
O mundo sempre foi mal repartido

Porém amorizade já descerra
Cobrindo nossa casa de esperança
No choro tão bendito da criança...

ANNE MARIE
Marcos Loures
Publicado em: 05/07/2007 14:56:32
Última alteração:05/11/2008 20:21:49




Não chore meu amigo!
Que venho e faço a festa.
Te vendo a sorte empresta,
Qual fosse uma magia,
Aos versos, alegria...
E vem dançar comigo
Façamos boa farra!
Vem cá, louco me agarra...
Arrombe o coração!
Me dê um beijo e então,
Começo a algazarra!

A festa feita em gozo
Em noite sem igual
Lambendo a tua boca
Começa o festival
Carinhos e desejos
Arromba esta porteira
Vontades são erguidas
Nos mastros e bandeiras
Se fazem sem engano
Um panamericano.

Tem que soltar a vara
Se bem quiser saltar,
Mas é preciso sempre
Bem firme segurar.
Depois façamos festa
Pulando na piscina
Que tudo que não presta
Amor já determina,
Revezamento feito
Em quase zil mil metros,
Saltando satisfeito
No solo ou no cavalo
Bebendo no gargalo
O tempo assim não passa
Passeio pela praça
Não cai nossa peteca
Vem cá minha moleca
Que a noite é tão sapeca
E a gente nunca peca.
Teu corpo é minha Meca,
Se molha depois seca
É fogo na boneca
Em pleno milharal...

ANA MARIA GAZZANEO - desta vez eu acertei!!!
Marcos Loures
Publicado em: 25/07/2007 16:21:10
Última alteração:05/11/2008 18:19:46






Amoroso céu
Entre nuvens fartas
Quando tu te partas
Prosseguindo ao léu
Gira em carrossel,
Sobre a mesa, cartas,
Passado descartas
Feito em fúria e fel,
Nado contra a fonte
E tendo o horizonte
Sob o olhar imenso,
No passado ainda
Lembrança me brinda
Com terror intenso.
Publicado em: 23/05/2010 14:58:12



Amor mortalha amortiza
Amortece amor tece
E me esquece...
Publicado em: 26/11/2006 15:14:11
Última alteração:28/10/2008 11:39:33


Amo-te...
nas delícias do dia...
Amo-te...
no calor da noite...
Deslizas na minha pele..
Pintas-me na brisa...
Beijas-me no sabor
da tua paixão...
Suspiramos juntos...
Amamo-nos.........
Sem medir tempo...


O tempo não se mede quando estamos
Juntos e fazemos deste sonho
Aonde não existem servos, amos,
Com gosto de querer sempre risonho.

Desde que assim, bem forte nos amamos
Matamos o que tínhamos tristonho
E na verdade tudo o que sonhamos
De novo, meu amor, a ti proponho.

A brisa nos tocando devagar,
O vento da promessa que já traz
Vontade de poder ao te encontrar

Tocar-te com meu lábio mais audaz
E como esfomeado devorar
Além do que imagino ser capaz...

MARTA TEIXEIRA
Marcos Valério Mannarino Loures


AMO-TE ALÉM DE UM CALMO AMOR PRESTANTE
E MUITO MAIS, QUE DIZEM AS PALAVRAS
FRIAS VAZIAS, JAMAIS CONSOANTES
DO AMOR QUE TRAGO, RICA VARIEDADE...

AMO-TE MAIS QUE O PURO SENTIMENTO
ESTE QUE O TEMPO, TRANSFORMA EM SAUDADE
AMOR POR FIM, UM SOL, BEM NO MEU PEITO
SEI BRILHARÁ, POR TODA ETERNIDADE...


Que o amor seja perfeito em toda a nossa vida,
Dourando a cada dia um sol inesquecível.
A nossa sorte está deveras decidida
Nos passos desse amor a paz sendo possível
O sol que agora brilha expressa uma saída
À treva que se fez. Amor imperecível
Permite que se veja eternidade plena
Distante da tormenta, uma manhã amena...

ANA MARIA GAZZANEO
MVML
Publicado em: 12/11/2007 21:15:23
Última alteração:31/10/2008 15:04:40



Não quero falar de amores tontos,
Nem quero perceber quais foram os sonhos...
As madrugadas parecem mais risonhas,
Os meus dias são pétreos abandonos...
Queria navegar teu horizonte.
Da fonte dos desejos, uma moeda;
A mordaça cansaços e delírios.
As crisálidas que fomos não vingaram...
Quero o defeito de não ter solução,
Quero o direito de não ter mais meu fracasso.
Aço fraco, frascos, ascos e escusas...
As blusas abertas, o blues que tocas..
As tocas onde deixo meus degredos e segredos...
Meus medos, sutis medos, temerário...
Meu salário que recebo, um passo sem estrada...
Uma escada sem degraus. Um mar sem ter naus...
O caos absoluto...
Me enluto e não te esqueço. Tropeço, vou do avesso...
Me arremesso, não peço nem prossigo.
Se persigo não consigo consistência. A ciência
Da consciência esparsa, farsa...Belas taças
Jogadas num vago espaço...
Trago o aço da batalha, navalha, falhas e pecados...
Quero o acero da alma, a chama, acalma e tramas sem nexo...
Quero o frio gosto do rosto exposto sem rugas...
As rusgas as tropas e as trôpegas pegadas...
As pegas, os rogos, os lagos e barcos.
Arcos, areia, marcos, penteia a sereia os cabelos...
A morte não traíra nem traria uma traição.
Ação e coragem, aragem e sertão.
As serralhas e as fornalhas, acendidas.
As mãos descansadas, o peito aberto.
Meu medo completo, a nau, o sol...
Quero teu prazer e tua lei.
Quero poder ser teu rei
Quero o que não sei,
O seio, o veio,
O meio
Um mar
Distante mar,
Luz e luar, plenilúnio
Quero saber teu infortúnio.
Quero nada mais que minha sina.
Um frágil delírio, um vício, um principio.
Um banal gesto trazendo um desencontro louco,
As tarde sem Marina. Saudades fúteis e inúteis, fétidas...
Se ainda me quisesses não poderias dizer adeus...
Quem sabe os sonhos meus te trariam de novo.
O gosto amargo da saudade... Olhos tristes,
A vida resiste e não insiste, existe. Exige!
A face da esfinge se finge ágil e frágil.
As horas não passam, nem peço.
Meus passos, tropeço.
Me apresso
E não
Vou....
Publicado em: 20/09/2006 20:24:21
Última alteração:28/10/2008 11:51:36



Amo-te tanto, querida;
É sublime, amar-te assim,
Não concebo despedida,
Te quero sempre, pra mim.

A vida não negaria,
Pois, tanta felicidade,
Minha maior alegria,
Poder te ter, de verdade...

Minha amada, doce canto,
Em tua boca traduz,
Tanta luz e tanto encanto,
Tudo, em ti, já me seduz...

Quero um momento contigo,
Pra poder me confessar,
Não quero mais o perigo
De viver sem te adorar.

Meus segredos? Sabes todos...
As esperanças também,
Não me permito os engodos
De viver sem ter alguém.

Quero, portanto teu beijo,
Quero carícias sensíveis...
És, portanto, meu desejo.
Meus prazeres mais incríveis...

Contigo, não temo a morte,
Nem a espero, contudo
Não quero perder a sorte,
Te perdendo, perco tudo...

Minha pobre namorada,
Minha rica companheira,
Companhia nessa estrada,
Minha paixão derradeira...

Agradeço tanto brilho,
O que emites para mim,
Te persigo, lindo trilho,
Perfumado de jasmim...

Nos cabelos tão macios,
Nos teus olhos tão bonitos,
Eu me prendo nestes fios
Dos amores infinitos...
Publicado em: 18/04/2007 22:47:37
Última alteração:23/10/2008 20:26:59




Hoje choveu toda manhã
A tarde ficou nublada
Minha tristeza foi ainda maior
pois não pude sair de casa
senti tua falta como nunca havia sentido
Foi como se meu coração faltasse um pedaço
Ou mesmo se encontrasse estraçalhado
Agora que te sinto pelo menos posso sorrir
amanhã quem sabe o dia será menos triste
Amo-te.

Eu não te quero triste,
Por isso, o teu sorriso
É tudo o que preciso
Abrindo o paraíso...

Vencendo as nuvens negras
Desta manhã chuvosa
A tarde com certeza
Virá mais radiosa.

Aquecendo em teus braços
O frio deste dia,
Vivendo em cada verso
Amor-telepatia.

Nas ondas da internet
Nas olas da esperança
Um gesto que me adoça
No espaço um grito lança

Amar não é pecado
Tampouco transgressão
Eu vivo por te amar,
Envolto em sedução.

Sabendo que distante,
Estás aqui tão perto.
As almas que se encontram
Alagando o deserto...

Gelis
Marcos Loures
Publicado em: 23/07/2007 18:25:10
Última alteração:05/11/2008 18:26:29

No comments:

Post a Comment